De acordo com informações outras cooperativas da região oeste do Paraná também vão receber a visita dos fiscais do Ministério do Trabalho na próxima semana
De acordo com informações outras cooperativas da região oeste do Paraná também vão receber a visita dos fiscais do Ministério do Trabalho na próxima semana
De acordo com informações outras cooperativas da região oeste do Paraná também vão receber a visita dos fiscais do Ministério do Trabalho na próxima semana
De acordo com informações outras cooperativas da região oeste do Paraná também vão receber a visita dos fiscais do Ministério do Trabalho na próxima semana

Uma força-tarefa realizada pelo Ministério Público do Trabalho no Paraná (MPT-PR) em Foz do Iguaçu e Ministério do Trabalho e Emprego (TEM), com a participação da Advocacia Geral da União (AGU) e apoio da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal, interditou as atividades da Cooperativa Agroindustrial Lar, no município de Medianeira, na manhã desta sexta-feira (31). O frigorífico abate diariamente cerca de 350 mil frangos e emprega 4.500 trabalhadores.
Os procuradores do trabalho do MPT-PR e auditores fiscais do trabalho do MTE estavam nas instalações da unidade desde segunda-feira (27), realizando inspeções e analisando documentos. Foram encontradas irregularidades relativas ao meio ambiente de trabalho, ergonomia, jornada de trabalho, máquinas e sistema de refrigeração por amônia.
A atividade de pendura de frango na sala de cortes, por exemplo, tinha repetição de movimentos; nos setores, foram encontradas irregularidades em relação à proteção da linha de produção e organização da linha do trabalho. A linha de escaldagem de frangos estava desprotegida, gerando risco de queimaduras e lesões graves. Nas máquinas, faltavam sistemas de segurança e dispositivos de partida e parada estavam irregulares. O sistema de refrigeração por amônia também oferecia risco aos trabalhadores, mas já foi apresentado cronograma de regularização.
Ao todo, o MTE interditou 73 máquinas, 13 atividades e 5 setores, dos quais apenas 55 máquinas continuavam interditadas no final desta sexta (31). Segundo a diretoria da Cooperativa, as interdições paralisaram 100% das atividades do frigorífico. As desinterdições podem ocorrer assim que a Cooperativa solicitar novas vistorias, desde que constatado o atendimento às normas regulamentadoras que garantem a segurança dos trabalhadores.

AÇÃO
Uma pesquisa realizada com 423 trabalhadores da cooperativa no dia 31 de julho constatou que 51% dos trabalhadores já se deslocaram em pé no ônibus ou presenciaram alguém se deslocando em pé. Em relação à jornada de trabalho, 44% dos entrevistados já deixaram de usufruir de uma ou mais pausas concedidas pela empresa em razão do volume de produção, e 48% já deixaram de usufruir do tempo correto de pausas em razão de redução desse tempo pela empresa. O trabalho é causa de dor, formigamento nos braços ou perda de força para 70% deles, sendo que 52% avalia como fortes as dores sentidas no trabalho e 75% já precisaram tomar remédios para trabalhar. Em relação ao frio, 55% dos que trabalham em ambientes refrigerados, abaixo de 12ºC, sentem frio durante o trabalho. 85% dos trabalhadores se sentem cansados ou exaustos ao final do dia.
O MPT-PR analisou prontuários médicos dos trabalhadores. De 330 demitidos nos últimos meses e apresentavam afastamentos por doenças em sua história laboral, 67 apresentavam afastamentos por doenças de nexo presumido com o trabalho em frigorífico. “Esses dados, somados aos relatórios de fiscalização elaborados pelos auditores fiscais, nos darão subsídio e provas para entrarmos com uma ação contra a empresa. Além de pleitearmos a regularização do meio ambiente de trabalho, assim não mais expondo os trabalhadores a riscos, também pediremos indenização por danos morais coletivos”, afirma a procuradora do trabalho Patrícia Patruni.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.