Quieto
Convocado pelo Senado para depor em duas CPIs, Joesley Batista, da JBS, ficou calado; a defesa afirmou que o silêncio se deve à ‘situação jurídica’ do empresário .

Quatro horas de silêncio na CPMI
O empresário Joesley Batista se negou a responder a perguntas na oitiva da CPMI da JBS, no Congresso. Segundo a PF, o delator Lúcio Funaro reconheceu a marca de um banco ligado à J&F nos maços de dinheiro – que totalizavam R$ 51 milhões – achados em um apartamento e atribuídos ao ex-ministro Geddel Vieira Lima.
___________________________________________________________

O Globo


Manchete : Ajuste fiscal emperra, e governo já prevê mais cortes em 2018

Sem aprovação de medidas, máquina pública pode sofrer paralisia
Fazenda estima que precisará reduzir gastos em mais R$ 21 bilhões no ano que vem se Congresso não votar projetos
O governo terá que cortar o Orçamento de 2018 em R$ 21 bilhões se as medidas do pacote de ajuste fiscal não forem aprovadas pelo Congresso nos próximos meses. O corte poderá deixar a máquina pública perto da paralisia, por falta de verbas. Segundo a secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, as medidas são importantes também para manter programas sociais. Entre os projetos que precisam do aval dos parlamentares estão o adiamento do reajuste dos servidores e o aumento da contribuição previdenciária dos inativos. (PÁGINA 19)

Alckmin vai tirar PSDB do governo
Futuro presidente do PSDB, o governador Geraldo Alckmin afirmou que, em sua gestão, a legenda vai deixar o governo de Michel Temer. O governador disse, porém, que o partido manterá o apoio às reformas “que sejam do interesse do Brasil”. (PÁGINA 3)

Previdência: diretor da PF tenta manter privilégios
Em meio às novas pressões de servidores públicos por mais concessões na reforma da Previdência, o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, pediu ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, uma regra especial de aposentadoria para a corporação. Ele alegou que policiais morrem em combate e, portanto, não devem “perder direitos”. (PÁGINA 20)

Planos de saúde – Relator desiste de reajuste para idoso
O relator do projeto dos planos de saúde, Rogério Marinho, desistiu de mudar a regra de reajuste para idosos. A votação foi adiada. (PÁGINA 22)

Laudo não esclarece caso de Garotinho
Exame comprovou que o ex-governador Garotinho teve lesões no joelho e em um dos pés. Mas não informou se ele foi agredido, como sustenta, ou se causou autolesão. (PÁGINA 5)

STF nega autorização para aborto
Grávida, com dois filhos e salário de R$ 1.250, queria autorização para interromper gravidez devido a problemas financeiros. (PÁGINA 26)

Na escola, exemplo de integração

Escola municipal de SP vira referência nacional ao acolher filhos de imigrantes e refugiados. (PÁGINA 26)

Editorial
‘PSDB em busca de uma identidade’ (PÁGINA 16)
————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Governo calcula perdas de R$ 7,8 bi com novo Refis
Deputados tentam aprovar programa de parcelamento de dívidas tributárias para micro e pequenas empresas
A criação de um programa de parcelamento de dívidas tributárias para micro e pequenas empresas está sendo articulada por deputados e já enfrenta resistência da equipe econômica, que estima perdas de R$ 7,8 bilhões em 15 anos. Os parlamentares querem aprovar substitutivo de um projeto de lei que prevê parcelamento de débitos em até 180 meses. O novo texto deve manter o prazo e incluir descontos de 90% em juros e multas e de 100% nos encargos. Se aprovada a proposta, seria a primeira vez que integrantes do Simples teriam descontos do tipo. Este é o terceiro programa de parcelamento de dívidas proposto neste ano. O governo fez um Refis para médias e grandes empresas em que arrecadou metade do previsto. Outra MP previa socorro aos produtores rurais, mas caducou – e deputados apresentaram ontem novo projeto em substituição. (ECONOMIA / PÁGS. B1 e B3)

Bacha critica PSDB sobre Previdência

Um dos formuladores do Plano Real, Edmar Bacha criticou o seu partido, o PSDB, por não ter fechado questão sobre reforma da Previdência, uma das bases de tudo o que a sigla sempre defendeu para a economia. Em conjunto com Elena Landau, Luiz Roberto Cunha e Bolívar Lamounier, ele publicou carta dizendo que negar apoio à reforma seria abandonar “todo o esforço feito no governo Fernando Henrique Cardoso”. (ECONOMIA / PÁG. B5)

Temer e Alckmin vão definir ‘desembarque

Tucano confirmou ontem que PSDB deixará o governo
Pré-candidato do PSDB à Presidência, o governador de SP, Geraldo Alckmin, disse ontem que os tucanos vão desembarcar do governo federal quando ele assumir o comando do partido, o que deve ocorrer na convenção do próximo dia 9. O tom das declarações incomodou o Palácio do Planalto e levou o presidente do PMDB, Romero Jucá, a cobrar respaldo na transição até 2018. O presidente Michel Temer vai conversar com Alckmin, sábado, para acertar a saída do PSDB. O desconforto no Planalto foi provocado principalmente pelo fato de Alckmin dizer que, se dependesse dele, a sigla nem teria se aliado a Temer. (POLÍTICA / PÁGS. A4 a A6)

Quatro horas de silêncio na CPMI

O empresário Joesley Batista se negou a responder a perguntas na oitiva da CPMI da JBS, no Congresso. Segundo a PF, o delator Lúcio Funaro reconheceu a marca de um banco ligado à J&F nos maços de dinheiro – que totalizavam R$ 51 milhões – achados em um apartamento e atribuídos ao ex-ministro Geddel Vieira Lima. (POLÍTICA / PÁG. A8)

Para ruralistas, propostas de Bolsonaro são inconsistentes
O deputado e pré-candidato ao Planalto Jair Bolsonaro (PSC-RJ) foi considerado “genérico”, “inconsistente” e “radical” ao apresentar seu projeto para o setor do agronegócio, ontem. Ele discursou contra o MST e voltou a prometer que entregaria fuzis para fazendeiros enfrentarem invasores de terra, mas não agradou. (POLÍTICA / PÁG. A7)

Vera Magalhães
O primeiro teste
A capacidade de Geraldo Alckmin de unificar o PSDB virá antes da convenção. O anúncio de que não haverá disputa pelo comando da sigla anima Temer e Rodrigo Maia a pensar na votação da reforma da Previdência. (PÁG. A6)

Reajuste de plano de idoso é descartado

Artigo que permitia aumentar os planos de saúde de idosos foi retirado de projeto de lei. Operadoras e entidades de defesa do consumidor criticaram texto. (METRÓPOLE / PÁG. A12)

STF rejeita pedido de grávida para abortar (Metrópole / Pág. A12)

Colunistas
Monica De Bolle
Há muitos defensores do “Estado mínimo”, mas pouco entendimento do que significa. (ECONOMIA / PÁG. B2)

Roberto DaMatta
Proclamamos a República em 1889, mas falta muito para sermos republicanos. (CADERNO2 / PÁG. C7)

Notas & Informações
O debate da reforma
Quem defende que o Congresso ainda não deve votar a reforma da Previdência “para que seja possível um debate mais amplo” não deseja qualquer debate. (PÁG. A3)

Sem vigor para competir
O setor de manufaturas está longe de retomar a posição de gerador de mais de metade da receita cambial brasileira. (PÁG. A3)
———————————————————————————-

Folha de S. Paulo

Manchete: Lei de Migração trava contratação de estrangeiros
Para empresas, regulamentação tardia deixou pontos em aberto que impedem a entrada de executivos no país
A Lei de Migração, em vigor desde o dia 21 de novembro, bloqueou a movimentação de executivos estrangeiros em multinacionais que operam no Brasil. Empresas acostumadas a trazer executivos têm profissionais retidos no exterior. Elas culpam a falta de definição em procedimentos no Ministério do Trabalho, Polícia Federal e consulados. Promulgada em maio, a lei recebeu decreto de regulamentação no mesmo dia em que passou a vigorar. Para especialistas, além de tardio, esse texto deixou em aberto itens relativos à concessão de vistos para que estrangeiros possam trabalhar no Brasil. Pontos do próprio decreto indicam a necessidade de algum tipo de normatização posterior. Profissionais que precisam de vistos de curto prazo para visitas também tiveram as viagens suspensas. De janeiro a junho, o Ministério do Trabalho concedeu 12 mil autorizações para estrangeiros no país. A pasta não informou quantas pessoas foram afetadas, mas disse que o processo deve ser normalizado nas próximas semanas. (Mercado A17)

Meirelles busca apoio de Temer e Maia para ser candidato em 18

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, decidiu buscar de forma mais incisiva o apoio de Michel Temer e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, à sua candidatura em 2018. Seu objetivo é se consolidar como o nome de aliança entre PMDB, DEM e partidos do centrão para as eleições do próximo ano. Meirelles estabeleceu piso de 5% nas pesquisas de intenção de voto em março como gatilho para se lançar na corrida. Hoje, tem 2%. (Poder A4)

Monica Bergamo
Ministro passa a filmar e divulgar suas atividades (Ilustrada C2)

Investimento cairá para cumprir teto de gastos em 2018
Para cumprir o teto de gastos, o país deverá reduzir investimentos e o custeio da máquina pública em 2018. Segundo o governo, o corte terá que ser de ao menos 11% em relação a 2017. O cenário persiste apesar do superavit de R$ 5 bilhões em outubro, primeiro resultado positivo em seis meses. (Mercado A20)

Ministério Público e PF não salvarão o país, diz procurador
Um dos responsáveis pelo caso JBS, o procurador da República Anselmo Lopes, 36, afirma à Folha que as pessoas não devem esperar que o Ministério Público Federal ou a Polícia Federal livrem o Brasil da corrupção. Ele diz que a sociedade não evolui de forma “linear” e, não raro, retrocessos ocorrem antes dos avanços. (Poder A10)

Foto- legenda: Quieto
Convocado pelo Senado para depor em duas CPIs, Joesley Batista, da JBS, ficou calado; a defesa afirmou que o silêncio se deve à ‘situação jurídica’ do empresário (Poder A11)

Bernardo Paz sai da presidência do Instituto Inhotim

Bernardo Paz, idealizador do Instituto Inhotim, renunciou à presidência do museu mineiro. Em setembro, ele foi condenado na primeira instância a nove anos de prisão por lavagem de dinheiro em empresas das quais foi sócio. A defesa, que nega as acusações, recorreu. (Ilustrada C1)

Dois navios do Brasil deixam de buscar submarino
A Argentina dispensou, segundo a Marinha brasileira, dois dos três navios do país que ajudavam na busca do submarino desaparecido desde o dia 15. A liberação ocorreu no momento em que cresciam as evidências de que um acidente vitimou a embarcação —sua última mensagem indica que houve um incêndio. (Mundo A13)

Foto- legenda: Preto no branco
Michel Temer, Gisele Bündchen e Donald Trump em retratos editados por Alexandra Loras que serão expostos em SP com o objetivo de alertar para o racismo; criticada, ela disse ser negra e ter o direito de se expressar (Ilustrada C8)

Tribunal e base de Doria dificultam concessões em SP

O programa de concessões do prefeito de SP, João Doria (PSDB), enfrenta dificuldades para avançar. O Tribunal de Contas do Município barrou etapas iniciais do plano para o Anhembi e para cemitérios, alvo de resistência também de vereadores governistas. (Cotidiano B1)

Editoriais
Leia “Pax tucana” , sobre escolha por Alckmin para liderar PSDB, e “Prejuízo coletivo” , acerca de projeto no Rio que obriga os ônibus a ter cobradores. (Opinião A2)
————————————————————————————

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.