Governo mudará regra de reajuste do salário mínimo

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse que nova regra para o cálculo do salário será enviada ao Congresso em breve, para vigorar a partir de 2016. Barbosa afirmou que, mesmo com aperto fiscal, o mínimo crescerá acima da inflação até 2019…

O Globo

Governo vai propor nova regra para o salário mínimo

Ministro do Planejamento afirma, porém, que ganhos reais serão mantidos

Especialistas em mercado de trabalho dizem que a alteração vai exigir muito esforço político
O governo vai enviar ao Congresso proposta de nova regra de reajuste do salário mínimo para o período de 2016 a 2019, com o objetivo de melhorar as contas públicas, mas o novo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, afirmou que a ideia é continuar dando reajustes acima da inflação. A proposta ainda não foi detalhada, mas, no início do ano passado, quando estava fora do governo, Barbosa defendeu que o mínimo crescesse de forma mais moderada e que fosse vinculado à média salarial do país. Ontem, ele também falou sobre a necessidade de mais ajustes na política econômica. Para especialistas em mercado de trabalho, mudanças no mínimo vão exigir esforço político e podem até elevar gastos. (Págs. 1, 19 e 20)

‘Não somos ladrões’

Gilberto Carvalho faz defesa do PT no dia da troca de comando nos ministérios

No dia em que 16 ministros do segundo governo Dilma assumiram seus cargos, o petista Gilberto Carvalho, que transmitiu o comando da Secretaria-Geral da Presidência a Miguel Rossetto, saiu em defesa do PT. “Não somos ladrões”, disse, em resposta ao senador Aécio Neves (PSDB), que dissera ter sido derrotado na eleição por uma “organização criminosa”. “Para eles, pobres é quadrilha. Pertenço a essa quadrilha”, afirmou Carvalho. Novo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga especulou sobre quem seriam os “inimigos externos” da Petrobras citados por Dilma na posse: os responsáveis pela desvalorização do barril do petróleo no mundo, disse. (Págs. 1 e 3 a 6)

‘Entendo de gente’

Titular do Esporte e outros ministros não escondem falta de afinidade com setores

As transmissões de cargo dos ministros escancararam as negociações para a composição da equipe de Dilma e a falta de afinidade dos escolhidos com suas áreas. “Posso não entender profundamente de esporte, mas entendo de gente”, disse o titular do Esporte, o pastor George Hilton (PRB), que recebeu o cargo de Aldo Rebelo (PCdoB). Escolhido para a Secretaria Especial dos Portos, Edinho Araújo agradeceu a seu partido: “O PMDB me proporcionou estar aqui.” De saída da Previdência, Garibaldi Alves (PMDB) queixou-se. “Fui abandonado pelo meu partido, que não quis mais o Ministério da Previdência.” (Págs. 1 e 3 a 6)

Em dois anos, um novo ensino médio (Págs. 1 e 22)

MERVAL PEREIRA

Tarefa do novo chanceler é interromper desimportância brasileira. (Págs. 1 e 4)

Governadores cortam gastos (Págs. 1, 7 e 8)

MÍRIAM LEITÃO

Ministério inchado contradiz intenção de ajuste do governo. (Págs. 1 e 20)

————————————————————————————

Zero Hora

Decreto de Sartori preocupa fornecedores

Primeira medida do novo governador suspende pagamentos por seis meses e restringe gastos do governo. Piratini garante que não haverá paralisação de serviços essenciais. (Págs. 1, 8, 10 e 11)

Mínimo terá ganho real

Ministro garante aumento mesmo que fórmula mude. (Págs. 1 e 17)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

‘Não somos ladrões’, diz principal aliado de Lula

Ao deixar ministério, Gilberto Carvalho ironizou quem chama o PT de quadrilha

Em solenidade na qual entregou o cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho (PT) admitiu erros do partido no processo do mensalão, mas ressaltou que petistas não são “ladrões”.

“A política é feita pra servir. Estou muito feliz porque a imensa maioria dos nossos companheiros, dos nossos ministros, dos nossos assessores trabalha aqui por amor, trabalha aqui para servir. Nós não somos ladrões”, afirmou o petista.

Carvalho foi chefe de gabinete de Lula nos oito anos de governo do petista e era o nome mais próximo ao ex-presidente na equipe ministerial no primeiro mandato de Dilma Rousseff.

Visivelmente emocionado ao se despedir do Planalto, onde ficava seu gabinete, declarou ainda que, se são uma quadrilha, são uma “quadrilha dos pobres”.

No fim de 2013, petistas históricos foram presos por causa da condenação no processo do mensalão, entre os quais o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. (Págs. 1 e Poder A4)

Novo ministro quer avaliar professor antes de dar promoção (Págs. 1 e Cotidiano C5)

Alckmin congela R$ 6,6 bilhões dos recursos de SP para este ano

Um dia após tomar posse para novo mandato, o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) anunciou medidas de contenção de despesas, afirmando que precisa se preparar para dificuldades econômicas em 2015.

O tucano contingenciou R$ 6,6 bilhões em recursos para investimentos e compras, ou 10% do dinheiro disponível para despesas não obrigatórias. Decidiu também cortar 15% dos cargos comissionados. (Págs. 1 e Poder A8)

Desempenho na venda de carros é o pior desde 2002

Em 2014, a queda nos emplacamentos de carros de passeio e comerciais leves foi de 7,4%, o que significa que o setor teve a maior retração nas vendas em 12 anos. O aperto no crédito explica o resultado negativo.

De acordo com a associação das montadoras, o estoque nos pátios no final de novembro atenderia a 42 dias de demanda. (Págs. 1 e Mercado B1)

Governo mudará regra de reajuste do salário mínimo

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse que nova regra para o cálculo do salário será enviada ao Congresso em breve, para vigorar a partir de 2016. Barbosa afirmou que, mesmo com aperto fiscal, o mínimo crescerá acima da inflação até 2019. (Págs. 1 e Mercado B3)

ANDRÉ SINGER

Palavras e atos de Dilma têm falta de conexão perigosa

Dilma encerrou seu discurso de posse com um juramento: “Nenhum direito a menos”. Três dias antes, anunciou cortes em benefícios de interesse direto dos pobres.

A desconexão entre palavras e atos constitui perigosa sequência daquela produzida por uma campanha à esquerda e a montagem de um ministério à direita. (Págs. 1 e Opinião A2)

 

EBC

Edição: Equipe Fenatracoop

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.