Manchete dos Jornais desta sexta-feira, 04 de dezembro de 2015
Postado por: Equipe Portal Cambé Em 6th dezembro 2015

Planalto se arma contra impeachment; oposição quer decisão só em 2016
Governo trabalha para suspender recesso de fim de ano no Congresso e acelerar trâmite do processo Aliados de Cunha querem ganhar tempo para buscar apoio de movimentos contra a presidente Ações contra a abertura de ação de impedimento são protocoladas no STF


O Globo


Manchete : Dilma quer pressa para evitar julgamento em cenário pior

Planalto defende suspensão de recesso parlamentar; oposição fica contra
Governo, que precisa de 172 votos na Câmara, tenta evitar que pressão das ruas aumente com agravamento da crise econômica; partidos aliados recorrem ao STF questionando legitimidade de Cunha para conduzir processo
Com a criação da Comissão Especial que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma na Câmara, o governo mobilizou ontem ministros e parlamentares aliados para tentar apressar a votação do processo. O temor do Planalto é que, com mais tempo e a espera da piorado cenário econômico, a popularidade da presidente caia ainda mais, a crise se agrave e as manifestações de rua voltem com força. Ministros e o ex-presidente Lula pediram que o Congresso suspenda o recesso, que deveria começar dia 22, para agilizar o processo. A oposição, porém, não tem pressa porque conta com a “tempestade perfeita”, que inclui cenário econômico ainda mais adverso, para fragilizar Dilma. Para sepultar o impeachment no plenário, a presidente precisará de 172 dos 513 votos da Câmara. Ontem, 17 líderes dos maiores partidos da Casa, ouvidos pelo GLOBO, calcularam que Dilma teria hoje ao menos 258 votos a seu favor. O PT e o PCdoB re correram ao STF questionando a legitimidade do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para conduzir o processo . (Págs. 3 a 13)

Alívio nos mercados pode ser passageiro
Para empresários, processo sinaliza fim do impasse
A Bolsa subiu ontem 3,29%, maior alta em um mês, e o dólar caiu para R$ 3,749, em reação ao acolhimento do pedido de impeachment. Para empresários e o mercado, o processo oferece uma saída ao impasse político que paralisa a economia há um ano. Mas analistas advertem que o alívio pode ser passageiro. Um trâmite longo poderá gerar turbulências e agravar a recessão. (Pág. 23)

Temer recebe oposição, que pede novo governo
Em 48 horas, o vice-presidente Michel Temer recebeu em sua residência oficial integrantes do DEM e do PSDB, que pediram um novo governo de união nacional, relata MARIA LIMA. (Pág. 6)

Mentiras ou mentiras
O dia seguinte à deflagração do processo de impeachment da presidente Dilma pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, foi marcado por acusações. Cunha disse que Dilma mentiu ao afirmar que o governo não barganhou votos, e o ministro Jaques Wagner acusou Cunha de mentir ao dizer que um aliado dele se encontrara com a presidente. O vice Michel Temer desmentiu duas declarações de ministros, informa JORGE BASTOS MORENO. (Pág. 9)

Hábitos emperram combate ao Aedes
Lixo representa 16% dos criadouros naturais do mosquito transmissor de dengue e zika no Rio, revela CHICO OTAVIO. (Pág. 32)

Indiciado, Del Nero se licencia da CBF
Indiciado pela Justiça americana por corrupção e investigado pela Fifa , Marco Polo Del Nero se licenciou da presidência da CBF. (Pág.40)
Colunistas

Merval Pereira – Governo distorce fatos para tentar se safar do processo (Pág. 4)

José Paulo Kupfer – Chantagem de Cunha não deve mudar rumo da economia (Pág. 21)

Míriam Leitão – Dilma infringiu a lei fiscal; Cunha pode virar réu (Pág. 24)
Editorial

‘Legalidade e legitimidade’ (Pág. 20)
————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete : Planalto se arma contra impeachment; oposição quer decisão só em 2016
Governo trabalha para suspender recesso de fim de ano no Congresso e acelerar trâmite do processo Aliados de Cunha querem ganhar tempo para buscar apoio de movimentos contra a presidente Ações contra a abertura de ação de impedimento são protocoladas no STF
O Planalto pediu apoio de ministros, governadores, sindicatos e movimentos sociais contra o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff,iniciado formalmente ontem na Câmara. Entre as estratégias estão afirmar que a “ação foi por vingança de Eduardo Cunha” e acelerar o trâmite do processo. O governo articula para que o Congresso suspenda o recesso parlamentar de fim de ano para votar o impeachment. A oposição é contra. “Vamos para o enfrentamento. Está chegando ao fim a estratégia de não deixar o governo governar”, afirmou Dilma. Oposição e aliados de Cunha querem ganhar tempo para desgastá-la e buscar apoio nos movimentos pró-impeachment, que anunciaram protestos. Cunha reagiu ao pronunciamento de anteontem de Dilma e acusou a presidente de “mentir à Nação”. Segundo ele, a petista queria “barganhar” apoio no Conselho de Ética com a CPMF. O ministro Jaques Wagner rebateu. O PCdoB entrou com ação no Supremo questionando a abertura do processo de impeachment. Ela ainda será analisada. Outras duas ações já foram rejeitadas. (Política/A4 a A13)

Análises

Eliane Cantanhêde : Para a opinião pública, nessa guerra só há vilões. (PÁG. A6)

Dora Kramer : Continue Dilma ou não, dias infernais esperam por ela. (PÁG. A10)

Celso Ming : Seja qual for o desfecho, destravam-se política e economia. (PÁG. B2)

Lula compara País a ‘trem descarrilado’
O ex-presidente Lula chamou de “loucura” a decisão de Eduardo Cunha e disse que ele pôs seus interesses acima dos do País. Lula pediu uma solução rápida e defendeu o ajuste. “Quando o trem está descarrilado, agente não fica brigando”, disse. “A gente tem de colocar o vagão no trilho. (A13)

Temer busca manter distância da crise
O vice Michel Temer (PMDB) evitou participar das principais discussões com integrantes da cúpula do governo e de se posicionar publicamente sobre a instauração do processo de impeachment. Pessoas próximas a Temer negaram que ele se tenha colocado à disposição para ajudar na defesa jurídica de Dilma (A12)

Avanço de ação faz Bolsa subir e dólar cair

A primeira reação do mercado financeiro ao processo de abertura de impeachment da presidente Dilma Rousseff foi ontem de aparente euforia. O Ibovespa subiu 3,29% e o dólar caiu para R$ 3,75. Mas a expectativa predominante entre analistas é a de que os próximos dias tendem a ser de instabilidade. Para empresários, a decisão foi um passo em direção à solução do impasse que tem travado a economia brasileira ao longo de 2015. (Economia/ B1 a B4)

MP pede suspensão do plano de Alckmin de fechar escolas
Ministério Público e Defensoria entraram com ação civil para barrar a reorganização escolar de Geraldo Alckmin. Ofício da Secretaria Estadual da Educação reconhece que o projeto reduzirá despesas. Ontem, houve mais protestos de estudantes. (Metrópole/20)
Governo muda critério de avaliação de microcefalia (Metrópole/A22)

Chavismo faz guerra suja, diz oposição venezuelana (Internacional/A18)

Investigado nos EUA e na Fifa, Del Nero deixa a CBF
Acusado de corrupção pelo Departamento de Justiça dos EUA – ao lado de Ricardo Teixeira – e investigado pelo Comitê de Ética da Fifa, Marco Pólo Del Nero pediu licença da presidência da CBF. O vice Marcus Vicente assumirá cargo (Esporte/A25)
Fernando Gabeira

Quase tudo em ruínas – Nunca antes neste país o governo errou tanto. O Brasil está se desintegrando. Hoje a esperança só pode ser construída na luta pela sobrevivência (Espaço Aberto/A2)
Notas&Informações

Uma luz no fim do túnel – Dilma Rousseff e Eduardo Cunha caminham para o mesmo fim: o banimento da vida pública (A3)

As concessões em São Paulo – Mesmo na crise, poder público pode melhorar a infraestrutura e estimular a geração de empregos (A3)
————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Planalto quer apressar o rito do impeachment
Governo acredita ter mais chance de vitória com votação rápida
O Planalto tentará apressar o desfecho do processo de impeachment da presidente Dilma. O objetivo de adiantar a votação é manter vivo o discurso de que a aceitação do pedido foi um revide de Eduardo Cunha. O presidente da Câmara acatou a solicitação de deposição no dia em que perdeu apoio do PT na ação que pede sua cassação. Dilmistas querem que o Congresso adie o recesso, previsto para começar no dia 23. Ontem, o ministro Jacques Wagner (Defesa) rebateu Cunha, que disse que Dilma “mentiu à nação” ao negar que tenha negociado troca de favores com o Congresso. Wagner afirmou que quem mente é o deputado. O mercado reagiu positivamente à possibilidade de impeachment. Nesta quinta-feira (3), o dólar caiu 2,24%, para R$3,7 49, e a Bolsa subiu 3,29%. (poder a4)

Movimentos anti-Dilma marcam para domingo (13) ato na av. Paulista. (A7)

Lula afirma que Cunha agiu com ‘loucura’ e ‘insanidade’

Lula pediu nesta quinta (3) que a “insanidade” e a “loucura” do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não prevaleçam no debate sobre o impeachment da petista Dilma Rousseff. O ex-presidente se disse indignado com o acolhimento do pedido, que tem “visão corporativa, pessoal e de vingança”. (poder a5)

Foto-legenda : Corra que a polícia vem aí

PM desmobiliza manifestação de estudantes que bloqueou via em SP; governo Alckmin (PSDB) convoca audiência sobre ocupações de escolas (Cotidiano b3)

Popularidade de Alckmin despenca
Nunca a popularidade do governador de SP, Geraldo Alckmin (PSDB), esteve tão baixa. Segundo o Datafolha, 28% do eleitorado paulista qualifica o desempenho do tucano como ótimo ou bom. Um ano atrás, eram 48%. Em março de 2006, pouco antes de deixar o governo para disputar eleição presidencial, ele tinha 69% de aprovação. A reprovação também é recorde: 30% classificam sua atuação como ruim ou péssima. É a primeira vez que, numericamente, há mais gente desaprovando do que aprovando Alckmin. Ele tem mais de dez anos de gestão no Estado, em períodos alternados, ao longo de quatro mandatos desde 2001. Seis de cada dez paulistas são contra a reorganização das escolas promovida por ele, e 55% apoiam as ocupações. A margem de erro da pesquisa, realizada nos dias 25 e 26 com 1.350 pessoas, é de três pontos. (Cotidiano b1)

Acusado de corrupção nos EUA, chefe da CBF se licencia
No dia em que a Justiça dos EUA o indiciou sob a acusação de corrupção, o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, anunciou que se licenciará da função. Ele teria participado de esquema de recebimento de propina na venda de direitos de competições. Em nota, o cartola disse estar convicto de sua inocência. (esporte b6)
Maria Cristina Frias

Laboratório fará teste no Brasil para vírus zika
A partir desta sexta-feira (4), o laboratório Hermes Pardini fará no Brasil o teste para o vírus zika. Desenvolvido em Belo Horizonte, ele custa R$ 500 e traz resultados em uma semana. (Mercado a22)

Editoriais
Leia “Forma, não conteúdo”, sobre batalha judicial em torno do impeachment, e “Catástrofe obscura”, acerca de desastre ambiental em Mariana. (Opinião A2)


Edição: Equipe Fenatracoop, 04 de Dezembro de 2015

Compartilhe nossa Matéria