Manchete dos Jornais desta sexta-feira, 08 de maio de 2015

84

Desabafo na web agrava crise no PR

Declaração da mulher do secretário de Segurança de que ele não depende de covardes irritou o governador Beto Richa (PSDB) e pôs em risco cargo do marido…

A legislação e os confrontos no Centro Cívico
Os conflitos de 29 de abril foram marcados pelo desrespeito a uma série de direitos. Especialistas analisam quais garantias a lei prevê aos envolvidos…

O Globo

Manchete : Governistas cobram 70 cargos por apoio ao ajuste

PMDB exige que Planalto confirme nomeações até segunda-feira
Vice Michel Temer diz que Dilma vai avaliar o comportamento de partidos aliados que registraram votos contra as medidas de economia aprovadas na Câmara. Dissidências na oposição também provocaram crise

Em meio ao escândalo de corrupção com ocupação de cargos públicos investigado na Lava-Jato, governo e aliados apelaram a velhas práticas políticas na negociação que resultou na aprovação das primeiras medidas do ajuste fiscal do governo Dilma. Um grupo de parlamentares do PMDB exigiu que a Casa Civil publique até segunda-feira a nomeação de indicados para 70 cargos de segundo e terceiro escalões . Caso contrário, não garantem apoio nas próximas etapas do ajuste, informam JÚNIA GAMA e ISABEL BRAGA. O Planalto, por sua vez, ameaça retaliar partido s que votaram contra, como o PDT. Segundo o vice Michel Temer, Dilma avaliar á o comportamento dos infiéis. A oposição também registrou traições. O DEM deu oito votos ao governo. “Preferi isso a ficar pisando numa presidente que do fundo do poço não sai”, alegou Rodrigo Maia (RJ). (Pág. 3)

Dez anos depois – A confissão de Lula, segundo Mujica

Em livro publicado no Uruguai, o ex-presidente Pepe Mujica disse ter ouvido de Lula, ao falarem do mensalão, que aquela “era a única forma de governar o Brasil”. Lula, que sempre negou saber do esquema, não comentou. (Pág. 6)

Domésticos: Dilma deve vetar regra

A presidente Dilma deve vetar parte das novas regras para as domésticas aprovadas no Senado, como a alíquota extra de 3,2% do FGTS e a redução na contribuição para o INSS. Com a crise, número de trabalhadores domésticos cresceu 1,6% este ano. (Págs. 19 e 20)

Poupança tem saque recorde

Nos primeiros quatro meses do ano, os saques na caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 29 bilhões, no pior resultado em 20 anos. (Pág. 21)

Desabafo na web agrava crise no PR

Declaração da mulher do secretário de Segurança de que ele não depende de covardes irritou o governador Beto Richa (PSDB) e pôs em risco cargo do marido. (Pág. 7)

Jeitinho sem fronteiras

Instituto parceiro da Capes nos EUA sugere que alunos do Ciências Sem Fronteiras usem o famoso jeitinho para driblar falta de dinheiro. (Pág. 25)

Capital paulista já vive epidemia

Balanço da prefeitura de SP mostra que a capital enfrenta epidemia de dengue, com oito mortes e 39 mil casos. (Pág. 24)

Ilimar Franco

Oposição dividida

Os acordos costurados pelo coordenador político do Planalto, o vice Michel Temer, com integrantes da oposição eram ignorados pelo PSDB. Ontem à tarde, seu líder, Carlos Sampaio, disse que sua “surpresa (era) absoluta” ao saber do almoço de deputados do DEM com Temer. E, quando soube da presença do prefeito ACM Neto (Salvador), além de surpreso, confessou: “Não tinha noção”. (Pág. 2)

Merval Pereira – Maioria desgovernada

A oposição perdeu uma grande oportunidade de desestabilizar o governo da presidente Dilma ao dar 16 votos essenciais para a aprovação do texto-base da Medida Provisória 665, que endurece as regras para concessão de seguro-desemprego e abono salarial, na noite de quarta-feira. (Pág. 4)

Míriam Leitão – O custo alto

A ata do Copom fez bancos e consultorias revisarem previsões para os juros. Acham que haverá novo aumento da Selic, apesar de a taxa já estar em 13,25%. O economista-chefe do Bradesco, Octávio de Barros, disse que o BC deveria ter parado: “O BC está aumentando juros com desemprego em massa impressionante, desaceleração forte dos salários e o mundo corporativo em crise.” (Pág. 20)

Editoriais

O verdadeiro custo da corrupção na Petrobras

Comunicado da própria empresa indica que as perdas devido à roubalheira devem ter superado os R$ 6,2 bilhões contabilizados no balanço (Pág. 16)

Governo pode alavancar parceria com setor privado

Investidores mostram apetite por esse segmento devido à demanda reprimida. Cabe ao governo estimulá-los, com regras que reflitam a realidade (Pág. 16)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Feltes aponta pedaladas nas contas de Tarso

Metas teriam sido descumpridas. Ex-secretário nega (Notícias | 14)

Planalto trava repasses ao Rio Grande do Sul

Não pagamento da dívida faz União reter R$ 113 milhões (Rosane de Oliveira | 8)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete : Petrobras admite risco de ingerência do governo

No relatório de administração de 2014, a estatal alerta os investidores que está sujeita a atividades que priorizem políticas da União, em vez de objetivos empresariais. Além disso, admite a venda de combustíveis com prejuízo para atender aos interesses de seu controlador. O aviso, diz fonte, é uma forma de proteção contra ações judiciais. (Pág. 10)

Taxa de desemprego chega a 7,9% no 1º trimestre

Um cenário tão adverso para os primeiros três meses do ano não era visto desde 2013, quando a taxa de desocupação ficou em 8%. De acordo com o IBGE, a perda de fôlego do emprego gerou reflexos no rendimento médio, que ficou estagnado. A Região Nordeste foi a que mais sofreu. (Págs. 4 e 5)

Com ajuda de ACM Neto, a primeira vitória

Medida que altera regras trabalhistas contou com a apoio da oposição, através de lobby do prefeito de Salvador (DEM). Apenas PSDB, Psol e PPS votaram integralmente contra. (Pág. 3)

Veículos: mais e mais retração

Ritmos de venda e produção continuam baixos e ampliam estoque para 50 dias nas fábricas e concessionárias. (Pág. 6)

Por ajuste, governo terá que sacrificar o PAC

Estimativas de técnicos oficiais apontam um corte entre R$ 20 bilhões e R$ 23 bilhões nos investimentos do Programa. Mas a redução poderá chegar a R$ 40 bilhões. (Pág. 8)

Olhar do Planalto José Negreiros

O PIOR AINDA DEMORA A PASSAR

Segundo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o pior do lado negativo do combate aos desarranjos econômicos já passou. Os indicadores econômicos divulgados nos últimos dias mostram que não é bem assim. (Pág. 2)

Sintonia Fina Julio Gomes de Almeida

SEM LIMITES PARA A QUEDA

Rapidamente, a indústria brasileira passou de uma situação em que proliferavam instrumentos que lhe moldavam o ciclo econômico para uma situação em que praticamente não existem mecanismos anticíclicos e, ao contrário, apresentam-se fatores novos que tornam praticamente inesgotável a desorganização do setor nesta entrada de 2015. (Pág. 7)

O mercado como ele é…

Luiz Sérgio Guimarães

ATA DURA DISPARA JURO

Em abril, 20 bancos centrais do mundo reuniram seus comitês de política monetária. Pesquisa do Itaú mostrou que 16 mantiveram suas taxas básicas de juros, três reduziram e apenas um promoveu alta. Esse solitário BC foi o brasileiro. (Pág. 21)

Ponto Final – Octávio Costa

DILMA E OS HERÓIS DA PÁTRIA

Não se sabe de quem está partindo o conselho. Mas é muito estranha a decisão de afastar a presidente Dilma Rousseff de eventos oficiais e de gravações para a TV. Quando informou que Dilma não faria sua tradicional mensagem à Nação no dia 1º de Maio, o ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, explicou que o Palácio do Planalto preferiu inovar e valorizar as redes sociais. (Pág. 32)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Mantega tentou esconder conta de perda da Petrobras

Áudio de reunião do conselho mostra divergência entre ex-ministro e Graça Foster

O ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, que presidia o conselho de administração da Petrobras, tentou impedir a divulgação de um cálculo encomendado pela empresa que indicava perdas de R$ 88,6 bilhões no patrimônio da estatal. O plano de Mantega bateu de frente com o da então presidente da companhia, Graça Foster, que defendeu que o mercado fosse informado — o que acabou ocorrendo. A atitude de Graça desagradou à presidente Dilma, e a executiva perdeu o cargo. A Folha obteve acesso ao áudio da reunião do conselho de 27 de janeiro, em que o ex-ministro afirma que o cálculo, feito por Deloitte e BNP Paribas, era “impreciso”. “É uma temeridade divulgar esse número. Afetará nosso rating”, afirmou. “E se a CVM me pergunta sobre esse número? Por que não divulgaram?”, rebate Graça. Ao final da reunião, Mantega concordou com a publicação. Procurado, ele disse que discussões internas fazem parte do processo de decisão. (Mercado a17)

Aliados querem saída de ministro de partido infiel

Líderes da base governista na Câmara pedem à presidente Dilma a demissão do ministro Manoel Dias (Trabalho), do PDT. A ação seria resposta à infidelidade de todos os 19 deputados do partido aliado, que foram contra parte do ajuste fiscal proposto pelo governo. (Poder a4)

Senador do PMDB distribui parecer contra Luiz Fachin

Ricardo Ferraço (ES) entregou a parlamentares parecer da consultoria do Senado que acusa Luiz Fachin, indicado por Dilma Rousseff para o STF, de ter exercido ilegalmente a advocacia no Paraná quando ele era procurador do Estado. (Poder a8)

Promessa de Alckmin para combate ao crime emperra

O Detecta, bandeira de campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) e aposta para melhorar a segurança pública em São Paulo, ainda não funciona plenamente. Importado por R$ 9,7 milhões, o sistema deveria integrar dados da polícia e câmeras para identificar suspeitos em tempo real. O governo utiliza programa alternativo, da PM, e diz que o Detecta está em testes. (Cotidiano B1)

Advogados temem demissões com nova regra de domésticos

Advogados temem que a regulamentação dos direitos dos domésticos aumente dispensas por justa causa. O Senado aprovou recolhimento de fundo para multa do FGTS para patrões usarem em caso de demissão sem justa causa. Em caso de dispensa justificada, patrões reaveriam os recursos. (Mercado a19)

Em meio à crise no Paraná, chefe da Polícia Militar pede exoneração (Poder A10)

Pavilhão na Bienal de Veneza contesta ‘Brasil potência’ (C4)

Joaquim Levy

Gestor exemplar, Marshall liderava e atuava sob pressão

George Marshall, líder militar dos EUA na 2ª Guerra, foi exemplo de gestor. Soube formar equipe que atuava sob pressão e não culpava outros pela adversidade. (Opinião a3)

JOAQUIM LEVY é ministro da Fazenda

Marcus Pestana

Uso de aeronaves do governo de MG por Aécio é legal

Há abordagens da mídia que geram prejuízos inestimáveis aos alvos de imprecisões. Aécio Neves (PSDB) é acusado de uso indevido de helicóptero e avião do governo de MG, mas decreto mostra que os voos foram legais. (Opinião a3)

MARCUS PESTANA é presidente do PSDB-MG

Editoriais

Leia “Na hora certa”, a respeito de aprovação da chamada PEC da Bengala, e “Ainda o Fies”, acerca de programa federal de financiamento estudantil. (Opinião A2)

EBC



Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *