Os denunciados nos novos casos de exploração sexual de adolescentes

814

O Ministério Público ofereceu ontem mais cinco denúncias em casos de exploração sexual de adolescentes em Londrina. Segundo o MP, oito novos investigados foram denunciados, dentre os quais um servidor do Judiciário, um agricultor e dois empresários – um deles está foragido desde o primeiro semestre. Duas aliciadoras e um empresário de Cambé que já são réus em outras ações também foram denunciados. Segundo o MP, essas ações relatam crimes cometidos contra 17 vítimas que tinham entre 14 e 17 anos de idade na época em que eles aconteceram, entre 2008 e 2014.

Hoje, a Justiça de Londrina liberou nomes destes envolvidos no caso de exploração sexual de menores. Conforme o blogueiro Cláudio Osti, os nomes são: Octávio Cesário Pereira Neto: vice-presidente da Sociedade Rural do Paraná, filiado ao PSC e ex-presidente da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização e dono de uma Rádio na cidade de Cambé; o advogado José Vieira da Silva Filho; o proprietário rural e empresário Ivan Fuganti; o empresário Natanael Stochi; o empresário Renato Maestri de Menezes (foragido desde março); e o empresário Antonio Cripa Neto (já denunciado anteriormente).

O MP afirmou que as novas ações “fazem parte de um segundo conjunto de inquéritos policiais sobre exploração sexual infanto-juvenil instaurados pelo Gaeco de Londrina e que estavam aguardando análise” do MP. Na primeira leva de denúncias, que foram oferecidas no dia 5 de novembro, foram nove ações contra 13 réus.

O Gaeco já concluiu 39 inquéritos sobre o que é tratado como uma rede de exploração sexual. Até aqui foram protocoladas 32 ações criminais contra 36 réus. Foram identificadas 50 vítimas até o momento.

 

Fonte: Paçoca com Cebola

 



Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.


One thought on “Os denunciados nos novos casos de exploração sexual de adolescentes

  1. João Correia de oliveira

    Nós paranaenses de uma região orgulhosamente chamada “Pé Vermelho” estamos solidários com trabalho desenvolvido pelas autoridades que nos representam e confiamos na austeridade da nossa justiça

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *