image002No Brasil, o requisito fundamental para doação de órgãos é a prévia autorização dos familiares que possuam vínculo até o segundo grau de parentesco. A Central Estadual de Transplantes (CET) é responsável por coordenar todas as atividades de transplantes no Estado e assegurar a seriedade das doações do início ao fim, ou seja, desde o doador até o receptor.

De acordo com a diretora da CET, Arlene Badoch, quando há a confirmação da morte cerebral, por meio do Protocolo de Morte Encefálica, a Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante acolhe e conversa com os familiares, esclarecendo as dúvidas sobre o processo de remoção dos órgãos. “Nesse momento, todas as informações são repassadas, pois é importante que não haja incertezas por parte da família. Somente a partir do contato da Comissão e mediante autorização é que se começa o processo de doação”, ressalta.

Exemplos como o de Ivan Pegoraro, fundador da ONG Valorize a Vida, demonstram como a informação é fundamental nesses casos. Em 2000, ele perdeu a filha em um acidente e, por já possuir conhecimento sobre o processo de doação e da importância dele na vida de muitas outras pessoas, teve decisão favorável.

“Foram doados todos os órgãos possíveis. Inclusive, alguns salvaram a vida de duas crianças internadas no Hospital Pequeno Príncipe, que apresentavam alto risco de morte”, disse.

Desde o ocorrido, ele percorre empresas e escolas fazendo palestras sobre a importância da doação de órgãos, encorajando famílias a discutirem o assunto e a conscientizarem seus parentes sobre o desejo de ser um doador.

“Nós fazemos palestras em escolas e pedimos para que as crianças façam uma redação sobre o tema como lição de casa. Esperamos que elas conversem com seus pais. Logo, que seus pais conversem com amigos e pessoas da família”, diz Ivan.

A diretora da Central ressalta ainda que tratar a doação de órgão como uma realidade possível é o primeiro passo para concretizar o transplante. Segundo ela, ao promover um debate sobre a questão ou simplesmente levar o assunto para dentro de casa faz com que as pessoas se aproximem e percam o medo. “Em muitos casos, a desinformação é a pior inimiga. Por isso, um bom começo é pensar na doação como um ato humano, de coragem e que salva vidas”, diz Arlene.

RANKING NACIONAL – O Paraná ocupa o terceiro lugar no ranking de transplantes em todo o território nacional, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

Essa posição foi conquistada, segundo Arlene, devido à preocupação que o governo do Estado possui em acelerar o processo de doação, por meios profissionais altamente capacitados, de uma rede de saúde com infraestrutura adequada e da frota aérea estadual utilizada para transporte. Só nos primeiros meses de 2014, já foram transplantados 49 órgãos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.