Cooperativa de US$ 37 bilhões investe no país; Maior cooperativa agrícola dos EUA, com faturamento de US$ 36,9 bilhões no ano passado, a CHS quer aproveitar o crescimento da produção de grãos nas regiões Norte e Nordeste do Brasil para crescer… -Saúde: Doente poderá dizer se quer prolongar ou não a vida; O Conselho Federal de Medicina apresenta hoje normas para elaboração e validade do testamento vital, documento por meio do qual o cidadão poderá antecipar a vontade de não ter a vida prolongada artificialmente. Portugal já transformou medida semelhante em lei…

O Globo

Manchete: A hora do mensalão – Petista que presidiu Câmara é condenado por corrupção

Na despedida, ministro Peluso vota por 6 anos de prisão para João Paulo

O deputado petista João Paulo Cunha, que foi presidente da Câmara entre 2003 e 2005, já está condenado por corrupção e peculato no escândalo do mensalão. Dos dez ministros do STF que já votaram, oito o consideraram culpado. Hoje, quando votará o presidente do STF, ministro Ayres Britto, ele poderá ser condenado também por lavagem de dinheiro. O ministro Cezar Peluso, o único a sugerir as penas até agora, quer que João Paulo seja condenado a seis anos de prisão e à perda do mandato. Mas, se o deputado também for considerado culpado por lavagem, a pena será de, no mínimo, nove anos, inicialmente em regime fechado. O PT deixou para o próprio João Paulo a iniciativa de abandonar a candidatura a prefeito de Osasco (SP). A Câmara deverá abrir processo para cassar seu mandato. (Págs. 1, 3 a 7, Carlos Alberto Sardenberg e Demétrio Magnoli)

Fotolegenda: Sem clemência

Cezar Peluso, entre Marco Aurélio e Lewandowski: em sua despedida, Peluso condenou João Paulo a 6 anos de prisão e sugeriu que todos os políticos que receberam dinheiro de Marcos Valério sejam condenados.

Merval Pereira
STF cria novos paradigmas

Punição passa a rondar políticos e financiadores. (Págs. 1 e 4)

Míriam Leitão
Lições que engrandecem

Julgamento no STF já quebrou a certeza da impunidade. (Págs. 1 e 28)

1º político punido

Nome: João Paulo Cunha
Deputado federal desde 1995
Candidato a prefeito de Osasco (2012)
Primeiro petista a presidir a Câmara (2003 a 2005)
Presidente interino da República (2004)

O último voto: Recados na hora do adeus

Ao se despedir do STF, o ministro Cezar Peluso deixou recados que podem abrir caminho para punir todos os parlamentares processados: disse que saques em dinheiro caracterizam crime e que parte do dinheiro do contrato entre a Câmara e a SMP&B pode ter sido usada para pagar a parlamentares — o chamado mensalão. Foi homenageado até pelos advogados dos réus. (Págs. 1 e 6)

IPI menor para carros é renovado até outubro (Págs. 1 e 27)

BC corta juro básico para 7,5% ao ano (Págs. 1 e 29 a 31)

Em nova versão, Bin Laden morreu desarmado (Págs. 1 e 35)

Mesada de 30 mil liberava bicho (Págs. 1 e 13)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete: Mensalão o julgamento – STF condena petista por corrupção

Candidato a prefeito, João Paulo Cunha é o primeiro político culpado no mensalão; ministro propõe 6 anos de prisão

Por oito votos a dois, os ministros do Supremo Tribunal Federal condenaram o primeiro político envolvido no escândalo do mensalão.

O deputado João Paulo Cunha (PT-SP), um dos principais nomes do primeiro governo Lula, quando se elegeu presidente da Câmara dos Deputados, foi condenado por corrupção passiva e peculato (desvio de dinheiro por servidor público). (Págs. 1 e Poder A4)

Eliane Cantanhêde

PT à beira da prisão é motivo de constrangimento. (Págs. 1 e Opinião A2)

Rogério Gentile

João Paulo entra para a história pela porta dos fundos. (Págs. 1 e Opinião A2)

Russomanno lidera, Serra cai e Haddad sobe

Uma semana após o início da propaganda eleitoral, o candidato do PRB, Celso Russomanno, assumiu a liderança isolada na disputa pela prefeitura paulistana.

Ele manteve 31% das intenções de voto na pesquisa Datafolha. José Serra (PSDB) caiu cinco pontos percentuais e agora está com 22%. A rejeição ao candidato tucano saltou de 38% a 43%. (Págs. 1 e Poder A12, A14 e A16)

Análise: Fernando Rodrigues

Aparição massiva de Lula em campanha na TV deu resultado, por enquanto, só em SP. (Págs. 1 e Poder A12)

Governo errou em leilão de aeroporto, diz chefe de estatal

O presidente da recém-criada estatal de rodovias e ferrovias, Bernardo Figueiredo, disse que o governo errou na primeira fase de concessão de aeroportos. Em entrevista à Folha e ao UOL, ele afirmou que, agora, as empresas terão de comprovar experiência para participar de leilões. (Págs. 1 e Mercado B5)

Dilma prorroga IPI menor de carro e eletrodoméstico

Diante da fraca recuperação da economia, o governo prorrogou os cortes de IPI para carros, eletrodomésticos, móveis e material de construção. Também foi ampliada a duração de linhas de crédito mais baratas do BNDES para investimentos. A renúncia fiscal será de R$ 5,5 bilhões. (Págs. 1 e Mercado B6)

BC corta juros, e taxa real é a menor em três décadas

O Banco Central completou o ano mais agressivo de cortes na taxa básica de juros desde o Plano Real ao reduzir a Selic de 8% para 7,5% ao ano. Com a nona queda consecutiva, os juros reais (descontada a inflação) chegaram a 1,98%, o menor patamar em três décadas. O Copom indicou que a trajetória descendente está perto do fim. (Págs. 1 e Mercado B1)

Pacto na Colômbia prevê que Farc tenham atuação política (Págs. 1 e Mundo A18)

Editoriais

Leia “O voto de Peluso”, sobre rigor no julgamento do mensalão, e “Arrecadação em queda”, acerca de dificuldades para cumprir meta de superávit. (Págs. 1 e Opinião A2)
————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Maioria do Supremo condena João Paulo por corrupção passiva

Peluso, que se aposenta, antecipou penas e diz que petista deve perder mandato

O deputado João Paulo Cunha (PT), candidato à prefeitura de Osasco, foi condenado por 8 dos 11 ministros do STF por corrupção passiva e peculato no mensalão. Dois absolveram. Hoje, o presidente Carlos Ayres Britto deve dar o último voto. O ministro Cezar Peluso, que vai se aposentar, antecipou as penas e julgou que o deputado deve perder o mandato em razão da condenação. Oito ministros condenaram João Paulo por corrupção passiva por ter recebido, quando presidia a Câmara, R$ 50 mil de Marcos Valério. A defesa diz que ele não tentará escapar se prevalecer a pena de prisão. (Págs. 1 e Nacional A4, A6 e A8)

Planalto teme efeito dominó

O PT e o governo temem que, com a condenação de João Paulo Cunha, caia a tese de caixa 2 e auxiliares do ex-presidente Lula, como José Dirceu, sejam condenados. (Págs. 1 e A6)

BC reduz juro em 0,5 ponto e indica nova queda

O Banco Central anunciou ontem o nono corte consecutivo da taxa básica de juros, que caiu de 8% para 7,5% ao ano, novo mínimo histórico. O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC também deixou aberta a possibilidade de nova redução da taxa Selic na sua próxima reunião, em 9 e 10 de outubro. Mas esse corte deve ser menor. Em nota, o BC disse que os cortes tiveram aprovação unânime de sua diretoria e se refletem, em parte, na recuperação da atividade econômica. (Págs. 1 e Economia B4)

7,5% é a nova taxa de juros depois da redução decidida pelo Copom

Com economia fraca, corte de IPI é renovado

Em mais um pacote de incentivo ao consumo e investimentos, o governo prorrogou a redução do IPI para automóveis, produtos da linha branca, móveis, bens de capital e material de construção e também criou novas linhas de crédito do BNDES a taxas de juros mais baixas. (Págs. 1 e Economia B1)

Russomanno tem vantagem de 9 pontos sobre Serra

Na primeira pesquisa Datafolha após o início da propaganda eleitoral na TV, o candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, se manteve com 31% das intenções de voto, mas abriu 9 pontos porcentuais de vantagem sobre José Serra (PSDB), que caiu de 27% para 22%. Fernando Haddad (PT) subiu de 8% para 14%. O petista rompeu pela primeira vez a barreira dos dois dígitos. Na pesquisa anterior, em 20 de agosto, sua desvantagem em relação a Serra chegava a 21 pontos e agora passou para 6. (Págs. 1 e Nacional A9)

Entrevistas Estadão: Celso Russomano

‘GCM vai para a rua prender’

Líder das pesquisas de intenção de voto na corrida pela Prefeitura de SP, Celso Russomanno (PRB) quer fazer da segurança sua marca de governo, caso seja eleito. O candidato disse que pretende investir na Guarda Civil Metropolitana (GCM), integrar os trabalhos das polícias, espalhar câmeras pela cidade e envolver até os guardas noturnos para atuar numa política integrada de segurança pública. (Págs. 1 e Nacional A12)

Câmara de SP fará programa de demissões voluntárias

A Câmara de SP vai lançar um plano de demissões voluntárias com objetivo de cortar 12% dos funcionários. Inédita no Legislativo, a solução poderá atingir 236 servidores contratados sem concurso e sem estabilidade. A média salarial é de R$ 8 mil. A economia anual pode chegar a R$ 30 milhões. (Págs. 1 e Cidades C1)

Novo Código Florestal beneficia ruralistas (Págs. 1 e Vida A22)

Dilma sanciona lei de cotas na universidade (Págs. 1 e Vida A24)

Demétrio Magnoli

Falta alguém no banco dos réus

Lula é o maior beneficiário da teia de crimes do mensalão. Mas a acusação não fala dele. Quem acha que o ex-presidente não sabia da trama? (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

Thomas L. Friedman

A guinada errada de Morsi

O novo presidente egípcio – conduzido ao poder em um levante pró-democracia – está emprestando sua legitimidade ao regime iraniano. (Págs. 1 e Visão Global, B9)

Notas & Informações

Uma lei contra os desmandos

Dilma superou o desafio da greve do funcionalismo. É preciso evitar a repetição dos abusos. (Págs. 1 e A3)

————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete: Condenado

No julgamento do mensalão, o petista João Paulo Cunha é considerado culpado por corrupção pela maioria dos ministros do STF e pode ter que cumprir pena na cadeia

Ex-presidente da Câmara dos Deputados e atual candidato do PT à prefeitura de Osasco (SP), o deputado federal João Paulo Cunha se tornou ontem o primeiro político influente do partido — entre os réus do mensalão — a ser condenado pelo Supremo Tribunal Federal. Dos 11 ministros, oito o consideram culpado pelos crimes de corrupção passiva e peculato. A lista de delitos pode aumentar porque falta ainda uma conclusão sobre a suposta prática de lavagem de dinheiro atribuída ao petista. Nesse ponto, há cinco votos pela condenação e quatro pela absolvição. Os ministros Ayres Britto e Rosa Weber vão decidir o resultado. (Págs. 1, 2 a 5, Tereza Cruvinel, 4, e Nas Entrelinhas, 6)

BC diminui juros para 7,5% ao ano

Foi o nono corte seguido na taxa Selic, que estava em 8% e agora é a menor da história. Medida busca estimular a economia. (Págs. 1 e 13)

Mais dois meses de carro com desconto

Governo prorroga a redução do IPI para veículos até 31 de outubro. Para os eletrodomésticos e móveis, o prazo final é dezembro. (Págs. 1, 11 e 12)

Polícia Civil: A greve e a crise da propina

A tímida manifestação de agentes por reajuste salarial, ontem, na Esplanada, contrastava com a tensa situação nos gabinetes da instituição. Suspeitos de receberem dinheiro de grileiros, um delegado foi preso e outro, afastado do cargo. (Págs. 1, 23 e Visão do Correio, 16)

Saúde: Doente poderá dizer se quer prolongar ou não a vida

O Conselho Federal de Medicina apresenta hoje normas para elaboração e validade do testamento vital, documento por meio do qual o cidadão poderá antecipar a vontade de não ter a vida prolongada artificialmente. Portugal já transformou medida semelhante em lei. (Págs. 1 e 10)

Educação: Dilma sanciona lei de cotas nas universidades

A partir de hoje, instituições federais de ensino superior terão de reservar 50% das vagas para alunos de escolas públicas e negros. A medida terá duração de 10 anos. O critério para ingresso será a nota obtida no Enem. (Págs. 1 e 9)

Bolívia: urânio desperta suspeita de elo com o Irã (Págs. 1 e 19)

————————————————————————————

Valor Econômico

Manchete: Caixa vai criar banco de investimento

A Caixa Econômica deu a largada em um plano agressivo de expansão. Pediu autorização do Banco Central para constituir um banco de investimento, começa em outubro a operar com crédito rural para a safra 2012/13 e anunciou que vai financiar exportações. Para modernização tecnológica criou, em uma sociedade da CaixaPar com a Funcef (fundo de pensão dos economiários) e a IBM, uma empresa para desenvolver a nova plataforma digital para o crédito imobiliário e adquiriu 24% da CPM Braxis, empresa do grupo francês Capgemini, segunda maior companhia de tecnologia da informação do mundo.

“Esse é um movimento estratégico. É ousadia com responsabilidade. Não é voluntarismo”, disse o presidente da instituição, Jorge Hereda, ao Valor. A Caixa pretende ser um dos três maiores bancos do país em dez anos, com atuação em todas as áreas. Hoje é o quarto. Com a queda da taxa Selic – que ontem teve novo corte para 7,5% ao ano -, vislumbra-se um novo mundo onde os bancos terão de suar mais para ganhar dinheiro. (Págs. 1, C3 e C18)

EAS conta com japoneses para ser produtivo

O primeiro navio entregue pelo Estaleiro Atlântico Sul (EAS) foi montado com 24 mil metros de solda, dos quais 18 mil tiveram de ser corrigidos. A meta da empresa agora é baixar o nível de reparos para 3%. Para atingi-la, o estaleiro precisará fazer uma espécie de pós-graduação em processos industriais, para o qual contará com a consultoria da japonesa IHI, braço do estaleiro Ishikawajima.

Os planos são de Otoniel Silva Reis, o quarto presidente do EAS desde 2007. Ele assumiu o cargo a pedido dos acionistas (Queiroz Galvão e Camargo Corrêa) há pouco mais de três meses com objetivos claros: “Meu compromisso com os acionistas é neutralizar o caixa e fazer o estaleiro ser produtivo”. O estaleiro teve prejuízo de R$ 1,45 bilhão em 2011 e seu contrato de 16 navios para a Transpetro foi suspenso. Hoje, a empresa anuncia se cancela ou não a suspensão. (Págs. 1 e B6)

Juros negativos para máquinas

Em mais uma rodada de medidas de estímulo à economia, o governo anunciou que o BNDES cobrará juros reais negativos no Programa de Sustentação do Investimento (PSI), voltado à aquisição de bens de capital. A taxa do programa caiu de 5,5% para 2,5% ao ano. A redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para o setor automotivo, linha branca (fogões e geladeiras), móveis, materiais de construção e bens de capital foi prorrogada, com renúncia fiscal de R$ 5,5 bilhões entre setembro deste ano e dezembro de 2013. Para carros, o benefício será válido por mais dois meses.

Foi criada, também, uma linha especial para financiamento de bens de capital usados por indústrias variadas como aeronaves comerciais, tratores, carretas e ferramentas usadas. Essa modalidade de crédito é corrigida pela Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), que atualmente é de 5,5% ao ano, mais 1% e o risco da empresa. Para a compra de caminhões e vagões, a depreciação acelerada caiu de 48 para 12 meses. Ou seja, as empresas vão conseguir abater mais investimento no lucro, o que vai implicar em menor pagamento de Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) no próximo ano. Com essa medida, o governo estima abdicar de R$ 586 milhões em receitas em 2013. (Págs. 1 e A3)

Cooperativa de US$ 37 bilhões investe no país

Maior cooperativa agrícola dos EUA, com faturamento de US$ 36,9 bilhões no ano passado, a CHS quer aproveitar o crescimento da produção de grãos nas regiões Norte e Nordeste do Brasil para crescer. Depois de vender sua participação na trading brasileira Multigrain para a Mitsui, no ano passado, a CHS iniciou um programa de investimentos estimado em US$ 250 milhões (cerca de R$ 500 milhões) em ativos de logística.

Segundo seu presidente no Brasil, Stefano Rettore, o objetivo é dar suporte aos planos de crescimento da operação brasileira, que deve dobrar de tamanho nos próximos três anos. Atualmente, a CHS origina cerca de 2 milhões de toneladas de grãos e distribui 300 mil toneladas de fertilizantes no Brasil. E espera fechar o ano com receita de R$ 1,5 bilhão no país, um crescimento de 35% em relação a 2010. (Págs. 1 e B16)

O último veredito

Ao se despedir do STF, o ministro Cezar Peluso, que se aposentará a partir da próxima semana, condenou cinco réus do mensalão, entre eles João Paulo Cunha, a seis anos de prisão. (Págs. 1 e A6)

Pacote para portos poderá atrair R$ 30 bi

O pacote que a presidente Dilma Rousseff finaliza na área de portos atrairá investimentos de R$ 30 bilhões em até cinco anos, segundo estimativas oficiais. Além da concessão de três novos portos à iniciativa privada, haverá um novo marco regulatório para o setor. Ele deverá destravar investimentos de mais de R$ 10 bilhões na ampliação e modernização dos terminais arrendados antes de 1993 – a maioria deve ter os contratos prorrogados pelo período necessário à amortização desses investimentos, com prazo máximo de 25 anos. Pelo menos três novos projetos serão construídos e geridos pelo setor privado: os portos de Ilhéus (BA), de Manaus (AM) e o porto de águas profundas em Vitória (ES). (Págs. 1 e A4)

Amil busca sócio para o plano de saúde

O empresário Edson Bueno, fundador da Amil, negocia a venda de seu plano de saúde, mas sem incluir a divisão de hospitais e clínicas. O primeiro passo envolveu o grupo americano United Health Care, que chegou a fazer uma auditoria, mas desistiu da transação, segundo o Valor apurou.

Bueno contratou o Credit Suisse para ser o mandatário da venda. Segundo fontes do setor de saúde e também do mercado financeiro, uma das possibilidades é o empresário dedicar-se ao negócio de hospitais, clínicas e laboratórios, que tem margem maior e não é regulado pela ANS, como os planos de saúde. Sua intenção não é vender toda a participação na operadora. (Págs. 1 e B1)

Empresas europeias saem atrás do crédito

Empresas do sul da Europa estão rodando o mundo de chapéu na mão em busca de financiamento. À medida que diminuem os empréstimos bancários locais, muitas estão captando recursos em regiões mais saudáveis, como a América Latina e os Estados Unidos.

O crédito bancário às empresas da zona do euro até agora neste ano está 43% menor que um ano atrás e caiu 68% em cinco anos, segundo a firma de dados Dealogic. (Págs. 1 e B13)

CVM vai flexibilizar regras para ofertas públicas (Págs. 1 e C8)

Venda de PCs diminui o ritmo

O mercado brasileiro de computadores mostrou sinais de desaceleração no primeiro semestre. Segundo a consultoria IDC, foram vendidos 7,8 milhões de PCs, com avanço de 2% sobre igual período de 2011. (Págs. 1 e B3)

Marcas argentinas miram o Brasil

Enquanto grifes de luxo deixam a Argentina devido às dificuldades de importação impostas pelo governo, marcas argentinas buscam o mercado brasileiro para driblar , problemas como escala reduzida e instabilidade econômica, diz Diego Barba Gallo, da Rapsodia, recém-chegada ao país. (Págs. 1 e B5)

Dedini reforça linha de mineração

A Dedini, tradicional fornecedora de equipamentos para o setor sucroalcooleiro, fechou acordo com a Elecon para produzir máquinas da empresa indiana no Brasil. Com o negócio, reforça sua posição no setor de mineração. (Págs. 1 e B6)

Metalcrafters terá fábrica no país

A Metalcrafters, conhecida por produzir carros experimentais e protótipos de automóveis para montadoras, vai instalar em Lorena (SP) sua primeira fábrica fora dos Estados Unidos. (Págs. 1 e B11)

Brasil sediará Thales na AL

A companhia francesa de equipamentos e sistemas para defesa e segurança Thales vai transferir sua sede na América Latina do México para o Brasil, hoje o principal mercado da empresa na região. (Págs. 1 e B12)

Sustentabilidade energética

A fabricante de lápis Faber Castell e a indústria de autopeças Autometal são as empresas brasileiras que mais utilizam energia de fontes alternativas, com 100% de sua demanda atendida por fontes como PCHs, biomassa, eólica e lixo. (Págs. 1 e B12)

Ações cobram R$ 302 bi do BC

Disputas judiciais podem impor ao Banco Central uma perda de R$ 3,2 bilhões em 1,1 mil processos. A estimativa está prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2013, mas o BC é demandado em 7,2 mil ações, no valor de R$ 302 bilhões. (Págs. 1 e E1)

Ideias

Ribamar Oliveira

Ao definir reajuste de 15,8% em três anos para os servidores, Dilma colocou sob controle a maior despesa primária da União. (Págs. 1 e A2)

Elena Lazarou

A União Europeia e o Brasil ainda guardam potencial enorme para cooperação econômica, política e ambiental. (Págs. 1 e A15)

————————————————————————————

Estado de Minas

Manchete: Mensalão – Ex-presidente da câmara é condenado

Supremo considera João Paulo Cunha (PT-SP) culpado de corrupção passiva e peculato

Oito ministros votaram pela condenação do deputado federal petista (E), que deve deixar de ser candidato a prefeito de Osasco (SP). Ele havia recebido dois votos pela absolvição. Mas ontem o ministro Cezar Peluso, que está se despedindo do STF por aposentadoria compulsória aos 70 anos, abriu a sessão classificando como criminosa a conduta de Cunha por ter recebido R$ 50 mil para favorecer a empresa de Marcos Valério. Peluso defendeu a perda de mandato de Cunha e, como não participará do restante do julgamento, já sugeriu a pena de seis anos e 100 dias de prisão em regime semiaberto para o parlamentar. Foi o quinto voto pela condenação, seguido por Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Celso de Mello. (Págs. 1 e 3 a 5)

“O denunciado não poderia, sem cometer o crime de corrupção, ter aceitado esse dinheiro (R$ 50 mil) dos sócios da empresa que concorria a essa licitação”
Ministro Cezar Peluso, em seu último julgamento

IPI menor é prorrogado e BC corta juros

Incentivo vai até outubro para carros e até dezembro para linha branca e móveis. Taxa básica (Selic) cai 0,5 ponto e agora é de 7,5% ao ano. (Págs. 1 e 12 a 14)

Saúde em risco: BH tem 88,6% mais casos de erro hospitalar

Levantamento do Ministério da Saúde mostra que o número de internações por causa de incidentes durante atendimentos ou tratamentos em hospitais da cidade saltou de 79 no primeiro semestre de 2011 para 149 no mesmo período deste ano. (Págs. 1, 21 e 22)

Tecnologia: Juiz de Fora terá fábrica de semicondutores

Até outubro, a portuguesa Nanium deverá instalar unidade especializada na produção de chips para computadores e máquinas fotográficas. O aporte inicial é de R$ 30 milhões e o empreendimento vai gerar 150 empregos diretos e 40 indiretos. (Págs. 1 e 15)

Federais

Dilma sanciona nova lei de cotas em universidades (Págs. 1 e 27)

Rio de Janeiro

Bicheiros presos pagavam R$ 30 mil de mesada a PMs (Págs. 1 e 11)

Venezuela

Garimpeiros do Brasil matam 80 índios em incêndio. (Págs. 1 e 19)

————————————————————————————

Jornal do Commercio

Manchete: Redução do IPI prorrogada

Governo federal segura preços de carros, produtos da linha branca (fogão, geladeira, máquina de lavar e tanquinho) e material de construção para conter a desaceleração da economia. Somente com eletrodomésticos, renúncia fiscal é de R$ 361 milhões. (Págs. 1 e Economia 1)

Dilma sanciona cotas e mantém o Enem

Lei reserva 50% das vagas em universidades e institutos federais para adultos da rede pública. Acesso segue através do exame nacional. (Págs. 1 e 8)

STF condena ex-presidente da Câmara

Petista João Paulo Cunha é o primeiro parlamentar considerado culpado por corrupção e peculato no processo do mensalão. Penas só serão conhecidas no final do julgamento. (Págs. 1 e 6)

Taxa básica de juros cai para 7,5% ao ano

É o menor percentual desde 1986. Com a queda, poupança vai render menos. (Págs. 1 e Economia 6)

PRF também faz acordo e encerra greve

Policiais rodoviários aceitaram reajuste de 15,8% em três anos. PF faz assembleia hoje. (Págs. 1 e 7)
————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Ofensiva do Planalto tem juro e imposto menores

Às vésperas de anúncio de PIB fraco, governo reduz taxa básica e prorroga IPI reduzido de carros, eletrodomésticos, móveis e material de construção. (Págs. 1, 4 e 5 e Maria Isabel Hammes, 30)

Porto Alegre: Datafolha aponta empate

Pesquisa indica disputa acirrada em dois turnos entre Fortunati e Manuela. (Págs. 1, 6 e 10)

STF condena João Paulo por corrupção (Págs. 1 e 12)

Educação precisa de respostas

Por que, mesmo sendo a sexta economia do mundo, o Brasil ainda está no 88º lugar no ranking mundial da educação?

Reportagem busca respostas para a primeira pergunta da campanha pela qualidade do ensino. (Págs. 1 e 41 a 43)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete: Selic cai de novo, mas a economia ainda não reagiu aos juros baixos

Pela nona vez consecutiva, o Copom reduziu a taxa de juros básica, para 7,5% ao ano, o menor nível nominal dos últimos tempos. Mas comércio e indústria não foram beneficiados, pois se ressentem da expectativa negativa com a crise internacional. (Págs. 1 e 4)

Mantega renova incentivo para carros e linha branca

Preocupada em reforçar a taxa de crescimento do país, a equipe econômica novamente abriu mão da arrecadação. A renúncia fiscal será de R$ 5,5 bilhões até o fim do ano. (Págs. 1 e 6)

Um banco só para os ativos podres

Espanha terá uma instituição para cuidar dos produtos que perderam liquidez com a explosão da bolha imobiliária. (Págs. 1 e 36)

Triunfo lidera em valor ao acionista

Em três anos, ações da companhia de infraestrutura proporcionaram retorno médio de 93,82% aos investidores. (Págs. 1 e 32)

Superávit fiscal fica longe da meta e acende luz amarela no governo

Economia em julho para pagar juros soma R$ 52 bi, ou 2,06% do PIB, e distancia Tesouro de seu objetivo. (Págs. 1 e 8)

Furnas avalia parceria com chineses em leilão de energia de Belo Monte

Estatal mantém conversas com a Three George e a State Grid para disputar licitação de linhas de transmissão. (Págs. 1 e 15)

Garota-propaganda

Mais de 200 candidatos petistas de todos os estados estão na fila para gravar ao lado da senadora Marta Suplicy. (Págs. 1 e 3)

Clipping Radiobrás

Edição: Equipe Fenatracoop

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.