Falhas médicas na mira do CRM

Nos últimos nove meses, o Conselho Regional de Medicina do DF abriu 209 sindicâncias para investigar desde briga com pacientes até denúncias de negligência. 

O pior superávit em 14 anos

Com um déficit primário de R$ 1,9 bilhão em junho, o governo central fechou o semestre com um saldo positivo de R$ 17,2 bilhões, o mais baixo para o período desde 2000, início da série histórica.

Discurso vazio

Se o Palácio do Planalto apostava em uma distensão na relação da presidente Dilma Rousseff com o empresariado, depois da sabatina promovida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), é melhor não se entusiasmar muito. Assim que a candidata petista à reeleição encerrou a participação no evento, o consenso entre os presentes foi de que, mais uma vez, a decepção imperou. 

 Petrobras faz novo reajuste no preço do gás natural

Aumento de 1,57% começa a vigorar amanhã e é parte de um programa de retirada dos descontos sobre a venda do combustível produzido no Brasil. No acumulado do ano, a alta chega a 6,5%, compensando parcialmente o prejuízo da estatal com a importação de gás para térmicas. A indústria reclama de perda de competitividade. 

NOSSOS DADOS, NOSSA VIDA

Na semana passada, o Ministério da Justiça multou a Oi em R$ 3,5 milhões, por violação ao direito à privacidade e intimidade e publicidade enganosa, cometidas pelo serviço de banda larga, Velox. Foi a primeira condenação do Ministério da Justiça a uma operadora de telefonia devido à invasão de privacidade. Uma punição emblemática e que serve de alerta a todo o mercado. 

O Globo

Manchete : Argentina entra em situação de calote

Sem conseguir acordo com ‘abutres’, país ainda tenta negociação

Para socorrer o governo Cristina Kirchner, bancos privados buscam comprar dos fundos os papéis que exigem pagamento imediato de US$ 1,5 bilhão

A Argentina entrou em calote seletivo ontem ao não conseguir acordo com os “fundos abutres” e deixar de pagar juros a outros credores que aceitaram a reestruturação da dívida do país. O mediador entre o governo Cristina Kirchner e os credores soltou comunicado falando em calote. (Págs. 21 a 23)

União tem menor superávit em 14 anos

Com o PIB fraco e as despesas crescendo mais que as receitas, o governo central (Tesouro, Previdência e BC) registrou, no primeiro semestre, queda de 50,1% no superávit primário, o pior resultado em 14 anos. (Pág. 25)

Garotinho tem 21%; Crivella, 16%; e Pezão, 15%

Pesquisa Ibope divulgada ontem registra empate técnico entre três candidatos na disputa pelo governo do Estado do Rio. Garotinho (PR) lidera com 21%, seguido de Crivella (PRB), com 16%, e Pezão (PMDB), com 15%. A margem de erro é de três pontos. Lindbergh (PT) tem 11%. (Pág. 6)

Candidato do PRB contraria gays e Baixada

Em entrevista, Crivella disse que homossexualismo é pecado e que, “se deixar a população da baixada na miséria, essas pessoas migram para vir roubar na capital”. (Pág. 5)

Presidenciáveis prometem reforma

Dilma (PT), Aécio (PSDB) e Campos (PSB) prometeram na Confederação Nacional da Indústria reformas para desonerar e simplificar impostos do setor. (Pág. 3)

Santander pede desculpas a clientes (Pág. 7)

Aécio admite uso de aeroporto em Cláudio (Pág. 4)

Foto-legenda : Abrigo da morte

Palestinas nos escombros da escola da ONU usada como abrigo e bombardeado em Gaza. O ataque matou de 16 a 20 pessoas e levou EUA e ONU a fazerem duras críticas a Israel. Mais de cem palestinos morreram ontem. (Pág. 31)

Panorama Político

Ilimar Franco

A omissão

O meio ambiente foi ignorado pelos candidatos e seus inquisidores na sabatina da CNI. A produção de energia farta e barata é tão relevante quanto a redução de impostos para a competitividade . A maior bacia hidrográfica do mundo fica na Amazônia e a construção de usinas na região , como as do Rio Madeira, é polêmica. O tema é espinhoso e costuma ser tratado ao gosto da plateia . Ontem , ela silenciou. (Pág. 2)

Merval Pereira

Quadro em mutação

No chamado Triângulo das Bermudas – Rio, São Paulo e Minas – que reúne 42% do eleitorado nacional, a situação revelada pela primeira pesquisa do Ibope encomendada pela TV Globo mostra um quadro em mutação desfavorável à presidente Dilma Rousseff, embora ela esteja numericamente na frente em dois dos três estados. (Pág. 4)

Míriam Leitão

Vítima e culpada

Abre-se agora para a Argentina um cenário de incertezas. Essa é uma moratória diferente de todas as outras. O país está pagando aos governos credores através do Clube de Paris, pagou ao FMI, tentou pagar aos credores da dívida reestruturada e está sendo impedida pela Justiça americana. A Argentina é vítima e culpada de seu próprio drama e hoje é uma economia em calote externo. (Pág. 22)

O Estado de S. Paulo

Dilma pede fim do pessimismo e oposição defende regras claras para a economia

PSDB vai questioanr ‘claque’ ministerial

Aécio confirma que usou aeroporto e diz que foi um ‘equívoco’

Gasto per capita em obra mineira é o maior do programa

Pezão afirma que deputado suspeito de receber propina desistiu de tentar reeleição

Justiça suspende pesquisa de jornal do ABC a pedido de Skaf

————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete : Preço 135% maior obriga ministério a suspender licitação

Denúncia impede pasta da Justiça de adquirir 44 carros equipados com raio X. Cada veículo poderia custar US$ 634 mil, mas seria comprado a US$ 1,5 milhão. (Pág. 7)

Debate ainda morno

Propostas de Dilma, Aécio e Eduardo são recebidas com pouco entusiasmo por empresários em sabatina na CNI, em Brasília. (Págs. 2, 3 e 19)

EUA condenam ataque israelense

Três mil palestinos abrigavam-se em escola das Nações Unidas alvo de bombardeio atribuído a forças israelenses em Gaza. A ONU classificou o ato de “injustificável”. (Pág. 12)

Indústria defende mudança no Refis

Empresários reivindicam o uso de crédito fiscal para compensar débitos com o governo. Eles também propõem o parcelamento em até 30 vezes. É preciso alterar a MP que tramita no Congresso. (Pág. 8)

Argentina dá calote e é rebaixada por agência

Fracassou, em Nova York, a última reunião de conciliação com os credores. Com isso, o país entrou em calote, apesar de o ministro da Economia, Axel Kicillof, reafirmar que mantém a disposição de pagar “100% da dívida”. Mais cedo, a agência de classificação de risco Standard&Poor’s anunciou o rebaixamento da nota argentina. (Pág. 9)

Falhas médicas na mira do CRM

Nos últimos nove meses, o Conselho Regional de Medicina do DF abriu 209 sindicâncias para investigar desde briga com pacientes até denúncias de negligência. (Pág. 20)

Nas entrelinhas

Luiz Carlos Azedo

Dilma responsabilizou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pelos problemas de infraestrutura e saiu pela tangente quando falou sobre a correção da defasagem das tarifas públicas. (Pág. 2)

Brasília-DF

Denise Rothenburg

Moral da história

O diálogo dos empresários com os candidatos à Presidência da República soou mais como um alerta sobre a necessidade de mudanças, que certamente virão com os oposicionistas Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), os dois que hoje mais concentram votos no seleto clube da indústria nacional. (Pag. 3)

Correio Econômico

Vicente Nunes

Discurso vazio

Se o Palácio do Planalto apostava em uma distensão na relação da presidente Dilma Rousseff com o empresariado, depois da sabatina promovida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), é melhor não se entusiasmar muito. Assim que a candidata petista à reeleição encerrou a participação no evento, o consenso entre os presentes foi de que, mais uma vez, a decepção imperou. (Pág. 9)

Visto, lido e ouvido

Ari Cunha

Matem o mensageiro

Relatórios contendo análise e previsões econômicas são comumente enviados aos investidores como forma de garantir a melhor proteção possível para o dinheiro aplicado. Trata-se de um trabalho rotineiro e de uma obrigação de qualquer instituição financeira informar aos clientes sobre a conjuntura econômica atual e futura dos mercados.

Tribunal de Contas da União vai rever acórdão que isenta Graça Foster

A presidente da Petrobras, Graça Foster, poderá ser incluída no acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU) que responsabiliza a antiga diretoria pelo prejuízo na compra da Refinaria de Pasadena.

Um ex-diretor chegou a ser acusado por atos praticados após a saída dele, e a Corte estuda rever o documento, o que abre brecha para a inclusão de Graça.

Nessa quarta-feira (30/7), José Orlando de Azevedo, ex-presidente da Petrobras América e primo de José Gabrielli, negou, em depoimento na CPMI da Petrobras, qualquer participação no litígio da compra de Pasadena.

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete : Um novo calote para a Argentina

Sem acordo com fundos, país entra em moratória técnica, menos grave do que a de 2001. Crise também inquieta o Brasil, que pode ter exportações afetadas. (Notícias | 23 e 24)

Aécio admite renegociar dívida estadual

Candidato do PSDB à Presidência fala em série de entrevistas com os concorrentes ao Planalto. (Notícias | 10 a 12)

 

Rússia desafia a Europa e os EUA

Bancos dizem que não serão afetados por sanções em razão da crise na Ucrânia. (Notícias | 17)

A partir do dia 7, só carteira assinada

Começa a valer lei que exige registro para empregado doméstico. (Sua Vida | 30 e 31)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete : Petrobras faz novo reajuste no preço do gás natural

Aumento de 1,57% começa a vigorar amanhã e é parte de um programa de retirada dos descontos sobre a venda do combustível produzido no Brasil. No acumulado do ano, a alta chega a 6,5%, compensando parcialmente o prejuízo da estatal com a importação de gás para térmicas. A indústria reclama de perda de competitividade. (Pág. 7)

Soluções do dia seguinte

Na primeira sabatina dos candidatos à Presidência, Aécio Neves, Dilma Rousseff e Eduardo Campos tiveram em comum a promessa de resolução de problemas imediatamente após a posse. Na CNI, a reforma tributária foi ressaltada por Aécio e Campos, e a presidenta assumiu compromisso de formular política industrial. (Págs. 4 e 5)

O pior superávit em 14 anos

Com um déficit primário de R$ 1,9 bilhão em junho, o governo central fechou o semestre com um saldo positivo de R$ 17,2 bilhões, o mais baixo para o período desde 2000, início da série histórica. (Pág. 3)

EUA crescem como emergente

Após encolher 2,1% no primeiro trimestre, o PIB americano surpreendeu a todos com uma expansão de 4% no segundo trimestre. Mesmo assim, o Fed não sinalizou coma alta de juros. (Pág. 21)

ONU repudia ataque de Israel

Organização considerou “injustificável” o segundo bombardeio em menos de uma semana a uma escola em Gaza, que abrigava refugiados. Artistas ao redor do mundo pedem o fim da guerra. (Pág. 28)

Calote Argentino

Sem acordo para a dívida, país tem segundo default em 12 anos.(Pág. 27)

IGP-M registra em julho a terceira deflação consecutiva 

Em um mês, índice passa de – 0,74% para -0,61%, mas expectativa é que volte ao patamar positivo em setembro. (Pág. 8)

Mosaico Político

Leonardo Fuhrmann

DILMA: BOA RELAÇÃO COM EUA

Os principais presidenciáveis de oposição, o tucano Aécio Neves e o pessebista Eduardo Campos, tem defendido uma maior aproximação do Brasil com os Estados Unidos, principalmente na área econômica. O discurso, no entanto, não parece baseado na realidade. (Pág. 2)

Ponto de Vista

Carlos Thadeu de Freitas

O PROBLEMA É A CONFIANÇA

Dadas as incertezas sobre as atuais condições do desempenho da atividade econômica no Brasil, é de se relevar a importância dos indicadores que refletem a confiança dos consumidores e dos empresários. (Pág. 9)

Cliente & Cia

Nadja Sampaio

NOSSOS DADOS, NOSSA VIDA

Na semana passada, o Ministério da Justiça multou a Oi em R$ 3,5 milhões, por violação ao direito à privacidade e intimidade e publicidade enganosa, cometidas pelo serviço de banda larga, Velox. Foi a primeira condenação do Ministério da Justiça a uma operadora de telefonia devido à invasão de privacidade. Uma punição emblemática e que serve de alerta a todo o mercado. (Pág. 18)

O mercado como ele é… 

Luiz Sérgio Guimarães

DÓLAR AMEAÇA TETO DA BANDA

O comitê de política monetária do Federal Reserve (Fed) teve de tomar decisões ontem no calor da hora. Quando os 12 votantes do Fomc (o equivalente americano do Copom brasileiro) sentaram-se à mesa já dispunham dos dados preliminares do desempenho do PIB no segundo trimestre. (Pág. 23)

Ponto Final

Octávio Costa

A TEMPESTADE PERFEITA TEM PAI

Ao rebater a avaliação negativa do Fundo Monetário Internacional sobre os rumos da economia brasileira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que não há qualquer motivo para preocupação. Segundo ele, “o Brasil tem uma situação sólida” e “tem a confiança do mercado internacional”. (Pág. 32)

Valor Econômico

Dilma, Aécio e Campos tentam atrair indústria

Cercados por parcela representativa do PIB nacional, os três principais candidatos à Presidência apresentaram ontem seus planos para reanimar a indústria nacional. Principal alvo das queixas do empresariado, a presidente Dilma Rousseff saiu em defesa de seu governo, admitiu estar insatisfeita com o ritmo dos investimentos, mas lembrou que o setor produtivo tem sido contemplado com incentivos e subsídios. O senador tucano Aécio Neves, segundo colocado nas pesquisas, reforçou promessas e se alongou nas críticas à gestão petista, enquanto o candidato do PSB, Eduardo Campos, concentrou-se nas propostas enviadas previamente pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e acabou como o mais aplaudido.

Dilma sanciona marco regulatório de ONGs

A presidente Dilma Rousseff fará cerimônia hoje no Palácio do Planalto para sancionar a lei que institui o marco regulatório das organizações da sociedade civil, aprovada pelo Congresso no começo do mês. O ato é uma reivindicação histórica das entidades beneficiadas pelos convênios com o governo.

PT deve expulsar Moura para evitar desgaste a Padilha

Em meio a denúncias envolvendo o deputado estadual Luiz Moura (SP) de suposta ligação com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), o PT paulista definirá até amanhã se expulsará o parlamentar do partido. A tendência é de que a maioria dos dirigentes aprove a expulsão de Moura, para evitar novos desgastes à legenda e à candidatura do petista Alexandre Padilha ao governo de São Paulo. Hoje, a executiva do partido se reunirá para debater o caso e deve ouvir Moura.

Aécio diz que pode ter errado quando usou aeroporto de tio

O senador Aécio Neves (MG), candidato do PSDB à Presidência, reconheceu ontem ter pousado várias vezes – nenhuma delas como governador – no aeroporto construído em terreno que era de propriedade de seu tio-avô Múcio Tolentino e foi desapropriado pelo Estado, no município de Cláudio. O senador admitiu ter cometido o equívoco de não procurar saber se a pista estava homologada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Para empresários, Campos saiu-se melhor

Na avaliação dos empresários presentes na sabatina com os três principais candidatos à Presidência, promovida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), Eduardo Campos (PSB) teve o melhor desempenho. A empatia com a plateia foi grande, não por acaso ele foi aplaudido mais vezes, mas faltaram alguns “fundamentos”, principalmente na área econômica, e foi cobrada uma postura mais clara do candidato em algumas áreas como reforma trabalhista.

 

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Prazo para calote vence, e Argentina não fecha acordo

Tentativa de negociação com credores fracassa; agência rebaixa nota do país

O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, afirmou que os fundos com quem o país está em litígio na Justiça dos EUA rejeitaram a proposta do governo de renegociação da dívida. Na reunião em Nova York, também foi negado o pedido de prorrogação da negociação. O mediador designado por tribunal norte-americano, Daniel Pollack, afirmou que, sem o acordo, o calote argentino é iminente – seria o segundo em 13 anos. Terminou nesta quarta (30) o prazo de carência para o país pagar a parcela da dívida que venceu em 30 de junho. (Mercado B1)

USP corta salário de grevista; Unicamp adia início de aulas

Com professores e funcionários em greve há mais de dois meses, a USP confirmou que que descontará dias parados dos salários. Também com servidores parados, a Unicamp anunciou a volta às aulas do segundo semestre. Em Campinas, a previsão mais otimista é da retomada em setembro dos cursos na universidade. (Cotidiano C1)

 

Rússia diz que sanções vão encarecer gás para Europa

Depois das novas sanções impostas por EUA e Europa, o governo de Vladimir Putin afirmou que a ação “conduzirá a um aumento dos preços” da energia para o mercado europeu. A Rússia fornece um terço do gás natural consumido na região. (Mundo A12)

Aécio reconhece uso de aeroporto em fazenda do tio

Após recusar-se por dez dias a responder sobre o aeroporto construído em terreno de um tio, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, disse ter usado a nova pista “três ou quatro vezes”. Ele admitiu “equívoco” em não ter informado sobre a falta de autorização para o uso da pista. (Poder A9)

 

SP quer revolução sem mexer em nada, diz Haddad

“Cobra-se a revolução desde que não se mexa em nada. É impossível”, disse à Folha o prefeito Fernando Haddad (PT), sobre a população paulistana. Ele sanciona hoje o Plano Diretor, que visa mudar a cidade ao aumentar a densidão populacional ao longo das avenidas e dar volume inédito de verba à moradia. (Cotidiano C4)

Dez produtoras ficam com 34% da verba pública para filmes nacionais (Ilustrada 1)

Alan Gripp

Será que o eleitor de SP crê na versão da crise da água?

Há em curso um racionamento não declarado de água em São Paulo? O governo Alckmin jura de pé junto que não, mas há boas razões para desconfiar. (Opinião A2)

Aécio Neves

Obra foi legal e importante para desenvolver região

No caso do aeroporto de Cláudio, cometi o erro de ver a obra com os olhos da comunidade local e não da forma como a sociedade a veria à distância. Reitero que a obra foi não apenas legal, mas transparente, ética e extremamente importante para o desenvolvimento do município e da região. (Opinião A3)

Editoriais

Leia “Contas atrasadas”, a respeito de rombo bilionário do setor elétrico, e “Sanção e pacificação”, sobre restrições impostas à economia da Rússia. (Opinião A2)

União cobra R$ 18 mi de réus do mensalão

Seis dos 24 condenados no processo do mensalão já são considerados devedores da União por não terem pago a multa fixada como pena pelo Supremo Tribunal Federal. As dívidas inscritas no nome deles somam R$ 17,65 milhões, segundo levantamento feito pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. O órgão, vinculado ao Ministério da Fazenda, é responsável por cobrar quem deve aos cofres públicos.

Se o pagamento não é parcelado ou quitado dentro do prazo estabelecido, a cobrança é feita judicialmente e os devedores passam a ter o nome lançado no cadastro da dívida ativa da União.

O prazo para o pagamento da multa acabou em janeiro e os valores iniciais, fixados pelo STF, foram corrigidos pela taxa básica de juros além de terem acréscimo de 20%, previsto em lei.

Até agora a Procuradoria informou ter recebido apenas seis certidões de condenação com as respectivas multas. “Já se encontram em procedimento de cobrança”, informou a Procuradoria.

Entre os seis condenados, Marcos Valério Souza, o operador do esquema, tem o maior valor inscrito na dívida ativa: R$ 6,61 milhões.

Do advogado e ex-sócio de Valério, Ramon Hollerbach, a União cobra R$ 6,43 milhões. Entraram para a lista de devedores os ex-deputados Valdemar Costa Neto (R$ 1,9 milhão), Bispo Rodrigues (R$ 1,1 milhão) e José Borba (R$ 1 milhão). O ex-tesoureiro do PL (atual PR) Jacinto Lamas parcelou a multa de R$ 523,9 mil e tem pago a dívida em dia.

Somente os petistas José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares e João Paulo Cunha pagaram suas multas, após arrecadarem doações. O restante dos sentenciados ainda negocia, questiona o valor da multa na Justiça ou espera o cálculo do montante devido.

EBC – CONGRESSOEMFOCO

Edição: Equipe Fenatracoop

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.