Manchete dos Jornais desta segunda-feira, 20 de julho de 2015
Postado por: Equipe Portal Cambé Em 20th julho 2015

Revisão do Plano Diretor prevê bairros mais autônomos
Mais amplo que a versão em vigor, o novo Plano Diretor de Curitiba, em tramitação na Câmara Municipal, sugere uma mudança de peso na estrutura urbana da capital paranaense. De maneira geral, o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) moldou uma proposta na qual imagina uma cidade mais vertical e densa, ao longo de novos eixos estruturantes – onde a ocupação deve ocorrer de forma semelhante à Avenida Sete de Setembro –, e novos eixos de adensamento, onde também haverá incentivos para novas habitações e empreendimentos, mas em menor grau.


 O Estado de S. Paulo

Manchete: PMDB atua no Congresso para liderar CPI do BNDES
Partido reivindica presidência ou relatoria de comissão criada após Cunha romper com o governo
Partido do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, o PMDB vai reivindicar o comando da recém-criada Comissão Parlamentar de Inquérito que investigará empréstimos concedidos pelo BNDES desde a gestão de Luiz Inácio Lula da Silva. A comissão foi criada sexta-feira, horas após Cunha romper com o governo Dilma Rousseff. O PMDB tem interesse na presidência ou relatoria da CPI. Um dos cargos ficaria com o partido e o outro, com a oposição. No mesmo dia em que a CPI foi criada, o PSDB indicou dois nomes. O bloco dos tucanos pode apresentar mais quatro titulares. Já o bloco liderado pelo PMDB, que inclui mais 13 partidos, como PP, DEM e PTB, tem direito a 11 vagas. Apenas oito vagas serão destinadas ao grupo encabeçado pelo PT e outras duas ficarão com PDT e PSL. Além da CPI do BNDES, Cunha autorizou a criação da CPI dos fundos de pensão, outra área delicada para o governo. (Pág. Política A6)

Jarbas critica Cunha
Um dos principais nomes do PMDB nacional, o deputado Jarbas Vasconcelos defendeu o afastamento de Eduardo Cunha do comando da Câmara até que seja esclarecido o suposto recebimento de propina. (Pág. Política A6)

Resistência a Janot no Senado faz MPF cogitar plano B
Favorito no Ministério Público Federal para ser indicado a mais 2 anos de mandato pela presidente Dilma Rousseff, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, corre risco de ser barrado em votação secreta do Senado. O clima hostil cresceu com a Operação Politeia, que fez buscas e apreensões em imóveis de três senadores na terça-feira. Procuradores já cogitam traçar um plano B para evitar prejuízos à Operação Lava Jato. (Pág. A4)

Brasileiros viram “reis da pechincha” (Pág. Economia B5)

José Roberto de Toledo: O ataque dos zumbis
Nos votos dos conselheiros do Ministério Público pode estar o nome do procurador-geral que vai definir o destino dos zumbis da política. (Pág. Política A6)

Notas & Informações: A receita despenca
Equipe econômica tenta fazer o reparo enquanto o avião perde altitude rapidamente. (Pág. A3)

Falta estrutura para cursos de Medicina
Levantamento do Estado mostra que pelo menos 9 cidades que receberam aval do governo para novos cursos de Medicina têm número de leitos públicos inferior ao exigido pelo edital ou não oferecem programa de residência. (Pág. Metrópole A11)

Ásia é aposta da GE Celma
A multinacional GE oferece na subsidiária Celma seu menor prazo para revisão de turbinas de avião. A empresa aposta na Ásia para cumprir meta de aumentar em 50% a receita até 2020. (Págs. Economia B1 e B3)


Gazeta do Povo

Manchete: Revisão do Plano Diretor prevê bairros mais autônomos
Mais amplo que a versão em vigor, o novo Plano Diretor de Curitiba, em tramitação na Câmara Municipal, sugere uma mudança de peso na estrutura urbana da capital paranaense. De maneira geral, o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) moldou uma proposta na qual imagina uma cidade mais vertical e densa, ao longo de novos eixos estruturantes – onde a ocupação deve ocorrer de forma semelhante à Avenida Sete de Setembro –, e novos eixos de adensamento, onde também haverá incentivos para novas habitações e empreendimentos, mas em menor grau.
INVESTIGAÇÃO
Movimentação de US$ 14 mi em contas secretas é o ponto de partida contra Cunha
RELAÇÕES
Telegrama insinua lobby de Lula para Odebrecht em Portugal
ESTRATÉGIA
Para recuperar apoio, Dilma concentra agenda no Nordeste
LEGISLATIVO
Câmaras do PR iniciam discussão para ampliar o número de vereadores em 2017
LEGISLATIVO
Alep convive com comissões “vazias” neste 1.º semestre
HUMOR
Perfis fakes antecipam eleições em São Paulo
BALANÇO
Escândalos entram na rotina do Congresso
PORTOS
Revisão na poligonal enfrenta resistência no Litoral
INVESTIMENTOS
Veja os portos privados que pretendem se instalar no litoral do PR
DATA-BASE
Crise altera negociações salariais
O agravamento da crise econômica, com a inflação beirando os dois dígitos e desemprego crescente, mudou o discurso das categorias que têm data-base no segundo semestre deste ano, como metalúrgicos, petroleiros e bancários. A reivindicação de reajustes reais (acima da inflação), prioridade dos últimos dez anos, poderá ser trocada pela manutenção do emprego no caso de impasse nas negociações. Sindicalistas também já declaram que a ampliação de cláusulas sociais, que regulam benefícios como vale-refeição e períodos maiores para licença maternidade, pode virar moeda para fechar novos acordos.
‘O movimento sindical terá que ter um cuidado maior com a manutenção do emprego”, afirma o diretor-técnico do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz Lúcio.
Para Lúcio, o momento de ajuste econômico fará com que as negociações ao longo do segundo semestre mudem de estratégia. “Este ano será igual a 2003, quando as negociações foram afetadas pela economia ruim”, aponta.

ZONA DO EURO
Bancos gregos reabrem após três semanas
PECUÁRIA
China e Rússia podem ajudar frigoríficos
SETOR ELÉTRICO
Tarifaço triplica calote na conta de luz

Falsos médicos atestaram 60 óbitos na região de Sorocaba
Quatro pessoas não aptas a exercer a medicina já foram identificadas. A maioria das certidões foi emitida nos últimos meses em hospitais e unidades de pronto atendimento.


Zero Hora

Manchete: Piratini fecha pacote de elevação do ICMS
Mais radical do que as de governos anteriores, proposta eleva alíquota básica de 17% para 18% e atinge setores como energia e combustíveis. (Págs. Rosane de Oliveira, 18)

Gasto com pessoal está no limite
Estado ficará a um passo do percentual máximo da lei fiscal até o fim de 2015. (Págs. 6 e 7)

Chuva e desalento
Alvorada é uma das cidades atingidas pelo mau tempo que, até ontem, mantinha 1,6 mil fora de casa. (Pág. 16)


O Globo

Manchete: Exclusivo – A quem representam?: Dirigentes sindicais se eternizam no poder
Cerca de 8.500 comandam categorias há mais de 10 anos.
Somente no ano passado, entidades arrecadaram R$ 3,18 bi com Contribuição Sindical. Há denúncias até de assassinatos.
Sindicatos que deveriam olhar por suas categorias se tornaram feudos de dirigentes que cumprem mandatos de até 12 anos e são usados para fins particulares. Dados oficiais mostram que, em 2014, havia 8.518 sindicalistas com mais de dez anos de mandato. Alguns estão no poder há 25. Eles administram orçamentos inflados pela Contribuição Sindical, que, ano passado, arrecadou R$ 3,18 bilhões. Sobram denúncias de desvio de verbas, falta de transparência e até assassinatos, conta série que O GLOBO começa a publicar hoje. (Págs. 3 e 4)

PF indicia o presidente da Andrade Gutierrez
Otávio Marques de Azevedo e mais oito respondem por fraude e lavagem de dinheiro.
O presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo, e mais oito investigados na 14a fase da Operação Lava-Jato foram indiciados pela Polícia Federal por quatro crimes: corrupção, formação de cartel, fraude em licitações e lavagem de dinheiro. O presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, que assim como Azevedo está preso na carceragem da PF de Curitiba, também foi alvo desta fase da operação e poderá ser indiciado, mas até ontem à noite esta decisão não havia sido divulgada. O Ministério Público terá cinco dias para decidir se apresenta denúncia e a envia à Justiça Federal. (Pág. 6)

Indústria automobilística conta com proteção acima da média
Estudo do Instituto de Economia da UFRJ revela disparidades nos impostos de importação no Brasil. A indústria automobilística é a de maior proteção: 127%, contra a média de 26% nos demais setores industriais. O cálculo considera as tarifas de importação dos bens e de seus insumos. Marta Castilho, autora do trabalho, defende correção de distorções. (Pág. 15)

Importação de gás elevará conta de luz
O Brasil terá de aumentar importação de Gás Natural Liquefeito de Petróleo (GNL) para fazer frente à redução da produção pela Petrobras. A medida terá impacto na tarifa de energia, já que o gás em estado líquido é usado em termelétricas. (Pág. 15)

Não à catástrofe climática
Economista da USP critica o alarmismo no discurso ambientalista e defende nova abordagem para sensibilizar a população. (Pág. 19)


Folha de S. Paulo

Manchete: Sabesp, em crise, decide vender bens e cobrar dívidas
Após perdas com a escassez hídrica, empresa tenta arrecadar a curto prazo.
O prejuízo financeiro causado pela crise hídrica em São Paulo vai obrigar a Sabesp, empresa de água e saneamento do Estado, a adotar medidas para arrecadar dinheiro a curto prazo.
A empresa do governo Alckmin (PSDB) colocará terrenos e imóveis à venda, oferecerá condições atraentes para que devedores públicos e privados renegociem débitos e forçará prefeituras a quitar dívidas, colocando-as em cadastro de insolventes.
“Como estamos enfrentando a crise financeira circunstancial? Vendendo as joias da avó”, disse o engenheiro Jerson Kelman, presidente da estatal desde janeiro, em entrevista à Folha.
Kelman afirma que, apesar do aperto, a Sabesp é uma empresa “sadia” e que o problema econômico será solucionado assim que a crise hídrica passar, o que não tem prazo para acontecer.
Com a escassez, a companhia vende menos água ao consumidor e, ao mesmo tempo, precisa investir em obras emergenciais para evitar corte do fornecimento de água na Grande São Paulo.
No último balanço, o lucro da empresa caiu de R$ 1,9 bilhão, em 2013, para R$ 903 milhões, no ano passado.
Kelman não diz quanto estima arrecadar com as medidas nem qual será o tamanho da anistia na renegociação das dívidas. (Pág. Cotidiano B5)

Por “oxigênio”, aliados querem de Dilma troca na Casa Civil
A ruptura do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com o governo aumentou a pressão de aliados para que Dilma Rousseff mude o núcleo da articulação política. Lula e ala do PMDB defendem a saída de Aloizio Mercadante da Casa Civil. Uma opção é trocá-lo por Jaques Wagner (Defesa), o que “oxigenaria” a relação com o Congresso. (Pág. Poder A4)

Valdo Cruz
No recesso parlamentar, Cunha irá afiar suas garras. (Pág. Opinião A2)

Entrevista da 2ª: Miro Teixeira
Seria útil se Cunha renunciasse, diz decano da Câmara
Em seu 11° mandato, o deputado Miro Teixeira (Pros-RJ) diz que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, suspeito no petrolão, tem de sair do cargo. “Definida a responsabilidade penal, deve ser afastado. Mas seria útil se renunciasse.” Para ele, o rigor político deve ser superior ao rigor da lei. (Pág. A10)

Ex-chefe da Sete Brasil admite ter recebido propina
João Carlos Ferraz, ex-presidente da Sete Brasil, admitiu em carta à empresa ter recebido quase US$ 2 milhões em propina de estaleiros que trabalham para a companhia, que fornece sondas à Petrobras. Procurado, Ferraz não comentou. Estaleiros negam suborno. (Pág. Poder A5)

Consumidor poupa em itens básicos a fim de manter “luxos” (Pág. Folhainvest A13)

Editoriais
Leia “Sem ilusão”, sobre adoção de meta de superavit factível, e “Formação docente”, acerca de resolução que busca aprimorar ensino a professores. (Pág. Opinião A2)

Estados Unidos e Cuba reabrem embaixadas hoje
EUA e Cuba formalizam hoje (20) a normalização das relações bilaterais com a reabertura das embaixadas.
Em Cuba, a atividade da representação terá mudanças importantes, relata Samy Adghimi, enviado a Havana. Os funcionários americanos poderão se deslocar pelo país sem necessidade de permissão e a correspondência diplomática torna-se inviolável. (Pág. Mundo A8)

Israel fará cerca na divisa com a Jordânia para conter terrorismo (Pág. Mundo A9)


Edição: Equipe Fenatracoop, 20 de Julho de 2015, ás 09:16

Compartilhe nossa Matéria