Manchete dos Jornais nesta quinta-feira, 05 de maio de 2016
Postado por: Equipe Portal Cambé Em 5th maio 2016

Sob pressão, STF julga afastamento de Eduardo Cunha
Ministros decidem hoje se tiram peemedebista da presidência da Câmara
Pressionado por partidos, Procuradoria-Geral da União, governo e movimentos sociais, o Supremo Tribunal Federal deve decidir hoje se afasta ou não do cargo o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A pressão sobre a Corte aumentou após aprovação pela Câmara da admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Governistas aproveitaram a votação para criticar Cunha e dizer que ele não tinha legitimidade para conduzir a votação por ser réu no STF, investigado no Conselho de Ética da Casa e alvo da Operação Lava Jato. Ontem, o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, anunciou no fim da sessão que pautaria ação proposta pela Rede Sustentabilidade que pede afastamento de Cunha ou pelo menos seu impedimento de ocupar a Presidência da República em caso da ausência do presidente. À noite, o deputado garantiu estar “absolutamente tranquilo”…


O Globo

Manchete : Supremo julga hoje se tira Cunha da linha sucessória
Ministros tendem a afastar deputado da presidência da Câmara
Em meio à expectativa sobre a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o plenário do Supremo Tribunal Federal julga hoje ação proposta pela Rede que pede a saída do deputado Eduardo Cunha do cargo de presidente da Câmara. Se Dilma for afastada, Cunha é o primeiro na linha sucessória do vice Michel Temer. A tendência dos ministros é impedir o parlamentar de ocupar a Presidência da República, em caso de vacância, porque ele é réu no âmbito da La-va-Jato, situação proibida pela Constituição. (Pág. 3)

Serra agora resiste a assumir Itamaraty
A ameaça de perder a atribuição de comandar o comércio exterior fez o tucano José Serra passar a resistir a ocupar o cargo de ministro das Relações Exteriores num governo Temer, antes dado como certo. (Pág. 9)

Paes pode ser alvo de inquérito sobre Aécio
A Procuradoria Geral da República pediu a inclusão de Eduardo Paes no inquérito que investiga o senador Aécio Neves (PSDB). O prefeito do Rio é suspeito de ajudar o tucano a maquiar dados do Banco Rural na CPI dos Correios. (Pág. 4)

Relator de impeachment vê ‘indícios suficientes’
Relator do processo de impeachment no Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG) disse ver “indícios suficientes” para o afastamento da presidente Dilma do cargo e a abertura de processo por crime de responsabilidade. Em 126 páginas, apresentadas ontem, ele sustenta que as “pedaladas” fiscais dão subsídio ao impeachment e refuta o discurso de “golpe” adotado por Dilma. “Presidencialismo sem possibilidade de impeachment é monarquia absoluta, é ditadura” disse. (Pág. 7)

Lobistas são condenados na Zelotes
A Justiça Federal de Brasília condenou seis lobistas, dois executivos de montadoras e um servidor público por tentativa de influenciar a tramitação de medidas provisórias. O lobista Mauro Marcondes recebeu a maior pena, de 11 anos e 8 meses. (Pág. 24)

Aeroportos privatizados e sem fôlego
Com a crise nas empreiteiras e o menor fluxo de passageiros, Galeão, Guarulhos e Confins estão sem fôlego para investir. Os sócios estrangeiros podem ampliar suas fatias nos terminais. E as empresas tentam adiar o pagamento de R$ 2,3 bilhões em outorgas. (Pág. 21)

Vila do Pan, legado de problemas
Quatro anos após a prefeitura iniciar a recuperação de ruas da Vila do Pan, que começaram a afundar às vésperas dos Jogos de 2007, o legado de problemas parece não ter fim. Obras de R$ 70 milhões não resolveram as falhas e podem ter causado rachaduras e afundamento em garagens. (Pág. 12)

Faltou estudo sobre ondas
Laudo da polícia diz que ciclovia caiu por falta de estudo sobre a ação de ondas na pista e na fixação da estrutura. (Pág. 13)

Sem apoio, cientista vai para os EUA
Falta de apoio e de recursos para a pesquisa científica leva a neurocientista Suzana Herculano-Houzel a trocar seu laboratório na UFRJ pela Universidade de Vanderbilt, nos EUA. (Pág.29)

Merval Pereira
Relatório do impeachment se torna público nos 16 anos da Lei de Responsabilidade Fiscal. (Pág. 4)

Míriam Leitão
Anastasia defende a Lei Fiscal, que é a garantia da inflação baixa. (Pág. 22)

Carlos Alberto Sardenberg
Fazer reformas será difícil, mas país já passou por fortes mudanças. (Pág. 18)

Veríssimo
É tétrico apostar quem chega antes à Presidência: Donald Trump ou Eduardo Cunha? (Pág. 19)

Ancelmo Gois
PSD de Kassab deve levar diretorias poderosas do BB para compensar perda das Cidades. (Pág. 14)

Agenda intensa na reta final
A poucos dias do julgamento do processo de impeachment no Senado, a presidente Dilma intensificou a agenda de viagens e inaugurações. De hoje até dia 11, vai à Amazônia, ao Pará e a Goiás. Ontem, a presidente chamou de levianas as denúncias feitas pelo senador Delcídio Amaral em delação premiada . Pàgs. 4 e 8)


O Estado de S. Paulo

Manchete: Sob pressão, STF julga afastamento de Eduardo Cunha
Ministros decidem hoje se tiram peemedebista da presidência da Câmara
Pressionado por partidos, Procuradoria-Geral da União, governo e movimentos sociais, o Supremo Tribunal Federal deve decidir hoje se afasta ou não do cargo o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A pressão sobre a Corte aumentou após aprovação pela Câmara da admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Governistas aproveitaram a votação para criticar Cunha e dizer que ele não tinha legitimidade para conduzir a votação por ser réu no STF, investigado no Conselho de Ética da Casa e alvo da Operação Lava Jato. Ontem, o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, anunciou no fim da sessão que pautaria ação proposta pela Rede Sustentabilidade que pede afastamento de Cunha ou pelo menos seu impedimento de ocupar a Presidência da República em caso da ausência do presidente. À noite, o deputado garantiu estar “absolutamente tranquilo”. (Política/Pag. A4)

Deputado quer controlar Receita
Eduardo Cunha quer indicar um técnico de sua confiança para dirigir a Receita Federal num eventual governo de Michel Temer. (Pág. A5)

Relator rejeita tese de golpe e defende impeachment
Sob críticas de parlamentares governistas, o relator da Comissão de Impeachment do Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG), apresentou parecer em que afirma haver indícios para afastar Dilma Rousseff do cargo. O tucano defendeu abertura de processo por crime de responsabilidade contra a petista e refutou argumentos “irresponsáveis” de Dilma, que chamou o impedimento de “golpe”. (Política/Pág. A8)

Comissão vota amanhã parecer de relator
No dia 11, plenário do Senado decide pela admissibilidade ou não do processo contra Dilma Rousseff. (Pág. A10)

Temer define Mariz para o Ministério da Defesa
O vice Michel Temer definiu que o advogado Antônio Claudio Mariz de Oliveira será o ministro da Defesa, caso assuma a Presidência. O nome de Mariz foi descartado para a Justiça após criticar a Operação Lava Jato. Dificuldades levaram Temer a voltar atrás em sua intenção de montar uma equipe de “notáveis” e reduzir o número de ministérios. Na lista de ministros praticamente confirmados estão nomes citados na Lava Jato. (Política/Pág. A7)

Provas contra Lula
Delcídio Amaral entregou à PGR documentos que, segundo ele, comprovam reunião com o ex-presidente Lula para tramar contra a Lava Jato. (Pág. A11)

José Roberto de Toledo
Conta de Temer já tem 26 futuros ministros e, ainda assim, não cabem todos os candidatos. Ministério caminha para ser nada surpreendente e duvidosamente bom. (Pág. A6)

Governo levou gasto público ao colapso, diz ex-secretário
O ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda Márcio Holland reconhece que o governo do qual fez parte, na equipe de Guido Mantega, exagerou em medidas anticíclicas que depois contribuíram para agravar a crise e diz que a relação dívida/PIB não se estabilizará antes de 2019. (Economia/Pág.B6)
Juiz ordena retirada de alunos do Paula Souza (Metrópole/Pág. A19)

Janot pede investigação contra Aécio, Paes e Sampaio
O procurador Rodrigo Janot pediu ao STF abertura de inquérito contra o presidente do PSDB, Aécio Neves, o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) e o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB). O senador Delcídio Amaral acusou os três de atuar para maquiar contas do Banco Rural em CPI que investigava o mensalão. (Política/Pág. A11)

Justiça condena 9 por ‘compra’ de medida provisória
A Justiça Federal condenou nove acusados de “comprar” medidas provisórias nos governos Lula e Dilma. Apontados como lobistas do esquema, Mauro Marcondes Machado e José Ricardo da Silva foram condenados por formação de quadrilha e corrupção. (Política/Pág. A12)

Fábio Alves
Blitzkrieg fiscal
Noticiário de bastidores das negociações para a formação do ministério de Michel Temer acendeu a luz amarela na tela dos investidores. (Economia/Pág. B4)

Notas & Informações
A cara do novo governo
Temer não poderá reduzir número de ministérios pela demanda dos politiqueiros por cargos. (Pág. A3)

O ‘rei’ está nu
Finalmente Janot anunciou o que os brasileiros já sabiam: Lula é o chefe da “organização criminosa”. (Pág. A3)


Folha de S. Paulo

Manchete: STFdecide se afasta Eduardo Cunha do comando da Câmara
Rede defende que o presidente da Casa, por ser réu na corte, não pode estarna linha sucessória da Presidência da República
O Supremo Tribunal Federal deve julgar nesta quinta (5) pedido da Rede para afastar Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara. Para o partido, o deputado, por ser réu em processo na corte, não pode estar na linha sucessória da Presidência da República, após o vice. Cunha foi denunciado sob acusação de corrupção e lavagem de dinheiro no esquema de desvios na Petrobras. Ele nega ter cometido crime. Julgar a ação da Rede foi uma alternativa encontrada pela corte para discutir a saída de Cunha, pedida pela Procuradoria-Geral da República em dezembro passado. Parte dos ministros vê fragilidades na peça do procurador-geral, Rodrigo Janot. A tendência é, segundo a Folha apurou, de decisão desfavorável a Cunha. Há possibilidade de a corte decidir só retirá-lo da linha sucessória, mantendo-o no cargo. Nesta terça (3),o presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, disse a deputados favoráveis à saída do peemedebista que “às vezes a sociedade espera do STF mais do que ele pode dar”. Em seguida, o ministro recebeu aliados de Cunha para tratar do reajuste nos contracheques dos ministros da corte e do funcionalismo do Judiciário federal. No mesmo dia, a Câmara aprovou a urgência do projeto. (Poder A4)

Presidente deve ser julgada, conclui relator no Senado
Antonio Anastasia (PSDB-MG), relator do pedido de impeachment de Dilma Rousseff em comissão do Senado, apresentou texto favorável à abertura do processo. Para ele, há “indícios suficientes” para que a presidente seja julgada por crime de responsabilidade. (Poder A5)

Fernando Collor
Impeachment não pode se tornar voto de desconfiança
Temo que o instrumento do impeachment se torne remédio revulsivo e corriqueiro para governo incompetente, sem programa ou base parlamentar. Caso se torne voto de desconfiança, melhor adotar o parlamentarismo. (Opinião A3)

Michel Temer busca mulheres para ministério
Em busca de mulheres para sua equipe, Michel Temer, que assume a Presidência se Dilma Rousseff for afastada, sondou a ex-ministra do STF Ellen Gracie e a deputada Renata Abreu (PTN-SP). A primeira para dirigir a Controladoria- Geral da União,e a segunda para o Ministério dos Direitos Humanos. (Poder A7)

Dilma afirma ser vítima de denúncia leviana e mentirosa
A presidente, Dilma Rousseff, pedirá a apuração do vazamento do pedido de abertura de inquérito contra ela feito ao Supremo pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Segundo ela, as denúncias que dão base à solicitação “são absolutamente levianas e, sobretudo, mentirosas”. (Poder A6)

Governo Alckmin dá calote no Metrô de R$ 333 milhões
A gestão Alckmin (PSDB) usou verba da tarifa do metrô para pagar contratos com a operadora privada da linha 4-amarela e não reembolsou o Metrô por isso. O calote foi de ao menos R$ 333 milhões. Por acordo, dívida foi perdoada. Governo diz que não há prejuízo a usuário. (Cotidiano B3)

Alunos já ocupam 11 escolas técnicas no Estado de SP
O movimento de ocupação iniciado há uma semana na sede do Centro Paula Souza já chega a 11 escolas técnicas estaduais da cidade de São Paulo. Os atos dos estudantes são motivados pela falta ou má qualidade da merenda nas unidades. (Cotidiano B1)

Suzana Herculano- Houzel troca Brasil por pesquisa nos Estados Unidos (B5)

Editoriais
Leia “O começo e o fim”, sobre pedidos do procurador- geral da República, e “Imprudente e ilegal”, acerca de ações do secretário da Segurança de SP. (Opinião A2)


Edição: Equipe Fenatracoop, Quinta-Feira, 05 de Maio de 2016

Compartilhe nossa Matéria