Manchete nos Jornais desta terça-feira, 05 de Maio de 2015

86

David Hare : Os políticos hoje não representam mais a democracia

O dramaturgo inglês David Hare, 67, que virá à Flip em julho para falar de sua obra marcadamente política, diz que políticos perderam a serventia. Para ele, a classe deixou de representar a democracia ao negligenciar benefícios sociais…

————————————————————————————

O Globo

Manchete : Programa para conter favelas está abandonado

Novas construções ameaçam projeto adotado em 50 comunidades do Rio

Áreas verdes estão sendo degradadas, e fiscalização não consegue conter avanço da favelização

O programa Ecolimites, lançado em 2001 pela prefeitura para conter o crescimento de 50 favelas no Rio, foi deixado de lado. Falhas na fiscalização têm permitido novas invasões e degradação de áreas verdes da cidade, revelam Selma Schmidt e Paulo Roberto Júnior. Um dos casos mais graves ocorre no Morro do Banco, no Itanhangá, que avança na mata e também sofre intenso crescimento vertical. O prefeito Eduardo Paes admite que a verticalização é um desafio, mas, para justificar falhas da fiscalização, diz que “está cheio de apartamento de rico com puxadinho” . (Págs. 8 e 9)

Verba para Fies está esgotada, diz ministro

O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, afirmou que não há mais recursos para novos contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A Justiça determinou a reabertura das inscrições, mas o governo vai recorrer. E o programa pode não ser reaberto também no segundo semestre. (Pág. 21)

Dengue vira epidemia no país

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, admitiu que há epidemia de dengue concentrada em sete estados, entre eles São Paulo, onde ocorreram 169 mortes até 18 de abril, 73% do registrado no país. O número de óbitos no estado é o maior desde 1990. (Pág. 21)

‘Não se tolera censura’

Em seminário, a ministra do STF Cármen Lúcia afirmou ontem que às vezes o termo “marco regulatório” é usado para camuflar tentativa de censura: “A Constituição é taxativa. Não se tolera censura no Brasil.” (Pág. 7)

ANP tenta intervir em pesquisas

A ANP planeja mudar as regras para os investimentos em pesquisas. Hoje, as petroleiras escolhem a quem destinar 0,5% de suas receitas, ou R$ 700 milhões. A ANP quer selecionar os projetos de pesquisa, informa Ramona Ordoñez. (Pág. 19)

Petróleo deve ter novas regras

O ministro Eduardo Braga e a presidente da ANP, Magda Chambriard, defenderam mudança nas regras que exigem ouso de fornecedores locais na indústria de petróleo. (Pág. 19)

Vice enquadra PT pelo ajuste fiscal

Encarregado da coordenação política pela presidente Dilma, o vice Michel Temer pediu que petistas “vistam a camisa” na votação do ajuste fiscal, que começa hoje na Câmara. (Pág. 3)

Lava-Jato – Um litígio de R$ 5,7 milhões

Sociedade entre advogados se dissolveu por suspeita de propina em torno de depósito milionário, revela Jailton de Carvalho. (Pág. 6)

Salário tem queda de 3,87% no Rio

Os salários pagos nas novas contratações com carteira caíram 1,2% entre janeiro e março, pela 1ª vez desde 2003. No Rio, o recuo foi de 3,87%. Em Pernambuco, de 8,94%. (Pág. 17)

Ilimar Franco – A Câmara terá mais deputados

O voto distrital misto alemão, defendido pelo PSDB, ampliará o número de deputados na Câmara. Os atuais 513 deputados seriam a bancada mínima da Casa. A máxima seria definida a cada eleição, como na Alemanha. Por isso , os tucanos estão abandonando sua proposta original. A população, avessa aos políticos, não aceitaria um sistema que permitisse ampliar o número de cadeiras. (Pág. 2)

Merval Pereira – Polícia Federal e democracia

A disputa entre a Polícia Federal e o Ministério Público, que se tornou explícita com o sucesso da Operação Lava-Jato, continua forte nos bastidores, e uma frase da coluna de sábado provocou várias re ações de delegados da PF, algumas destempera das, outras se valendo do bom senso para refutar a afirmação de que “houve até tentativas de acordos com os políticos por parte de membros da PF, que, ao mesmo tempo em que acenavam com facilidades para o interrogatório dos políticos, faziam lobby para aprovar Projeto de Emenda Constitucional (PEC) que dá autonomia à PF”. (Pág. 4)

Míriam Leitão – Quinze anos, esta noite

O Brasil vive um momento difícil na área fiscal, mas tem a comemorar o fato de que a lei que foi pensada para controlar as contas públicas chega aos 15 anos sendo parte integrante do ordenamento político e econômico do país. Ela criou uma nova cultura, diz o ministro Joaquim Levy. A equipe que a redigiu preparou a economia com mudanças que permitiram que a lei fosse cumprida. (Pág. 18)

Editoriais

Palco do 1º de Maio é espaço aberto a demagogias

Críticas da presidente Dilma à terceirização e defesa de Eduardo Cunha do aumento da remuneração do FGTS são manifestações típicas desta data (Pág. 14)

Falta ainda aferir qualidade dos gastos públicos

A Lei de Responsabilidade Fiscal fez com que a disciplina orçamentária deixasse de ser interpretada ao gosto dos governantes, estabelecendo limites (Pág. 14)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete : Fies não tem dinheiro para novos contratos

Governo atenderá a metade dos 500 mil pedidos recebidos, ainda que a Justiça tenha prorrogado inscrições para o financiamento. No RS, 15 mil devem ser afetados. (Sua Vida | 28)

Sem ajuste, cortes serão radicais, afirma Temer (Notícias | 10)

Piratini quer conceder BRs à iniciativa privada (Notícias | 6 e 7)

Justiça absolve réus de acidente da TAM

Dois executivos da empresa e diretora da Anac respondiam por tragédia de 2007 com 199 vítimas (Notícias | 10)

Epidemia de dengue atinge sete Estados

No RS, ainda livre de surto, deve ser confirmada hoje segunda morte pela doença (Sua Vida | 27)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete : Montadoras, sem vendas, ampliam férias coletivas

Para evitar demissões em meio à retração do mercado, as empresas estão afastando seus funcionários por número de dias cada vez maior. A Volkswagen deu férias a 8 mil trabalhadores da linha de produção de São Bernardo do Campo, além dos que já estavam em layoff em Taubaté. É o caso também da GM e da Pirelli, fabricante de pneus. (Pág. 6)

Balança ainda está fraca

O superávit comercial em abril ficou em US$ 491 milhões, mas o fluxo de importações e exportações caiu 16,1%, com impacto até da greve dos caminhoneiros. No acumulado do ano, o déficit é de US$ 5,066 bilhões. (Pág. 5)

Clubes de futebol devem R$ 6,3 bilhões

O montante devido pelos 20 maiores clubes em 2014 equivale ao dobro do registrado em 2010 e espelha o total descontrole das contas. Hoje, apenas cinco se enquadrariam nas regras de responsabilidade de gestão em discussão no Congresso. (Págs. 16 e 17)

Lula entra no jogo

Ex-presidente responde a acusações divulgadas na imprensa e na internet e sai em defesa do atual governo e de sua gestão. (Pág. 3)

Construção espera novo fôlego com obras federais

Com o desaquecimento da economia, empresários do setor apostam em nova fase do Minha Casa Minha Vida e em programa de concessões do governo para voltar a crescer (Pág. 4)

Olhar do Planalto

José Negreiros

FACHIN TERÁ QUE TRABALHAR

A intensa campanha em favor da indicação de Luiz Fachin para o Supremo ainda não foi suficiente para vencer as resistências a ele no Senado. Conforme antecipou esta coluna, em 27 de abril, o jurista ainda não havia conquistado o voto favorável de, pelo menos, 66 senadores. (Pág. 2)

Relatório D.C. Rogerio Studart

AUSTERIDADE: PESOS E MEDIDAS

Parece haver um consenso de que o quadro fiscal em que nos encontramos tinha de ser revertido. Essa convergência de opinião se desfaz quando discutimos como obter a tal austeridade econômica — e quem deve pagar os ônus do ajuste. (Pág. 7)

O mercado como ele é… Luiz Sérgio Guimarães –

BC CORTA “HEDGE” E DÓLAR SALTA
O dólar amplificou ontem em relação ao real o leve sinal externo de alta por causa da decisão do Banco Central de restringir a oferta de swaps cambiais destinados à rolagem dos que irão vencer no começo de junho. (Pág. 22)

Ponto Final – Octávio Costa – O BC E O CAVALO DO INGLÊS

Ao elevar a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual na reunião da semana passada, o Comitê de Política Monetária do Banco Central informou que a decisão teve por base “o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação”. Jogou a Selic para 13,25% ao ano e mais não disse. (Pág. 32)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Em SP, 9 de 10 mortos por dengue são idosos

Número de óbitos no Estado é recorde em 2015; ministro fala em “vergonha”

Levantamento da Folha sobre 130 das 169 pessoas mortas por dengue neste ano no Estado de São Paulo mostra que 87% tinham 60 anos ou mais, e 75% destes, uma doença preexistente. O total supera o recorde de 2010, quando 141 pessoas morreram em decorrência da doença, e é a segunda marca negativa de SP em 2015, depois do maior número de casos confirmados: 222 mil. Além da faixa etária, a falta de diagnóstico rápido e de medi das de atenção ao doente e a quantidade de vezes que a vítima foi infectada também são fatores de risco. Em todo o Brasil, são 229 óbitos desde janeiro. O ministro da Saúde, Arthur Chioro, declarou que o avanço da dengue “é uma vergonha” e admitiu dificuldade do governo em controlar a doença. (Cotidiano B1)

Em três meses, 1,5 mi ingressa em cadastro de inadimplentes

Em março, 55,6 milhões de consumidores adultos estavam inadimplentes, impedidos de obter crédito, segundo levantamento. Somadas, as dívidas chegavam a R$ 235 bilhões — média de R$ 4.223 por pessoa. Em dezembro, eram 54,1 milhões, que deviam R$ 219 bilhões. Com a alta do desemprego e dos juros, economistas afirmam que a tendência é o número de inadimplentes subir ainda mais. (Mercado A15)

PT dirá na TV que membros condenados serão expulsos

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, dirá nesta noite, em programa em cadeia nacional de rádio e televisão, que todo petista considerado culpado ao término de um processo judicial será expulso do partido. Apesar desse discurso, o PT mantém até hoje entre seus filiados o ex-ministro José Dirceu e o ex-presidente da sigla José Genoino, ambos condenados no processo do mensalão. (Poder A4)

Entrevista – David Hare : Os políticos hoje não representam mais a democracia

O dramaturgo inglês David Hare, 67, que virá à Flip em julho para falar de sua obra marcadamente política, diz que políticos perderam a serventia. Para ele, a classe deixou de representar a democracia ao negligenciar benefícios sociais. (Ilustrada C1)

Vladimir Safatle – Não merece ter professores esta ‘pátria educadora’

Gostaria de escrever diretamente a meus alunos e pedir a eles que não sejam professores, não cometam esse equívoco. Esta “pátria educadora” não merece ter professor. Se tiver a péssima ideia de se manifestar contra o descalabro, caso viva no Paraná, o governo o tratará à base de bomba. Em outros Estados, a pura indiferença. (Opinião A2)

Editoriais

Leia “Escassez transparente”, sobre crise da água em SP, e “Custo do homicídio”, acerca de perda econômica causada pelo assassinato de jovens. (Opinião A2)



Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *