O Globo

Manchete: Marielle presente
Multidão homenageia vereadora, e comoção toma conta do país
Nas ruas e nas redes sociais, a revolta contra o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes mobilizou o Brasil. A hashtag #MariellePresente dominou o Twitter, com 600 mil menções. Cerca de 50 mil pessoas no Rio e 30 mil em São Paulo participaram de protestos contra as mortes. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, veio à cidade e defendeu que a apuração do crime não fique apenas na esfera estadual.

MERVAL PEREIRA
Vereadora foi vítima de um crime político. (PÁGINA 4)

ANCELMO GOIS
Sociólogo diz que o Brasil vive ditadura do crime. (PÁGINA 12)

ASCÂNIO SELEME
Marielle é a nova heroína do Brasil. (PÁGINA 14)

BERNARDO MELLO FRANCO
Ela lutou para não virar estatística. (PÁGINA 2)

MÍRIAM LEITÃO
O Rio está cravado de dores, e essa é intolerável. (PÁGINA 14)

FREI BETTO
Crime organizado proclama que é o dono do pedaço. (PÁGINA 14)

FLÁVIA OLIVEIRA
Numa só mulher, muitos significados. (PÁGINA 14)

EDITORIAL
‘Assassinato de vereadora afronta a democracia’ (PÁGINA 16)

Perda de R$ 446 milhões é o quarto prejuízo seguido da Petrobras (PÁGINA 19)

Menos da metade dos juízes adere à paralisação da categoria (PÁGINA 3)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Polícia acredita em execução de vereadora; atos reúnem multidões
Marielle Franco havia denunciado supostos crimes cometidos por PMs; ataque desafia intervenção federal, que completa 1 mês
A Polícia Civil do Rio investiga a hipótese de execução para o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), anteontem à noite no centro do Rio. Ela estava com o motorista Anderson Gomes, também morto no ataque, e uma assessora, que prestou depoimento à polícia. Eles foram enterrados ontem. Criada na Maré, Marielle tinha 38 anos, era ativista dos direitos humanos e estava no primeiro mandato. No sábado, ela denunciou nas redes sociais supostos crimes que teriam sido cometidos por PMs do 41.º Batalhão na favela de Acari. A unidade é considerada a que mais mata no Rio. A ação dos criminosos é vista como uma afronta à intervenção federal no Estado, que completa um mês hoje sem resultados expressivos. O assassinato de Marielle mobilizou multidões, que foram às ruas em diversas cidades, e autoridades. O ministro da Segurança, Raul Jungmann, afirmou que a PF vai auxiliar nas investigações. O presidente Michel Temer disse que o crime é “inaceitável”. Houve manifestações dos ministros do STF e na Câmara dos Deputados. (METRÓPOLE / PÁGS. A13 a A16)

Partidos indicam investigados para formar novo ministério
A reforma ministerial que o governo deve promover nas próximas semanas, por causa da agenda eleitoral que se inicia em 7 de abril, prazo para ministros que vão concorrer deixarem os cargos, pode levar para a Esplanada mais nomes com pendências judiciais. Pelo menos cinco dos cotados por partidos da base governista ou apoiados por ministros respondem a processos, são investigados ou já foram condenados. (POLÍTICA / PÁG. A4)

Sindicato vai decidir como se financiar, diz presidente do TST
O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), João Batista Brito Pereira, defende que, com o fim do imposto sindical obrigatório, os sindicatos terão de se virar sozinhos para se financiar. Na primeira entrevista desde que assumiu, em fevereiro, o magistrado afirma que os sindicatos terão de usar a “inteligência”. “Eles precisam adotar medidas para sobreviver e são os trabalhadores que decidem”, declara. (ECONOMIA / PÁGS. B1 e B4)

Petrobrás tem quarto ano seguido de prejuízo (ECONOMIA / PÁG. B6)

CCR prepara oferta por parte da Invepar
A CCR planeja, em um primeiro momento, comprar os 24% da participação da OAS na Invepar, holding de infraestrutura dona da concessão do aeroporto de Guarulhos. (ECONOMIA / PÁG. B12)

Notas & Informações
Encruzilhada histórica
O dever do Supremo, especialmente em uma hora grave como essa, é preservar a solidez institucional, sustentáculo da democracia. (PÁG. A3)

O CNJ e a lei
O CNJ foi instado sobre a greve dos juízes. Como se sabe, a greve dos juízes é ilegal. (PÁG. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete: Assassinato de vereadora no Rio pressiona interventores
Marielle Franco (PSOL) teve o carro atingido por 9 tiros; milhares protestam no país contra o crime
A comoção com o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), 38, reforçou questionamentos sobre a intervenção federal no Rio e pôs sob pressão os militares responsáveis pela segurança. Crítica da violência policial, Marielle teve o carro atingido por nove tiros. O motorista, Anderson Gomes, 39, também morreu. Investigadores trabalham com a hipótese de crime encomendado. O presidente Michel Temer (MDB) disse que o crime é um atentado ao Estado de Direito e à democracia. Responsáveis pela intervenção federal afirmaram que a ação afronta o trabalho do Exército. Parte do governo federal pressiona os militares para que aceitem maior participação da Polícia Federal na investigação —ideia reforçada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. O ministro Raul Jungmann (Segurança) diz que o trabalho já está federalizado. Milhares foram às ruas no país contra os assassinatos. No Rio, repetia-se o lema “Marielle, presente”. (Cotidiano B1)

VLADIMIR SAFATLE
Criminosos sabem que podem contar com a impunidade (Ilustrada C8)

ENATO TERRA
Intervenção nunca mudará periferia do Rio como Marielle (Ilustrada C6)

NELSON BARBOSA
Espiral de violência e intolerância precisa ser interrompida (Mercado A14)

STF eleva fatia do Fundo Partidário para candidatas
O Supremo TribunalFederal decidiu que pelo menos 30% dos R$ 888,7 milhões do orçamento do Fundo Partidário devem ser destinados a candidaturas de mulheres. A decisão do STF derruba trecho da reforma eleitoral que previa cota máxima de 15% a candidatas. (Poder A4)

Juizes tentam dissociar greve do auxílio-moradia (Poder A4)

EUA apuram se Brasil compra aço chinês e revende
Os Estados Unidos veem indícios de que o Brasil estaria importando aço da China para revender externamente, prática chamada de triangulação. A suspeita deve dificultar acordo com os EUA para que o produto nacional seja isento da taxa de 25% sobre a importação. (Mercado pág. 1)

Editorial
Leia “Quem matou Marielle?” , sobre assassinato chocante da vereadora carioca. (Opinião A2)

————————————————————————————

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.