Manchete nos Jornais deste domingo, 10 de maio de 2015

126

Ajuste fiscal emperra até vitrines da presidente

Cortes afetam programas prioritários, como Pronatec, Fies e Minha Casa
Vitrines da educação e habitação já são afetadas.
No Fies, programa de financiamento ao ensino superior, os recursos  e os contratos a metade dos de 2014.
Sem corte definido, o MEC já adiou o Pronatec, de qualificação técnica.
0 Minha Casa, Minha Vida enfrenta demora nos repasses. Operários da construção com salários atrasados.
Na área da defesa, a Embraer sem orçamento para projeto conjunto de jatos militares.
Apesar dos cortes, só 0,8% dos gastos obrigatórios, como INSS e benefícios sociais, continuaram subindo.

———————————————————————————–

O Globo

Manchete: Exército contraria lei e não libera documentos secretos

Área de inteligência ligada à Presidência também não permite acesso

A Lei de Acesso à Informação, que completa três anos esta semana, enfrenta resistência de setores do governo que impedem a consulta de documentos antes sigilosos, mas que deveriam estar disponíveis ao público. Detentor de 160 mil documentos, o Exército vem recusando seguidos pedidos desde maio de 2014, informa FRANCISCO LEALI. Órgãos de inteligência ligados à Presidência, como a Abin, fazem o mesmo. Arquivos abertos por outros setores revelam, por exemplo, o receio de atentados no país, após o 11 de Setembro de 2001, nos EUA, como mostra série de reportagens a partir de hoje. (Págs. 1 e 3 a 5)

Investimento da Petrobras será o menor desde 2008

Para reduzir seu endividamento, a Petrobras cortará os investimentos de 2015 a 2019 em até 41%. O Plano de Negócios, que será divulgado em junho, deve ficar entre US$ 129 bilhões e US$ 141 bilhões, no menor patamar desde a crise econômica global. A área de Exploração & Produção terá 80% do total. (Págs. 1 e 31)

Perdidos pela burocracia

As paredes cobertas por plásticos e o chão em tábuas destruído foram o que sobrou da casa do Barão de Vassouras, no Vale do Paraíba, no Sul Fluminense. O palacete centenário é um dos 424 bens tombados que aguardam por obras de restauração financiadas com verbas do PAC das Cidades Históricas. Lançado em 2009, o programa emperrou na morosidade dos projetos e nas licitações. (Págs. 1 e 6)

Violência abala projetos no Alemão

A rotina de intensos tiroteios sufoca projetos sociais que chegaram ao Alemão após as UPPs. Uma ONG que oferecia aulas de balé perdeu metade dos alunos. Sem patrocínio, o espaço aberto pelo príncipe Harry cortou 80% dos inscritos. (Págs. 1 e 12)

Grávida é baleada, e 4 são mortos (Págs. 1 e 18)

Tesoureiro e dono da UTC se reuniram (Págs. 1 e 10)

A vida no meio do lixo

Há três décadas, eles eram 400. Hoje, os 38 golfinhos que vivem na poluída Baía de Guanabara se divertem brincando com lixo. Segundo pesquisadores da Uerj, eles estarão extintos até 2035 se nada for feito. (Págs. 1 e Revista O Globo)

————————————————————————————

Veja

Manchete: Fachin no STF?

Por que o Senado precisa sabatinar com rigor o indicado de Dilma Rousseff para a vaga de Joaquim Barbosa. (Pág. 1)

PEC das Domésticas: O que muda e o que se mantém depois da decisão do Senado (Pág. 1)

————————————————————————————

Época

Manchete: Dengue – É hora de encarar o bicho

O ataque do mosquito já matou mais em 2015 do que no ano passado inteiro. Graças à incompetência dos governos, o pior ainda está por vir. (Pág. 1)

Duas caras

O PT quer ser situação e oposição ao mesmo tempo. É para rir ou para chorar? (Pág. 1)

Cara de pau

Exclusivo: O Ministério Público suspeita que o governo repassou R$ 500 bilhões irregularmente ao BNDES. (Pág. 1)

————————————————————————————

ISTOÉ

Manchete: O PT contra o governo

Lula tenta afastar o partido das trapalhadas de Dilma, fracassa, aumenta a crise e deixa o País à deriva. (Pág. 1)

O desastre da dengue

746 mil brasileiros infectados em uma epidemia que poderia ter sido evitada. (Pág. 1)

————————————————————————————

ISTOÉ Dinheiro

Manchete: A volta do bom humor

Joaquim Levy, o conciliador.

Ministro da Fazenda convence investidores e empresários a investir e obtém, no Congresso, a primeira vitória do ajuste fiscal.

Empresas e investidores nacionais e estrangeiros voltam a ver o Brasil com outros olhos, despejando bilhões de dólares no mercado acionário, em imóveis e em novos negócios e projetos de expansão. Nas últimas semanas, a bolsa subiu, o dólar caiu e o risco país diminuiu, numa clara indicação de que o pessimismo exagerado com a economia ficou para trás. Saiba também:

O que dizem os economistas

A visão dos empresários otimistas

Os desafios de curto prazo (Pág. 1)

CVM: Xerife do mercado investiga ex-conselheiros (Pág.1)

————————————————————————————

Carta Capital

Manchete: O senhor do caos

No vácuo de lideranças e ideias, Eduardo Cunha se esbalda. (Pág. 1)

————————————————————————————

EXAME

Manchete: Comprar ou vender?

Depois de anos de euforia, o mercado imobiliário brasileiro vive um choque de realidade. A mais completa pesquisa do setor no Brasil, com dados das 100 principais cidades, mostra quanto vale seu imóvel e onde estão as maiores oportunidades para investir. (Pág. 1)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Vida de árbitro (Págs. 1 e 33 a 37)

O PMDB partido em três

Disputa de poder entre os caciques peemedebistas – o vice Michel Temer (SP), o deputado Eduardo Cunha (RJ) e o senador Renan Calheiros (AL) – expõe ambições e estratégias do partido para a eleição de 2018. (Págs. 1, 14 e 15)

“Presidenta” em apuros no Chile

Escândalo familiar corrói popularidade de Bachelet. (Págs 1, 16 e 17)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete: Ajuste fiscal emperra até vitrines da presidente

Cortes afetam programas prioritários, como Pronatec, Fies e Minha Casa

No esforço de cortar gastos e cumprir a meta fiscal, o governo tem congelado repasses a programas prioritários e suspendido o pagamento de obras e subsídios.

Vitrines do governo Dilma Rousseff para educação e habitação já são afetadas.

No Fies, programa de financiamento ao ensino superior, os recursos se esgotaram, e os contratos novos autorizados caíram para quase a metade dos de 2014.

Sem corte definido, o MEC já adiou por duas vezes o início das aulas do Pronatec, de qualificação técnica.

0 Minha Casa, Minha Vida enfrenta demora nos repasses. Parte dos cerca de R$ 1,2 bilhão que o setor tem a receber do governo está atrasada em até 45 dias, segundo entidade da construção.

Na área da defesa, a Embraer reclama de atrasos em repasses do governo para o desenvolvimento de projeto conjunto de jatos militares.

Apesar dos cortes, as despesas no primeiro trimestre ficaram só 0,8% abaixo das de 2014. Isso porque gastos obrigatórios, como INSS e benefícios sociais, continuaram subindo. (Págs. 1 e Mercado 6)

Opositores se unem em Miami contra governo da Venezuela

Cresce o ritmo do venezuelanos opositores ao chavismo que se exilam em Miami. Esses ativistas políticos reúnem dados de abusos do governo para influenciar decisões em Washington, relata o enviado Samy Adghirni.

Caravanas são organizadas, e relatórios, encaminhados a políticos. Jornais e canais de TV venezuelanos proliferam em Miami e mobilizam os que não se interessam por política. (Págs. 1 e Mundo A13)

Henrique Meirelles: Reino Unido prova que corte de gastos não é só recessivo

O sucesso econômico do Reino Unido contraria visão de que contenções fiscais são meramente recessivas e criam ciclo vicioso de baixo crescimento. Ele mostra que cortes de gastos e reformas geram crescimento, empregos e triunfos eleitorais. Na busca de equilíbrio fiscal, os conservadores têm tido particular cuidado em evitar aumento de impostos. É uma lição importante ao Brasil. (Págs. 1 e Opinião A2)

Advogados retiram patrocínio de evento com juiz da Lava Jato

Escritórios que patrocinam tradicional seminário de direito penal suspenderam o apoio devido à participação do juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato. Entre eles, estão defensores de executivos da Galvão Engenharia e da Camargo Corrêa. “Não vou pagar para dar palco a quem viola o direito de defesa”, diz Arnaldo Malheiros. (Págs. 1 e Poder A7)

Filipinas importadas ganham até R$2.000 como babá no Brasil

Sem encontrar babás e domésticas que durmam no trabalho, famílias brasileiras têm importado filipinas, que só falam inglês e recebem até R$ 2.000, informa Patrícia Campos Mello. (Págs 1 e Cotidiano B6)

Crise eleva busca por especialistas em demissões menos traumáticas (Págs. 1 e Mercado 7)

Habitação social do país despreza a boa arquitetura, avalia crítico (Págs. 1 e Ilustríssima)

Editoriais

Leia “Baterias de futuro”, acerca de armazenamento doméstico de energia, e “Dinheiro do trabalhador”, a respeito de correção dos saldos do FGTS. (Págs. 1 e Opinião A2)

EBC



Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *