Nesta quinta feira dia 31 de Outubro de 2013, às 15horas na sede do Jardim Botânico de Londrina foi lançado oficialmente o período de defeso da Piracema no estado do Paraná, com a Presença do Secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Luiz Eduardo Cheida, do Comandante Geral da Polícia Militar do Paraná Cesar Vinicius Kogut, do Comandante do Batalhão de Polícia Militar Ambiental Major Cesar Lestechen Medeiros, além de diversas autoridades estaduais e municipais.

O período de defeso começou neste dia 1º de Novembro e vai até o 28 de fevereiro de 2014, com restrição da pesca de espécimes nativas, garantindo assim sua reprodução natural e perpetuação.

Participam destas ações a Secretaria Estadual de Meio Ambiente o Batalhão de Polícia Militar Ambiental, o Instituto Ambiental do Paraná e todos os órgãos de Proteção Ambiental do Paraná.

Fica proibida a pesca amadora e profissional de acordo com a Portaria IAP 2011/2012 que define como pena administrativa multa de R$700,00 (setecentos reais) por pescador mais R$20,00 (Vinte reais) por quilo de peixe pescado durante este período.

O secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Luiz Eduardo Cheida, lembrou-se da importância destas ações e destacou que a união dos órgãos Ambientais está sendo muito importante para garantir o futuro do nosso estado.

Além dos pescadores a portaria do IAP ainda prevê que os estabelecimentos comerciais que vendam peixes devem procurar o Instituto Ambiental do Paraná para informar o quantitativo de peixes que mantém em estoque, pois além da pesca fica proibido o transporte de peixes neste período, sendo permitida a venda apenas daqueles espécimes que já se encontram em estoque.

O Batalhão de Polícia Militar Ambiental vêm realizando intenso esforço em todo o Estado no sentido de reprimir crimes ambientais, porém as ações se tornam mais eficazes quando a sociedade participa, como nesse caso, denunciando quem pratica, bem como os pontos onde mais ocorrem estes crimes ambientais.

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

3 Comentários

  1. Tenho uma chacara em Alvorada do Sul no Gasparelli III e todas, todas as vezes que saio para pescar encontro redes de pesca em todos os canais, será que é tão difícil a força verde passar recolhendo essas redes?
    No periodo da piracema a represa baixa matando as ovas do capim, forda do período os “pescadores” retiram do rio todo tamanho de peixe, aí fica difícil!!!!!

  2. Verdade é mesmo é vergonhoso a maneira q o pessoal dos tanque rede perto da ponte de carlopolis faz….mantem rede entre os tanques rede 24 hras por dia so levanta e tira os peixe e volta, acabaram com a diversao de quem pesca de varinha nas pedras,,, o peixe nem da tempo de chegar, isso é uma vergonha…. deveria ser liberado so a criação nos tanques não acabar com os peixes…… isso é absurdo,,,

  3. Sou pescador amador e tambem pratico o pesque e solte(Panema,represa capivara,Paranazão,Miranda,Aguidauana etc),tenho comigo que nós pescadores de linha de mão não somos culpados da diminuição dos peixes em nossos rios; O que deviamos denunciar é a pesca efetuada por pescadores profissionais na época do defenso,já presenciei este clime por várias vezes na hidrelétrica de Porecatu, nunca denunciei por falha minha mesmo(medo de represália), mas pode ter uma certeza que a partir deste ano serei um fiscal ativo. Solicito que sejam fiscalizados com mais intencidade a colonia dos pescadores da Ponte de Porecatu e a colonia dos pescadores de Centenário do Sul.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.