Associação Comunitária de Segurança de Cambé tem de devolver R$ 114 mil
Postado por: Equipe Portal Cambé Em 2nd agosto 2015

00279898O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) julgou irregular o convênio realizado entre o Município de Cambé (Região Norte) e a Associação Comunitária de Segurança local em 2012, na administração do ex-prefeito João Dalmácio Pavinato (gestão 2009-2012). Em função da desaprovação, a associação e seu presidente à época, Silvio Pasquetto, deverão restituir ao cofre municipal R$ 114.163,45, devidamente corrigidos, de forma solidária. Além disso, Pavinato foi multado em R$ 2.901,06.

Além da determinação de devolução e da aplicação da multa prevista no Artigo 87, Inciso V, da Lei Complementar nº 113/2005 (Lei Orgânica do Tribunal), os conselheiros determinaram a inclusão dos nomes do ex-prefeito e do ex-presidente da associação no cadastro dos responsáveis com contas irregulares.

As contas foram julgadas em processo de tomada de contas extraordinária instaurado pelo TCE-PR em razão de irregularidades constatadas no Relatório de Inspeção nº 6/12. Ele tratou dos R$ 1.531.000,00 repassados pela prefeitura à associação para a execução de atividades de guarda escolar municipal.

Constatou-se, na instrução do processo, que houve a utilização indevida do convênio com a finalidade de terceirizar atividade típica do poder público. Assim, ficou caracterizada a violação ao Artigo 37, Inciso II, da Constituição Federal, pela contratação de pessoal sem concurso público. Também foram desrespeitados os Artigos 18 e 19 da Lei Complementar nº 101/2.000 (Lei de Responsabilidade Fiscal). Isso porque o gasto com a contratação do pessoal terceirizado não foi considerado no índice de despesas de pessoal do município.

Outras irregularidades foram pagamentos irregulares de despesas com serviços contábeis e de dívidas trabalhistas. Também houve impropriedades apontadas pelo sistema de controle interno do município na execução do convênio em exercícios anteriores.

O atual prefeito alegou que foram contratados servidores concursados para exercer a atividade de guarda escolar, regularizando a situação, e que foram adotadas as medidas cabíveis para sanar os problemas apontados pelo controle interno. Inclusive, o gestor afirma que o município está buscando reaver recursos desviados pelo secretário da associação à época.

A Diretoria de Análise de Transferências (DAT) opinou pela procedência da tomada de contas extraordinária e pela aplicação de sanções aos responsáveis. O Ministério Público de Contas (MPC), em seu parecer, manifestou-se em concordância com a unidade técnica.

O relator do processo, conselheiro Nestor Baptista, acatou as manifestações da Diretoria de Contas Municipais (DCM) e do MPC, destacando que foram inobservados os devidos ditames legais. Ele frisou que o ex-prefeito, mesmo à frente do Executivo desde 2009, continuou a ordenar a celebração das parcerias nos anos seguintes.

Os conselheiros aprovaram o voto de Baptista na sessão da Segunda Câmara de 8 de julho. O Tribunal também determinou a remessa dos autos à DCM, para a verificação sobre eventuais distorções no índice de gastos com pessoal.

Os prazos para recursos passaram a contar a partir da publicação do acórdão nº 3012/15, na edição nº 1.160 doDiário Eletrônico do TCE-PR, veiculada no dia 14 de julho.

Autor: Diretoria de Comunicação Social
Fonte: TCE/PR

Compartilhe nossa Matéria