O Globo

Manchete: Rio reduz investimento em segurança a quase zero
Governo destinou apenas 0,14% do orçamento para a área em 2017
No total, estado tem 6º gasto per capita mais alto do país, porém maior parte vai para folha
O Rio gastou apenas 0,14% do orçamento da segurança em investimentos em 2017, o menor percentual em uma década. O atual patamar representa só 4,4% do que era investido no auge das UPPs, em 2010. A taxa de investimentos vai na direção contrária à de assassinatos: quando a primeira sobe, a segunda cai, o que se inverteu nos últimos anos, com a queda das verbas e o aumento das mortes. No total, o Rio é o sexto estado que mais gasta com segurança, por habitante. A maior parte, no entanto, é consumida pela folha de pessoal. (PÁGINA 7)

Jungmann: ‘Sem equipe, sem dinheiro e sem teto’ (PÁGINA 4)

Negociação com EUA sobre aço deve envolver Embraer e etanol
O governo só vai à OMC depois de esgotar conversas com Trump para isentar o aço brasileiro da sobretaxa de 25%, mas negociadores avaliam que podem ter de ceder na associação de Embraer e Boeing ou na entrada do etanol americano no Brasil. (PÁGINA 16)

Correios decidem entrar em greve a partir de hoje (PÁGINA 15)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Famílias retomam hábitos de consumo da fase pré-crise
Depois de cortar ou trocar produto mais caro por outro mais barato, consumidor volta a incrementar as compras
As famílias brasileiras começam a retomar hábitos de consumo dos tempos de bonança da economia. Depois da recessão, que fez o consumidor cortar ou trocar produtos no dia a dia, a lista de compras voltou a ter mercadorias mais caras. No lugar da margarina, a manteiga retornou à mesa. O óleo de soja foi substituído pelo azeite de oliva. Requeijão, batata congelada e pão industrializado também estão de volta ao cardápio. Dados da consultoria Kantar Worldpanel mostram que, em 2017, mais de 2 milhões de famílias voltaram a comer manteiga. No pico da crise, o produto estava presente em 32,94% dos lares. Essa participação subiu para 36,80% – superior à registrada antes da recessão, em 2014 (34,17%). A retomada no consumo decorre de um conjunto de fatores: inflação baixa, juros no menor patamar histórico, aumento da renda e reação do mercado de trabalho. (ONOMIA / PÁG. B5)

Esteves volta ao comando
O banqueiro André Esteves se prepara para voltar a ter um cargo formal de comando no BTG Pactual. Há discussões internas para que ele possa retomar a presidência do conselho. O banco definirá nos próximos meses se vai se desfazer da participação no suíço BSI, vendido para EFG International. O discurso é concentrar esforços na América Latina. O BTG Pactual tem R$ 12 bilhões para investir. (PÁGS. B1 e B4)

Meirelles e Maia utilizam voos da FAB em agendas
Pré-candidatos ao Palácio do Planalto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), têm usado aviões da Força Aérea Brasileira para viajar pelo País. Maia voou 63 vezes com aeronaves da FAB desde dezembro – 33 delas para o Rio, seu domicílio eleitoral. Já Meirelles voou 42 vezes desde dezembro. A Câmara e a Fazenda dizem cumprir as normas estabelecidas para o uso das aeronaves e negam irregularidades. (POLÍTICA / PÁG. A4)

Correios entram em greve em todo o País (ECONOMIA / PÁG. B6)

Governo deve elevar bônus para auditores (ECONOMIA / PÁG. B7)

Notas & Informações
Devolver o dinheiro ao dono
A gestão dos recursos públicos não cabe ao Poder Judiciário. Não é ele que deve definir o uso específico das verbas recuperadas da corrupção. (PÁG. A3)

As condições para a inovação
É preciso olhar a inovação com profissionalismo. (PÁG. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete: Programa para o álcool cria embate no governo
Fazenda resiste a proposta de aumentar etanol na mistura com a gasolina
O RenovaBio, programa de incentivo aos biocombustíveis aprovado em lei no final do ano passado, provocou embate interno no governo Michel Temer (MDB). As pastas da Casa Civil e da Fazenda divergem acerca de decreto para elevar a mistura de álcool na gasolina. Assim como o setor sucroalcooleiro, a Casa Civil defende que a mistura passe dos atuais 27% para 30%, até 2030, e 40%, até 2040. A área econômica resiste à ideia, por entender que haverá perda de arrecadação e aumento de preços, com impacto direto na inflação. Sobre a gasolina incidem os tributos federais PIS, Cofins e Cide. Segundo a Fazenda, a alteração em estudo resultaria em perda de ao menos R$ 4 bilhões anuais. Para consultorias, haveria um aumento gradual de até R$ 0,06 por litro, devido à elevação dos custos. Afetados pela reviravolta das políticas do governo Dilma Rousseff (PT), os produtores apoiam o programa. Se o pleito for atendido, a participação do etanol na oferta nacional de combustível chegará a 55% em 2030, calcula o Ministério de Minas e Energia. (Mercado A16)

Todo traficante em São Paulo está | a serviço do PCC
Entrevista da 2ª
A juíza Patrícia Alvares 3 Cruz, 49, que desde janeiro é corregedora de inquéritos policiais em São Paulo, afirma que todo traficante, mesmo os menores e ainda que de maneira indireta, trabalha para o PCC e precisa ser tratado com rigor. De acordo com ela, toda a droga vendida no estado é distribuída pela facção. (A 12

Hábil, Kassab sente antes o cheiro do poder
Vinicius Mota
As condições materiais para uma candidatura presidencial provavelmente são as mais adversas desde a reinstalação do voto direto. Se há vetores que estimulam a profusão de candidaturas, a grana curta atua na contramão. Na confusão, um algoritmo demonstrou capacidade de predição. Chama-se Gilberto Kassab. (Opinião A2)

Colunistas
Leia “Investigar Temer”, em defesa da inclusão do presidente em inquéritos, e “Credibilidades em risco”, acerca da nova fase da Operação Came Fraca. (Opinião A2)

————————————————————————————

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.