Raquel pede ao STF que Temer preste depoimento sobre portos
Investigação apura supostas irregularidades relacionadas a decreto; assessoria diz que presidente responderá
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo Tribunal Federal que o presidente Michel Temer deponha em investigação que apura suspeitas de irregularidades relacionadas ao Decreto dos Portos. Editado em maio, o decreto teria beneficiado a Rodrimar, empresa que opera em Santos. Raquel também solicitou prazo de 60 dias para conclusão das investigações no inquérito, que inclui o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) e duas pessoas ligadas à Rodrimar. A apuração no STF investiga possíveis crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva. O relator do processo é o ministro Luís Roberto Barroso. A Secretaria de Comunicação Social da Presidência informou que Temer responderá aos questionamentos…

Contratos de obras sob suspeita geram disputa no TJ-SP
Desembargadora do Tribunal de Justiça de SP acusa o presidente da corte, Paulo Dimas Mascaretti, de omissão por não mandar apurar inconsistências em negócios com a Argeplan, que tem como sócio o coronel João Baptista Lima Filho, investigado na Lava Jato. O tribunal nega irregularidades.

———————————————————————-

O Globo

Manchete: Americano mata 59 pessoas, fere 527 e deixa mundo perplexo
Atirador tinha 17 armas em hotel em Las Vegas e mais 18 em casa
FBI descarta participação do Estado Islâmico

Um dia depois de o som das rajadas disparadas contra milhares de pessoas que assistiam a um show de música country em Las Vegas deixar os EUA e o resto do mundo perplexos, a polícia ainda não havia descoberto a motivação da barbárie. Do alto de um hotel a 366 metros dali, o americano Stephen Paddock, de 64 anos, abriu fogo contra a plateia, na noite de domingo, matando ao menos 59 e deixando 527 feridas. Encontrado morto, Paddock tinha 17 armas no hotel e 18 em casa. O presidente Trump condenou o ataque, mas não falou em controle de armas. (Págs. 22 a 24)

Raquel quer interrogar o presidente
A procuradora-geral, Raquel Dodge, pediu autorização do STF para ouvir o presidente Temer sobre irregularidades na regulamentação de portos. Senado e STF tentam acordo para evitar um confronto aberto devido ao recolhimento noturno do tucano Aécio, que entrou com recurso na Corte. (Págs. 3 a 5)

Rio já tem 45 cracolândias
Levantamento da Secretaria de Assistência Social revela que o Rio tem 45 cracolândias, onde se reúnem 1.200 dependentes. A mais recente fica na Urca. (Pág. 8)

Reitor investigado é achado morto
Suspeito de obstruir investigação sobre desvio de verbas, o reitor da Universidade Federal de Santa Catarina foi achado morto num shopping de Florianópolis. (Pág. 7)

Pezão: ‘Eu só assinava’ (Pág. 7)

Museus reagem a ataque
Dirigentes de 73 instituições culturais do país assinaram carta para protestar contra as reações violentas a uma performance no MAM-SP. No Rio, o Conselho do MAR decide hoje se a mostra “Queermuseu”, cancelada em Porto Alegre, será exibida na cidade.(Segundo Caderno)

MOACIR DOS ANJOS
É hora de reagir à tentativa de impedir a promoção do dissenso (Segundo Caderno)

Temer ignora apelo de cientistas
Em carta enviada semana passada, 23 ganhadores do Nobel criticam corte de verbas. (Pág. 26)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Raquel pede ao STF que Temer preste depoimento sobre portos
Investigação apura supostas irregularidades relacionadas a decreto; assessoria diz que presidente responderá
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo Tribunal Federal que o presidente Michel Temer deponha em investigação que apura suspeitas de irregularidades relacionadas ao Decreto dos Portos. Editado em maio, o decreto teria beneficiado a Rodrimar, empresa que opera em Santos. Raquel também solicitou prazo de 60 dias para conclusão das investigações no inquérito, que inclui o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) e duas pessoas ligadas à Rodrimar. A apuração no STF investiga possíveis crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva. O relator do processo é o ministro Luís Roberto Barroso. A Secretaria de Comunicação Social da Presidência informou que Temer responderá aos questionamentos. (POLÍTICA / PÁG. A4)

Delações andam na PGR
As negociações de acordos de delação premiada voltaram a tramitar na Procuradoria- Geral da República. O grupo de Raquel Dodge estabeleceu conversas com advogados de quatro investigados. (PÁG. A6)

Senado mantém votação que deve derrubar decisão sobre Aécio
O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), manteve para hoje a votação que deve derrubar o afastamento do mandato e o recolhimento noturno impostos pelo STF a Aécio Neves (PSDB-MG). A decisão foi tomada mesmo após a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, sinalizar com um acordo para evitar crise. (POLÍTICA / PÁG. A8)

Empresas quitam dívidas antes do prazo
Diante da reação da economia e prevendo o cenário eleitoral de 2018, empresas têm ido ao mercado para antecipar pagamentos ou alongar dívidas. O objetivo é fugir de potencial volatilidade de preços. De janeiro a agosto, companhias captaram no mercado R$ 69,9 bilhões, valor 32% maior que em 2016. (ECONOMIA / PÁG. B1)

Doria planeja investir R$ 5,5 bi em 2018 (Metrópole / Pág. A17)

Eliane Cantanhêde
Acontece o samba do Brasil doido, em que coisas inacreditáveis ocorrem santo todo dia. (POLÍTICA / PÁG. A6)

Notas & Informações
Brasil derrotado na Câmara
O Brasil foi mais uma vez derrotado em uma votação no Congresso com a aprovação do texto-base do novo programa de renegociação de dívidas tributárias. (PÁG. A3)

Catalunha, realidade e aparência
O plebiscito acirrou ainda mais os ânimos dos dois lados. (PÁG. A3)

Editoriais
“Nuances da rejeição”, sobre impopularidade recorde de Michel Temer, e “Direção errada”, acerca de escolha de dirigentes de escolas públicas. (Opinião A2)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Ataque a tiros em Las Vegas mata dezenas em show
Aposentado americano de 64 anos disparou do alto de hotel e matou ao menos 59; atentado foi o maior da história do país
Pelo menos 59 pessoas morreram durante um festival de música country em Las Vegas (EUA) na noite de domingo (madrugada de segunda-feira no Brasil) ao serem alvejadas por um atirador.
O americano Stephen Paddock, 64, fez os disparos do 32° andar do Mandalay Bay, hotel perto do local do show, na avenida Las Vegas Strip.
A polícia afirma tê-lo encontrado morto no hotel, onde estava hospedado. Havia no quarto 23 armas. O ataque, que ainda deixou mais de 500 feridos, foi o mais grave do gênero registrado na história dos EUA. Em 2016, um atirador matou 49 e feriu ao menos 53 em boate em Orlando (Flórida).
O Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque, mas o FBI (polícia federal americana) disse não haver evidências de ligação entre Paddock e a facção radical. Contador aposentado, o atirador morava em Mesquite, a 120 km de Las Vegas. Na tarde de ontem, turistas e curiosos olhavam de longe a cena do crime, atrás do cordão policial, e fotografavam a janela do 32° andar do hotel-cassino, relata a enviada Fernanda Ezabella.
Donald Trump classificou o ato de “pura maldade” e pediu união no país. O presidente não fez menção à discussão sobre porte de armas. Em Nevada, o Estado em que fica Las Vegas, há maior facilidade para a aquisição de armamentos. (Mundo A15)

Análise : PATRÍCIA C. MELLO
Lobby dificulta aprovar lei de controle de arma (Mundo A16)

Plano privatizador de Doria avança rápido na Câmara
O programa de concessões e privatizações do prefeito de SP, João Doria (PSDB), tem avançado de forma rápida e genérica na Câmara Municipal, onde apenas 11 dos 55 vereadores são de oposição. A maioria dos projetos não tem cronograma, valores ou contrapartidas. (Cotidiano B1)

Investigado, reitor afastado da UFSC é achado morto (Cotidiano B2)

Dodge quer ouvir Michel Temer em inquérito sobre decreto de portos (Poder A4)

Contratos de obras sob suspeita geram disputa no TJ-SP
Desembargadora do Tribunal de Justiça de SP acusa o presidente da corte, Paulo Dimas Mascaretti, de omissão por não mandar apurar inconsistências em negócios com a Argeplan, que tem como sócio o coronel João Baptista Lima Filho, investigado na Lava Jato. O tribunal nega irregularidades. (Poder A14)

Trabalho da Lava Jato no Paraná está no fim, diz Moro
Sem dar prazos, o juiz Sérgio Moro afirmou ontem que a Operação Lava Jato em Curitiba se aproxima do fim. Em São Paulo para receber homenagem de universidade dos EUA, com título já dado a Madre Teresa, ele defendeu prisões preventivas e descartou enviar processos a outro juiz. (Poder A6)

Não pretendo me candidatar a nada, afirma empresária Paula Lavigne (Poder A8)

————————————————————————————

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.