unnamed (1)A PF deflagrou nesta quinta-feira (22) uma operação para desmembrar uma quadrilha acusada de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que atuava na região da tríplice fronteira. Até o início da tarde, foram presas 29 pessoas nas cidades de Foz do Iguaçu e Medianeira. Também estão sendo cumpridos 43 mandados de busca e apreensão. As informações são do UOL.

De acordo com a polícia, o grupo usava 46 empresas fantasmas e de fachada no Brasil e no Paraguai para lavar dinheiro e realizar transações financeiras com drogas e mercadorias contrabandeadas. Em três anos, o valor total movimentado foi de R$ 300 milhões. Os presos, que não tiveram os nomes divulgados, devem responder pelos crimes de organização criminosa transnacional, operação de instituição financeira sem autorização, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Para transferir dinheiro entre o Brasil e o Paraguai, o grupo usava empresas dos dois lados da fronteira. Criminosos interessados em adquirir produtos enviados do Paraguai usavam a quadrilha para intermediar a operação, que lavava o dinheiro no processo.

Os chefes do esquema usavam firmas de fachada e fantasmas para pagar boletos emitidos por duas grandes empresas de Foz do Iguaçu com dinheiro “sujo”. Estas duas empresas, então, enviavam o valor a uma empresa do Paraguai — uma sociedade anônima criada pela quadrilha. As duas empresas de Foz têm negócios legítimos no setor alimentício e pertencem a três sócios. Um deles foi preso hoje. Os outros dois vivem no Paraguai.

No país vizinho, o dinheiro era transferido primeiro para uma casa de câmbio e então para traficantes e lojistas paraguaios. Após receber o dinheiro, eles enviavam drogas e mercadorias aos criminosos brasileiros.

A operação foi batizada de Sustenido, uma referência à nota musical intermediária entre outras notas. Para a polícia, a quadrilha representava um grupo intermediário — um elo entre o Brasil e o Paraguai. Seus clientes eram pessoas físicas e jurídicas de diversos Estados do Brasil.

Entre os presos estão operadores do esquema, “laranjas” que emprestaram o nome para a criação das empresas em troca de remuneração e funcionários das empresas que intermediavam a transação. A investigação durou nove meses e teve o apoio da Receita Federal.

A ação ocorre pouco mais de dois meses após a Operação Lava Jato, que revelou um esquema de lavagem de dinheiro baseado em Londrina e com ramificações em São Paulo e em Brasília. O esquema, comandado pelo doleiro londrinense Alberto Youssef, desviou R$ 10 bilhões.

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.