Justiça trabalhista é pouco efetiva para empregados
Estudo aponta que só 2% das queixas são consideradas totalmente procedentes; valor médio pago ê de R$ 4.500
Estudo mostra que a Justiça do Trabalho ê cara e, ao contrário do que se costuma pensar, não pode ser considerada enviesada a favor dos empregados. Dados da pesquisa de André Gambier Campos, do Ipea, indica que, na maior parte das vezes, o trabalhador recorre à Justiça para garantir o acerto de verbas rescisórias não pagas, como saldo de salário e aviso prévio. Só 2% das demandas julgadas são totalmente procedentes. Os resultados mais frequentes envolvem decisões parcialmente favoráveis, tanto por meio de conciliações entre patrões e empregados (quase 40%) quanto por sentenças (28%). Em média, o valor pago ê de R$ 4.500 por reclamação. Para Campos, o Brasil gasta muito dinheiro para julgar pequenos valores. Em 2015, ano do estudo, foram recebidas 3,8 milhões de novas ações pela Justiça trabalhista, que herdou 2,1 milhões de casos anteriores. A estrutura custou R$ 14,2 bilhões aos cofres públicos em 2014. Feitas as contas, para cada R$ 1 pago aos empregados, a Justiça do Trabalho desembolsou R$ 0,91. Para o pesquisador, a reforma trabalhista deve elevar a litigância…

—————————————————————————–

O Globo

Manchete: Comércio terá 10% mais vagas temporárias no fim de ano
Empresas preveem a criação de 111 mil postos de trabalho extras para o Natal
Reforma trabalhista, que flexibiliza contratos, ainda não terá efeito este ano, segundo especialistas. Mas retomada da economia ampliará efetivações após período de festas
Após dois anos de queda nas vagas extras de fim de ano, o comércio deve abrir 111 mil postos de trabalho para o Natal no país, numa alta de 10%, preveem empresas de RH que fazem contratações temporárias. Isso mesmo sem haver ainda um grande efeito da reforma trabalhista, que entra em vigor no próximo dia 11. É a recuperação do varejo, que prevê vender 4% mais no Natal, o motor do aumento de vagas. E 27% dos temporários devem ser efetivados. (Pág. 17)

Câmara votará pacote de segurança menor
A Câmara prepara a votação, semana que vem, de um pacote de segurança mais tímido do que o previsto. O presidente da Casa, Rodrigo Maia, quer evitar temas polêmicos, mas é pressionado pela “bancada da bala”. (Pág. 3)

Pistas sobre um 2018 incerto
Na primeira sondagem do Ibope para as eleições de 2018, que mostra a liderança do ex-presidente Lula e do deputado Jair Bolsonaro, pesa o fato de eles serem conhecidos do eleitor e estarem em clara pré-campanha. (Pág. 4)

————————————————————————————

O Estado de S.Paulo

Manchete: Com 7 casos por dia, latrocínio sobe 58% no País em 7 anos
Os roubos seguidos de morte cresceram em 19 Estados entre 2015 e 2016
Foram registrados no País 2,5 mil latrocínios no ano passado, ou sete casos por dia, 57,8% a mais do que em 2010, de acordo com dados inéditos do 11.º Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que será divulgado hoje. Nos sete últimos anos, houve 13,8 mil casos de roubos seguidos de morte. Os registros desse tipo de crime cresceram em 19 Estados entre 2015 e 2016, incluindo o Rio, com alta de 70%. Para especialistas em segurança pública, a crise econômica e a redução de investimentos no combate à criminalidade ajudam a explicar os indicadores. Em São Paulo, que tem taxa de 0,8 morte por latrocínio por 100 mil habitantes, a terceira menor do País, o aumento das ocorrências voltou a preocupar a polícia: foram 237 casos no primeiro semestre deste ano, maior número desde 2003. Os índices caíram no Estado nos últimos três meses. (METRÓPOLE / PÁGS. A13 e A14)

Marina é pressionada em nova crise na Rede
A menos de um ano das eleições presidenciais, a Rede Sustentabilidade, partido da ex-ministra Marina Silva, terceira colocada em 2014, enfrenta dificuldades financeiras, crise ideológica e a ameaça de debandada de filiados. Com quatro deputados federais, a sigla mantém estrutura de partido nanico e recebe R$ 280 mil do Fundo Partidário por mês. A relutância do grupo de Marina em formar alianças para ampliar o tempo de TV e o isolamento da ex-senadora pioraram a crise interna. Parlamentares já admitem deixar o partido. (POLÍTICA / PÁG. A4)

Pacote contra a corrupção traz alternativa à lei de abuso
O pacote de “100 medidas contra a corrupção”, anunciado pelo procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol e planejado pela Fundação Getúlio Vargas e pela Transparência Brasil, prevê, entre outros pontos, alternativa à lei de abuso de autoridade, em tramitação na Câmara dos Deputados. A proposta retira da pauta os crimes de hermenêutica – interpretação distorcida das leis – e o cerceamento da condução coercitiva e da prisão preventiva. O pacote também foca na responsabilização dos partidos e prevê novas regras para o Fundo Partidário. As propostas devem ser apresentadas em 2018. (POLÍTICA / PÁG. A8)

Fábrica de chip de Eike gasta R$ 1 bi e quase não produz
Criada para ser a “campeã nacional de tecnologia”, a fábrica de chips Unitec, fruto de uma parceria do BNDES com Eike Batista, consumiu R$ 1 bilhão em investimentos, mas ainda está pré-operacional. Depende do aporte de R$ 200 milhões para funcionar em grande escala. A empresa estaria negociando a entrada de novo sócio que, especula- se, seria chinês. (ECONOMIA / PÁGS. B1 e B3)

Cida Damasco
A conversa que circula no Planalto é virar a página e aproveitar ao máximo a travessia até 2018. (eCONOMIA / PÁG. B6)

Notas & Informações
boleia da dívida pública
Ainda por alguns anos, a receita federal continuará insuficiente para custear o funcionamento do governo, permitir algum investimento, cobrir os juros e amortizar o principal. (PÁG. A3)

A traição original
Lula da Silva, na encruzilhada da História, fez sua opção. Traiu o Brasil e os brasileiros. (PÁG. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Justiça trabalhista é pouco efetiva para empregados
Estudo aponta que só 2% das queixas são consideradas totalmente procedentes; valor médio pago ê de R$ 4.500
Estudo mostra que a Justiça do Trabalho ê cara e, ao contrário do que se costuma pensar, não pode ser considerada enviesada a favor dos empregados. Dados da pesquisa de André Gambier Campos, do Ipea, indica que, na maior parte das vezes, o trabalhador recorre à Justiça para garantir o acerto de verbas rescisórias não pagas, como saldo de salário e aviso prévio. Só 2% das demandas julgadas são totalmente procedentes. Os resultados mais frequentes envolvem decisões parcialmente favoráveis, tanto por meio de conciliações entre patrões e empregados (quase 40%) quanto por sentenças (28%). Em média, o valor pago ê de R$ 4.500 por reclamação. Para Campos, o Brasil gasta muito dinheiro para julgar pequenos valores. Em 2015, ano do estudo, foram recebidas 3,8 milhões de novas ações pela Justiça trabalhista, que herdou 2,1 milhões de casos anteriores. A estrutura custou R$ 14,2 bilhões aos cofres públicos em 2014. Feitas as contas, para cada R$ 1 pago aos empregados, a Justiça do Trabalho desembolsou R$ 0,91. Para o pesquisador, a reforma trabalhista deve elevar a litigância. (Mercado A19)

Nova regra deverá favorecer quem já tem mandato
A mudança em leis eleitorais feita no começo do mês beneficiará grandes partidos e políticos com mandato, segundo especialistas. As novas regras dizem respeito a fundo público eleitoral, cláusula de desempenho e, a partir de 2020, fim de coligações proporcionais. (Poder A4)

Projeto de lei ameaça área de 400 milhões de anos no Paraná (Ciência B6)

Crise financeira esvazia escola de economia da USP
O déficit da universidade e a atração de faculdades privadas culminaram na saída de 24 dos 67 docentes da escola de economia da USP. Em dois anos, 20 se aposentaram com receio da reforma da Previdência, e os outros migraram para instituições privadas. (Mercado A20)

Reitor da Universidade de São Paulo será escolhido hoje (Cotidiano B3)

Entrevista da 2a. – Jermyn Brooks : Dar bônus a executivos estimula atos de corrupção
Uma das armas para reduzir a corrupção é mexer nos bônus que executivos ganham para atingir metas. A avaliação é de Jermyn Brooks, 70, membro da Transparência Internacional e conselheiro de empresas como Siemens e Odebrecht. O governo deveria ainda, diz, dar incentivo à empresa, e não só punir. (Poder A16)

Leandro Colon
Semana promete ‘não existir’ na capital federal
Brasília, terra do serviço público, sempre se conformou com a manobra dos Poderes para emendar feriados, adiando sessões do Judiciário e do Legislativo. A prática mantém privilégios e não muda o país. (Opinião A2)

Editoriais
Leia “Poucas letras e números”, sobre avaliação de alunos da rede pública, e “Ajuda global”, acerca de conjuntura favorável nas principais economias. (Opinião a2)

————————————————————————————

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.