Manchete dos Jornais neste domingo, 08 de novembro de 2015
Postado por: Equipe Portal Cambé Em 8th novembro 2015

Violência nas cidades cresce e preocupa os EUA
Apesar do avanço econômico vivido pelos Estados Unidos, os índices de violência têm crescido em grandes cidades do país. O fenômeno tem ocorrido em todos os cantos da nação e começa a preocupar as autoridades. Há, segundo especialistas, o risco de que isso se torne uma tendência…


O Globo

Manchete: Estados são acusados de driblar lei federal para pagar dívidas
Verba que deveria quitar precatórios vai até para salários
Prática é questionada no STF pela Procuradoria-Geral da República, OAB e associação de juízes
Pelo menos oito estados, incluindo o Rio, são acusados de usar indevidamente recursos depositados na Justiça para tapar buracos no orçamento. No centro da polêmica, que já chegou ao STF, estão R$ 127 bilhões em depósitos judiciais em geral, conta Silvia Amorim. O Congresso permitiu que parte dessa verba quitasse precatórios (dívidas de estados com cidadãos e empresas), mas o dinheiro foi usado até para pagar a servidores. (Págs. 1 e 3)

Número de novos trabalhadores por conta própria triplica (Págs. 1, 38 e 39)

O GLOBO errou: Lulinha não foi citado na delação premiada de Fernando Baiano
Fábio Luis Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente Lula, não foi citado pelo lobista Fernando Baiano na delação que fez na Operação Lava-jato. O GLOBO, na coluna de Lauro Jardim do dia 11 de outubro, errou ao dizer que Baiano afirmara ter dado RS 2 milhões para pagar contas de Lulinha. Na verdade, Baiano não citou o nome e disse que o também lobista e pecuarista José Carlos Bumlai é que pediu o dinheiro alegando que seria para nora de Lula. (Págs. 1 e Lauro Jardim, 2)

Avalanche de lama em Mariana: Dois mortos e 28 desaparecidos na tragédia
Dois dias após a tragédia provocada pelo rompimento de barragens da mineradora Samarco em Mariana (MG), subiu para 28 o número de pessoas desaparecidas. São 13 funcionários da empresa e 15 moradores dos distritos de Bento Rodrigues e Camargos, informam as enviadas Dandara Tinoco e Mariana Sanches. O governo de Minas confirmou o segundo morto, um homem encontrado no leito do Rio Pomba, a 70 quilômetros do local do acidente. (Págs. 1 e 7)

Após 72h, ainda há moradores ilhados (Págs. 1, 8 e 9)

Cidades do Espirito Santo ficam sem água (Págs. 1 e 9)

Colunistas
Lauro Jardim: Lava-Jato tem novo personagem. (Págs. 1 e 2)

Elio Gaspari: A pane no cadastro e o silêncio de Levy. (Págs. 1 e 11)

Fernando Gabeira: Picaretagem, esporte olímpico. (Págs. 1 e SEGUNDO CADERNO)

Miriam Leitão: Auditoria da Petrobras disseca corrupção. (Págs. 1 e 36)

Ancelmo Gois: Ratinho e a ética na política hoje. (Págs. 1 e 31)

Porto cubano: Dilma mentiu, diz Odebrecht
O presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, diz, em mensagem obtida pela PF, que a presidente Dilma mentiu em debate eleitoral ao afirmar que as garantias para construir o Porto de Maciel, em Cuba, eram da empreiteira, contam Cleide Carvalho e Renato Onofre. (Págs. 1 e 5)

No Conselho de Ética: Defesa de Cunha recebe críticas
As explicações do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, sobre dinheiro em contas ao exterior não convenceram o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo, e nem mesmo aliados do parlamentar. (Págs. 1 e 4)


O Estado de S. Paulo

Manchete: Nova etapa da Lava Jato vai responsabilizar partidos
Depois de empresas e políticos, estratégia do MP priorizará legendas favorecidas por corrupção na Petrobrás
A força-tarefa da Operação Lava Jato também imputará a partidos a responsabilidade pelo bilionário esquema de cartel e corrupção na Petrobrás, informam Fausto Macedo, Julia Affonso e Ricardo Brandt. O Ministério Público Federal traça as estratégias para, a partir do ano que vem, buscar a condenação na Justiça Federal das legendas, e não apenas de seus dirigentes. As punições serão propostas em ações cíveis – até agora somente empresas foram acionadas fora da área criminal – e devem representar um duro golpe para a saúde financeira dos partidos. Além da devolução dos valores desviados da estatal entre 2004 e 2014 e de multas, eles podem ficar sujeitos a retenção de valores dos fundos partidários e até a suspensão e cassação de registro da legenda. (Págs. 1 e Política A4)

Múltiplo Jobim
Ex-ministro da Defesa, Nelson Jobim desempenha vários papéis: de conselheiro jurídico do ex-presidente Lula a consultor de empreiteiras. (Págs. 1 e A8)

Real barato faz Brasil virar “outlet” para estrangeiros
Com a desvalorização do real, o Brasil se tornou, na descrição de executivos do mercado financeiro, um imenso outlet, cheio de negócios atrativos para investidores do exterior. Pesquisa da consultoria PwC mostra que, embora o número de fusões e aquisições tenha caído 12% de janeiro a setembro em relação a 2014, a participação de estrangeiros aumentou. (Págs. 1 e Economia B1)

Base kirchnerista `esconde’ Cristina para eleger Scioli
Em busca de votos para o candidato governista Daniel Scioli, militantes Kirchneristas tentam, porta a porta, convencer eleitores argentinos moderados de que ele “não pensa” como a presidente Cristina Kirchner. (Págs. 1 e Internacional A10)

Crise em estaleiros esvazia Polo Naval de Rio Grande
Situada a 317 Km de Porto Alegre, a cidade de Rio Grande chegou a empregar 24 mil trabalhadores em seu polo naval e a crescer 20% por ano. Hoje, com a Operação Lava Jato, seus enormes galpões à beira da Lagoa dos Patos estão quase abandonados. (Págs. 1 e Economia B6 e B7)

ANA vê risco em 24 barragens do País; a de MG era ‘segura’
Dentre as 14.966 barragens catalogadas pela Agência Nacional de Águas (ANA) no País, 24 são classificadas como de alto risco pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), ligado ao Ministério de Minas e Energia e responsável pelos reservatórios de minério. A Barragem do Fundão, da Samarco, em Mariana (MG), era considerada de baixo risco. (Págs. 1 e Metrópole A17 e A18)

Desaparecidos são 19
Fortes chuvas atrapalham trabalhos de buscas na região e desabrigados temem saques. (Págs. 1 e A18)

Dora Kramer: Pé na estrada de 2016
Nas eleições municipais, o PT de Lula tentará sobreviver, o PMDB quer se consolidar pensando em 2018 e o PSDB pretende dar o troco. (Págs. 1 e Política A6)

Notas & Informações
O sono da oposição
É inacreditável que num momento de tamanho desafio para o País a oposição se faça de morta. (Págs. 1 e A3)
A derrota do arbítrio fiscal
Queda da obrigação de as empresas informarem seu planejamento tributário é derrota para o governo. (Págs. 1 e A3)


Gazeta do Povo

LEGISLAÇÃO
Manchete: Protesto ou terrorismo?
Projeto em tramitação no Congresso Nacional abre brecha para que manifestações de rua sejam enquadradas como terrorismo

POLÊMICA NO STF
Tatuagem no serviço público vira polêmica
Concursos para cargos públicos no Brasil estão tendo a constitucionalidade questionada por proibir que o candidato tenha tatuagens e usar essa característica como critério para desclassificação. Agora está nas mãos do Supremo Tribunal Federal decidir sobre a constitucionalidade desta proibição.

CIDADES
Violência nas cidades cresce e preocupa os EUA
Apesar do avanço econômico vivido pelos Estados Unidos, os índices de violência têm crescido em grandes cidades do país. O fenômeno tem ocorrido em todos os cantos da nação e começa a preocupar as autoridades. Há, segundo especialistas, o risco de que isso se torne uma tendência.

NEGÓCIOS
Telefonia por voz busca sobreviver à tecnologia
Em movimento inédito no mercado brasileiro, TIM e Oi anunciaram na última semana que não vão mais cobrar tarifas diferenciadas em ligações para outras operadoras. A estratégia é uma tentativa de dar sobrevida à receita de voz das teles, que ainda é fundamental para o caixa dessas empresas.

ADMINISTRAÇÃO
O segredos da escola vencedora do “Bem Feito”

CADERNO G
O recado das canções que o rádio toca
Campeãs de audiência só falam de “pegação” ou “dor de corno”; sertanejo domina

VIVER BEM
Quem vai ficar com o cão?
Casos de guarda compartilhada de animais ganham espaço na justiça.

ESPORTIVA
Jockey quer retomar as corridas
Candidato único para eleição planeja a volta do turfe ao Tarumã

ESPORTIVA
Londrina decide título da Série C
Já garantido na Série B, Tubarão recebe o Vila Nova no Estádio do Café.


Zero Hora

Manchete: As cidades onde ninguém nasce
Silvia foi fotografada com o filho Cauã no antigo hospital de Barros Cassal. É onde o menino poderia ter nascido, se o lugar não tivesse virado um posto de saúde. Assim como Barros Cassal, boa parte das cidades já não tem estrutura para partos – segundo o Datasus, em 2013, não nasceu nenhuma criança em 259 delas. O governo do Estado alega que a centralização ajuda a reduzir riscos para mães e bebês. (Págs. 1 e Notícias 12 a 15)

América Latina: “Onda rosa” perde força no continente
Crise atinge governos de centro-esquerda. (Págs. 1 e Notícias 16 e 17)

Com a palavra: Carlos Sperotto, Presidente da Farsul
Não tive oportunidade, mas também não fiz esforço para conversar com o MST. (Págs. 1, 8 a 10)


Folha de S. Paulo

Manchete: `Virei um leproso’, diz ex-diretor da Petrobras
Paulo Roberto Costa, primeiro delator da Lava Jato, fala da vida após a prisão
Primeiro delator da Operação Lava Jato, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa ainda sente a solidão dos mais de cinco meses que passou na prisão em Curitiba. “Virei um leproso. As pessoas fugiam de mim e continuam fugindo”, afirma.
Em entrevista a Mario Cesar Carvalho, a sua primeira desde que deixou a carceragem, em setembro do ano passado, e após um ano de prisão domiciliar, Costa diz que ir à padaria virou um “prazer” depois que ele foi autorizado a sair de casa das 6h às 20h, durante a semana.
Vivendo em Petrópolis (RJ), onde cumpre regime semiaberto, com tornozeleira eletrônica, começou a escrever um livro. Nele pretende relativizar o período em que recebeu cerca de R$ 95 milhões de propina para intermediar negócios entre a estatal e fornecedores.
“Não foram só oito anos de bandidagem”, afirma Costa, que dirigiu a Petrobras entre 2004 e 2012. Para ele, a gênese da corrupção na empresa é a nomeação politica para cargos de diretoria, o que faz com que o escolhido deva ao partido que o indicou. (Págs. 1 e Poder A8)

Aécio emprestou aviões de Minas a empresários e celebridades
Registros do governo de Minas mostram que na gestão Aécio Neves (2003-2010) o Estado cedeu aviões a políticos, celebridades (como Luciano Huck) e empresários a pedido do então governador do PSDB. As viagens não encontram amparo na lei que regula o uso das aeronaves.
O tucano diz que a legislação traça apenas diretrizes e que os voos atenderam a interesses do Estado. (Págs. 1 e Poder A10)

Samuel Pessôa: É desprezível o impacto da Lava Jato na economia
Se não houvesse a Lava Jato, a Petrobras estaria com as mesmas dificuldades, que decorrem do seu endividamento. A operação não é responsável por atraso em pagamentos, dificuldades fiscais e esgotamento das fontes de financiamento. A culpa não é da Lava Jato. (Págs. 1 e Mercado A7)

Banho de lama
Moradora se lava após tentar salvar itens em sua casa em Barra Langa, atingida pelo rompimento das barragens; lama avança em raio de 100 Km do acidente, deixando 15 cidades de MG e ES de prontidão. (Págs. 1 e Cotidiano B7)

Demétrio Magnoli e Elaine Senise Barbosa
Caso seja aplicada, proposta do MEC acabará com ensino de história no Brasil (Págs. 1 e Ilustríssima, 3)

A polícia ajuda, afirma chefe de grupo criminoso na Venezuela
Líder de uma organização criminosa na Venezuela, um dos países mais violentos do mundo, William (nome fictício) não larga sua pistola 9 milímetros ao receber a reportagem da Folha.
Especializado em sequestros, o grupo recebe apoio da polícia e de milícias, segundo ele. E se o pagamento do resgate demorar? “Começamos a mandar à família pedaços da pessoa.” (Págs. 1 e Mundo A17)

Editoriais
Leia “O dito e o não dito”, acerca das explicações de Eduardo Cunha sobre contas no exterior, e “Realinhamento eleitoral”, sobre eleição paulistana. (Págs. 1 e Opinião A2)


Veja

Manchete: Deixem ele crescer
Na semana do desastre do eSocial, uma pesquisa inédita em 32 cidades mostra que o monstro burocrático esmaga com mais força justamente os empresários que ousam crescer e gerar empregos. É de lascar. (Pág. 1)

Teori do Casamento
Um ministro do STF pode confraternizar com advogados e lobistas do caso que ele relata?


Época

Manchete: A primavera das mulheres
As mulheres tomam as ruas e as redes sociais e criam um movimento que agita o país. (Pág. 1)


ISTOÉ

Manchete: As mulheres dizem não
Não ao assédio sexual;
Não ao racismo;
Não à perda de direitos civis;
Não à intolerância;

Não ao Eduardo Cunha. (Pág. 1)

Religião: Os inimigos do Papa Francisco (Pág. 1)

Exclusivo: R$ 2,5 milhões por um voto no TCU (Pág. 1)

Congresso: Os deputados tiram direitos e atrasam o País (Pág. 1)


ISTOÉ Dinheiro

Manchete: A hyper compra da Coty
A gigante global de beleza pagou R$ 3,8 bilhões pela divisão de cosméticos populares da Hypermarcas. Conheça os bastidores do negócio e saiba por que a fabricante de perfumes de luxo Calvin Klein, Davidoff e Marc Jacobs investiu essa bolada no Brasil.

Dívida? Tô fora
A estratégia da Hypermarcas para fazer caixa e focar nos medicamentos.

Perfume de mulher
O que faz do País o terceiro maior mercado de cosméticos do mundo.

Esmalte quebrado
O impacto da venda sobre as concorrentes Natura, O Boticário e Jequiti. (Pág. 1)
Assaí: Rede de atacarejo vitamina o Pão de Açucar (Pág. 1)

Wizard: Bilionário faz golaço com Topper e Rainha (Pág. 1)

Câmbio: Como ganhar dinheiro com a volatilidade das moedas (Pág. 1)


Carta Capital

Manchete: Assim caminha o Brasil
Projetos contra mulheres e índios e a favor da posse de armas coroam o ano mais reacionário da história do Congresso. (Pág. 1)

Xenofobia: O medo acompanha os haitianos em Santa Catarina (Pág. 1)

Televisão: Para enfrentar a Globo, o projeto de união entre os concorrentes (Pág. 1)

Vatileaks N° 2: A reação conservadora contra a reforma do papa Francisco (Pág. 1)


EXAME

Manchete: Um país mais pobre
A crise atingiu uma nova fase — a da escassez do dinheiro. O lucro dos negócios cai. Famílias perdem as conquistas dos últimos anos. O crédito está mais caro. A renda per capita entrou em declínio. A recuperação pode levar uma
década — e deixar mais distante o sonho de um Brasil rico. (Pág. 1)

Mercado Imobiliário: A era dos “apertamentos” veio para ficar? (Pág. 1)

Guia Exame de Sustentabilidade: Com 68 empresas destacadas em 21 setores (Pág. 1)


Edição: Equipe Fenatracoop, Sábado, 08 de Novembro de 2015

Compartilhe nossa Matéria