O Paraná teve cinco trechos de rodovias federais incluídos no cronograma de obras rodoviárias que serão licitados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) até 2013. O anúncio feito pelos ministros do Planejamento, Miriam Belchior e dos Transportes, Paulo Passos, na terça-feira (21/08) em Brasília, prevê investimentos de R$ 6,5 bilhões em rodovias federais de todo o país.

As intervenções atendem o programa de obras que vem sendo discutido entre o Estado e o departamento regional do DNIT deste o início de 2011. O valor aproximado das obras previstas para o Paraná chega a R$ 2 bilhões, a maior parte será licitada até o final de 2012 pelo Regime Diferenciado de Contratação (RDC), que permite agilizar o cronograma.

“O governo federal está retomando um programa que já estava encaminhado no ano passado e que não havia saído do papel por conta das mudanças no Ministério dos Transportes. O importante é que as obras aconteçam o mais breve possível porque vão contribuir para o desenvolvimento do nosso Estado”, afirmou o secretário da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.

Foram incluídas no pacote a pavimentação de 103,3 quilômetros da BR-158 entre Palmital e Campo Mourão; a pavimentação de 130 quilômetros da BR-487 (Estrada Boiadeira); a construção da segunda ponte ligando Foz do Iguaçu ao Paranaguai (BR–277).

Também estão previstas a construção da trincheira de Tibagi e obras complementares em Ventania na BR–153 (Rodovia Transbrasiliana). Na BR–163 haverá duplicação de 40 quilômetros, entre Toledo e Marechal Rondon, e a construção da travessia urbana de Marechal Cândido Rondon com 5,6 quilômetros. A rodovia também deve receber melhorias no trecho entre Cascavel e Capitão Leônidas Marques.

CONTRATAÇÃO – As obras mais complexas serão feitas por meio de Contratação Integrada, onde o governo faz apenas um projeto elementar e contrata uma empresa para entregar a obra pronta, pagando pelo que for realizado. Em uma contratação pelo formato atual, o governo tem que fazer o projeto completo e pagar por cada item contratado da empreiteira.

O diretor-geral do DNIT, Jorge Fraxe, declarou na reunião de terça com os ministros que o momento é propício para que as empresas acelerem a conclusão de obras e fiquem aptas para novas contratações. “O DNIT está aberto às sugestões de todas as entidades envolvidas com infraestrutura de transportes no sentido de promover melhorias gradativas nos editais” afirmou o diretor.

As licitações programadas até julho de 2013 preveem 67 obras de construção, restauração e manutenção em 7.839 quilômetros de rodovias.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.