Racismo contra Titi – Agressora pode ser condenada a 3 anos
O ator Bruno Gagliasso denunciou à polícia a mulher que usou redes sociais para fazer ofensas raciais à sua filha, Titi, de 4 anos. A criminosa, que está no Canadá, pode ser condenada a até três anos de prisão. ..

A política vai ter de se virar para entregar o novo
O eleitor exige o novo em 2018, e a política que se vire para entregar. A busca do novo parte da recusa ao velho, disfuncional, e essa também tem dois aspectos: a rejeição à corrupção e à própria ideia de fazer política. Por isso é tão difícil aceitar Lula ou Alckmin como novos…

Tribunal que vai julgar Lula acelera trâmite de ações
A tramitação de processos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que julgará recurso do ex-presidente Lula (PT), ficou mais rápida. Desde outubro, foram julgadas cinco ações da Lava Jato, consecutivamente, que levaram menos de dez meses da chegada à corte atê o fim da votação. A média é de 12 meses. —————————————————————

O Globo

Manchete : Alckmin assume PSDB e articula coalizão de centro
Partido se alinha e monta estratégia para buscar apoio eleitoral
Pacificação interna, no entanto, não garante unanimidade entre os tucanos na escolha do pré-candidato à Presidência. O apresentador Luciano Huck descartou uma candidatura ao Palácio do Planalto
O senador Tasso Jereissati e o governador de Goiás, Marconi Perillo, retiraram ontem suas candidaturas à presidência do PSDB em favor do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que assume a sigla de olho no alinhamento de forças para 2018. A estratégia do tucano, pré-candidato à Presidência da República, é tentar atrair os partidos de centro em torno de seu nome. Apesar da aparente unanimidade, ainda não há certeza se Alckmin será aclamado candidato ou se ainda enfrentará disputa interna. O apresentador Luciano Huck descartou ontem a possibilidade de se candidatar em 2018. (PÁGINAS 3 e 4)

Tucanos querem concessão a servidores na Previdência
No projeto de reforma da Previdência, o PSDB vai propor uma regra de transição especial para servidores públicos que ingressaram no sistema até 2003. O partido defenderá também aposentadoria integral por invalidez e permissão para acúmulo de benefícios até o teto do INSS. (PÁGINA 17)

Para procuradores, 2018 é a ‘batalha final’ da Lava-Jato (PÁGINA 5)

Planilha é elo com Lula, diz delator
Um dos delatores da Odebrecht entregou à Justiça Federal planilha de gastos de R$ 700 mil, que teriam sido repassados pelo departamento de propina da empreiteira para a compra de materiais para a reforma do sítio de Atibaia. As obras teriam beneficiado o ex-presidente Lula, que frequentava a propriedade. (PÁGINA 6)

Poupadores terão R$ 15 bi por perdas
Após acordo com os bancos, donos de cadernetas de poupança que foram à Justiça contra as perdas com planos econômicos serão indenizados em R$ 15 bilhões. (PÁGINA 18)

Ensino superior no Rio – Só 7 faculdades têm nota máxima
Das 124 instituições de ensino superior do Rio avaliadas pelo MEC, apenas sete (5,6%) atingiram a nota máxima. Ainda assim, a situação é melhor que a média do país. (PÁGINA 23)

Racismo contra Titi – Agressora pode ser condenada a 3 anos
O ator Bruno Gagliasso denunciou à polícia a mulher que usou redes sociais para fazer ofensas raciais à sua filha, Titi, de 4 anos. A criminosa, que está no Canadá, pode ser condenada a até três anos de prisão. (PÁGINA 7)

Colunistas
MERVAL PEREIRA
Os fatores que podem decidir a corrida eleitoral de 2018. (PÁGINA 4)

LYDIA MEDEIROS
Alckmin precisará dar um rosto ao partido, hoje desfigurado. (PÁGINA 2)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Bancos e poupadores fecham acordo de indenização de R$ 10 bi
Valor se refere a perdas sofridas por cerca de 1 milhão de clientes em planos do governo nas décadas de 1980 e 1990; palavra final sobre caso caberá ao Supremo
Em disputa que já dura 24 anos, instituições financeiras e poupadores chegaram a acordo sobre a indenização a ser paga aos clientes por perdas acarretadas pelos planos econômicos nas décadas de 1980 e 1990. O valor total será de pouco mais de R$ 10 bilhões, para mais de 1 milhão de ações judiciais. Terão direito ao ressarcimento os poupadores que integram as ações coletivas representadas no acordo. Quem não faz parte dessas ações e reclama indenização poderá aderir num prazo ainda a ser divulgado, mas terá de apresentar as comprovações exigidas e retirar eventual ação isolada. As ações individuais não farão parte do acordo e continuarão tramitando na Justiça. O entendimento foi alcançado em reunião na Advocacia-Geral da União (AGU). Na próxima semana, a minuta deve ser enviada ao STF, que dará a palavra final. A indenização vai ser paga aos poupadores em até três anos. Haverá um cronograma com critérios como valor a ser pago e idade do poupador. (ECONOMIA / PÁGS. B1 e B4)

Previdência pode ficar para fevereiro, diz Maia
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse ontem que há pouco tempo para votar a Previdência em dois turnos antes do recesso. Henrique Meirelles (Fazenda) afirmou que é “viável” aprovar o texto até 6 de dezembro. ECONOMIA / (PÁG. B5)

Intermitente pode ter de pagar para trabalhar
Pelas novas regras da lei trabalhista, o intermitente que ganha menos de um salário mínimo terá de complementar a contribuição ao INSS. Um trabalhador que ganha R$ 115,44 terá de desembolsar R$ 164,31 por mês para se aposentar. (ECONOMIA / PÁG. B5)

Por unidade, Alckmin aceita presidir o PSDB
Geraldo Alckmin aceitou comandar o PSDB. O senador Tasso Jereissati (CE) e o governador de Goiás, Marconi Perillo, desistiram da disputa e abriram caminho para o governador de SP assumir o comando da legenda e fortalecer seu nome como candidato à Presidência da República. (POLÍTICA / PÁG. A4)

Agronegócio terá plano logístico em dezembro (Economia / Pág. A12)

Investigadores fecham cerco a Ricardo Teixeira (Esportes / Pág. A16)

Colunistas
Vera Magalhães
Sem Huck e Doria, Alckmin deve pavimentar o caminho para uma aliança ampla. (POLÍTICA / PÁG. A4)

Eliane Cantanhêde
O caminho de Alckmin fica mais fácil. Agora falta combinar com os eleitores. (POLÍTICA / PÁG. A6)

Notas & Informações
A hora da coragem
A falácia do superávit do sistema previdenciário já ficou para trás. É imperioso, agora, desmistificar o discurso da “cassação dos direitos dos trabalhadores”. (PÁG. A3)

Custo da persistente omissão
Governo precisa evitar aprovação de lei que custará bilhões de reais à União. (PÁG. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete: PSDB chega a acordo, e Alckmin assumirá sigla
Decisão fortalece governador de SP como nome tucano para a Presidência
Após quase um mês de disputa entre as candidaturas de Tasso Jereissati (senador pelo Ceará) e Marconi Perillo (governador de Goiás) para a presidência do partido, o PSDB chegou a acordo em tomo do governador Geraldo Alckmin (SP). A decisão fortalece Alckmin, favorito no PSDB para a disputa à Presidência da República em 2018. Ele terá o desafio de unir o partido, rachado por divergências em tomo do apoio ao governo Temer (PMDB) e às medidas por ele defendidas. A ala de Tasso é crítica ao Planalto e condena a troca de cargos por suporte político. Alckmin considera a atitude “radical” e teme que ela isole o PSDB. O governador de SP já vislumbra alianças com outras legendas para fortalecer sua candidatura. Perillo tinha o apoio do senador Aécio Neves, licenciado da presidência do PSDB desde maio, quando se tornou alvo de delação da JBS. O nome de Alckmin deverá ser oficializado na convenção tucana, que ocorre no dia 9 de dezembro. (Poder A4)

Texto tucano apregoa Estado ‘nem máximo nem mínimo*
O documento “Gente em primeiro lugar: o Brasil que queremos”, que deve orientar o PSDB na campanha de 2018, é um manifesto liberal com acenos à esquerda. Elaborado pelo Instituto Teotônio Vilela e aprimorado por expoentes tucanos, propaga que o Estado não deve ser “nem máximo nem mínimo” e propõe “choque de capitalismo” e redução da máquina pública. (Poder A6)

Joel Pinheiro da Fonseca
A política vai ter de se virar para entregar o novo
O eleitor exige o novo em 2018, e a política que se vire para entregar. A busca do novo parte da recusa ao velho, disfuncional, e essa também tem dois aspectos: a rejeição à corrupção e à própria ideia de fazer política. Por isso é tão difícil aceitar Lula ou Alckmin como novos. (Poder A8)

Tribunal que vai julgar Lula acelera trâmite de ações
A tramitação de processos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que julgará recurso do ex-presidente Lula (PT), ficou mais rápida. Desde outubro, foram julgadas cinco ações da Lava Jato, consecutivamente, que levaram menos de dez meses da chegada à corte atê o fim da votação. A média é de 12 meses. (Poder A8)

Bancos fecham acordo de R$ 10 bi com poupadores
Acordo entre poupadores e bancos prevê indenizações de cerca de R$ 10 bilhões pelas perdas provocadas por planos econômicos dos anos 1980 e 1990. A maior parte deverá ser parcelada. O texto ainda precisa ser finalizado e validado pelo STF para encerrar mais de 1 milhão de ações. (Mercado A14)

Violência no Rio para clínica médica duas vezes por dia
Unidades básicas de saúde, as Clínicas da Família refletem a piora na violência no Rio. Protocolo desenvolvido pela Cruz Vermelha indica que a cada dia de 2017 alguma teve de fechar as portas em média duas vezes devido a riscos. Interrupções nos atendimentos subiram 65% em relação a 2016. (Cotidiano B1)

Editoriais
Leia “Limites do novo”, sobre decisão de Luciano Huck de não disputar o Planalto, e “Drama étnico”, acerca de perseguição a minoria em Mianmar. (Opinião A2)

————————————————————————————

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.