A desembargadora Astrid Maranhão De Carvalho Ruthes, do Tribunal de Justiça do Paraná, ordenou a suspensão da perda do mandato do ex-vereador Boca Aberta, que alega inconstitucionalidade em procedimentos utilizados pela Câmara de Vereadores para sua cassação em outubro de 2017.

A mesma desembargadora tinha indeferido este mesmo pedido, mas mudou a decisão depois que os advogados de Boca Aberta entraram com um agravo interno mostrando que o Tribunal de Justiça do Paraná já havia reconhecido a inconstitucionalidade dos procedimentos apontados.

Segundo o ex-vereador a comissão processante que resultou em na perda de seu mandato utilizou os artigos 16, e 24 até 35 do Código de Ética e Decoro Parlamentar a Resolução 53 de 2003 que seriam, de acordo com decisão proferida na ADIN nº 1.148.050-7, inconstitucionais.

O caso utilizado para convencer a desembargadora a “mudar de ideia” foi o do ex-prefeito Barbosa Neto, que obteve o mesmo efeito suspensivo no TJ-PR quando apelou de uma decisão de primeiro grau questionando a constitucionalidade dos mesmos artigos e da resolução, mas como já tinha acabado a legislatura para a qual Barbosa foi eleito ele não pode retornar ao cargo de prefeito.

Efeitos

A decisão, ainda que provisória, traz efeitos significativos no cenário político. O primeiro deles é o retorno de Boca Aberta a Câmara de Vereadores, já que a perda do mandato foi suspensa, “…determinar a SUSPENSÃO da decisão agravada, possibilitando assim que o agravante não tenha mais contra si, em caráter provisório, a decretação da perda de seu mandato”, determinou a desembargadora.

Outro efeito é a legitimação da candidatura de Boca Aberta para Deputado Federal. Como ele teve o mandato cassado pela câmara, corre o risco de ter os direitos políticos suspensos sendo, consequentemente, impedido de se eleger. A decisão judicial devolve temporariamente esses direitos.

Como o próprio nome – efeito suspensivo – diz, a decisão traz efeitos temporários até que o mérito seja julgado definitivamente, ou seja, se os artigos mencionados pelos advogados de Boca Aberta são realmente inconstitucionais. No entanto, a própria desembargadora já apontou na decisão que o TJ-PR já tem posição definida sobre o tema e que é favorável a alegação de Boca Aberta, “… até o julgamento de mérito do presente recurso, momento em que se analisará o alegado vício do procedimento pois embasado em dispositivos declarados inconstitucionais pelo Órgão Especial deste Tribunal”.

A Câmara de Vereadores de Londrina deve ser intimada sobre a decisão a qualquer momento.

2 COMENTÁRIOS

  1. Será a melhor coisa a acontecer após o episódio de hoje na câmara de vereadores – Londrina, onde por um único voto os vereadores cassados por “corrupção” poderão retornar as suas cadeiras legislativas….Será que o povo londrinense merece isso?
    Flora

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.