Pessoas acompanharam apreensivas as buscas feitas pelos bombeiros ontem
Pessoas acompanharam apreensivas as buscas feitas pelos bombeiros ontem
Pessoas acompanharam apreensivas as buscas feitas pelos bombeiros ontem

Equipes do Corpo de Bombeiros de Londrina tentavam até o início da noite de ontem localizar o empresário Augusto Henrique Barbosa de Almeida, de 39 anos, desaparecido desde a tarde de quinta-feira na Represa Capivara, em Alvorada do Sul. O empresário de Cambé aproveitava o feriado prolongado com a família quando seguiu para um passeio de barco com a mãe e a esposa por volta das 16 horas. Minutos depois, o barco de pesca virou e os três caíram na represa.

Uma moradora de Londrina que pescava com a família próximo ao local do acidente se aproximou com um outro barco para resgatar o empresário. “O tempo estava bom, mas ventava muito. Não achamos o rapaz. As moças gritavam que não sabiam nadar. Depois do resgate, a mãe dele se jogou na areia e gritou desesperada pelo filho”, contou. A moradora preferiu não se identificar.

O acidente mobilizou turistas que estavam às margens da represa. O morador de Cambé Dirceu Junior Souza partiu com outro barco em direção ao local do acidente. “O pai do rapaz correu para nos pedir ajuda. Ele gritava: ‘Perdi meu filho!’. A gente foi até lá com o pai dele, mas não achou nada”, lamentou.

Almeida, a esposa e a mãe dele não usavam coletes salva-vidas. “O rapaz também não tinha levado a chave de segurança para parar o motor. Mesmo virado, o barco ficou ligado rodando em círculos até os bombeiros chegarem. A gente não conseguia chegar perto”, explicou Souza. O barco de alumínio mede seis metros de comprimento.

A prainha de Alvorada do Sul, como é conhecida pelos turistas, estava pouco movimentada na tarde desta sexta-feira. As pessoas acompanhavam apreensivas a movimentação do Corpo de Bombeiros. As buscas já duravam mais de 24 horas. De acordo com o sargento Marcos Alves, a operação estava concentrada no local aproximado onde ocorreu o acidente. “Há muitos galhos para fora do rio. Estamos verificando esses locais para ver se ele não ficou enroscado. A falta de referência do local exato prejudica as buscas, mas o corpo deve ter se deslocado pouco. Não há muita correnteza por aqui”, destacou.

Alves afirmou ainda que, com o tempo quente e abafado, o corpo deve subir à superfície da represa até este domingo. A extensão da prainha, segundo ele, não favorece a realização de buscas por mergulho. Nesta sexta-feira, os trabalhos foram realizados das 8 às 19 horas. As buscas devem ser retomadas na manhã de hoje. O bote de resgate foi deixado em uma chácara no local. “Não há muitas ocorrências de afogamento por aqui, mas é preciso cautela para evitar acidentes como esse”, reforçou o sargento.

Cada vez que os bombeiros retornavam às margens da represa, a família se aproximava em busca de notícias. “Quando ele afundou, eu já estava com a esperança perdida. Em um lugar daquele, quando afunda e não volta em seguida… Tem lugar aqui com 10, até 15 metros de profundidade. Não sabemos exatamente onde ele caiu”, lamentou o pai do empresário, José Gomes de Almeida.

O aposentado estava inconformado com o acidente. “Tinha quatro coletes dentro do barco. Eles não usaram nenhum. Eu uso sempre”, disse com os olhos marejados.

Fonte: http://tribunadeamoreira.blogspot.com.br/2015/01/empresario-segue-desaparecido-em.html

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.