Manchete dos Jornais nesta terça-feira, 05 de julho de 2016
Postado por: Equipe Portal Cambé Em 5th julho 2016

Segurança no Rio é horrível, diz Paes a um mês dos Jogos
À rede CNN prefeito critica governo fluminense pela 2ª vez em três dias
A um mês da aberturados Jogos Olímpicos, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), voltou a criticar o governo fluminense, dessa vez em relação à segurança. “É o tema mais importante no Rio, e o Estado está fazendo um trabalho horrível”, afirmou à rede de TV norte-americana CNN. Para Paes, é um alento o setor não ser responsabilidade só do governo do Rio na Olimpíada. “Vai ter a Força Nacional, o Exército, a Marinha. Todos estarão aqui.” Foi a segunda vez no intervalo de três dias que ele atacou o governo do Estado. No sábado (2), Paes criticou a Secretaria Estadual de Saúde por dizer que o atendimento estará em risco nos Jogos por falta de recursos. Ele afirmou que as autoridades estaduais deveriam “tomar vergonha na cara”, “arregaçar as mangas” e parar com o “chororô”. A Secretaria Estadual de Segurança considerou “irresponsáveis” as afirmações do prefeito, por estimularem movimentos grevistas. Após a divulgação da entrevista, o prefeito declarou confiar no governo, comandado pelo interino Francisco Dornelles (PP)…


O Globo

Manchete : Paes afirma que segurança não será problema na Olimpíada
Prefeito diz que situação hoje é ‘terrível’, mas que tropas federais vão atuar nos Jogos
O prefeito Eduardo Paes disse que as tropas das forças Armadas e Nacional vão garantir a tranquilidade da Olimpíada, apesar de a segurança do estado estar “muito ruim”. À CNN, chegou a dizer que está “horrível, terrível”. Segundo ele, a preocupação é como ficará o dia a dia do carioca após o evento. Paes, que vê como principais legados a mobilidade e o resgate da Zona Portuária, criticou quem não reconhece a importância dos Jogos para a cidade: “É um complexo de viralata assoberbado.”

Nuzman evita promessa de contas no azul
Presidente do Rio-2016 e do Comitê Olímpico do Brasil, Carlos Arthur Nuzman admite que poderá precisar de verbas públicas em caso de dívidas após a Olimpíada. Para ele, diante das crises política e financeira do estado, o Rio não seria sede se a escolha do COI acontecesse hoje. (Caderno Especial)

Lava-Jato: centro de pesquisa teve desvio de R$ 39 milhões
Propina destinada a tesoureiro do PT irrigou até escola de samba, segundo PF
A Lava-Jato revelou ontem esquema que, segundo os investigadores, desviou R$ 39 milhões da obra do Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes), no Rio. Parte dos recursos ilícitos teria sido repassada ao ex-tesoureiro do PT (entre 2005 e 2010) Paulo Ferreira. Além de abastecer campanhas petistas, a propina irrigou, de acordo com a PF, o caixa de uma escola de samba em Porto Alegre e as contas de uma rainha de bateria ligada a Paulo Ferreira. O ex-tesoureiro do PT teve novo pedido de prisão decretado. Ele, porém, já está preso desde a semana passada, pela Operação Custo Brasil. A WTorre, que apresentou preço menor na disputa pela obra, teria recebido R$ 18 milhões de outras empreiteiras para desistir da disputa, o que a empresa nega. (Pág. 3)

JOSÉ CASADO – Dilma deu a Cunha acesso ao dinheiro do FGTS. (Pág. 15)

Novo PIS deve cortar vagas
Estudo do IBPT mostra que a reforma do PIS/Cofins em discussão no governo aumenta a carga tributária e levará a um corte de 2 milhões de empregos no setor de serviços. (Pág. 19)

Medidas impopulares
O presidente interino, Michel Temer, admitiu ontem que, “a partir de certo momento”, poderá tomar medidas impopulares. (Pág. 7)

Prisões do Rio sem controle
Relatório da Vara de Execuções Penais denuncia que presos do Rio saem para cometer crimes e pedem entrega de comida na cadeia, revela CHICO OTAVIO. (Pág. 9)

UFRJ: polícia já tem 4 suspeitos
A polícia investiga quatro pessoas pela morte do estudante Diego Machado no campus da UFRJ. Entre os suspeitos, há alunos da universidade. (Pág. 11)


O Estado de S. Paulo

Manchete : Obra de centro do pré-sal bancou até escola de samba
Nova fase da Lava Jato investiga propina de R$ 39 milhões em ampliação de espaço de pesquisa no Rio
A Operação Lava Jato avançou sobre obras da Petrobrás relacionadas ao pré-sal. A 31.ª fase da investigação mirou esquema de corrupção na licitação de obras do Centro de Pesquisas (Cenpes) da estatal, na Ilha do Fundão, Rio de Janeiro. Segundo a Procuradoria da República e a Polícia Federal, os desvios envolveram várias empresas e financiaram até escola de samba e blog, além de bancarem parentes do ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira – principal alvo da Operação Abismo. Segundo investigadores, o consórcio formado para realizar as obras, batizado de Novo Cenpes, pagou R$ 39 milhões em propinas – R$ 18 milhões teriam ido para a construtora W Torre desistir da disputa e o resto para o PT e a Diretoria de Serviços da Petrobrás. Ferreira foi preso na semana passada na Operação Custo Brasil. (Política A4 a A6)

Análise
Eliane Cantanhêde – O crime compensa?
O lado péssimo é a revelação de quão corrupto o Brasil se tornou, até bater nesse “abismo”. O ótimo é que nunca as investigações foram tão longe. (Pág. A6)

A MADRINHA E O MENSALINHO
Segundo procuradores da Lava Jato, a madrinha de bateria da Sociedade Recreativa e Beneficente Estado Maior da Restinga (Tinga), Viviane da Silva Rodrigues, recebeu mensalinho entre 2010 e 2012. No total, foram R$ 61,7 mil em 18 parcelas. (Pág. A6)

Partidos não indicam nomes e travam pacote anticorrupção
Três semanas após a autorização, PMDB, PT e PP, partidos que abrigam os principais alvos da Lava Jato, ainda não indicaram deputados para compor a comissão especial responsável pela tramitação dos projetos anticorrupção na Câmara. PSC e PCdoB também não apresentaram nomes. A falta das indicações é apontada como motivo pelo qual o presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), ainda não liberou o início dos trabalhos. (Política A7)

STF quebra sigilo de Maranhão
O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), teve o sigilo bancário quebrado. Ele teria recebido propina para atuar em favor de doleiro envolvido em esquema de corrupção. (Pág. A7)

A um mês dos Jogos, Paes diz que segurança do Rio é horrível
Em entrevista à rede de TV CNN, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), disse que o governo do Estado faz “um trabalho terrível, horrível” na segurança pública. “O governo está falhando completamente em seu trabalho de polícia, em tomar conta da segurança pública”, afirmou. Paes é aliado das gestões de Sérgio Cabral Filho e Luiz Fernando Pezão, ambos do PMDB. Ele afirmou que, “felizmente”, haverá “a Força Nacional, o Exército, a Marinha”. O governo do Estado não comentou. (Esportes A13)

Pacote transfere às teles R$ 17 bi em patrimônio
O pacote de estímulo à economia pode liberar até R$ 17 bilhões em patrimônio para operadoras de telecomunicação. Ideia é permitir que ativos, como edifícios e redes, que teriam de ser devolvidos ao fim da concessão, continuem com as empresas e possam ser vendidos. (Economia B1)

Campanha contra pólio é reduzida
Prevista para setembro, ela terá como foco crianças de 6 meses a 5 anos que ainda não tomaram 5 doses da gotinha. Antes, destinava-se a todo o grupo etário. (Metrópole A10)

Meta fiscal pode incluir aumento de imposto (Economia B4)

José Paulo Kupfer
O campeão voltou… – Anomalia no mercado cambial brasileiro faz com que o real valorize mais do que outras moedas nas ondas de baixa do dólar, e vice-versa. (economia B8)

Notas&Informações
Economia esboroada – Além da maior recessão em muitas décadas, degradou-se e perdeu capacidade de operação (A3)

Lava Jato sob ameaça – Os políticos sob suspeição têm poder para impor restrições legais à atuação da operação (A3)


Folha de S. Paulo

Manchete : Segurança no Rio é horrível, diz Paes a um mês dos Jogos
À rede CNN prefeito critica governo fluminense pela 2ª vez em três dias
A um mês da aberturados Jogos Olímpicos, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), voltou a criticar o governo fluminense, dessa vez em relação à segurança. “É o tema mais importante no Rio, e o Estado está fazendo um trabalho horrível”, afirmou à rede de TV norte-americana CNN. Para Paes, é um alento o setor não ser responsabilidade só do governo do Rio na Olimpíada. “Vai ter a Força Nacional, o Exército, a Marinha. Todos estarão aqui.” Foi a segunda vez no intervalo de três dias que ele atacou o governo do Estado. No sábado (2), Paes criticou a Secretaria Estadual de Saúde por dizer que o atendimento estará em risco nos Jogos por falta de recursos. Ele afirmou que as autoridades estaduais deveriam “tomar vergonha na cara”, “arregaçar as mangas” e parar com o “chororô”. A Secretaria Estadual de Segurança considerou “irresponsáveis” as afirmações do prefeito, por estimularem movimentos grevistas. Após a divulgação da entrevista, o prefeito declarou confiar no governo, comandado pelo interino Francisco Dornelles (PP). (Esporte B1)

Por suspensão de dívida, prefeitos podem ir ao STF
Prefeitos de municípios endividados querem deixar de pagar parcelas de suas dívidas, assim como os Estados negociaram com a União, e estudam também recorrer ao Supremo Tribunal Federal. O governo afirma não ter dinheiro para negociações. (Mercado a13)

A empresários Temer fala em medidas amargas
O presidente interino, Michel Temer ( PMDB), afirmou a empresários em São Paulo que o governo pode adotar, “a partir de certo momento”, medidas impopulares. Ele não especificou quais seriam as medidas. (Mercado a13)

Inflação deve recuar com a queda do dólar, preveem analistas. (Mercado a15)

Propina abastecia escola de samba, aponta Lava Jato
O ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira, que já estava preso, foi alvo de nova fase da Operação Lava Jato. Investigadores afirmam que o petista recebeu propina com origem em uma obra da Petrobras no Rio e repassou dinheiro a uma escola de samba e a um blog. (Poder a4)

Custo de arenas subiu, mas uso de dinheiro público foi reduzido (B3)

Editoriais
Leia “Saldo olímpico”, sobre legado dos Jogos para a cidade do Rio de Janeiro, e “Alento industrial”, a respeito de sinais de recuperação do setor. (Opinião a2)


Edição: Equipe Fenatracoop, Terça-Feira, 05 de Julho de 2016

Compartilhe nossa Matéria