Um assunto que está sempre em pauta é o uso de drogas no Brasil. De acordo com o 3º Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas, coordenado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e publicado em agosto de 2019, as drogas mais consumidas no Brasil são: a maconha e a cocaína.

Além do tráfico de drogas, é sabido que o consumo amplo destes entorpecentes, geram diversos problemas para a sociedade brasileira!

Quando pensamos em uma família que passa pela situação de ter um integrante dependente de alguma substância, logo imaginamos que essa família tem de enfrentar diversos problemas! Mas o que não se pensa, muitas vezes, é que a família diante de variados momentos de incerteza, medo e preocupação- por conta do ente querido doente- pode desenvolver também um transtorno emocional: a codependência.

Este termo, codependência, é utilizado por especialistas da área da saúde, como psicólogos, psiquiatras e médicos de outras especialidades, para definir pessoas fortemente ligadas emocionalmente a uma pessoa com séria dependência física e/ou psicológica de uma substância ou com um comportamento problemático e destrutivo.

E para sabermos mais detalhes sobre estas questões enfrentadas por tantas pessoas, fomos conversar com a equipe multidisciplinar do Centro Terapêutico Lopes, mais especificamente com as psicólogas Ana Paula Martiniano de Melo e Samara Bosso Ribeiro.

  1. Coluna Bonita Ideia: O que é a codependência e como saber se esse transtorno faz parte de toda a situação que envolve um dependente químico e sua família?

Psicólogas Centro Lopes: Antes de mencionarmos a codependência, é necessário considerar a dependência, que se refere a um processo no qual o indivíduo passa a não ter mais autonomia sobre os próprios comportamentos, dependendo constantemente de algum estímulo externo, como por exemplo, as drogas. E esse estado psicológico causa sofrimento tanto para o indivíduo que faz o uso abusivo de substâncias químicas como para as pessoas a sua volta, podendo gerar a codependência. A codependência se manifesta nas pessoas mais próximas do dependente químico, que geralmente são os familiares (pais e cônjuges). Ela pode ser percebida quando o comportamento do dependente químico tem influência nas emoções e nas atitudes do codependente. Por exemplo, uma mãe que não dorme antes do filho chegar, ou checa constantemente se ele está em casa e em segurança. Comumente o codependente pressupõe ser o responsável por manter o bem-estar físico, psíquico e emocional da pessoa que faz o uso abusivo de drogas. Esses comportamentos passam a ser problemáticos quando começam a afetar o bem-estar da pessoa codependente, gerando ansiedade, baixa autoestima, sentimentos de pena e culpa, sensação de estar sendo usado, dúvidas sobre a própria sanidade psíquica, tentativa de prever qualquer situação que possa gerar algum mal estar para o outro. Sendo assim, o codependente passa a viver em função do outro. A codependência é um transtorno emocional e precisa de um olhar atencioso para ser diagnosticada e tratada. O tratamento geralmente é realizado por profissionais da área da saúde mental.

  • Coluna Bonita Ideia: De fato, como o familiar do dependente pode entender se vive uma codependência?

A codependência começa ficar evidente nas atitudes rotineiras, por exemplo, quando uma esposa passa a ligar para o trabalho do marido que faz uso abusivo de determinada substância química e se sente culpada pela dependência de drogas de seu companheiro. Quando ela começa a pensar que foi por alguma falha sua que seu parceiro reincidiu no uso de drogas, deixa de estar com outras pessoas e de sair de casa para ficar com o marido, na intenção de evitar que o mesmo faça uso de drogas. Por vezes, se afasta até de seus familiares e amigos por constrangimento e receio de que seu parceiro possa ser julgado e isso servir como um gatilho para uma recaída.

Em resumo, a saúde mental da pessoa codependente, passa a ser afetada por estar em constante estado de alerta!

  • Coluna Bonita Ideia: O codependente consegue se autoanalisar, se ajudar ou é preciso acompanhamento profissional?

Psicólogas Centro Lopes: Dificilmente o codependente consegue identificar sozinho o problema, por se tratar de comportamentos que podem ser considerados naturais, como o cuidado e preocupação. Entretanto, se a pessoa percebe que deixou de fazer o que gostava em decorrência de outra pessoa, se há uma preocupação excessiva com o bem-estar do outro, esquecendo e abrindo a mão de seu próprio bem-estar, tal fato deve ser considerado como um sinal alerta! É importante ressaltar que quando temos um familiar, amigo ou parente que esteja passando por alguma situação de dependência, é necessário procurar ajuda e aconselhamento com um profissional da saúde mental para que seja realizado um tratamento adequado.

Ou seja, procurar por ajuda profissional quando lidamos com saúde física, psíquica e mental, é tão importante como quando cuidamos de nossa saúde física, pessoal!

Para saber mais sobre o Centro Terapêutico Lopes, que oferece ajuda e tratamentos para dependentes químicos e alcoólicos, acesse:

www.centroterapeuticolopes.com.br/

Fanpage: https://www.facebook.com/ctlopeseireli

Instagram: @ctlopes4

Ou ligue para os telefones: (43) 9.9153-0506 / (43) 3361-6263

A Podologia Cambé esta instalada no Centro Comercial Canadá Localizado na Rua Holanda, 263 esquina com a Av Canada, Sala 311 no centro de Cambé, telefone: (43) 3254-7433 e WhatsApp: (43) 9.9918-7889
A Podologia Cambé esta instalada no Centro Comercial Canadá Localizado na Rua Holanda, 263 esquina com a Av Canada, Sala 311 no centro de Cambé, telefone: (43) 3254-7433 e WhatsApp: (43) 9.9918-7889

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.