Cerca de 100 toneladas de entorpecentes foi tirada de circulação apenas em 2015 pelas polícias Civil e Militar do Paraná. As informações constam no relatório da Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape), da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária, divulgado nesta quarta-feira (25). Curitiba, 25/05/2016. Foto: Divulgação

Cambé, onde a polícia registrou a maior apreensão de cocaína em 2015.

Cerca de 100 toneladas de entorpecentes foi tirada de circulação apenas em 2015 pelas polícias Civil e Militar do Paraná. As informações constam no relatório da Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape), da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária, divulgado nesta quarta-feira (25).  Curitiba, 25/05/2016. Foto: Divulgação
Cerca de 100 toneladas de entorpecentes foi tirada de circulação apenas em 2015 pelas polícias Civil e Militar do Paraná. As informações constam no relatório da Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape), da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária, divulgado nesta quarta-feira (25).
Curitiba, 25/05/2016.
Foto: Divulgação

Cerca de 100 toneladas de entorpecentes foi tirada de circulação apenas em 2015 pelas polícias Civil e Militar do Paraná. As informações constam no relatório da Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape), da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária, divulgado nesta quarta-feira (25).

Os dados incluem as informações das 399 cidades paranaenses em relação às drogas mais comuns. No topo da lista está a maconha, com 95 toneladas – 8,99% a mais do que o registrado em 2014 (87 toneladas). Em relação à cocaína, a polícia recolheu 1,5 tonelada, ou 5,82% a mais do que o ano anterior.

“O combate ao tráfico de drogas é uma das prioridades da nossa gestão”, disse o secretário da Segurança Pública, Wagner Mesquita. “Pela localização geográfica do Paraná, com uma longa faixa fronteiriça, as polícias Civil e Militar estão atentas e têm conseguido interceptar grandes carregamentos de drogas cujo destino são os grandes centros urbanos do país”, avaliou o secretário. “Investimos muito no trabalho de inteligência das nossas polícias para impedir a ação dos traficantes. O relatório comprova que estamos no caminho certo”, completou.

Ele ressalta que as ações sistemática de combate às drogas e prisão de traficantes integram o Paraná Seguro, o maior progama da área da segurança pública da história do Paraná. O programa envolve, além disso, reforço no efetivo das polícias civil e militar, novas viaturas, investimentos em inteligência e novas construção de novas unidades da Segurança Pública no Estado.

Cerca de 100 toneladas de entorpecentes foi tirada de circulação apenas em 2015 pelas polícias Civil e Militar do Paraná. As informações constam no relatório da Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape), da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária, divulgado nesta quarta-feira (25).  Curitiba, 25/05/2016. Foto: Divulgação
Cerca de 100 toneladas de entorpecentes foi tirada de circulação apenas em 2015 pelas polícias Civil e Militar do Paraná. As informações constam no relatório da Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape), da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária, divulgado nesta quarta-feira (25).
Curitiba, 25/05/2016.
Foto: Divulgação

GRANDES AÇÕES – Para o comandante-geral da PM, coronel Maurício Tortato, a atuação da corporação em todos os 399 municípios – com ação destacada na região de fronteira, por meio dos batalhões de área e do Batalhão de Fronteira, além da atuação da Polícia Rodoviária Estadual – possibilita grandes ações. “São ações verdadeiras de repressão e combate ao crime de tráfico de drogas, razão pela qual a corporação se soma nos números, considerados alvissareiros, de apreensão de drogas em todo o estado do Paraná. Esta atuação competente se soma à política desenvolvida pela Secretaria da Segurança na certeza de que combatendo o tráfico de drogas estamos reprimindo, por consequência, outros tipos delituoso

DESDOBRADO – Além de maconha e cocaína, também houve aumento em relação ao crack. As polícias apreenderam 1,8 tonelada — o que representa acréscimo de 17,07% ao que foi apreendido em 2014 (1,5 tonelada). Entre as drogas sintéticas, cresceu o número de pontos LSD fora do “mercado”: de 5.099 para 6.981. Os números não computam as ocorrências registradas pela Polícia Rodoviária Federal.

“As polícias têm se desdobrado para trabalhar em cima de grandes traficante e principais entradas de drogas nas cidades do Paraná”, afirmou o delegado-titular da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), Riad Braga Farhat. “Foi uma determinação do secretário Wagner Mesquita que se empenhasse ao máximo nesse sentido. Combatendo o tráfico, indiretamente se atinge toda uma cadeia de crimes associados, como homicídio, furto e roubo. Esse esforço das secretarias e dos policiais se reflete nos números”, enfatizou Farhat.

O delegado explicou que a polícia tem foco importante na região da fronteira, pois o Paraná, assim como o Mato Grosso do Sul, são as rotas que abastassem os mercados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste. “Cada grama aprendido é resultado do trabalho de investigação dos departamentos de inteligência no Estado”, reforçou o titular da Denarc.

TRAJETO – por fazerem parte do trajeto dos traficantes, segundo Farhat, é que algumas cidades despontam com grandes apreensões, como o caso de Cambé, onde a polícia registrou a maior apreensão de cocaína em 2015. Após uma denúncia anônima, a equipe do Núcleo de Londrina da Denarc, em ação conjunta com a Delegacia da cidade, apreendeu cerca de 250 quilos de pasta base da droga. O entorpecente foi encontrado em um milharal, onde também estavam seis pistolas e dez caixas de munição. Estima-se que a cocaína poderia render até R$ 5 milhões ao narcotráfico.

Cerca de 100 toneladas de entorpecentes foi tirada de circulação apenas em 2015 pelas polícias Civil e Militar do Paraná. As informações constam no relatório da Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape), da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária, divulgado nesta quarta-feira (25).  Curitiba, 25/05/2016. Foto: Divulgação
Cerca de 100 toneladas de entorpecentes foi tirada de circulação apenas em 2015 pelas polícias Civil e Militar do Paraná. As informações constam no relatório da Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape), da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária, divulgado nesta quarta-feira (25).
Curitiba, 25/05/2016.
Foto: Divulgação

MAIOR APREENSÃO – Da região de Foz do Iguaçu partiu o maior carregamento de ecstasy apreendido de uma só vez no Paraná em 2015. Os policiais militares do Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron) fizeram a abordagem em um ônibus, em Toledo, e encontraram 7.018 comprimidos. O entorpecente seria levado para Curitiba.

Ao todo, 36.112 comprimidos foram apreendidos em 2015. Ainda assim, o ecstasy foi o único entorpecente computado no relatório a registrar redução em relação ao ano anterior. O motivo foi a apreensão recorde na história do Paraná e uma das maiores do Brasil ocorrida em 2014. Em 27 de maio daquele ano, após dois meses de investigação, 80 mil comprimidos foram encontrados em Curitiba e duas pessoas foram presas suspeitas de esquema de tráfico internacional de drogas. Graças a essa ação específica, o montante total chegou a 104.409 em 2014.

A íntegra do relatório de drogas da Secretaria da Segurança Pública pode ser conferida AQUI

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.