Qual é o legado das copas? – Para além dos números, o livro busca compor um painel engajado e militante, ouvindo movimentos sociais e alertando para mazelas e injustiças. Há espaço para líder comunitário, operário do Itaquerão, ativista político, prostituta, torcedor violento…

Legado da Copa na mobilidade urbana só beneficiará cidades-sede – Apenas dentro da rubrica Copa do Mundo, o governo disponibilizou R$ 12,85 bilhões, divididos em PAC Copa, PAC Legado da Copa e Entorno das Arenas…

Em sete anos, Brasil passa do clima de festa à desconfiança  – Para analistas, país sofre choque entre a realidade vendida na candidatura da Copa e a revelada pelos protestos…

Dizer que ensino depende só de dinheiro é uma desculpa – A opinião é de Andrés Alonso, um dos mais respeitados especialistas em educação do mundo. Para ele, muitos dos problemas das escolas são de gerenciamento…

 

Correio Braziliense

Manchete: O rastro de destruição do álcool

A tolerância social do brasileiro ao consumo de bebidas mascara que o alcoolismo é uma doença crônica e de fundo genético. O primeiro gole ocorre, em média, aos 13 anos. A dependência costuma vir após 8 anos de uso. A partir daí, a saúde do indivíduo se deteriora até o desfecho inevitável. Faça o teste e avalie se você tem problemas com essa droga lícita. (PÁGINA 17)

Cotas até para cargos de confiança?

É o que defendem especialistas ouvidos pelo Correio. A discussão se estende a seleções do Judiciário, não contempladas pelo projeto de lei de cotas para concursos, à espera de sanção presidencial. (PÁGINA 9)

14.970 vagas

As oportunidades para entrar no serviço público estão em seleções nacionais, estaduais e municipais, com salários que chegam a R$23.997. (PÁGINA 9)

Legado da Copa na mobilidade urbana só beneficiará cidades-sede

Um dos argumentos para justificar a Copa do Mundo no Brasil, o legado da mobilidade urbana gerou uma divisão entre as 12 capitais que sediarão os jogos e as 15 demais que assistirão o torneio pela televisão. As cidades que recepcionarão jogadores e turistas tiveram verbas específicas para o Mundial, prioridade quando os recursos eram distribuídos também a outros centros e uma fiscalização mais rigorosa para que as obras pudessem ser entregues a tempo.

Apenas dentro da rubrica Copa do Mundo, o governo disponibilizou R$ 12,85 bilhões, divididos em PAC Copa, PAC Legado da Copa e Entorno das Arenas. Todas são obras apresentadas pelo governo federal à Fifa, entidade máxima do futebol responsável por organizar o evento. Nos projetos, estão melhorias urbanas e viárias para ajudar o trajeto dos torcedores pelas cidades, do aeroporto até o estádio, além do conforto ao redor das arenas construídas para sediar as partidas.

Além dessa verba com carimbo específico, as capitais escolhidas como sede do Mundial de 2014 também acabaram entrando à frente na fila de prioridades quando foram analisados os recursos gerais do PAC Mobilidade Urbana. Lançado ainda no primeiro ano de mandato da presidente Dilma Rousseff, o programa reservou R$ 32,49 bilhões para investimentos em cidades com população acima dos 700 mil habitantes.

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Uma operaqção, várias fraudes

Inquérito mostra que, além de golpe de doleiro, Operação Lava-Jato apontou apontou esquema de tráfico, falsificação e conexões que chegam à China. (Notícias |8 e 9)

Ana Amélia é lançada com aval de Aécio

Tucano foi atração na festa da candidata do PP ao governo do Estado. (Notícias |10 e 12)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete: Copa fora dos estádios é risco para a eleição

Ao garantir que ainda é cedo para fazer prognósticos, Marcos Coimbra, dono do Instituto Vox Populi, garante que Dilma Rousseff é a favorita na disputa pelo Planalto, mas o Mundial que começa em duas semanas e meia será um divisor. “O Brasil vai passar vexame? Vai ter avião perdido, jornalista que não consegue ligar para a matriz? Haverá filas, acidentes? Isso pesaria mais que o resultado esportivo”, adverte. Para ele, Aécio Neves cresceu pouco nas pesquisas e Eduardo Campos perdeu a chance de colocar-se na disputa. (P4 a 7)

Mercado agora espera ‘guia’ do BC

A reunião do Copom desta semana é a mais esperada do ano. Além da expectativa de término da alta de juros, as instituições aguardam indicações para o futuro. (P22 e 23)

Mobilidade

Rio de Janeiro vai utilizar biodiesel de cana em transporte público. (P10)

Contas externas 

Déficit em transações correntes bate US$ 8,29 bi, recorde para o mês de abril. (P12)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete: Cai exigência de cor e idade para adoção de criança

Parcela de candidatos a pais que só aceitam meninos e meninas brancos diminuiu de 39% para 29% em 4 anos

Dados compilados pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) indicam que diminui o número de candidatos a pais adotivos que fazem exigências em relação à cor e à idade das crianças.

Entre 2010 e 2014, a parcela de pretendentes que aceitava só crianças brancas caiu de 39% para 29%. Já a de indiferentes quanto à cor passou de 29% para 42,5%.

Também aumentou o percentual dos que que aceitam crianças com três anos ou mais. Eram 41% há quatro anos; agora, são 51,5%.

Para especialistas, três fatores explicam a mudança positiva: participação obrigatória dos candidatos a pais em cursos oferecidos por ONGs e varas de infância, grupos de apoio e maior divulgação do processo.

Apesar do avanço, ainda sobram crianças “indesejadas” entre as disponíveis para adoção: 78,5% estão com mais de dez anos, 77% têm irmãos, e 22%, doenças.

A procura por filhos adotivos segue maior que a oferta: há 30,9 mil pretendentes a pais na fila para adoção, mas só 5.456 crianças aptas — e 67% delas são pretas ou pardas. (Cotidiano Cl e C3)

Auditoria criticou acordos informais em contratações da Petrobras (Poder A4)

Colômbia terá 2° turno entre Santos e Zuluaga

Óscar Iván Zuluaga saiu na frente na eleição da Colômbia, com 29,7% dos votos. O atual presidente, Juan Manoel Santos, teve 25,6%. Haverá 2° turno no dia 15. O feriado eleitoral lotou parques de Bogotá, reporta Sylvia Colombo. Houve abstenção de 60% (o voto não é obrigatório). (Mundo A12)

Crime recorre aos ônibus para conquistar poder

Desde 2004 polícia e Ministério Público investigam a influência de organizações criminosas em 4 das 9 cooperativas paulistanas de ônibus. A bancada do setor é quase 10% da Câmara Municipal. Em algum ponto pode querer eleger seu presidente, o segundo na sucessão do prefeito. (Cotidiano C2)

Mesmo com chuvas, diminui nível do sistema Cantareira (Cotidiano C4)

Editoriais (Opinião A2)

Leia “Justiça e distinção”, sobre PEC que eleva salários no Judiciário, e “Fé na genômica”, acerca de resultados ainda tímidos do Projeto Genoma.

Ricardo Melo | Atos como o “não vai ter Copa” são um atestado de burrice (Poder A6)

Petrobras contratava navios só com autorização verbal

 

Sob o comando de Paulo Roberto Costa, diretor da Petrobras até 2012 investigado por suspeita de corrupção, o setor de abastecimento da estatal negociou e fechou contratos milionários de frete de maneira informal. Alguns deles foram baseados só em autorizações verbais.

A Folha teve acesso a um relatório de 2009 sobre o assunto feito pelo grupo de auditoria interna da Petrobras.

O documento mostra que operações feitas no ano anterior sem obedecer a requisitos mínimos de controle estabelecidos pela empresa totalizam US$ 278 milhões.

As irregularidades envolveram contratações de navios. Segundo os auditores da Petrobras, os contratos analisados descumpriram “procedimentos previstos no manual de afretamento”.

Entre as falhas há falta de autorização por escrito para iniciar processos de afretamento; autorização prévia para tomada de preços com aval de gerente sem competência para tal; e contratações informais que levaram até 390 dias para serem registradas no sistema.

Também há falta ou atraso no registro de informações de todo o histórico de negociação no sistema de conferência de compras da empresa.

Ex-mulher gerou megaoperação em MT

Em agosto de 2006, a colunista social Karina Peres, hoje com 37 anos, procurou a Polícia Civil em Cuiabá, Mato Grosso, logo após um processo de separação conjugal.

Seu objetivo era denunciar o ex-marido, um empresário rico com quem havia se casado dois anos antes.

Seu depoimento de quase oito anos atrás está na origem da megaoperação da Polícia Federal que hoje investiga chefes e ex-chefes de todas as esferas de poder no Estado.

Karina é ex-mulher do empresário Gércio Mendonça Júnior, dono de empresas como Amazônia Petróleo (postos de combustíveis) e Globo Fomento (factoring).

Para a PF, elas seriam uma espécie de “banco clandestino”, abastecido por empréstimos privados fraudulentos e dinheiro público desviado.

“Sou um arquivo vivo”, disse Karina à Folha. Na terça-feira (20), a chamada Operação Ararath fez buscas até na casa do governador Silval Barbosa (PMDB), que chegou a ser detido por posse ilegal de arma.

Qual é o legado das copas?

Privatização do espaço público, remoções de pobres, desrespeito a direitos humanos, gastos exorbitantes, frustrações com resultados para a economia. As Copas dizem respeito a tudo isso, enquanto inflam o poderio da Fifa.

Com esse olhar crítico, a fundação alemã Heinrich Böll Stiftung lança “Copa Para Quem e Para Quê?”, volume que reúne análises sobre os Mundiais no Brasil, na África do Sul e na Alemanha. Compilando dados públicos mesclados com microentrevistas, os textos traçam um panorama ácido dos torneios.

De acordo com a historiadora Marilene de Paula, os 12 estádios brasileiros podem acolher 668 mil pessoas e custaram R$ 8,5 bilhões, com uma média de R$ 12 mil por cadeira. Na Alemanha, esse custo ficou em R$ 3.400, e, na África do Sul, em R$ 5.300.

Para além dos números, o livro busca compor um painel engajado e militante, ouvindo movimentos sociais e alertando para mazelas e injustiças. Há espaço para líder comunitário, operário do Itaquerão, ativista político, prostituta, torcedor violento.

Dizer que ensino depende só de dinheiro é uma desculpa

Discursos focados na importância de mais investimentos para melhorar sistemas educacionais são perigosos, porque podem oferecer uma escapatória aos profissionais menos eficientes.

A opinião é de Andrés Alonso, um dos mais respeitados especialistas em educação do mundo. Para ele, muitos dos problemas das escolas são de gerenciamento.

Alonso diz, no entanto, que aumentar investimentos é importante. Ele chama de hipócritas os que gastam muito para mandar os filhos a escolas privadas, mas afirmam que a melhoria no ensino não se trata de necessidade dinheiro.

O reconhecimento de Alonso veio após sua gestão bem sucedida como secretário de Educação em Baltimore, no Estado de Maryland, EUA, cidade cuja região metropolitana tem 2,7 milhões de pessoas.

 

O Estado de S. Paulo

Centrais quebram domínio petista ao abrir palanque para Aécio e Campos

“Dilma criou desconforto com dirigentes ao delegar diálogo”, diz diretor do Diap

PT avalia reforçar discurso do medo contra adversários

Presidente intensifica eventos no Sudeste esta semana

Pré-candidatos já travam disputa na Justiça

Em busca de apoio do PSD, Alckmin recebe Kassab em evento

 

O Globo

Governo errou ao criar expectativa exagerada e não conseguiu entregar, diz consultor especializado

Para ganhar apoio da população, o governo ampliou de 8 para 12 o número de cidades-sede da Copa do Mundo e prometeu obras de infraestrutura urbana que deixariam um legado dos jogos. O feitiço virou contra o feiticeiro. Muitos projetos, incluindo até mesmo os estádios, estão atrasados, foram reduzidos ou sequer saíram do papel. O resultado é uma onda de greves e protestos que conseguiu tirou o clima festivo da Copa, justamente no país do futebol.

Nada disso teria acontecido se o governo tivesse criado uma agenda própria para envolver os brasileiros no clima festivo dos jogos em vez de cumprir exigências da Fifa e inflar expectativas em torno de um legado que não poderia entregar. É o que diz o advogado Pedro Trengrouse, autor de uma dissertação de mestrado que orientou a criação do departamento de responsabilidade social da Fifa.

Em sete anos, Brasil passa do clima de festa à desconfiança

Para analistas, país sofre choque entre a realidade vendida na candidatura da Copa e a revelada pelos protestos

PSB ainda precisa definir palanque em seis estados

SP é caso mais grave de impasse, motivado por exigências da Rede

No preparo para a Copa, governo negocia com sindicatos, vigia black blocs e terá militares nas ruas

Ruas nas cidades-sede da Copa serão militarizadas para inibir violência nas manifestações

Panfletagem política chega ao aplicativo WhatsApp

Disseminação de material pelo aplicativo ainda é vista com ressalvas pelos responsáveis das campanhas

Aécio Neves monta time de estrelas jurídicas para guerra política durante campanha eleitoral

Disseminação de material pelo aplicativo ainda é vista com ressalvas pelos responsáveis das campanhas

 

Valor Econômico

Autoridades desperdiçam verbas para mobilidade

No coração da República, enquanto um número cada vez maior de carros entope até mesmo as avenidas largas da capital, o sonho de muitos brasilienses que moram ou trabalham no Plano Piloto é ver o metrô construído nos anos 1990 finalmente chegar à Asa Norte. Uma expansão da rede atual em 7,5 quilômetros e cinco novas estações, incluindo esse trecho da cidade, tinha tudo para caminhar desde que a presidente Dilma Rousseff anunciou um pacote bilionário de investimentos em mobilidade urbana.

“Aezão” deesagrada aliados de tucanos

A estratégia do pré-candidato Aécio Neves (PSDB) de se aproximar do PMDB de Sérgio Cabral e Jorge Picciani incomoda – e afasta – alguns dos mais tradicionais aliados do partido e principais lideranças tucanas no Rio. O PV já declarou apoio ao PT e terá a vice na chapa do senador Lindbergh Farias, no melhor estilo “o inimigo do meu inimigo é meu amigo”. No DEM, o ex-prefeito do Rio, Cesar Maia, espera o apoio do PSDB à sua candidatura ao governo estadual, mas o arranjo orquestrado nacionalmente não exigiria a exclusividade de Aécio no Estado.

Candidatura em SP abre crise no PSOL e atinge chapa de Randolfe

O processo de definição do candidato do PSOL ao governo de São Paulo abriu uma crise nacional no partido e gerou atritos que atingiram a candidatura à Presidência do senador Randolfe Rodrigues (AP).

Ronaldo se ‘convoca’ para a campanha de Aécio depois da Copa

Nos gramados do Brasil e mundo afora, vestindo a camisa da Seleção ou dos times onde jogou, o atacante Ronaldo Luís Nazário de Lima encantou milhões. Virou o “Fenômeno”, ídolo e excepcional atleta, capaz de decidir em um chute o placar de um jogo. A partir de agosto, quando os brasileiros estiverem ainda comemorando ou lamentando o resultado da Copa do Mundo-2014, Ronaldo testará sua popularidade em um campo desconhecido para ele. O ex-atacante se engajará na campanha presidencial do tucano Aécio Neves, seu amigo há mais de 15 anos. “Confio nele e acho que é uma ótima opção para mudar nosso país”, afirmou em entrevista ao Valor, na sexta-feira à tarde na sede de sua empresa 9Nine, no Alto de Pinheiros, em São Paulo.

 

EBC – CONGRESSOEMFOCO

Edição: Equipe Fenatracoop

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.