Manchete nos Jornais deste domingo, 03 de maio de 2015

99

Dieta para um Estado enxuto

Alienação de imóveis não utilizados, venda ou extinção de estatais deficitárias e revisão de privilégios estão entre as possíveis alternativas para diminuir o déficit sem precisar recorrer ao aumento de impostos…

Dragão devora até Bolsa-Família
O programa de distribuição de renda ajudou a tirar da miséria, segundo o governo, 36 milhões de brasileiros desde 2003. Mas, atualmente, os 13,97 milhões de atendidos, ao custo de R$ 2,3 bilhões mensais, sofrem os efeitos da forte alta da inflação nos últimos meses e reclamam que o auxílio já não dá para comprar comida suficiente…

————————————————————————————

O Globo

Manchetes: Gestores públicos escapam de lei fiscal

Especialistas alertam que punições individuais são escassas

Nos 15 anos da legislação, aumento das despesas do governo federal superou o crescimento da receita

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que completa 15 anos amanhã, ajudou a equilibrar as finanças públicas, mas tem poupado gestores que a violam, alertam especialistas e integrantes de Ministérios Públicos e Tribunais de Contas. As sanções costumam atingir estados e prefeituras, que têm repasses suspensos, contam Alessandra Duarte e Carolina Benevides, com base em levantamento em sete estados. Mesmo com a nova lei, o governo federal gastou mais do que arrecadou. Entre 2000 e 2014, relata Regina Alvarez, as despesas cresceram 4,2 pontos percentuais do PIB, enquanto as receitas aumentaram 2,2 pontos. (Págs. 1, 3 e 4)

Petrobras lidera perda em balanço

Ineficiência, má gestão e queda do petróleo fizeram a Petrobras ter a maior perda em ativos entre grandes petroleiras, com baixa contábil de R$ 44 bilhões em 2014, informa Bruno Rosa. A BP perdeu R$ 22 bilhões e a Total, R$ 21 bilhões. (Págs. 1 e 31)

Os contratos do senador

Entre 2007 e 2011, empresa do senador Eunício Oliveira, líder do PMDB, faturou R$ bilhão com a Petrobras. (Págs. 1 e 6)

Sem dinheiro para cédulas novas

Com orçamento apertado, Banco Central adia os planos de substituir todas as cédulas velhas de real. Ainda há 149 milhões da extinta nota de R$ 1 em circulação. (Págs. 1 e 33)

Colunistas – Elio Gaspari

Apagar áudios é contra a memória da democracia. (Págs. 1 e 9)

Miriam Leitão
Lava-Jato não acabou e é um marco na economia. (Págs. 1 e 32)

Fernando Gabeira
O círculo político do declínio nacional. (Pág. 1 e Segundo Caderno)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchetes: Dieta para um Estado enxuto

Alienação de imóveis não utilizados, venda ou extinção de estatais deficitárias e revisão de privilégios estão entre as possíveis alternativas para diminuir o déficit sem precisar recorrer ao aumento de impostos. (Págs. 1, 12 e 14)

————————————————————————————

O Estado de S.Paulo

Manchete: Força-tarefa prevê sentença na Lava Jato a partir de junho

————————————————————————————

Estado de Minas

Manchete: Dragão devora até Bolsa-Família
O programa de distribuição de renda ajudou a tirar da miséria, segundo o governo, 36 milhões de brasileiros desde 2003. Mas, atualmente, os 13,97 milhões de atendidos, ao custo de R$ 2,3 bilhões mensais, sofrem os efeitos da forte alta da inflação nos últimos meses e reclamam que o auxílio já não dá para comprar comida suficiente. Reportagem do Estado de Minas percorreu 10 cidades do Vale do Jequitinhonha e constatou a dificuldade de várias famílias. Numa das regiões mais pobres do país, beneficiários do programa dizem estar recorrendo a parentes, conhecidos, ONGs e outras entidades para garantir a alimentação. “Peço um pouquinho de arroz aqui, um tantinho de farinha ali”, diz Teresa Fernandes Pessoa (E), que mora num barraco em Itinga com um filho e dois netos e recebe R$ 140. Para piorar, a falta de oportunidades de trabalho reduz o índice de famílias do Jequitinhonha que deixam o programa. . PÁGINAS 3 E 4
CHEGOU A HORA
A decisão é às 16h, no Melão, em Varginha.
A Caldense, que não leva gol há oito jogos, só precisa empatar para se sagrar campeã mineira invicta. Seria seu segundo título, mas o primeiro disputando com os times da capital. Para vencer e conquistar o 43º estadual, o Galo conta com a força da Massa, que será maioria no estádio. Ontem, centenas de torcedores foram receber Victor e seus companheiros no aeroporto de Varginha (D). Mas a delegação da Caldense, que foi para lá de ônibus, ganhou incentivo no caminho, como no trevo de Campestre, a 35 quilômetros de Poços de Caldas (E).
CAPA E PÁGINAS 2,5 E 6 NEYMAR ULTRAPASSA RONALDO FENÔMENO EM GOLS PELO BARCELONA NA GOLEADA DE 8 A 0 SOBRE O CÓRDOBA ● PÁGINA 4
SÃO TOMÉ DAS LETRAS
CADÊ A MÍSTICA?
A famosa atmosfera misteriosa de São Thomé das Letras está ameaçada.
O aviso é dado logo na chegada do turista. O portal de boas-vindas foi alvo de pichação que o descaracteriza. Até a pirâmide do Parque Municipal Antônio Rosa (foto) perdeu oposto de ponto mais alto da cidade para as antenas de telecomunicações, que chegam a 1,5 mil metros de altitude. Produtos chineses invadiram e prejudicam o artesanato local. E o progresso gera efeito contrário.: traz intolerância e violência. PÁGINAS 17 E 18
Empresas que lucram com dólar alto
com a desvalorização do real, produção destinada ao mercado externo tem faturamento até 40% maior PÁGINA 2
REFORMA POLÍTICA
Projetos têm barreiras aos ruins de voto
Eleição dos mais votados, independentemente de partido; um mínimo de votos nominais para conquistar uma cadeira; ou divisão da cidade ou estado em distritos, que elegem seus representantes. Na discussão da reforma política, várias propostas têm um objetivo comum: barrar candidatos com poucos votos. PÁGINA 2
TUDO ATRASADO
Praças importantes de BH com obras em ritmo lento
O atraso chega a nove meses e atinge o entorno da Igreja de São Francisco de Assis e a Praça Carlos Chagas.

————————————————————————————

Gazeta do Povo

Manchete:Expansão da “Nova Classe Média” brasileira esbarra na estagnação da economia
Estagnação da economia sufoca expansão da “nova classe média”. Fenômeno de ascensão social está sendo interrompido pela queda na renda. A expansão da “nova classe média” está ameaçada. Os trabalhadores que subiram de vida com o aquecimento do mercado formal, a valorização do salário mínimo e as transferências de renda agora se veem encurralados pelo avanço do desemprego, da inflação e das taxas de juros. Para economistas, é grande a chance de que a classe média encolha neste ano, com muita gente retornando a camadas mais pobres.
“Com a crise e, ainda mais, com as políticas severas de ajuste fiscal, este processo [de ascensão social] tende a ser abortado da pior forma possível, estagnando um movimento de inclusão ainda prematuro”, avalia a economista Vivian Garrido Moreira, que em seu doutorado na USP defendeu uma tese sobre distribuição de renda e crescimento econômico. A avaliação de Vivian e de outros economistas é que as pessoas que ingressaram na classe C nos últimos tempos ainda não haviam firmado os pés nesse estrato social e, por isso, são mais vulneráveis aos tremores da economia…
Uma vida em frente à tela
O crítico curitibano Lélio Sotto Maior Jr. transformou a paixão por cinema em profissão e influenciou toda uma geração de cineastas e cinéfilos, incluindo o poeta Paulo Leminski, com quem “agitou” o cenário cultural da capital nas décadas de 1960 e 70
LEGISLATIVO ESTADUAL
Base de apoio a Richa encolhe em meio à crise
No início do mandato, o governador Beto Richa (PSDB) enfrentava oposição só de seis deputados. Passados quatro meses, no embate da reforma da previdência 20 deputados votaram contra
MEIO AMBIENTE
Ritmo de regeneração das araucárias preocupa
A ausência de árvores de araucárias com menos de 30 anos no campo e nas cidades demonstra que os esforços para recuperação da espécie não foram suficientes. Para o professor da UFPR Flavio Zanette, um dos principais pesquisadores da árvore-símbolo do Paraná, são necessárias medidas urgentes para que as araucárias voltem a brotar no estado, afastando o risco de extinção
JUDICIÁRIO
Fachin terá de enfrentar cerco no Senado
O professor da UFPR Luiz Edson Fachin será ouvido terça-feira no Senado para ocupar uma vaga no STF. A sabatina será marcada pelo cerco de senadores da oposição e “rebeldes” do PMDB
VIVER BEM
O que vem aí para vestir no próximo verão
Looks confortáveis, românticos e com sensualidade na medida certa. Confira as tendências para a próxima temporada quente
TURISMO
Os cenários paradisíacos de Aruba
Mar azul, areia branca e sossego não são os únicos atrativos dessa ilha do Caribe. Bons hotéis, passeios e a vida noturna complementam a visita
ESPORTIVA
hora da decisão
Torcida jovem do Coxa (foto à esquerda) vê como obrigação a conquista do título neste domingo. Em Ponta Grossa, o ressurgimento do Operário faz os torcedores (foto à direita) sonharem com um feito inédito na história da cidade.
ENGENHARIA
Intertechne joga pelo empate em 2015
DESENVOLVIMENTO
Estudo vai mapear classes no Brasil
INFRAESTRUTURA
Ajuste fiscal afeta investimentos do PAC

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchetes: Marqueteiro do PT é investigado pela PF

Há suspeita de crime em transação feita por João Santana em 2012, ele nega
Marqueteiro do PT nas três ultimas eleições presidenciais, João Santana é alvo de inquérito que apura se suas empresas trouxeram de Angola US$ 16 milhões em operação de lavagem de dinheiro para beneficiar o partido, informam Natuza Nery e Mario Cesar Carvalho.
Em 2012, o publicitário fez a campanha eleitoral no país africano que elegeu o presidente. Também trabalhou para Fernando Haddad na campanha à Prefeitura de São Paulo. O petista ganhou o pleito, porém restou uma dívida de R$ 20 milhões com Santana, assumida pelo PT.
A Polícia Federal suspeita que empreiteiras que atuam em Angola destinaram recursos ao marqueteiro, em forma indireta de o PT quitar débitos. Para especialistas em finanças, a operação feita por Santana é legal, porém incomum, devido aos altos tributos e à burocracia.
O publicitário nega irregularidade: “Trata-se de operação totalmente legal e transparente”. Haddad, que já depôs no inquérito como testemunha, informou via assessoria que os pagamentos a Santana foram compatíveis com os de outras campanhas e feito dentro da lei. (Págs. 1 e Poder A4)

Com crise e inflação, classe média vai em grupo ao atacado

Depois de racionar compras e buscar marcas mais baratas, a classe média introduziu um novo hábito na rotina em tempos de crise econômica e inflação alta.
Segundo pesquisa feita no país em março, 32% dos consumidores da classe C que fizeram compras nos dias anteriores ao levantamento foram à lojas de atacado com amigos ou vizinho para economizar (Págs. 1 e Mercado A15)

Editoriais

Leia “Decepção no trimestre”, sobre resultado da economia no período, e “Avanço a conta-gotas”, acerca de saneamento básico no país. (Págs. 1 e Opinião A2)

Emílio Odebrecht

Decidi romper o silêncio e falar sobre corrupção
Corrupção e má gestão são ralos por onde escoam riquezas, energia, dinheiro público e valores morais. Pagamos um preço alto pelo custo Brasil, orçamentos sem projeto e por órgãos ambientais e de fiscalização, que travam obras – não raro por motivação política ou ideológica. (Págs. 1 e Opinião A3)

 

EBC



Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *