Cambé cede funcionários para Londrina com anuência da maioria dos vereadores

5503

O Município de Cambé cedeu para o CISMEPAR dois funcionários, o primeiro o Médico Gilberto Martin e o ex-vereador e candidato a prefeito Junior Felix.
A polêmica girou em torno dos servidores estarem indo para outro município, e parte das despesas ainda ficarem por conta do município.
Segundo informações obtidos as despesas como encargos trabalhistas, férias e décimo terceiro salário ainda seriam pagos pela prefeitura de Cambé, outra situação levantada fica em caso de afastamento do funcionário por doença, todas as responsabilidades ainda seriam da prefeitura de Cambé, ou seja os recursos saem do bolso do contribuinte cambeense.

Veja como foi a discussão e votação na Câmara de Cambé

Os valores pagos pela remuneração de servidores cedidos somente devem integrar o cálculo do índice de despesas com pessoal do órgão ou ente que recebeu a cessão, responsável pelo pagamento. O vínculo estatutário ou trabalhista desses servidores com o cedente, que continua responsável pelas obrigações trabalhistas, fiscais e acessórias, permanece inalterado, segundo informações do TCE-PR.



Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.


3 thoughts on “Cambé cede funcionários para Londrina com anuência da maioria dos vereadores

  1. Anderson Lopes

    Desculpe, mas pelo que entendi do projeto, os servidores estão indo para o Cismepar e não para a Prefeitura de Londrina como quer fazer crer a manchete. Ora, se o CISMEPAR é um consórcio do qual faz parte o Município de Cambé, nada mais justo do que o Município de Cambé também faça parte do custeio. Afinal, alguém tem que fazer o consórcio funcionar, e isso é responsabilidade dos seus entes.

    Reply
  2. Guilherme Henrique

    Não bastando falir o município com sua caneta nervosa e seus parceiros junto da staff Pavinato agora vai falir o consórcio intermunicipal no intento de comprar votos para as próximas eleições locais, e pensar que a irmã de uma tal pessoa tentou comprar meu voto para vereador em 2.012 com uma bandeira de frios na extinta APMI para além de uma conversinha sobre o mesmo estudar administração e não satisfeitos em perderem no teclado em 2.016 a própria esposa me veio com um papo de que seu pai era proprietário de uma empresa determinada quando a discussão se tratava tão somente de irregularidades cometidas durante o pleito para continuarem a mau gerir os recursos do município. 😂

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *