SE A MODA DE MADURO PEGAR

Imaginem se desse a louca na presidente Dilma Rousseff e ela mandasse prender Fernando Henrique Cardoso e Aécio Neves por conspirarem contra o seu governo. Os dois teriam as residências invadidas pela Polícia Federal e seriam levados para a prisão, sob o olhar complacente do ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, e com apoio de ministros do Supremo Tribunal Federal, dóceis aos desejos de Dilma…

O Globo

Manchete : Novo centro de pesquisa teve propina de R$ 36 milhões

Segundo delator , dinheiro desviado da obra foi para funcionários e partido

Orçada em R$ 1 bilhão, duplicação do Cenpes, no Rio, custou R$ 2,5 bilhões

As obras de duplicação do Centro de Pesquisa da Petrobras (Cenpes), na Ilha do Fundão, no Rio, feitas para atender aos desafios tecnológicos do pré-sal, custaram 150% a mais do que o previsto, e as empreiteiras investigadas na Operação Lava-Jato receberam R$ 1,83 bilhão, contam Cleide Carvalho, Renato Onofre e Thiago Herdy. Em delação premiada, o ex-gerente da estatal Renato Barusco Filho , braço direito do ex-diretor de Serviços Renato Duque, disse que R$ 36 milhões (2% desse valor) foram usados para propina: 1% para diretores e funcionários da Petrobras, e 1% para um partido . Na diretoria de Duque, o partido era o PT. (Pág. 3)

Acordo de leniência preocupa auditores

Auditores de controle externo re batem advogado-geral da União e dizem que acordos de leniência podem livrar empresas da Operação Lava-Jato de punições na esfera penal. (Pág. 4)

Empreiteiras ligadas à Lava-Jato por um fio

Endividadas, sem receber por projetos e sem crédito, empresas investigadas, dizem analistas, estão perto de calote ou recuperação judicial. (Pág. 15)

TCU quer fechar empresa da Caixa

A ex-ministra Miriam Belchior assume hoje a presidência da Caixa e tem que se posicionar até o fim desta semana sobre o fechamento ou a manutenção de empresa criada na gestão de Jorge Hereda, que deixa o cargo, revela Vinicius Sassine. O TCU apontou ilegalidade na criação da firma, contratada pela própria Caixa para prestar serviço na concessão de crédito imobiliário. (Pág. 4)

Sites ‘pró-HIV’ causam repúdio

A comunidade LGBT e especialistas em Direito e saúde repudiaram a prática do “Clube do carimbo”, em que soropositivos usam a internet para ensinar a transmitir o vírus da Aids. Para a OAB, iniciativa pode ser crime. (Pág. 19)

Ricardo Noblat

Anão diplomático

Que alma corajosa se oferece para aconselhar a presidente Dilma a renovar seu vocabulário, começando por descartar lugares comuns do tipo “Não ficará pedra sobre pedra” e “Doa em quem doer” ? Lugares comuns arranham os ouvidos. E com frequência se voltam contra os que gostam de usá-los. Um exemplo? “Não ficará pedra sobre pedra” da política externa brasileira depois da passagem de Dilma pelo poder. (Pág. 2)

George Vidor

Crédito minguando

A expansão este ano não deve passar de 10%, ainda puxada por financiamentos para construções e o consignado (Pág. 16)

Editorial

Tema em discussão – Responsabilidade fiscal

Um desrespeito

O arcabouço institucional mostrou-se frágil para obrigar o governo a cumprir metas fiscais (Pág. 12)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete : Superlotação volta a rondar Presídio Central

Previsão era de que cadeia acabasse em 2014 com metade da lotação, mas já há 200 presos a mais do que quando o Pavilhão C foi destruído, em outubro. (Notícias | 20 e 21)

No Congresso, evangélicos miram temas polêmicos

Com 78 representantes e a presidência da Câmara, ala religiosa foca em projetos como aborto e casamento gay. (Notícias | 10 e 11)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete : “O governo não pode ser escravo do curto prazo”

O economista Armando Castelar alerta para a necessidade de deixar claro o caminho a ser tomado para que seja ultrapassado um período de transição. “Precisamos mostrar ao investidor que teremos momentos difíceis sim, mas que o país vai sair dessa”, diz. E cabe ao governo apontar o que vai fazer para que essa superação aconteça: “É dessa maneira que se constroem investimento, confiança e mudança.” Para o coordenador de Economia Aplicada da FGV, as ações fortes, que vão além do minipacote, passam pela redução dos subsídios do BNDES, melhoria do ambiente de negócios e medidas que estimulem o investimento privado em infraestrutura. (Págs. 4 a 7)

Dilma volta ao ataque

Depois de 60 dias sem dar entrevistas, presidenta culpa governo FHC por não conter o esquema de corrupção na Petrobras ainda nos anos 1990. (Pág. 3)

Reajustes na saúde devem superar inflação

Estudo da consultoria Aon aponta que, em 2015, a inflação médica deve ser bem mais elevada que a alta de preços oficiais no Brasil. (Pág. 8)

MP cobra R$ 4,4 bi de empresas citadas na operação Lava Jato

Ações de improbidade administrativa incluem Camargo Corrêa, Sanko, Mendes Júnior, OAS, Galvão, Engevix. Valor de ressarcimento aos cofres públicos aumentará por causa de juros e correção monetária. (Pág. 9)

Mosaico Político

Gilberto Nascimento

DE OLHO NA CADEIRA DE ALCKMIN

Dois secretários com perfis distintos do governador Geraldo Alckmin (PSDB) começam a se cacifar entre os tucanos de olho na cadeira do chefe: o titular dos Transportes e Logística, Duarte Nogueira, que também é presidente estadual do partido, e Saulo de Castro Abreu Filho, que comanda a Secretaria de Governo, principal pasta da administração estadual. (Pág. 2)

O mercado como ele é…

Luiz Sérgio Guimarães

OS PRIMEIROS NÚMEROS DE LEVY

(…) De posse dos dados de janeiro, o mercado fará as suas contas sobre o tamanho do esforço fiscal adicional que Levy terá de fazer para cumprir sua promessa de superávit primário de 1,2% do PIB.(…) (Pág. 20)

Ponto Final

Octávio Costa

SE A MODA DE MADURO PEGAR

Imaginem se desse a louca na presidente Dilma Rousseff e ela mandasse prender Fernando Henrique Cardoso e Aécio Neves por conspirarem contra o seu governo. Os dois teriam as residências invadidas pela Polícia Federal e seriam levados para a prisão, sob o olhar complacente do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e com apoio de ministros do Supremo Tribunal Federal, dóceis aos desejos de Dilma. (Pág. 32)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Fundos têm R$ 9 bi em papéis ligados à crise da Petrobras

Valor se refere a investimentos atrelados a operações de crédito da estatal e inclui títulos de dívida de empreiteiras

Os fundos de investimento têm R$ 9 bilhões em papéis ligados a operações de crédito da Petrobras e de empreiteiras citadas na Lava Jato. O cálculo da consultoria Economática inclui títulos de dívidas e participações de empresas e adiantamentos que os fornecedores têm a receber da estatal. Ainda entram na conta papéis baseados em imóveis que a petroleira aluga. As aplicações são afetadas pela dificuldade de caixa das empresas. Há preocupação com eventual atraso em pagamentos da Petrobras e de parceiros em obras e serviços. Notas baixas de agências de risco trazem perdas. (…) (Folhainvest B1)

Bendine levou socialite em jato a serviço do BB, diz ex-vice

O presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, deu carona à socialite Val Marchiori num jato a serviço do Banco do Brasil quando era presidente da instituição, disse, em depoimento ao Ministério Público, o ex-vice do BB Allan Toledo. Bendine negara ter viajado com ela. A missão oficial foi em Buenos Aires em 2010. O banco diz que Marchiori não estava no avião. (Poder A4)

Lava Jato pode custar contrato a empresa de luz em São Paulo

Por ser investigada na Operação Lava Jato, a Alumni, uma das empresas que cuidam da manutenção da iluminação em São Paulo, virou alvo de concorrente, que pede a ruptura do contrato de R$ 90 milhões anuais com o município. A Alumni afirma que tem como atuar na cidade. Para a prefeitura, não há colapso no serviço. (Cotidiano D1)

Venezuela torturou para incriminar Ledezma, diz defesa

A Justiça da Venezuela usou suposta delação de coronel sob tortura para prender por conspiração o prefeito metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma, segundo seu advogado. No Brasil, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, cobrou do governo posição sobre o caso. (Mundo A9)

Escândalos vão minar Dilma, diz cientista político

Entrevista da 2a. – Marcus Melo (Pág. A10)

Editoriais

Leia “Correção de rumos”, acerca de quadro de recessão econômica, e “Investigação parada”, a respeito de apuração do cartel ferroviário em SP. (Opinião A2)

 

EBC

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.