Manchete dos Jornais nesta quinta-feira, 31 de dezembro de 2015
Postado por: Equipe Portal Cambé Em 31st dezembro 2015

Marco Aurélio Canônico: Recorde, fracasso do RJ em políticas para jovens é vergonhoso
Neste ano, 32 jovens de 12 a17 anos foram levados a delegacias do Rio a cada dia, um recorde neste século. Talvez nenhum fracasso político ou social cobre uma conta tão alta no futuro quanto o descaso atual com crianças e adolescentes…

Dilma Rousseff: ‘Querem que o céu caia sobre mim’
Supersticiosa, Dilma Rousseff entrará em 2016 com sua pulseira de olho grego no pulso, informa Vera Rosa. Ela sabe que enfrentará turbulências, e sempre diz a interlocutores: “Tem gente que quer que o céu caia sobre a minha cabeça, mas eu aguento bem a pressão”…


O Globo

Manchete: Dólar teve em 2015 a maior alta em 13 anos
Moeda americana subiu 48,4% e fechou cotada a R$ 3,95
Com a forte valorização, os fundos cambiais foram a melhor aplicação financeira dos últimos 12 meses
O dólar comercial fechou ontem a R$ 3,95, encerrando 2015 com valorização de 48,4%. Foi a maior alta da moeda americana desde os 53,2% de 2002, quando o mercado viveu o estresse da primeira eleição do ex-presidente Lula. Agora, pesaram as crises econômica e política domésticas e mudanças no cenário externo. A disparada da cotação fez dos fundos cambiais a melhor aplicação em 12 meses. (Pág. 19)

Míriam Leitão
Apesar de tudo, não foi um ano perdido. (Pág. 18)

Governo paga R$ 72,4 bi e quita conta das ‘pedaladas’
O governo anunciou que, ao longo de 2015, pagou R$ 72,4 bilhões que devia a bancos públicos e FGTS, quitando a fatura das “pedaladas” fiscais. O rombo nas contas públicas atingiu, assim, o recorde de R$ 118,6 bilhões este ano. (Pág. 17)

Delator cita Aécio e Randolfe (Pág. 4)

Na Venezuela, Justiça suspende 3 opositores (Pág. 22)

Argentina põe fim a controle de mídia (Pág. 22)


O Estado de S. Paulo

Manchete: Dilma paga R$ 72,4 bilhões e quita pedaladas fiscais
Para ministro da AGU, presidente atendeu órgãos de fiscalização e tese para impeachment ‘perdeu fôlego
O governo anunciou o pagamento de R$ 72,4 bilhões referentes a todas as pedaladas fiscais devidas aos bancos públicos e ao FGTS. A maior parte (R$ 55,8bilhões),do primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff, foi quitada nos últimos dias. O acerto dos restantes R$ 16,6 bilhões – débitos contraídos em 2015 – foi feito entre janeiro e novembro. Com isso, o governo espera criar um fato político para enfraquecer o processo de impeachment no Congresso. Responsável pela defesa de Dilma Rousseff, o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, disse que, com o pagamento, a tese usada para afastar a presidente “perde fôlego”. O governo tem “pressa” em tirar o assunto da pauta. Para Adams, a decisão ajuda a mostrar que a gestão Dilma Rousseff está disposta a cumprir as orientações dos órgãos de controle e que o debate sobre a assinatura de decretos orçamentários é tentativa de criar uma “infração que não existe”. As pedaladas são dívidas contraídas com BNDES, Banco do Brasil, Caixa e FGTS sem o respectivo pagamento. (Política, pág. A4)

Alívio para estados
Dilma Rousseff assinou decreto que regulamenta o novo índice de correção de dívidas de Estados e municípios e alivia suas contas. Governadores elogiaram a mudança. (Págs. A4 e A5)

The Economist: Brasil deve ter década perdida
O período iniciado em 2010 já é quase inevitavelmente mais uma década perdida para o Brasil. Se os políticos brasileiros se mobilizarem, a década de 2020 pode ser mais animadora. Se não o fizerem, as coisas vão ficar muito piores. (Economia, págs. B6 e B7)

Dilma Rousseff: ‘Querem que o céu caia sobre mim’
Supersticiosa, Dilma Rousseff entrará em 2016 com sua pulseira de olho grego no pulso, informa Vera Rosa. Ela sabe que enfrentará turbulências, e sempre diz a interlocutores: “Tem gente que quer que o céu caia sobre a minha cabeça, mas eu aguento bem a pressão”. (Pág. A5)

Bolsa recua 7 anos e dólar valoriza 49% em 2015
A conjunção de más notícias que assolou o Brasil em 2015 – como a crise política, os desdobramentos da Operação Lava Jato, a recessão econômica e a perda do grau de investimento – fez a bolsa paulista recuar sete anos em pontuação (43.395) e ficar entre os piores desempenhos das bolsas mundiais. O Ibovespa apresentou prejuízo pelo terceiro ano consecutivo, com queda de 13,31%. Desde 2012, a queda acumulada é de 29%. O dólar teve valorização de 49%. O euro subiu 43,67% e o ouro, 33,63%. (Economia, pág. B1)

Investimentos em 2016
O conservadorismo deve dominar o cenário este ano. Em especial sobre finanças pessoais, confira a opinião de especialistas a respeito de investimentos como Tesouro Direto e bolsa. (Págs. B3 a B5)

Macri extingue órgão regulador da imprensa
O presidente argentino, Mauricio Macri, mudou a Lei de Mídia e eliminou o órgão que regulava os monopólios nos meios de comunicação audiovisuais. O objetivo é acabar com o que considera “guerra contra o jornalismo”. (Internacional, pág. A7)

Venezuela apela à ONU contra impugnações (Internacional, pág. A7)

Cantareira sai do volume morto; risco prossegue
Um ano e meio após ter entrado no volume morto, o Cantareira atingiu 29,3% de sua capacidade e voltou a operar no azul. Para que não seja necessário usar o volume morto novamente, é preciso que os reservatórios armazenem mais 20% de água até abril. (Metrópole, pág. A12)

NOTAS & INFORMAÇÕES
O fim de um erro de bilhões
Governo decidiu enterrar um grande fiasco, o Programa de Sustentação do Investimento
(PSI).

O que eles realmente querem
Por pudor ou esperteza política, os governadores omitem o que mais desejam: a recriação da CPMF. (Pág. A3)


capa

ASSEMBLEIA
Deputados estaduais “torram” verba parlamentar no fim do ano
FUNCIONALISMO
Governo envia ao Congresso projetos de lei para reajuste de servidores
JUDICIÁRIO
Condenados no mensalão pedem perdão da pena ao STF
CRISE NO GOVERNO
Para Adams, processo do impeachment perdeu ‘fôlego’
INVESTIGAÇÕES
Os escândalos que não terminaram em 2015 e vão invadir o ano que vem
2015, o ano que não vai terminar
POLÍTICA ECONÔMICA
2015, o ano que não vai terminar
TRIBUTAÇÃO
Impostos deixam leite mais caro em 2016


Zero Hora

Manchete: ICMS mais alto terá peso de 4,6% no bolso dos gaúchos
Aprovado em setembro na Assembleia, aumento de imposto elevará preços de gasolina, telefonia, TV a cabo e outros produtos e serviços a partir de 1° de janeiro no Rio Grande do Sul. (Pág. 26)

Estado planeja investimentos em infraestrutura
Após novo acordo com a União, RS poderá fazer empréstimos e investir em obras. (Págs. 6 a 8, 10 e 12)


Folha de S. Paulo

Manchete: Cantareira sai do volume morto sem trazer alívio
Racionamento de água para moradores da Grande SP será mantido em 2016
Após 18 meses, o sistema Cantareira deixou de depender da água do fundo das represas (volume morto) para abastecer parte dos moradores da Grande São Paulo.
Contribuíram para isso chuvas acima da média histórica e medidas tomadas pela gestão Alckmin (PSDB): obras e racionamento.
O Cantareira tem capacidade para 1,3 trilhão de litros, e 288 bilhões estão sob as tubulações de captação. Dali, a água é retirada com ajuda de bombas especiais.
O volume morto passou a ser usado em julho de 2014 por causa da piora da seca.
A melhora no sistema, porém, não mudará já a condição de moradores abastecidos por ele —há casas que ficam até 20 horas por dia sem água—, já que a situação ainda inspira cuidados.
O racionamento almeja elevar o nível dos reservatórios para enfrentar sem sustos os meses secos de 2016.
O Cantareira operava ontem com 22,6% da capacidade. Em 2011, a porcentagem era de 95,1%. Para especialistas, é preciso boas chuvas por anos para atingir de novo esse índice. (Cotidiano B1)

Após mudança, Estados já cogitam novas dívidas
O governo federal publicou a regulamentação da legislação que permite que Estados e municípios refinanciem suas dívidas sob novas regras, que reduzem o montante devido à União.
Ao menos três Estados, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rio, admitem que poderão aproveitar a mudança e o alívio no caixa para fazer novos empréstimos.
A alteração no indexador e nos juros cobrados trará custos ao governo federal. A equipe do ex-ministro Joaquim Levy —a quem é atribuída a demora na normatização da lei, aprovada no meio do ano— estimava que a redução dos pagamentos estaduais faria o Planalto perder R$ 1 bilhão em 2015. O total devido está na casa dos R$ 400 bilhões. (Poder A4)

Governo gasta R$ 72,4 bi para quitar pedaladas (Mercado A13)

Marco Aurélio Canônico: Recorde, fracasso do RJ em políticas para jovens é vergonhoso
Neste ano, 32 jovens de 12 a17 anos foram levados a delegacias do Rio a cada dia, um recorde neste século. Talvez nenhum fracasso político ou social cobre uma conta tão alta no futuro quanto o descaso atual com crianças e adolescentes. (Opinião A2)

EDITORIAIS
Leia “O ano do clima”, sobre aquecimento global e Acordo de Paris, e “Comércio e paz”, a respeito de correlação de negócios entre países e guerras. (Opinião A2)

Delator diz ter levado R$ 1 mi a Renan Calheiros
Em depoimento, o entregador de dinheiro Carlos Alexandre de Souza Rocha, 52, disse ter levado R$ 1 milhão a Maceió, a pedido do doleiro Alberto Youssef, para o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Para advogado de Renan, declaração é “de uma inconsistência absoluta”. (Poder A6)

Argentina muda legislação para permitir a venda de canais de TV
(Mundo A7)

Após liminar do Supremo, carteirinha de escola volta a dar direito à meia-entrada (C3)


Edição: Equipe Fenatracoop Quinta-Feira, 31 de Dezembro de 2015

Compartilhe nossa Matéria