150109083155_transito_russia_624x351_afp_nocreditA Rússia quer proibir transexuais e transgêneros de tirar carteira de motorista.

Fetichismo, exibicionismo e voyeurismo também foram incluídos em uma nova lista de “transtornos mentais” que agora impedem as pessoas de dirigir.

O governo diz que está tornando mais rígido o controle médico para os motoristas porque a Rússia tem muitos acidentes de trânsito.

Jogar de forma “patológica” e roubar compulsivamente também estão na lista. Psiquiatras russos e advogados de direitos humanos condenaram a medida.

O anúncio vem depois de queixas internacionais sobre assédio da Rússia a ativistas dos direitos dos homossexuais.

Em 2013, a Rússia tornou “promover estilos de vida não tradicionais” ilegal.

Valery Evtushenko, da Associação de Psiquiatria da Rússia, manifestou preocupação com as restrições à BBC Rússia. Ele afirma que algumas pessoas podem deixar de buscar ajuda psiquiátrica temendo uma proibição de dirigir.

A Associação dos Advogados Russos para os Direitos Humanos classificou a nova lei de “discriminatória”. A associação disse que vai pedir esclarecimentos ao Tribunal Constitucional russo e buscar o apoio de organizações internacionais de direitos humanos.

Mas o Sindicato dos Motoristas Profissionais apoiou a medida. “Temos muitas mortes na estrada, e eu acredito que tornar mais rígidas as exigências médicas para os candidatos é plenamente justificada”, disse o chefe do sindicato Alexander Kotov.

No entanto, ele disse que as exigências não devem ser tão rigorosas para os motoristas não profissionais.

Mikhail Strakhov, um especialista psiquiátrico russo, disse à BBC Rússia que a definição de “transtornos de personalidade” era muito vaga e alguns transtornos não afetariam a capacidade de uma pessoa dirigir um carro com segurança.

Fonte: BBC Brasil

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.