As prefeituras de Cambé e Ibiporã estão estudando a possibilidade de assumir parte da prestação do Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (SAMU) nos municípios. Atualmente as duas prefeituras têm convênio com a Central Regional de Londrina que atende os três municípios.

De acordo com a secretária Municipal de Saúde de Cambé, Alessandra Garcia Gonzales Vaz, na semana passada foi enviado um documento à Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) para que seja criado o ”Samu Regional”.

”Esta ação garante que os próprios municípios vão poder contratar os profissionais dentro do Samu. Isso deve garantir uma melhor administração dos serviços”, afirmou. A preocupação das prefeituras surgiu após o término do contrato com o Instituto Atlântico – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) acusada de pagamento de propina para agentes públicos de Londrina.

A secretária salientou que a proposta prevê que apenas alguns funcionários é que devem ser ”municipalizados”. ”Os médicos devem continuar sendo regulados por Londrina, mesmo assim, isso já ajudaria a previnir situações como a que enfrentamos a pouco tempo”, relata. Os problemas aos quais a secretária se refere são o da decretação do estado de emergência pela Prefeitura de Londrina há um mês.

A secretária de Cambé assegurou que com a aprovação do projeto pela Sesa novas ambulâncias e um novo repasse de verbas devem acontecer para os municípios, porém sem revelar valores. ”Existe essa possibilidade”, revelou.

A secretária Municipal de Saúde de Ibiporã, Leilane Furlaneto Rodrigues, afirmou que hoje a situação está sob controle. ”Londrina conseguiu se adequar. Já estamos com os serviços normalizados. Porém temos que pensar no futuro. Nós, em conjunto com Cambé, vamos marcar uma reunião com a empresa HU Tec para discutirmos possíveis formas de contratação”, afirmou. Leilane assegurou que, no entanto, o momento é de espera e análises. ”Ainda não temos certeza se esse será o próximo passo. É tudo uma questão de prevenção”, concluiu.

Em nota a Secretaria Estadual de Saúde afirmou que já recebeu o pedido encaminhado pelas prefeituras e que tem a intenção de habilitar o funcionamento dos trabalhos. A Sesa informou também, que o próximo passo é o encaminhamento dos documentos ”o mais rápido possível” ao Ministério da Sáude.

(Com informações da Folha de Londrina)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.