A 44ª edição do horário de verão brasileiro começa no próximo fim de semana, dia 4 novembro, quando os relógios devem ser adiantados em uma hora na virada de sábado para domingo. A medida tem como objetivo reduzir a demanda por energia no sistema elétrico durante horário de pico, entre 18h e 21h. A Copel estima conseguir alívio de carga de 4,5% no consumo simultâneo de energia nesse horário. - Curitiba, 30/10/2018. - Foto: Alyson Miguel

A 44ª edição do horário de verão brasileiro começa no próximo fim de semana, dia 4 novembro, quando os relógios devem ser adiantados em uma hora na virada de sábado para domingo. A medida tem como objetivo reduzir a demanda por energia no sistema elétrico durante horário de pico, entre 18h e 21h. A Copel estima conseguir alívio de carga de 4,5% no consumo simultâneo de energia nesse horário.

O horário de verão é adotado no Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal. A mudança nesta edição acontece até 16 de fevereiro de 2019.

Com dias mais longos do verão, o horário adiantado faz com que a rotina da população e das empresas não coincida com o acionamento da iluminação pública, aliviando a demanda por energia no fim da tarde, começo da noite.

A distribuição da demanda por energia no período alivia o funcionamento de usinas geradoras, subestações e linhas de transmissão. Com isso, embora aconteça uma diminuição do consumo de energia – em torno de 0,5%, equivalente apenas à redução na utilização de lâmpadas no início da noite – o objetivo principal do horário de verão é proporcionar alívio de carga no sistema elétrico.

Ao prevenir sobrecargas no sistema essa diluição do pico de consumo no fim da tarde também evita o acionamento de usinas térmicas, que são mais caras, além de mais poluentes.

USO EFICIENTE – Ainda que o horário de verão alivie a demanda por energia entre 18h e 21h, outro horário de pico vem sendo registrado nos últimos anos entre 14h e 15h. “Diversos fatores contribuem para esse comportamento. Um deles é o uso do ar-condicionado. Por isso, é importante manter sempre em dia os hábitos de consumo consciente desses equipamentos durante o verão”, orienta o gerente de Gestão da Inovação da Copel, Gustavo Klinguelfus.

Entre os cuidados a serem tomados estão a limpeza regular dos filtros, a manutenção das portas fechadas no ambiente e o controle das horas de uso. Aproveitar melhor a iluminação natural dos dias mais longos também é outra estratégia favorável nessa época para economizar energia.

(BOX)
Principais dúvidas sobre o Horário de Verão

Qual a finalidade do horário de verão para a Copel?
Não apenas para a Copel, mas em todo o mundo, a finalidade do horário de verão é a mesma: evitar sobrecargas no final da tarde, quando existe muita demanda por energia. As pessoas que chegam em casa e usam geladeira e chuveiro; a indústria e comércio ainda estão funcionando; e a iluminação pública começa a ser acionada. É o chamado horário de pico, período em que há uma coincidência de consumo de energia por diferentes segmentos de consumidores, o que pode sobrecarregar o sistema elétrico.

Então, como o horário de verão ajuda a evitar essas sobrecargas?
Como no verão os dias são mais longos nas regiões tropicais, o horário de verão permite adiantar a rotina das pessoas. Elas acordam mais cedo e chegam mais cedo em casa, usando equipamentos elétricos antes do acionamento da iluminação pública. O mesmo ocorre com o comércio e a indústria, que interrompem suas atividades antes do acionamento da iluminação pública.

Quais os benefícios desta mudança?
Ao evitar consumo de muitas classes no fim da tarde, entre 18h e 21h, o pico do consumo se reduz em cerca de 4,5%, conforme a média dos últimos anos. Não se pode chamar isso de economia, já que o consumo das diferentes classes continua existindo, mas em horários diferentes: em casa, mais cedo, na iluminação pública mais tarde.

Ao prevenir sobrecargas no sistema, essa diluição do pico de consumo no fim da tarde também evita o acionamento de usinas térmicas, que são mais caras – além de mais poluentes. Este custo é pago pelos consumidores, seja por meio das bandeiras tarifárias, definidas a cada mês, seja por meio do reajuste tarifário anual das distribuidoras.

Há de fato uma redução de gastos de energia neste período?
Uma economia de energia existe, mas ela é pequena, de cerca de 0,5%, e decorre simplesmente do menor uso de lâmpadas, o que já é típico dos meses de verão em que os dias são mais longos.

No longo prazo existem ganhos indiretos. Além de evitar o custo financeiro com o acionamento de usinas térmicas no fim da tarde, o horário de verão também permite que as hidrelétricas funcionem em regime normal, utilizando o fluxo dos rios, preservando a água que está em seus reservatórios. Esta reserva de água é uma economia de energia que se faz nos meses de chuva para ser usada nos meses secos. É sempre preferível utilizar a energia das hidrelétricas do que das térmicas, por conta do seu custo de operação.

Quais os principais impactos desta ação no Paraná?
O maior impacto, no Paraná como em todo o Brasil, é preservar o sistema elétrico no fim da tarde. Mas é importante mencionar que, com o uso cada vez mais comum de ar-condicionado, passou a existir um horário crítico de consumo também no início da tarde, quando o calor é mais forte. Sobre este fenômeno o Horário de Verão não tem efeito. Uma saída para reduzir o consumo é aproveitar melhor a iluminação natural, evitando o acionamento de lâmpadas e, principalmente, utilizar o aparelho de ar-condicionado de maneira eficiente: limpar regularmente os filtros e manter as portas fechadas quando ele estiver ligado. São medidas simples que além de preservar o sistema também reduzem a conta de luz.

Agência Estadual de Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.