Lista da lava-jato deve ser ampliada com novas delações e 136 inquéritos

A DIVULGAÇÃO DE UMA PRIMEIRA LISTA de deputados federais e senadores que serão investigados a partir da Operação Lava-Jato coloca em xeque a credibilidade do Congresso. Os dois principais líderes da Câmara e do Senado estão entre os suspeitos de terem recebido recursos desviados de obras da estatal, além de outros 32 parlamentares. Especialistas avaliam que pode ocorrer uma onda de indignação contra o Legislativo e sinalizam mais dificuldades para o governo aprovar projetos

O Globo

Manchete: Documento reforça acusação de Youssef contra Cunha

Presidente da Câmara acusa Janot de atuar a serviço do governo, que nega; Renan ameaça criar CPI para investigar Ministério Público

Documentos do Congresso reforçam as acusações feitas pelo doleiro Alberto Youssef contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Youssef afirmou em sua delação premiada que Cunha pressionou a empresa Mitsui, que tinha contratos com a Petrobras para o aluguel de um navio-plataforma, depois de ela suspender o pagamento de propina ao PMDB. A pressão, segundo o delator, foi feita por meio de requerimentos de informações apresentados por aliados do peemedebista, o que efetivamente ocorreu. Em 2011, a então deputada Solange Almeida (PMDB-RJ), aliada de Cunha, apresentou pedidos de informações na Comissão de Fiscalização e Controle sobre investigações contra a Mitsui, informa Paulo Celso Pereira. Cunha negou relação com os requerimentos. Mais cedo, o presidente da Câmara insinuou que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, atua em conluio com o governo Dilma, como se “todos fossem partícipes da mesma lama”. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que é “inverossímil” que o governo tenha interferido na investigação. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), também investigado, articula uma CPI sobre o Ministério Público. (Págs. 1, 3 e 4)

O cara-pintada e o ex-presidente

Inimigos históricos, Lindbergh Farias e Fernando Color estão juntos na lista dos que serão investigados. (Págs. 1 e 7)

A “elegância” do vice-governador

Na lista, o vice-governador da Bahia, João Leão (PP), disse estar “cagando e andando”. (Págs. 1 e 4)

Esquema levou PP a pressionar por troca de ministro

O doleiro Alberto Youssef relatou aos procuradores da Lava-Jato que a disputa dentro do PP pela divisão do dinheiro desviado da Petrobras levou o partido a pressionar o governo Dilma a trocar o ministro das Cidades, o que efetivamente ocorreu. Em 2012, Mário Negromonte foi substituído por Aguinaldo Ribeiro e saiu queixando-se de “fogo amigo”. Ao todo, 21 dos 45 parlamentares do PP serão investigados. (Págs. 1 e 5)

Elio Gaspari

Após a divulgação da lista, chegou a hora das provas. (Págs. 1 e 12)

Merval Pereira

Sistema de coalizão partidária está em xeque. (Págs. 1 e 4)

Míriam Leitão

Instituições não fazem a primeira pergunta da investigação. (Págs. 1 e 30)

Fernando Gabeira

Guardem exército e porradas para o videogame. (Pág. 1 e Segundo caderno)

Freio no mercado imobiliário

Com vendas em queda e estoques elevados, empresas devem reduzir em 20% seus lançamentos imobiliários este ano no Rio. Os preços se estabilizaram. Construtoras já oferecem descontos e negociam melhores condições de pagamento. (Págs. 1, 29 e 30)

Dia Internacional da Mulher: Dilma só cumpre uma das 5 metas

O governo da primeira presidente do país tem pouco a celebrar. Das ações prometidas contra a violência de gênero, só o transporte para vítimas de agressão foi providenciado. (Págs. 1 e 10)

Corregedoria investiga

Dinheiro de Eike some da 3ª Vara. (Págs. 1 e 33)

————————————————————————————

Veja

Manchete: Saiu! A lista de Janot

Começa o processo de investigação dos políticos implicados na Operação Lava-Jato. (Pág. 1)

Energia solar

O Brasil na vanguarda dos OPVs, os painéis fotovoltaicos orgânicos. (Pág. 1)

————————————————————————————

Época

Manchete: Agora é com eles

A lista dos políticos acusados de envolvimento no petrolão foi apenas o primeiro passo. O grande salto rumo a um Brasil melhor cabe aos quatro ministros do Supremo que julgarão o caso.

Exclusivo: Depoimentos inéditos revelam quais são os parlamentares que receberam propina para matar a CPI da Petrobras no Senado. (Pág. 1)

Luz no fim do arco-íris

A história do primeiro divórcio gay no Brasil – e os avanços no Judiciário que reconhecem a igualdade de direitos dos homossexuais. (Pág. 1)

————————————————————————————

ISTOÉ

Manchete: A lista que encolhe o governo

A relação de Janot atinge em cheio a gestão Dilma. Ex-ministros e líderes no Congresso estão no centro do escândalo.

Trapalhadas de bastidores e avaliações políticas desastrosas do Planalto às vésperas da divulgação dos nomes abrem crise institucional.

Presidentes da Câmara e do Senado declaram guerra ao Executivo, que está cada vez mais isolado. (Pág. 1)

As histórias do homem da mala da Camargo Corrêa

Durante 40 anos João Paulo dos Santos distribuiu propinas da empreiteira. Em entrevista ele conta detalhes do esquema e revela o suborno a três ex-governadores. (Pág. 1)

————————————————————————————

ISTOÉ Dinheiro

Manchete: Levy no País das armadilhas

O agravamento da crise política faz sua primeira vítima: o plano de ajuste econômico do ministro da Fazenda. O cenário surreal de Brasília agrava as incertezas, leva o dólar a R$ 3 e provoca a reação dos empresários contra o aumento dos juros e dos impostos. Como Joaquim Levy vai sair do isolamento? (Pág. 1)

Economia

O preço da barbeiragem cambial. (Pág. 1)

Mensalão

Advogado da banqueira presa desabafa e critica o STF. (Pág. 1)

Negócios

A saga dos empresários arrependidos. (Pág. 1)

————————————————————————————

Carta Capital

Manchete: A lista de Janot

Sem nomes da oposição e de expoentes do governo, os pedidos de inquérito do procurador-geral empurram a crise política para o Congresso. (Pág. 1)

Rodovias

As concessões completam 20 anos sem um modelo ideal. (Pág. 1)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Lista da lava-jato deve ser ampliada com novas delações e 136 inquéritos

A DIVULGAÇÃO DE UMA PRIMEIRA LISTA de deputados federais e senadores que serão investigados a partir da Operação Lava-Jato coloca em xeque a credibilidade do Congresso. Os dois principais líderes da Câmara e do Senado estão entre os suspeitos de terem recebido recursos desviados de obras da estatal, além de outros 32 parlamentares. Especialistas avaliam que pode ocorrer uma onda de indignação contra o Legislativo e sinalizam mais dificuldades para o governo aprovar projetos

Chegou a hora de legalizar?

ZERO HORA ENTREVISTA juristas, policiais, psiquiatras, parlamentares, simpatizantes e inimigos da cânabis, em um debate sobre o impacto que a mudança das leis teria na criminalidade e na saúde pública.

Chegou a hora de legalizar?

Fracasso do modelo tradicional de combate ao tráfico tem provocado debates sobre a legalização da droga como estratégia para enfraquecer o crime organizado. Médicos, juristas, parlamentares e ativistas destacam prós e contras da medida.

(Pág 01 e Sua Vida págs. 35 a 32)

Lista da lava-jato deve ser ampliada com novas delações e 136 inquéritos

Outra fase da operação incluiria depoimentos de empreiteiros sobre grandes obras de infraestrutura e investigações em andamento no MPF e Polícia Federal. (Pág 01 e Notícias 12 a 17)

Com credibilidade em xeque, congresso fica paralisado e emperra projetos do planalto

(Pág. 01 e Notícias 12 a 17)

Rosane de Oliveira: Dilma enfrenta dias de tensão extrema e futuro incerto

(Pág. 01 e Notícias 12 a 17)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete: PMDB acusa governo de interferir na investigação

Presidente da Câmara, Eduardo Cunha diz que Planalto quer “sócio na lama”

Um dia após ser implicado na investigação da Operação Lava Jato, o comando do PMDB no Congresso Nacional partiu para o ataque contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

Peemedebistas afirmam que o Planalto interferiu na lista de 34 parlamentares que serão investigados pelo Supremo Tribunal Federal a pedido da Procuradoria-Geral da República.

Acusado pelo doleiro Alberto Youssef de receber propina por um contrato com a Petrobras, o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, negou as irregularidades e disse que “o governo quer sócio na lama”.

Para Cunha, integrantes do governo se mobilizaram para incluir tanto ele como nomes da oposição na lista.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), foi citado como integrante do núcleo político de uma quadrilha formada para desviar recursos da estatal. Ele afirma que “tudo é inconsistente e frágil”.

Segundo Alberto Youssef, operador do esquema, políticos teriam recebido propina para facilitar negócios com outras estatais federais, além da Petrobras. (Pág. 1 e Poder)

PP tinha tabela de preço para propina, afirma doleiro Youssef

O pagamento de dinheiro desviado da Petrobras a congressistas do PP provocava brigas e obedecia a “tabela de preços” proporcional à força política de cada um, disse o doleiro Alberto Youssef, em delação.

Segundo o doleiro, líderes recebiam de R$ 250 mil a R$ 500 mil por mês, e os demais, até R$ 150 mil. Presidente do PP, Ciro Nogueira, disse que são “denúncias irresponsáveis”. (Págs. 1 e Poder, A5)

Pronunciamento da presidente na TV fará defesa de ajuste fiscal (Págs. 1 e Poder, A10)

Economia fraca leva executivos a fazer planos de sair do Brasil

Com o fraco desempenho da economia, a euforia com o Brasil virou desencanto e executivos já planejam deixar o país. No ano passado, 83% dos profissionais brasileiros se diziam dispostos a ir trabalhar no exterior. Em 2013, eram 63%, segundo empresa de recrutamento.

Após temporada no exterior, o economista Bruno Amaral voltou ao Brasil, mas conta ter percebido que errou. “Minha missão era reduzir custos”. (Págs. 1 e Mercado, B1)

Jeitinho venezuelano

A falta de produtos básicos na Venezuela obrigou a população a improvisar no dia a dia. Detergente é usado para lavar roupa, e absorvente íntimo substitui a fralda, produto que desapareceu das prateleiras, relata Samy Adghirni, de Caracas. O governo Maduro responsabiliza empresários “golpistas” pela escassez. (Págs. 1 e Mundo, A14)

Editoriais

Leia “Ajuste, mas não só”, a respeito da necessidade de reformas no médio e longo prazo para a retomada do crescimento da economia nacional. (Págs. 1 e Opinião, A2)

——————————————————————————————————–

EBC

A Podologia Cambé esta instalada no Centro Comercial Canadá Localizado na Rua Holanda, 263 esquina com a Av Canada, Sala 311 no centro de Cambé, telefone: (43) 3254-7433 e WhatsApp: (43) 9.9918-7889
A Podologia Cambé esta instalada no Centro Comercial Canadá Localizado na Rua Holanda, 263 esquina com a Av Canada, Sala 311 no centro de Cambé, telefone: (43) 3254-7433 e WhatsApp: (43) 9.9918-7889

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.