Manchete dos Jornais nesta Quarta-feira, 27 de Setembro de 2017

150

Palocci rompe com o PT e diz que Lula ‘sucumbiu ao pior’
Em carta escrita na prisão, ele questiona: ‘Somos uma seita ou partido?’; petistas apontam ‘mentiras’ do ex-ministro. No dia em que completou um ano na prisão, o ex-ministro Antonio Palocci, um dos fundadores do PT, enviou à senadora Gleisi Hoffmann (PR), presidente nacional da legenda, carta na qual oferece sua desfiliação e faz um duro relato sobre o “acúmulo de eventos de corrupção” nos governos Lula e Dilma Rousseff. Palocci diz que viu Lula se dissociar do “menino retirante” e “sucumbir ao pior da política”, conta detalhes sobre o suposto pedido de propina à Odebrecht no Palácio da Alvorada, compara o PT a uma “seita” submetida à “autoproclamação do ‘homem mais honesto do País’”, sugere que o ex-presidente tenta transferir a responsabilidade por ilegalidades à ex-primeira- dama Marisa Letícia, morta em janeiro, diz que Dilma destruiu programas sociais e a economia e afirma que o PT precisa fazer acordo de leniência se quiser se reconstruir. Em nota, Gleisi acusa o ex-ministro de mentir para escapar da condenação de 12 anos e dois meses e 20 dias.  Mau presságio A decisão do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, que confirmou a condenação de José Dirceu e elevou em dez anos a pena imposta a ele pelo juiz Sérgio Moro, é mau sinal para o ex-presidente Lula em vários aspectos…

————————————————————–

O Globo

Manchete: Justiça para todos
Palocci sobre Lula: ‘Até quando vamos fingir acreditar?’
Ex-ministro pede desfiliação do PT; defesa do ex-presidente apresenta recibos de aluguel com datas inexistentes
Fundador do PT e ex-homem forte dos governos Lula e Dilma, o ex-ministro Antonio Palocci pediu desligamento do partido e, em carta de quatro páginas, criticou duramente o ex-presidente Lula. “Até quando vamos fingir acreditar na autoproclamação do ‘homem mais honesto do país’?”, perguntou o ex-ministro. “Somos um partido ou uma seita?”. Palocci relatou ainda “o choque ao ter visto Lula sucumbir ao pior da política no melhor dos momentos do seu governo”. O ex-ministro tinha sido suspenso do PT depois de fazer acusações a Lula, em busca de delação premiada. Recibos de aluguel entregues pela defesa do ex-presidente à Justiça trazem incorreções, como datas que não existem e repetidos erros de digitação. (Págs. 3 e 4)

Denúncia contra Temer é lida e começa a tramitar na Câmara
Raquel Dodge defende validade das provas da delação da JBS, e CPI quebra sigilo de delatores (Págs. 5 e 7, Merval Pereira e Míriam Leitão)

Supremo afasta Aécio do Senado e ordena recolhimento noturno (Pág. 6)

Dirceu tem pena elevada a 30 anos e deve voltar à cadeia (Pág. 3)

Senado aprova fundo de R$ 1,7 bi
O Senado aprovou projeto que cria fundo público de R$ 1,7 bi para financiar campanhas na eleição de 2018. Serão usados 30% das verbas das emendas de bancada e valores obtidos pela suspensão de programas dos partidos na TV. (Pág. 6)

Polícia pede ajuda para prender traficantes
Quadrilha fabrica granadas artesanais na Favela da Rocinha
Um helicóptero militar lançou ontem sobre a Rocinha panfletos com pedido para que os moradores ajudem na localização de bandidos que disputam o controle pela venda de drogas na comunidade. A polícia localizou e apreendeu 25 granadas artesanais fabricadas na própria favela. (Pág. 10)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Palocci rompe com o PT e diz que Lula ‘sucumbiu ao pior’
Em carta escrita na prisão, ele questiona: ‘Somos uma seita ou partido?’; petistas apontam ‘mentiras’ do ex-ministro
No dia em que completou um ano na prisão, o ex-ministro Antonio Palocci, um dos fundadores do PT, enviou à senadora Gleisi Hoffmann (PR), presidente nacional da legenda, carta na qual oferece sua desfiliação e faz um duro relato sobre o “acúmulo de eventos de corrupção” nos governos Lula e Dilma Rousseff. Palocci diz que viu Lula se dissociar do “menino retirante” e “sucumbir ao pior da política”, conta detalhes sobre o suposto pedido de propina à Odebrecht no Palácio da Alvorada, compara o PT a uma “seita” submetida à “autoproclamação do ‘homem mais honesto do País’”, sugere que o ex-presidente tenta transferir a responsabilidade por ilegalidades à ex-primeira- dama Marisa Letícia, morta em janeiro, diz que Dilma destruiu programas sociais e a economia e afirma que o PT precisa fazer acordo de leniência se quiser se reconstruir. Em nota, Gleisi acusa o ex-ministro de mentir para escapar da condenação de 12 anos e dois meses e 20 dias. (POLÍTICA / PÁGS. A4 e A5)

Vera Magalhães
Mau presságio

A decisão do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, que confirmou a condenação de José Dirceu e elevou em dez anos a pena imposta a ele pelo juiz Sérgio Moro, é mau sinal para o ex-presidente Lula em vários aspectos. (PÁG. A6)

Supremo afasta Aécio do Senado
Corte também determina que parlamentar, denunciado pela PGR em junho, cumpra recolhimento noturno e não se ausente do País. Por 3 a 2, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem afastar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) do exercício das funções parlamentares e colocá-lo em recolhimento noturno. O colegiado restaurou medidas cautelares que haviam sido determinadas pelo ministro Edson Fachin em maio, como a proibição do senador de se ausentar do País e de entrar em contato com qualquer outro investigado no conjunto de fatos revelados na delação da J&F. A decisão não cassa o mandato de Aécio e, por isso, não retira o foro privilegiado nem a imunidade parlamentar do tucano. Alvo da Operação Patmos em maio, Aécio foi denunciado em junho pela Procuradoria- Geral da República (PGR) pelo crime de corrupção passiva e de embaraço a investigações. O senador é acusado de ter aceitado propina de R$ 2 milhões repassados pela J&F a um primo dele e a um auxiliar parlamentar e de ter tentado obstruir investigações. (POLÍTICA / PÁG. A8)

Defesa estuda recurso
O advogado Alberto Toron, defensor de Aécio Neves, disse que a decisão do colegiado será cumprida a partir do momento da notificação. Toron estuda recurso. “Tenho certeza de que o STF saberá rever a decisão”, disse. (PÁG. A8)

Raquel defende validade de prova obtida em delação
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse que “a lei é clara” ao estabelecer que provas produzidas em delação premiada valem mesmo quando o acordo é rompido. Sobre Lava Jato, ela afirmou que momento é de “estudo” das colaborações do grupo J&F. (PÁG. A7)

Senadores criam fundo eleitoral de R$ 1,7 bilhão
O Senado aprovou o projeto de lei que cria o Fundo Especial de Financiamento de Campanha, destinado a custear campanhas eleitorais. Pelo texto, que segue para a Câmara dos Deputados, o fundo terá R$ 1,7 bilhão de recursos públicos para a eleição de 2018. (PÁG. A9)

Crime controla 850 áreas do Rio, diz polícia
Um trabalho da inteligência da polícia do Rio e das Forças Armadas aponta que em 850 das 1.025 comunidades da capital há traficantes ou milicianos (policiais que fazem segurança privada). Com armamento pesado, as quadrilhas dominam bairros, espalham o medo e praticam extorsão. (METRÓPOLE / PÁG. A12)

TSE revoga prisão de Anthony Garotinho (POLÍTICA / PÁG. A8 )

Infraero afronta governo e fará 50 licitações
Em rota de choque com as áreas do governo que defendem as concessões de aeroportos para reforçar o caixa, a Infraero abriu 50 licitações, oferecendo 68 áreas de exploração comercial em 23 aeroportos. Estão na lista espaços em terminais que serão concedidos à iniciativa privada em 2018. (ECONOMIA / PÁG. B1)

Notas & Informações
Os dólares da reativação
O cenário é mais positivo do que pode parecer à primeira vista. Além do aumento de 13,9% para as exportações, o quadro inclui uma variação de 6,9% para as importações. (PÁG. A3)

Erro de avaliação
Ao revogar o Decreto 9.147/2017, Michel Temer cometeu um sério erro de avaliação política. (PÁG. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : STF afasta Aécio do Senado e determina recolhimento à noite
Tucano foi denunciado em junho sob acusação de corrupção e obstrução da Justiça; ainda cabe recurso
Por 3 votos a 2, a primeira turma do Supremo Tribunal Federal decidiu afastar o senador Aêcio Neves do cargo e determinou que ele cumpra recolhimento domiciliar noturno. O tucano também terá de entregar seu passaporte. A decisão tem efeito imediato, mas senadores tucanos querem que o plenário da Casa se manifeste. Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux votaram pelo afastamento. Contra, o relator do processo, Marco Aurélio, e Alexandre de Moraes.
Aêcio foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista para pagar advogado. A Polícia Federal filmou entrega de parcela a seu primo. Em junho, a Procuradoria-Geral denunciou Aêcio sob acusação de dois crimes, e ele foi afastado do Senado pelo ministro Edson Fachin. Marco Aurélio, substituto de Fachin na relatoria devido à divisão do inquérito, decidiu pela volta do tucano. A Procuradoria recorreu.
A decisão ê vista como sem precedentes por não se tratar de prisão, mas de medida restritiva de liberdade. O afastamento também é inédito. Em 2015, o senador petista Delcídio do Amaral foi preso e, posteriormente, cassado pelos seus pares, mas não afastado do cargo. A defesa de Aêcio deve recorrer da decisão. (Poder A4)

Tribunal aumenta pena de José Dirceu e absolve Vaccari
O Tribunal Regional Federal da 4a Região elevou a pena do ex-ministro José Dirceu para 30 anos e nove meses de prisão. Ele ê acusado de receber propina da Engevix. Sua defesa avalia medidas. O ex-tesoureiro do PT João Vaccari foi absolvido. Ele já havia sido inocentado pelo tribunal de segunda instância em outra ação. (Poder A6)

Palocci deixa o PT e fala em seita guiada por Lula
O ex-ministro Antonio Palocci pediu à direção do PT sua desfiliação do partido, a que se referiu como “seita”. Em carta, ele reafirma as declarações sobre Lula e questiona: “Atê quando vamos fingir acreditar na autoproclamação do ‘homem mais honesto do país’?”. (Poder A5)

Defesa de Lula entrega à Justiça recibos com datas que não existem. (Poder A6)

Senado aprova criação de fundo eleitoral com verba pública
O Senado aprovou projeto que cria fundo para financiar campanhas eleitorais com verba pública. Os recursos virão da compensação fiscal que rádios e TVs recebiam para exibir programas partidários, extinta na proposta.
O senador Armando Monteiro (PTB-PE), relator do projeto, estima que o fundo seja de atê R$ 1,7 bilhão. O texto segue para a Câmara. Para valer em 2018, precisa de sanção presidencial atê 7 de outubro. (Poder A8)

Mudanças podem cortar pela metade receita com o Refis
Após acerto entre Câmara e Casa Civil, o texto do novo Refis, programa de refinanciamento de dívidas com o fisco, deve ser votado hoje. Mudanças que favorecem empresas podem reduzir pela metade a projeção de receita com o atual Refis neste ano, para R$ 4,2 bilhões, afirma a Fazenda. (Mercado A15)

Editoriais
“Conservar ou reformar”, sobre agenda do governo Temer e desigualdade social, e “Realismo rodoviário”, a respeito de concessões de estradas. (Opinião A2)

————————————————————————————




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *