Manchete dos Jornais nesta Terça-Feira, 25 de agosto de 2015
Postado por: Equipe Portal Cambé Em 25th agosto 2015

Indícios sobre financiamento da campanha de Gleisi vão ao STF
O Ministério Público Federal remeteu ao STF indícios de que a Consist, empresa investigada na Lava Jato por contrato com Ministério do Planejamento, pagou serviço jurídico da campanha de Gleisi Hoffmann (PT)


O Globo

Manchete : China deve prolongar crise no Brasil
Levy diz que país está preparado para turbulências, mas não descarta aumentar impostos
Temor de que a economia chinesa pise no freio derruba mercados. Ações caem 8,5% em Xangai, arrastando Europa e EUA. No mundo, pregões perdem US$ 4,8 trilhões. No Brasil, Bovespa recua 3,03%. Recessão, juros altos e déficit fiscal reduzem blindagem brasileira
O temor de que a economia chinesa vá sofrer um freio mais intenso do que o previsto derrubou os mercados globais. A Bolsa de Xangai caiu 8,5% e arrastou os pregões europeus, que sofreram perdas de mais de 4%. Nos EUA, a Bolsa de Nova York despencou 6,6% na abertura do pregão, e fechou em queda de 3,94%, num dia apelidado de “segunda-feira de pesadelo”. No mundo, evaporaram US$ 4,8 trilhões das Bolsas. Analistas afirmam que a piora no cenário global deve agravar a crise no Brasil, pois ocorre num momento em que o país enfrenta recessão, inflação elevada, juros altos e fragilidade fiscal. A Bovespa fechou em queda de 3,03%, após chegar a cair até 6,5% de manhã. O dólar subiu 1,63%, para R$ 3,552. Em Washington, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse que o Brasil “está preparado” para enfrentar turbulências. Mas não descartou aumento de impostos em 2016. (Págs. 19 a 21 e

editorial (País não aguenta mais aumento de impostos)
Dilma admite erros na economia e agora anuncia corte de ministérios
Presidente reconhece que, no ano eleitoral, demorou a perceber gravidade da crise e a agir
No dia em que o vice-presidente Michel Temer confirmou sua saída da articulação política do governo, a presidente Dilma fez ontem um mea-culpa sobre a condução da economia, relata Ilimar Franco. “Errei ao ter demorado tanto a perceber (no ano passado) que a situação era mais grave. Deveria ter começado a agir talvez em setembro, outubro e novembro”, disse. Contrariando o discurso da campanha eleitoral, ela anunciou o corte de dez dos 39 ministérios e de mil cargos comissionados. Dilma afirmou ainda ter sido surpreendida pelo envolvimento de petistas nos desvios descobertos na Lava-Jato. (Págs. 3 e 4)

Temer deixa ‘varejo ’ da articulação
Pressionado por parte do PMDB, o vice-presidente Michel Temer não tratará mais de cargos e emendas nas negociações políticas. (Pág. 6)

O ‘clube do milhão’ dos sindicatos
Dados do Ministério do Trabalho mostram que 480 sindicatos receberam mais de R$ 1 milhão de Contribuição Sindical, cada um, em 2014. As informações foram divulgadas por ordem da CGU, depois de reportagens do Globo. (Pág. 9)

Governo recua no 13º de aposentado
Após idas e vindas do governo, a primeira parcela do 13º de aposentados do INSS será toda paga em setembro. (Pág. 22)

Venezuela deporta mil colombianos
A Venezuela expulsou 1.012 cidadãos colombianos no fim de semana, provocando reação da Colômbia. (Pág. 26)

Herval Pereira
O arremedo de mea-culpa da presidente não transmite sinceridade (Pág. 4)
Míriam Leitão
Saída de Temer aumenta a incerteza, e agora a situação externa piorou (Pág. 20)


O Estado de S. Paulo

Manchete : Dilma : ‘Governo demorou a perceber a gravidade da crise econômica’
Em entrevista a convite do Planalto, ela prometeu cortar 10 ministérios e mil cargos. Sobre Temer, disse que ‘tem sido de extrema lealdade’
A presidente Dilma Rousseff anunciou ontem o corte de dez ministérios, sem especificar quais, a redução de cerca de mil dos 22,5 mil cargos comissionados e a extinção de secretarias ministeriais. Numa entrevista a jornais a convite do Planalto, Dilma justificou a decisão como parte dos movimentos para melhorar a gestão do País. “Vamos passar os ministérios a limpo.” Também reconheceu que o governo demorou a perceber a gravidade da situação econômica, especialmente no exterior, e “levou muitos sustos”, como a queda dos preços internacionais dos barris de petróleo e das commodities. Sobre a Previdência Social, avisou que não será possível evitar discussões sobre uma reforma. “Nós não queremos a Grécia. Queremos?” Ainda elogiou a atuação do vice-presidente Michel Temer: “Ele tem sido de extrema lealdade comigo. E o resultado da primeira fase de sua articulação foi um sucesso”, disse. (Política/ Pág. A4)

Levy fica, diz presidente
A presidente defendeu o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e procurou rechaçar especulações de que ele pode deixar o governo. “Isso é mentira.” Ministros têm criticado a falta de “sensibilidade política” de Levy. (Pág. A4)

Temer diz não a apelos e deixa articulação política.
O vice-presidente Michel Temer avisou a presidente Dilma Rousseff que deixará a articulação política do governo. Com isso, não vai mais cuidar da negociação de cargos e emendas com a base aliada. Braço direito do peemedebista, Eliseu Padilha também abandonará a interlocução com o Congresso. O movimento foi interpretado no Planalto como o primeiro passo para o PMDB sair da aliança governista. Oficialmente, Temer se dedicará a partir de agora à “macropolítica” e aos “grandes temas”. (Política / Pág. A6)

Planalto quer adiar explicações
O governo pediu ao TCU mais 15 dias de prazo para explicar sobre as pedaladas fiscais de 2014. Para a oposição, trata-se de “mera protelação”. (Pág. A6)

Aliados querem que PT perca mais pastas
O anúncio da redução do número de ministérios e corte de cargos comissionados abriu novo foco de tensão com os aliados do Planalto. O principal motivo para a apreensão na base foi o fato de não terem sido informadas quais serão as pastas e os cargos sob risco de extinção. Por isso, aliados passaram a defender o PT como maior alvo dos cortes, já que se trata do partido com mais pastas na Esplanada. (Política / Pág. A5)

Alckmin desiste de 32 PPPs de infraestrutura
O governo Geraldo Alckmin desistiu de 32 Parcerias Público-Privadas (PPPs). Ao menos seis projetos, no valor de R$ 13 bilhões, já haviam tido estudo ou licitação anunciados. Entre eles estão a construção e operação da Linha 20 do Metrô e do Expresso ABC, da CPTM. O governo informou que “não está excluindo projetos, mas ideias de empresas ou consórcios que não são prioritárias” e que 11 propostas serão readequadas. (Metrópole / Pág. A10)

PM da Rota é 1° preso por chacina
O soldado da Rota Fabrício Emmanuel Eleutério foi preso administrativamente sob suspeita de participação na chacina de Osasco e Barueri, que deixou 18 mortos no dia 13. (Metrópole / Pág. A11)
Conselho da OAB cassa inscrição de Dirceu (Política / Pág. A7)

Contrabando agrava crise na Venezuela (Internacional / Pág. A8)

Tensão na China abala mercado global
Medo de investidores em relação à desaceleração da economia chinesa derrubou bolsas do mundo todo
Temores crescentes com a economia chinesa provocaram grande turbulência ontem no mercado global. Bolsas caíram no mundo inteiro e houve uma corrida de investidores por títulos da dívida americana, considerados mais seguros. No Brasil, o nervosismo internacional acentuou a tendência de deterioração de indicadores financeiros. (Economia / Págs. B1 e B3)

Análises
Celso Ming : Espasmos
Uma das principais causas do princípio de pânico nos mercados é a falta de transparência da economia da China. (Pág. B2)

José Paulo Kupfer : Ventos nada favoráveis
Crise na China pode frear recuperação econômica global, sobretudo nos países emergentes, Brasil incluído. (Pág. B9)

Rubens Barbosa
Segurança cibernética
Não deixa de ser preocupante que a nova estratégia preveja a criação de instrumentos ofensivos que poderão levar à militarização do espaço cibernético. (Espaço Aberto/Pág. A2)

William Neuman
Candidatos barrados
Com filas, preços altos, crimes violentos e corrupção generalizada, eleitores venezuelanos podem estar dispostos a punir o governo (Visão Global/Pág. A9)

Notas&Informações
Caroço no angu
Petistas tentam confundir dizendo que todos os partidos receberam doações de empreiteiras (Pág. A3)


Estado de Minas

Manchete: Temer tira o time
Desgaste com Dilma e Joaquim Levy leva vice-presidente a deixar a articulação política. A presidente Dilma Rousseff (PT) até fez uma pelo para que o vice-presidente,Michel Temer(PMDB-SP), continuasse.Mas eledeixouclaroquenãocuidarámaisdo“pequeno varejo”, comoa liberaçãode emendasparlamentares eacomposiçãode segundoe terceiro escalões,passandoa dar atençãoapenas aos grandes temasnodiálogocomo Congresso. É mais um revés para o governo,já que Temer é considerado um hábil negociador. O vice estava desgastado coma presidente e como ministro da Fazenda, Joaquim Levy, por dificuldades em atender deputados e senadores. Também o incomodava a articulação paralela feita pelo ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante (PT-SP). O “varejo” do Planalto fica agora a cargo do ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB-RS). ●Dilma admitiu ontem que o governo demorou a perceber a gravidade da crise econômica. Página 3 e o editorial ‘o ajuste fica mais difícil’, na 6

Dez ministérios a menos. Quais? Quanto?
Em meio à crise política e econômica, governo anuncia redução sem definir as pastas que serão extintas e qual a economia gerada pela medida. Pág. 4

13º salário INSS antecipará metade do benefício em parcela única
Depois de o Ministério da Fazenda afirmar, no fim de semana, que o adiantamento dos aposentados seria parcelado,o Planalto recuou e decidiu pagar a metade do salário em setembro. Pág. 9

Crise nas Federais
Cortes e greve recepcionam universitários Com 21 dias de atraso,a UFMG reabriu ontem os portões ainda com funcionários da administração em greve e cortes de recursos da União afetando serviços e até a reposição de insumos básicos. Situação preocupa reitoria e alunos. Das11 instituições federais de ensino superior em Minas, apenas quatro iniciaram as aulas dentro do calendário. Pág. 13

Vendas de MG para a China despencam
Desvalorização das commodities reduziu em 45,05%o valor exportado de janeiro a julho para o maior parceiro comercial do estado, em relação a igual período de 2014. A venda de minério de ferro caiu 54,15%, de US$ 4,58 bilhões para US$ 2,10 bilhões, com o mesmo volume embarcado. Pág. 8


Gazeta do Povo

REFORMA
Manchete: Dilma corta 10 ministérios e mil cargos comissionados
Acuada diante da crise que atingiu seu governo, a presidente Dilma Rousseff (PT) autorizou, às pressas, o corte de 10 de seus 39 ministérios até o fim de setembro, além de reduzir o número de secretarias e mil cargos comissionados. O ministro Nelson Barbosa (Planejamento) não deu detalhes a respeito das pastas que serão suprimidas ou mesmo da economia que a reforma trará aos cofres públicos. O ministro da Fazenda Joaquim Levy afirmou que os cortes dão início a uma reforma administrativa que trará economia de milhões de reais, mas também não forneceu números

EDUCAÇÃO
Tribunal aponta principais falhas no ensino médio paranaense
Uma auditoria do Tribunal de Contas do estado (TC) identificou as principais deficiências do ensino médio no Paraná. Os problemas vão de diretores despreparados, ausência de laboratórios, à falta de planejamento

OPERAÇÃO PIXULECO
Indícios sobre financiamento da campanha de Gleisi vão ao STF
O Ministério Público Federal remeteu ao STF indícios de que a Consist, empresa investigada na Lava Jato por contrato com Ministério do Planejamento, pagou serviço jurídico da campanha de Gleisi Hoffmann (PT)

TRANSPORTE COLETIVO
Novo sistema de bilhetagem dos ônibus passará por avaliação
O Ministério Público do Paraná deverá designar um técnico para fazer a conferência de segurança no sistema de bilhetagem eletrônica nas linhas metropolitanas. A PF e a Celepar deverão acompanhar a aferição


Zero Hora

Manchete : Planalto cortará 10 ministérios
Pressionada, presidente autorizou também a redução de mil cargos comissionados e a venda de imóveis da União
Governo demorou para ver gravidade da crise, diz Dilma. Temer deixará de cuidar da negociação de cargos e emendas. (Notícias| 10 a 13 e 21 a 23)

“Para alguém que está com câncer, não adianta dar Novalgina”
Em entrevista exclusiva a ZH, Sartori diz que ajuste fiscal do Estado vai se aprofundar (Notícias| 6 a 8)

Temor sobre a China causa pânico nas bolsas
Pregões tiveram perdas históricas nos EUA e na Europa, e dólar teve maior cotação desde 2003 (Notícias|18)

Metade do 13° será paga em setembro
Governo voltou atrás da decisão de pagar adiantamento parcelado (Sua Vida|27)


Folha de S. Paulo

Manchete : Governo demorou a perceber gravidade da crise, diz Dilma
Para reduzir gastos, presidente autorizou o corte de dez ministérios e de cargos de confiança
A presidente Dilma Rousseff (PT) ensaiou um mea culpa e afirmou que, se houve erro do governo, foi o de não ter percebido antes das eleições de 2014 que a crise econômica era muito maior do que se esperava. Em entrevista a três jornais brasileiros, a petista afirmou que as dificuldades só ficaram mais claras entre novembro e dezembro. Pressionada a responder à crise, ela autorizou o corte de 10 dos 39 ministérios até setembro e a redução de 1.000 dos cerca de 22 mil cargos de confiança na administração pública federal. O anúncio foi feito sem detalhes sobre quais pastas serão suprimidas ou da economia que isso trará. Na campanha de 2014, a petista havia criticado as propostas de adversários de reduzir ministérios e dito que quem defendia fazê-lo possuía “imensa cegueira tecnocrática”. A presidente também disse que foi surpreendida com o envolvimento de petistas no esquema de desvios na Petrobras e atacou aqueles que, segundo ela, tentam envolver o ex-presidente Lula na Lava Jato. (Poder a4)

Queda de Bolsa chinesa derruba mercados
A Bolsa de Xangai despencou 8,46% nesta chamada “segunda-feira negra”. A forte queda chinesa levou pânico aos mercados pelo mundo, motivou a venda de moedas e papéis e derrubou a cotação de commodities. Não estão claras as causas dos tombos chineses, que vêm ocorrendo desde julho. Mas, em parte, eles acontecem porque o valor dos papéis teria subido acima do que deveria, impulsionado por pequenos investidores. A crise deve prolongar os estímulos aos mercados europeus e adiar o aumento de juros dos EUA. Isso deve incentivar investidores a manterem recursos em economias emergentes, que oferecem remunerações maiores. No Brasil, a Bolsa caiu 3,03% e o dólar subiu a R$ 3,54. O governo diz estar preparado para enfrentar esse tipo de volatilidade, mas teme que a desaceleração chinesa acentue a recessão da economia do país. (Mercado)

Temer fala em ‘ambiente de fofoca’ e deixa a articulação
O vice-presidente Michel Temer (PMDB) avisou Dilma Rousseff que deixará a articulação política do governo, cargo que ocupa há quatro meses. Ele alegou um “ambiente de intrigas e fofocas’’ para se desligar da função que cuida da distribuição de cargos e emendas a aliados. Peemedebistas dizem que o ato de Temer é um “passo atrás’’ na aliança com o governo, mas que a discussão sobre o desembarque da sigla não está madura. (Poder a6)
Ministra convoca setor agrícola e bancos para tratar da falta de crédito (Mercado A17)

Foto-legenda
Maio de 2014 – Terreno desocupado, pertencente à Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano, do governo de São Paulo…
Agosto de 2015 – …conta atualmente com 2.500 famílias que formam a favela da Tiquatira (zona leste), também chamada de Penha-Brasil

Aluguel mais caro e desemprego fazem SP ganhar favelas
Em São Paulo, favelas têm surgido, ressurgido e crescido. Mesmo sem dados oficiais recentes (em 2010, existiam 1.643 comunidades), urbanistas dizem que o número de favelados cresceu. Entre as principais explicações estão desemprego, aluguel mais caro e lentidão para reduzir o deficit de moradias (230 mil). (Cotidiano B1)

Janio de Freitas
Resultado do corte de ministérios será mais atrito político
Os ministérios que serão desfeitos foram criados para atender aos partidos. São peças de resgate no chantagismo de cargos e verbas por apoio que marca, desde Collor, as relações entre parlamentares e governos. A redução das pastas, além de não assegurar a “melhor gestão”, tem efeito político. Sob a forma de novos atritos. (Poder a7)

Editoriais
Leia “Sem bananas”, sobre banalização do impeachment, e “Mosquitos da discórdia”, a respeito de uso de inseto transgênico no combate à dengue. (Opinião A2)


Edição: Equipe Fenatracoop, 24 de Agosto de 2015, ás 08:36

Compartilhe nossa Matéria