De janeiro a junho deste ano, foram registradas 878 ocorrências de colisões envolvendo automóveis e ciclistas no Paraná. O número é 16% menor que o registrado no primeiro semestre do ano passado, quando foram 1.042 ocorrências, segundo o Sistema Digital de Dados Operacionais da Polícia Militar do Paraná e Corpo de Bombeiros. Curitiba, 19/08/2016. Foto: Arquivo Detran
De janeiro a junho deste ano, foram registradas 878 ocorrências de colisões envolvendo automóveis e ciclistas no Paraná. O número é 16% menor que o registrado no primeiro semestre do ano passado, quando foram 1.042 ocorrências, segundo o Sistema Digital de Dados Operacionais da Polícia Militar do Paraná e Corpo de Bombeiros. Curitiba, 19/08/2016. Foto: Arquivo Detran
De janeiro a junho deste ano, foram registradas 878 ocorrências de colisões envolvendo automóveis e ciclistas no Paraná. O número é 16% menor que o registrado no primeiro semestre do ano passado, quando foram 1.042 ocorrências, segundo o Sistema Digital de Dados Operacionais da Polícia Militar do Paraná e Corpo de Bombeiros.
Curitiba, 19/08/2016.
Foto: Arquivo Detran

De janeiro a junho deste ano, foram registradas 878 ocorrências de colisões envolvendo automóveis e ciclistas no Paraná. O número é 16% menor que o registrado no mesmo período do ano passado, quando foram 1.042 ocorrências, segundo o Sistema Digital de Dados Operacionais da Polícia Militar do Paraná e Corpo de Bombeiros.

Apesar da queda no número de ocorrências de acidente, a quantidade de mortes dobrou: foram 11 vítimas fatais em 2016 e cinco no mesmo período de 2015. Por isso, o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) aproveita essa sexta-feira (19), Dia Nacional do Ciclista, para trazer orientações de segurança.

“É necessário criarmos um espírito de convivência segura no trânsito. A regra é: o maior sempre protege o menor. Neste caso, o cuidado do motorista em relação ao ciclista deve ser redobrado e ambos devem ficar atentos e respeitar as leis do Código de Trânsito Brasileiro”, orienta o diretor geral do órgão, Marcos Traad.

O Dia Nacional do Ciclista surgiu como homenagem ao ciclista e biólogo Pedro Davison, que morreu em 19 de agosto de 2006, após ser atropelado por um automóvel no Eixo Rodoviário Sul, em Brasília, quando tinha 25 anos. O motorista que o atropelou estava na direção em alta velocidade e embriagado.

ATENÇÃO – O ciclista Rafael Francisco Kampf, de 31 anos, conta que sofreu uma colisão de bicicleta em uma via de mão dupla rápida, quando atravessava a pista, e depois disso mudou o comportamento ao pedalar. “O choque foi lateral, fui lançado há dois metros do carro e bati a cabeça. Tive um desmaio na hora, mas as sequelas não foram grandes como imaginei que seriam. Agora fico mais atento, minha atenção dobrou e passei a buscar por mais segurança”, revela.

Talita Antunes, de 26 anos, que pedala de duas a três vezes na semana, garante que está sempre cautelosa e cobra mais atenção dos motoristas. “O trânsito é complicado, a gente nem sempre é respeitado como ciclista e passa por alguns sustos”, diz ela. “Certa vez eu estava subindo uma rua no Centro de Curitiba e de repente vi que a porta do carro que estava parado a minha frente, ia abrir. A minha sorte é que eu estava numa velocidade razoável e consegui desviar a tempo, mas o motorista deveria prestar mais atenção sempre”, reforça.

 

COMPORTAMENTOS ESSENCIAIS PARA EVITAR ACIDENTES:

EQUIPAMENTOS OBRIGATÓRIOS – A segurança do ciclista começa antes dele sair de casa, ao verificar os equipamentos obrigatórios: campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor do lado esquerdo. O uso do capacete, embora não seja obrigatório pelo CTB, é recomendado.

 

VISIBILIDADE – Usar roupas claras com adesivos refletivos aumenta a chance do ciclista ser visto por outros condutores. Durante a circulação nas vias, certifique-se de que o motorista visualizou e entendeu a sinalização antes de realizar uma manobra.

 

DIREÇÃO DEFENSIVA – O condutor atento é sempre capaz de evitar o perigo, apesar dos erros cometidos por outros condutores, pedestres e passageiros, que não conhecem ou não cumprem as leis, a direção defensiva é uma grande aliada de quem se preocupa com a vida.

 

SENTIDO DE CIRCULAÇÃO – Os ciclistas devem circular sempre pela ciclovia. Quando ela não existir, pedalar no sentido do trânsito, nunca na contra mão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.