Pobreza estatística: A miséria dos números; Sem maiores explicações, a presidente Dilma reajustou o número dos extremamente pobres no país: eram 16,2 milhões em 2011, e agora, segundo ela, são 22 milhões. O economista Flávio Comin critica os dados oficiais… – Barbosa minimiza desafio; 0 presidente do STF, Joaquim Barbosa, disse ser “especulação” o discurso de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), para quem cabe à Câmara decidir sobre o mandato de condenados no mensalão…

Estado de São Paulo

Manchete: Ações da Petrobras desabam e Graça vê 2013 mais difícil

Presidente da empresa diz que reajuste não foi suficiente; valor de mercado é o menor desde a capitalização.

A presidente da Petrobras, Graça Foster, fez ontem uma previsão pessimista para os próximos meses: “O ano de 2013 vai ser muito mais difícil”, afirmou. Ela falou um dia depois de a companhia divulgar queda de 36% no lucro e de 2,35% na produção em 2012. Ainda ontem, as ações da empresa caíram 8,29% e a Petrobras encerrou o pregão com o menor valor de mercado desde a megacapitalização de 2010: R$ 224,830 bilhões. Em pouco mais de um mês, a perda chegou a R$ 30 bilhões. De acordo com Graça Foster, um dos motivos para a queda do lucro é a defasagem entre os preços da gasolina. e do diesel importados e os de revenda interna. Como a produção é insuficiente, a empresa tem de comprar combustíveis no exterior. Os recentes reajustes,de 6,6% da gasolina e de 5,4% do diesel, segundo ela, propiciarão “melhoria de caixa”, mas “não o suficiente para dar o conforto da paridade” de preços. O ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou que não é oportuno falar em novo aumento, mas admite que a tendência é acompanhar de perto as cotações internacionais. (Págs. 1 e B1 economia)

Classificação de risco

O agravamento do endividamento da Petrobras pode levar as agências de classificação de risco a rebaixarem a nota da companhia, o que acarretaria a venda de ações e o aumento do custo com empréstimos. (Págs. 1 e B1)

Filho de Renan gasta verba da Câmara com advogado

O deputado federal Renan Filho (PMDB- AL) usa recursos da verba indenizatória da Câmara para pagar a advogados que atuam para ele e o pai, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), em causas privadas, informa o repórter Fábio Fabrini. Escritórios alagoanos que representam a dupla em demandas particulares, nas justiças comum e trabalhista, já receberam pelo menos R$ 190 mil de verba pública desde fevereiro de 2011. Renan Filho alega que os serviços prestados são de assessoria parlamentar. (Págs. 1 e A4 nacional)

Barbosa minimiza desafio

0 presidente do STF, Joaquim Barbosa, disse ser “especulação” o discurso de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), para quem cabe à Câmara decidir sobre o mandato de condenados no mensalão. (Págs. 1 e A5)

Governo muda concessão de rodovias para atrair investidor

O governo anunciou ontem mudanças na licitação para atrair mais investidores para a concessão de rodovias. Além de estender prazos, as alterações melhoram a taxa de retorno das estradas. Nove trechos de rodovias federais terão prazo de concessão estendido de 25 para 30 anos e o de financiamento, de 20 para 25 anos. O vencedor terá carência de 5 anos para começar a pagar o empréstimo. Antes, o prazo era de três anos. O governo também alterou a taxa de juros dos financiamentos. (Págs. 1 e B4 economia)

Entrevista Thomas Shannon, embaixador dos EUA no Brasil

“Relação terá novos status”

Depois de um período de “diferenças” entre Washington e Brasília no governo Lula, a relação bilateral será “elevada a um novo status” com Dilma Rousseff e o novo secretário de Estado america­no, John Kerry, disse Thomas Shannon ao repórter Roberto Simon. (Págs. 1 e A8 internacional)

Haddad vai reembolsar taxa da inspeção

Em vez de acabar com a taxa de R$ 47,44 da inspeção veicular, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, vai reembolsar quem fizer o procedimento e for aprovado. É o que prevê projeto de lei que será enviado para a Câmara. O custo anual da medida se­rá de R$ 180 milhões. (Págs. 1 e C1 cidades)

Assembleia de SP cancela troca de carros (Págs. 1 e A7 nacional)

Ex-deputado confirma caixa 2 na Espanha (Págs. 1 e A9 internacional)

Dora Kramer: Quem sabe faz a hora

Na eleição na Câmara, Eduardo Campos fez exatamente o contrário do que fazem os tucanos em sua trajetória paulatina de desconstrução de imagem. (Págs. 1 e A6 nacional)

Gilles Lapouge: Rajoy e a corrupção

O primeiro-ministro Mariano Rajoy, o herói da virtude, está num estado lastimável. O incorruptível era um corrupto. E a Espanha voltará a fazer água. (Págs. 1 e A9 internacional)

Roberto Damatta: Eu não aceito!

Articula-se, com desfaçatez, uma crise entre poderes pela mais absoluta falta de ética, esse espírito de limite ausente dos donos do poder no Brasil. (Págs. 1 e D8 caderno 2)

Notas & Informações

O desmonte da Petrobras

A Petrobras paga um preço devastador pela sujeição aos interesses político-partidários do Planalto. (Págs. 1 e A3)

————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete: Petrobras quer gasolina mais cara. Mantega, não

Para a empresa responsável pela produção de combustível no Brasil, o reajuste de 6,6% no valor da gasolina autorizado na semana passada é insuficiente. Um dia após a Petrobras apresentar o menor lucro em oito anos, a presidente da companhia, Maria das Graças Foster, defende novos aumentos, a fim de restabelecer “saúde no fluxo de caixa”. Na divulgação dos resultados da empresa, Foster disse que haverá mais dificuldades em 2013 e alertou para a necessidade de equiparar o preço do combustível no Brasil comas cotações internacionais. A reivindicação de Foster teve resposta imediata em Brasília. “É inviável pensar em outro reajuste agora, uma vez que acabamos de conceder um aumento à Petrobras”, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega. (Págs. 1 e 10)

Congresso: Orçamento,só depois da folia

Incapaz de mobilizar a base aliada, o governo sofreu a segunda derrota na votação do Orçamento de 2013. O adiamento da votação tem impacto direto no reajuste aos servidores do Judiciário, que aguardam a aprovação da peça orçamentária no Legislativo para ter a correção no contracheque. (Págs. 1 e 2 e 3)

Parlamento britânico aprova casamento gay (Págs. 1 e 16)

Brasileiro é espancado na Austrália (Págs. 1 e 17)

Dirceu comanda a festa mensaleira

Condenado a 10 anos de prisão pelo STF, o petista é tratado como mártir em ato organizado pelo PT na Câmara Legislativa. (Págs. 1 e 5)

————————————————————————————

Valor Econômico

Manchete: Crédito e desoneração vão combater alta de alimentos

Após aumento anual médio de 10% nos preços dos alimentos nos últimos cinco anos, o governo tenta formular uma política para contê-los. O aumento da oferta de crédito rural e a desoneração dos produtos da cesta básica são os meios disponíveis, depois que a intervenção direta por meio dos esto­ques públicos de grãos revelou-se inexequível. Em reunião na semana passada, a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, foi avisada de que a Conab não tem estoques suficientes, apesar do crescimento contínuo da produção de grãos.

Hoje, a estatal praticamente não tem milho e feijão em seus armazéns e conta com apenas 756 mil toneladas de arroz, suficientes para um mês de consumo. O governo iniciou uma ofensiva para coordenar as expectativas do mercado. Na segunda- feira, no Paraná, a presidente Dilma Rousseff afirmou que não faltará financiamento para a agricultura neste ano. “Se gastarem o dinheiro, terá mais. O que gastarem, nós cobrimos”.

Ontem, a presidente disse que o governo estuda desonerar integralmente a cesta básica dos tributos federais. Isso deverá ocorrer ainda neste semestre e teria impacto direto de 0,3 ponto percentual no IPCA, podendo chegar a 0,44 ponto com os efeitos indiretos, segundo cálculos da consultoria LCA.

Na avaliação da Presidência da República, o Ministério da Agricultura não agiu no momento adequado para a aquisição de estoques. Agora, no curto prazo, não há condições de reforçá-los. Por isso, a Conab decidiu que vai aumentar o preço mínimo do feijão e da farinha de mandioca para incentivar o plantio. O feijão carioca, variedade mais consumida no país, subiu 31,53% em 2012 e o feijão preto, 44,2%. (Págs. 1 e A3 e B20)

Petrobras muda politica de dividendos

A preocupação em preservar o caixa, diante da delicada situação do endividamento nos próximos meses, levou a Petrobras a assumir o risco de mudar a prática de distribuição igualitária de dividendos entre ações ordinárias e preferenciais. Para economizar R$ 3,7 bilhões em dividendos no curto prazo, a companhia decidiu pagar R$ 0,46 por ação ordinária, em comparação aos R$ 0,97 para cada ação preferencial. A distribuição mínima dos lucros incomodou analistas e investidores e contribuiu para a queda das ações ontem. Apesar dos problemas financeiros, a Petrobras prevê investimento de R$ 97,6 bilhões em 2013, mesmo sem a garantia de que terá autorização para novos reajustes. (Págs. 1 e B12)

Novas regras atraem investidor para rodovias

Em uma cruzada para atrair capital privado, o governo anunciou ontem mudanças nas regras dos leilões para concessão de rodovias. O anúncio, feito pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, foi o ponto alto do fórum “Infraestrutura e Energia no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades”, organizado pelo Valor e pelo BTG Pactuai.

Com o novo modelo, a rentabilidade sobe de 10% para 15%, em média, nos principais projetos. O período de concessão aumenta de 25 para 30 anos e o prazo dos financiamentos de 20 para 25 anos, com 3 a 5 anos de carência nos empréstimos feitos por instituições financeiras oficiais. Várias outras alterações foram feitas com objetivo de aumentar a rentabilidade dos projetos e atrair investidores. “Nós caprichamos”, disse Mantega, que agora vai participar de “road shows” em Nova York e Londres.

Empresários ouvidos pelo Valor disseram que as mudanças tomam os projetos mais atrativos, mas ainda há receios quanto a alguns pontos, em especial a exigência de duplicar todas as rodovias sob concessão. Segundo eles, essa exigência cria riscos, porque as obras dependem de licença ambiental. De forma geral, os empresários elogiaram as alterações. “Foram muito positivas”, disse o presidente da Ecorodovias, Marcelino Rafart de Seras. (Págs. 1 e Caderno especial)

Poluente, o mercúrio está perto do fim

Lâmpadas, pilhas, baterias, cosméticos e outros produtos terão de estar livres de mercúrio até 2020. Maior fonte de emissões no mundo, as usinas de carvão terão de se enquadrar também. Os países farão planos nacionais para reduzir e controlar o uso do metal nos garimpos. Após acordo entre países cm Genebra, uma conferência das Nações Unidas no Japão pode definir o texto e produzir a Convenção Multilateral sobre Mercúrio. “Tenho mais medo do mercúrio do que do aquecimento global”, diz . o físico Ennio Candotti “Ele se difunde e contamina o ambiente, os peixes e as pessoas que comem os peixes. É um veneno que atinge a todos’’. (Págs. 1 e A14)

BNDES quer que Steinbruch melhore proposta pela CSA

O plano do empresário Benjamin Steinbruch para ter o BNDES como parceiro na aquisição da Steel Américas, colocada à venda pelo grupo alemão ThyssenKrupp, enfrenta obstáculos que ultrapassam o litígio judicial que envolve a CSN e o banco, conforme apurou o Valor. O BNDES pretende que a proposta do empresário seja melhorada, de forma que se torne mais rentável. A companhia de Steinbruch corre contra o tempo, já que o prazo para entrega das propostas termina no próximo dia 15.

O fato de Steinbnich ter retirado do desenho da operação a mina Casa de Pedra, um donativos mais valiosos de seu portfólio, que poderia entrar como atrativo na negociação, não agradou o BNDES. A CSN propõe criar uma empresa separada, com seus ativos na área siderúrgica, que se fundiria com a Steel Améri­cas (dona da CSA no Brasil e da Calvert Steel nos EUA). Dessa forma, surgiria uma nova companhia, exclusivamente dedicada a negócios com aço, na qual o BNDESPar seria sócio relevante.

No BNDES, existem dúvidas quanto a assumir participação societária em uma empresa siderúrgica, setor com rentabilidade em baixa diante do excesso de oferta de produtos em todo o mundo.

Steinbruch gostaria que o BNDES entrasse com ura valor significativo, da ordem de R$ 4bilhões, para viabilizar a compra dos ativos do grupo alemão. O empresária estaria disposto a desembolsar pelos dois ativos cerca de R$ 8 bilhões, com a ajuda do BNDES. O apoio do banco é fundamental para evitar que o negócio comprometa o perfil financeiro da CSN. (Págs. 1 e B1)

Ações populares levam decisões do Carf à Justiça

Empresas que conseguiram derrubar autos de infração no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) terão de lidar novamente com os temas no Judiciário, ainda que a discussão já tenha sido encerrada no órgão administrativo. Mais de GB ações populares pedem na Justiça a anulação de decisões do conselho favoráveis a companhias e bancos. Caso a Justiça decida contra as empresas, elas teriam de pagar os tributos cobrados, com correção. Advogados dizem que dirigentes das empresas estão perplexos, pois decisões do Carf não podem ser levadas à justiça. Com as dúvidas causadas pelas ações, julgamentos do órgão foram suspensos ontem. (Págs. 1 e El)

Lula cogita Guido candidato

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, é uma das alternativas que estão sendo avaliadas pelo ex-presidente Lula para a disputa do governo paulista em 2014, caso a opção seja por candidatura própria do PT. (Págs. 1 e A9)

Indústria negocia reajustes

O varejo está recebendo novas tabelas de preços para produtos de higiene pessoal e beleza. Os reajustes pretendidos pelos fabricantes têm ficado entre 5% e 6%. Em alguns casos, os preços subiriam gradualmente até abril. (Págs. 1 e B9)

Vale fecha acordo bilionário

A Vale fechou acordo com a canadense Silver Wheaton (SLW) para vender parte do ouro que extrai como subproduto de suas minas de cobre e níquel de Salobo, no Brasil, e Sudbury, no Canadá. (Págs. 1 e Bll)

Georadar recebe aporte de R$ 100 mil

A Georadar, prestadora de serviços para a indústria de petróleo, recebeu aporte de R$ 100 milhões do fundo óleo e Gás HP, que tem entre seus acionistas o BNDES e fundos de pensão. (Págs. 1 e B11)

Crédito de fomento ao campo

Após dois anos sem novos empréstimos ao agro negócio brasileiro, o BID avalia a concessão de R$ 104 milhões a uma usina de cana, e o IFC estuda projetos em cana, soja, lácteos e pecuária no valor de US$150 milhões. (Págs. 1 e B20)

Ideias

Cristiano Romero

Redução da tarifa de energia e desoneração da folha podem ter contribuído para frear investimento das empresas. (Págs. 1 e A2)

Martin Wotf

O risco é o Japão continuar tratando problemas estruturais como passíveis de serem geridos com ajustes monetário e fiscal. (Págs. 1 e A13)

Inadimplência pune os bancos

Os três maiores bancos privados do pais – Itaú Unibanco, Bradesco e Santander — apuraram juntos um lucro líquido de RS 27,7 bilhões no ano passado, valor 5,27% menor do que o de 2011. A inadimplência exigiu R$ 52,6 bilhões em provisões. (Págs. 1 e Cl e C3)

Caixa Seguros mira Previsul

A Caixa Seguros empresa da Caixa Econômica Federal em associação com a francesa CNP Assurances, negocia a compra da Previsul Seguradora, de Porto Alegre, por cerca de R$ 100 milhões. A companhia é controlada pelo grupo Consulfac, do Paraná. (Págs. 1 e C3)

————————————————————————————

Estado de Minas

Manchete: Aprovação na UFMG foi mais difícil pelas cotas

Dos 110 cursos oferecidos pela Universidade Federal de Minas Gerais, em 98 (89%) a nota mínima para a aprovação foi maior para os candidatos inscritos em pelo menos uma das modalidades de reserva de vagas do que para os que disputaram em livre concorrência. Mas em graduações tradicionais e muito concorridas, como medicina e direito, muitos candidatos foram aprovados graças ao benefício. Neste vestibular, foram reservadas 13,67% das vagas para estudantes que fizeram o ensino médio em escolas públicas (quesito obrigatório), autodeclarados negros, pardos ou indígenas, e com renda familiar mensal inferior a 1,5 salário mínimo per capita. Em 10% dos cursos, o primeiro lugar na classificação foi de aluno de escola pública. O percentual de reserva subirá gradativamente até chegar a 50%, em 2016. (Págs. 1 e 17 e 18)

Boates inseguras: Minas tem 89 casas noturnas interditadas

Falta de saída de emergência, de sinalização, de extintores, de vistoria, de projeto de prevenção de incêndio e de alvará de funcionamento. A fila de problemas se repete nas boates, bares, salões e clubes por todas as regiões do estado e mais casas devem ser fechadas pelos bombeiros nos próximos dias. Ontem morreu em Porto Alegre o jovem Pedro Almeida, de 20 anos, aumentando para 238 o número de vítimas da tragédia de Santa Maria. (Págs. 1 e 7 e 19)

Congresso: Votação do orçamento só depois do carnaval

Sem acordo e sem garantia da aprovação da peça orçamentária ontem, líderes da base governista na Câmara e no Senado preferiram adiar a votação. (Págs. 1 e 3)

Casamento gay à moda inglesa

A Câmara dos Comuns do Reino Unido aprovou ontem projeto de lei que legaliza o casamento entre pessoas de mesmo sexo. A proposta ainda tem de passar por comissões e pela Câmara dos Lordes. (Págs. 1 e 14)

Trabalho: Páscoa abre 8,5 mil vagas temporárias em Minas (Págs. 1 e 11)

Triângulo: Ivestimento em usinas criará 18 mil empregos (Págs. 1 e 12)

————————————————————————————

Jornal do Commercio

Manchete: Galo muda trânsito hoje

Ponte Duarte Coelho, por onde passam quase mil ônibus por dia, será interditada às 22h para montagem do galo gigante. (Págs. 1 e 1 cidades)

Pinga-fogo: Sheila Borges: Servidores cedidos

Nos bastidores da Câmara do Recife, só se fala da decisão da PCR de requisitar funcionários de volta. (Págs. 1 e 4)

Impressões digitais coletadas na sala de parto

Bebês do Estado serão primeiros no País a usar a tecnologia do leitor biométrico eletrônico. (Págs. 1 e 5)

Maior banco privado sofre queda nos lucros (Págs. 1 e economia 6)

Vice-prefeito de Jaboatão desiste de cargo na URB

Heraldo Selva e PSB recuam após polêmica em torno de manobra política. (Págs. 1 e 3)

Escolas técnicas abrem vagas

São mais de 2 mil oportunidades no Grande Recife e interior do Estado. Inscrições vão até o dia 24. (Págs. 1 e cidades 6)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Argentina repete erro do passado e congela preços

Para conter a inflação e ganhar apoio à mudança da lei que permitiria nova reeleição, Cristina Kirchner freia reajustes, medida que fracassou por várias vezes no Brasil nos anos 80. (Págs. 1 e 14)

Incêndio na Kiss: Sócio é levado para prisão em Santa Maria

O empresário Elissandro Spohr, o Kiko, recebeu alta de hospital de Cruz Alta.

Mais de 40% dos internados tiveram alta.

Números de mortos sobre para 238. (Págs. 1 e 26 e 30)

————————————————————————————

O Globo

Manchete: O tombo da gigante: Petrobras vê 2013 pior e ações despencam 8%

Presidente da estatal quer novo reajuste de gasolina. Para Mantega, não é o momento

Graça Foster diz que produção vai cair de novo 2% este ano com paradas para manutenção nas plataformas. Para melhorar o caixa da empresa, pressionada pelo aumento das importações, executiva anuncia venda de ativos.

Um dia após a Petrobras anunciar seu menor lucro em oito anos, a presidente da empresa, Graça Foster, surpreendeu os analistas ao dizer que 2013 será “mais difícil que 2012′,’ quando seu ganho encolheu 36%. Graça disse que a produção de petróleo deve cair mais 2%, e divulgou mudança na distribuição de dividendos aos investidores, para economizar R$ 3,5 bi. O mercado reagiu mal, e as ações despencaram 8,28%. A executiva pediu novos reajustes de combustíveis. Mas, para o ministro Mantega, não é o momento. (Págs. 1 e 25 e Míriam Leitão e editorial “Petrobras sofre consequências da ingerência política”)

Atraindo investidores

Em evento com investidores brasileiros e estrangeiros, Mantega anunciou mudanças nas concessões de rodovias, com prazo maior de financiamento e juro menor. A banqueiros, pediu financiamento de outras concessões, como aeroportos e energia. (Págs. 1 e 27)

Tragédia na boate: MP investiga bombeiros do Rio

O Ministério Público do Rio investiga a participação de bombeiros como sócios de empresas de consultoria em planos de combate a incêndio — o que é proibido pelo estatuto da corporação.
A prefeitura do Rio criará um selo de qualidade para avaliar a segurança das boates da cidade. Morreu ontem a 2389 vítima da tragédia em Santa Maria (RS). (Págs. 1 e 11)

Rumos da pacificação: UPPs chegarão a Niterói e Baixada

O governador Sérgio Cabral anunciou que as UPPs, implantadas na capital a partir de 2008, chegarão à Baixada Fluminense, Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. Medida pode influenciar a eleição de 2014.(Págs. 1 e 14)

No Reino Unido: Parlamento apoia casamento gay

Era votação preliminar, deputados britânicos aprovaram com ampla maioria o projeto de lei que autoriza o casamento gay. Mas o partido do premier David Cameron, defensor da medida, rachou.(Págs. 1 e 31)

Voos clandestinos: ONG: EUA tiveram ajuda de 54 países

Uma ONG americana acusou um quarto dos países do planeta de cooperar com os EUA no programa ilegal de sequestras e torturas de supostos terroristas, Israel ficou de fora, mas inimigos como Síria e Irã ajudaram.(Págs. 1 e 32)

Pobreza estatística: A miséria dos números

Sem maiores explicações, a presidente Dilma reajustou o número dos extremamente pobres no país: eram 16,2 milhões em 2011, e agora, segundo ela, são 22 milhões. O economista Flávio Comin critica os dados oficiais.(Págs. 1 e 8)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete: Petrobras prevê ano mais difícil, mas aposta na retomada em 2014

Ao analisar o fraco resultado de 2012, a presidente da estatal, Graça Foster, explicou que no primeiro semestre ainda haverá paradas para a manutenção de equipamentos, mas a produção voltará a subir com a entrada em ação de seis plataformas. (Págs. 1 e P16)

S&P corre risco com ação dos EUA

Governo e estados americanos processam a agência por erros de avaliação na crise das hipotecas em 2007. Indenização pode chegar a US$ 5 bilhões. (Págs. 1 e P31)

Aeroporto do DF decola até junho

Concessionária promete melhorar atendimento e garante que concluirá novo terminal até 2014, elevando capacidade para 22 milhões de usuários. (Págs. 1 e P4)

Dívida pública bate em R$2 trilhões e o governo festeja

Apesar do recorde, Fazenda diz que conseguiu alongar o perfil da dívida com títulos prefixados. (Págs. 1 e P6)

De olho no Bandeirantes

Lula pressiona o PT a abrir mão da cabeça de chapa em São Paulo para o PMDB. Mas os petistas resistem (Págs. 1 e P10)

Clipping Radiobrás

Edição: Equipe Fenatracoop

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.