Manchete dos Jornais neste Sábado, 23 de Setembro de 2017

286

Rio: Dia de pânico, tropas e rock
Depois de quase uma semana de tiroteios tomarem conta de diversos pontos do Rio, levando pânico à população, 950 homens das Forças Armadas cercaram a área da favela da Rocinha. O governo do Estado reconheceu a perda do controle da situação após traficantes enfrentarem a polícia no bairro da zona sul. Cerca de 3 mil crianças ficaram sem aulas. A cidade respirou à noite com shows do Rock in Rio…

Coreia do Norte e EUA elevam tom de ataques mútuos
O ditador Kim Jong-un respondeu de forma inédita e direta aos insultos dirigidos a ele por Donald Trump, o que elevou a um novo patamar o confronto entre os dois líderes. Em declaração transmitida pela TV, Kim disse que o presidente dos EUA é um “desequilibrado mental caquético”. Trump chamou-o de louco e disse que será “testado como nunca antes”

——————————————————

O Globo

Manchete : Rocinha é ocupada
Com o tráfico em guerra na Rocinha há cinco dias, o Rio acordou aterrorizado ontem com a intensa troca de tiros na comunidade, que deixou cerca de 5 mil estudantes sem aulas. Um ônibus foi incendiado em São Conrado e a Lagoa-Barra ficou fechada por mais de quatro horas. No Alemão, tiros feriram um aluno na escola. Houve tiroteios também no Dona Marta, em Botafogo. Só no começo da tarde, porém, estado e governo federal começaram a agir juntos. O governo Pezão pediu ajuda, e o Ministério da Defesa mandou 950 homens das Forças Armadas para ocupar a comunidade por tempo indeterminado. A polícia pediu mandado de busca e apreensão coletivo para poder fazer revistas em toda a área. (Págs. 8 a 17)

Editorial
‘Vencer a guerra do Rio é crucial para todo o país’ (Pág. 20)

Miriam Leitão
Cabral nos roubou também o sonho da pacificação. (Pág. 24)

Zuenir Ventura
Paz no Rio depende da harmonia entre os poderes. (Pág. 19)

Ex-advogado de Funaro deixa a defesa de Temer (Pág. 6)

Procurador da equipe de Raquel é exonerado (Pág. 5)

Casa de Cabral em Mangaratiba vai a leilão (Pág. 3)

Trump troca insultos com ditador da Coreia do Norte (Pág. 32

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete : Centrão quer que 2a. denúncia seja fatiada; decisão será da CCJ
Líderes defendem que processo contra Temer seja separado dos casos envolvendo Eliseu Padilha e Moreira Franco; partidos como o PMDB preferem bloco único
Líderes de partidos do Centrão querem que a Câmara desmembre em pelo menos dois processos a nova denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência). O argumento é de que a denúncia contra o presidente deveria ser separada da dos ministros porque a eventual aceitação da acusação contra Temer teria impacto negativo na economia.
Já contra os ministros, que são da área política, não haveria esse tipo de consequência. Líderes governistas defendem a tramitação em uma só peça para acelerar a análise na Casa e evitar que os ministros fiquem vulneráveis em votação separada. Entre parlamentares governistas, avaliação é de que o Centrão defende o julgamento separado para pressionar o Planalto por mais cargos e liberação de emendas.
Ontem, a Secretaria-Geral da Mesa Diretora da Câmara decidiu não desmembrar a denúncia e encaminhá-la à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Caberá ao colegiado definir como proceder. A acusação contra Temer chegou anteontem à Câmara, mas só será encaminhada à comissão na segunda-feira. (Política / Pág. A4)

Maia minimiza atrito com PMDB
Presidente da Câmara afirmou que o assédio do PMDB a parlamentares que vinham negociando com o DEM “é um problema, mas será resolvido”. (Pág. A4)

Equipe de Raquel Dodge sofre a primeira baixa
Procurador é flagrado em conversa sobre colega do MPF
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, aceitou ontem o pedido de exoneração do procurador regional da República Sidney Pessoa Madruga do cargo de coordenador do Grupo Executivo Nacional da Função Eleitoral (Genafe). Foi a primeira saída de um integrante da equipe de Raquel, que assumiu o cargo na segunda-feira.
Ele foi flagrado em conversa em restaurante na qual fala que a “tendência” no órgão é investigar o procurador Eduardo Pelella, ex-assessor de Rodrigo Janot. (Política / Pág. A7)

Governo libera R$ 12,8 bilhões do Orçamento
O governo anunciou ontem a liberação de R$ 12,8 bilhões que estavam bloqueados no Orçamento deste ano e vai tentar obter mais recursos para um afrouxamento adicional. A medida trará alívio para os ministérios, que corriam risco de paralisar a prestação de serviços à população por falta de dinheiro. Partidos aliados vinham pressionando o governo por mais verbas. (Economia / Pág. b1)

Rio: Dia de pânico, tropas e rock
Depois de quase uma semana de tiroteios tomarem conta de diversos pontos do Rio, levando pânico à população, 950 homens das Forças Armadas cercaram a área da favela da Rocinha. O governo do Estado reconheceu a perda do controle da situação após traficantes enfrentarem a polícia no bairro da zona sul. Cerca de 3 mil crianças ficaram sem aulas. A cidade respirou à noite com shows do Rock in Rio. (Metrópole / Pág. A18 e Caderno 2/ Pág. C6)

João Domingos
Há atraso sobre definições para a sucessão de Temer. E, principalmente, falta um projeto de Nação. (Política / Pág. A6)

Coreia do Norte e EUA elevam tom de ataques mútuos
O ditador Kim Jong-un respondeu de forma inédita e direta aos insultos dirigidos a ele por Donald Trump, o que elevou a um novo patamar o confronto entre os dois líderes. Em declaração transmitida pela TV, Kim disse que o presidente dos EUA é um “desequilibrado mental caquético”. Trump chamou-o de louco e disse que será “testado como nunca antes”. (Internacional / Pág. A12)

Maiores represas do País enfrentam seca histórica (Economia / Pág. B5)

Morre, aos 83 anos, o publicitário Luiz Sales (Economia / Pág. B11)

Notas & Informações
A brisa depois do temporal
O STF tem papel fundamental no trabalho de normalizar o ambiente institucional do País. É hora de rejeitar a tentação do personalismo e das interpretações alternativas. (Pág. A3)

Falta cuidar do longo prazo
Há sinais positivos na economia, mas crescimento por longo período é tema mais complicado. (Pág. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Militares cercam favela da Rocinha após tiroteios
Guerra por tráfico e ação policial causaram pânico e bloquearam vias no Rio
A favela da Rocinha, na zona sul do Rio, foi cercada na tarde de ontem por homens das Forças Armadas após novos tiroteios provocarem pânico na cidade. Os militares vão patrulhar por tempo indeterminado os acessos, enquanto policiais atuarão no interior da comunidade, que enfrenta desde o último domingo uma guerra de facções pelo controle do tráfico de drogas. Maior favela do Brasil, a Rocinha tem 69 mil habitantes.
Os tiroteios desta sexta fizeram a polícia fechar, por quatro horas, a autoestrada Lagoa-Barra, principal via de ligação entre as zonas sul e oeste da cidade, onde ocorre o Rock in Rio.
O contingente de 950 militares foi anunciado pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, após troca de farpas com a gestão Luiz Fernando Pezão (PMDB).
Também foram registradas trocas de tiros em outras sete comunidades do Rio. O secretário de Segurança, Roberto Sá, evitou demonstrar alarmismo. “O Rio não está em guerra. Tem uma situação de violência urbana difícil, como no resto do Brasil”, afirmou. (Cotidiano B1)

Polícia civil quer mandados coletivos para invadir casas (Cotidiano B1)

Plinio Fraga
Vídeos com cenas de violência ampliam o terror de moradores (Opinião A2)

Procurador sai do cargo depois de almoço com advogada da JBS
O procurador da República Sidney Pessoa Madruga deixou a equipe da procuradora-geral, Raquel Dodge, após a Folha revelar que ele passou informações sobre possível investigação à advoga daFernandaTórtima, que atuou na delação da JBS.

Em almoço, ele afirmou a ela que a atuação do braço direito de Rodrigo Janot, antecessor de Dodge, poderia ser averiguada. (Poder A4)

Mônica Bergamo
Advogada diz que não houve troca de informações (Ilustrada C2)

Queda no nível de reservatórios fará conta de luz subir
Com os reservatórios das usinas hidrelétricas em níveis próximos aos registrados no racionamento de energia de 2000 e 2001, haverá alta na conta de luz. No próximo mês, os clientes pagarão um adicional de R$ 3,50 a cada 100 kWh de energia consumidos nas residências. Para empresas, 0 aumento na conta pode chegar a 30%. (Mercado Pág. 1)

Publicitário Luiz Sales morre em São Paulo aos 83 anos (Mercado Pág. 2)

Editoriais
“Juros civilizados”, sobre novas projeções para as taxas do Banco Central, e “Desatino militar”, a respeito de declarações desastradas de general. (Opinião A2)

————————————————————————————




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *