Preconceito, crise e medo dificultam emprego de detento
Pouco mais de 10% dos presos do país fazem capacitação profissional, e 20°/o trabalham dentro das cadeias. Plano do governo quer preparar detentos, mas a oferta de cursos ê tímida. Outras dificuldades são preconceito, medo de empresários e a crise econômica…

Podre e com papelão
FRAUDES
A PF investiga o uso de carne estragada e papelão, para fazer linguiças e salsichas, e o de substâncias cancerígenas, além da reembalagem de produtos vencidos.
“Pode usar sossegado, não tem cheiro de azedo, nada, nada, nada”…

———————————————————————————————-

O Globo

Manchete : Escândalo da carne deve afetar exportações do país
EUA e União Europeia pedem informações ao governo brasileiro
PF desarticula esquema de pagamento de propina a fiscais para liberação de produtos adulterados e impróprios para o consumo. Investigação envolve 40 frigoríficos e atinge gigantes como BRF e JBS.
Em operação que envolveu 1.100 policiais em seis estados e no Distrito Federal, a PF desarticulou um esquema de venda e exportação de carne adulterada. Empresas pagavam propina a fiscais agropecuários para liberarem produtos como aves, carnes, embutidos e até ração para animais domésticos impróprios para o consumo.
Segundo a PF, parte da propina iria para PMDB e PP. O escândalo levou os Estados Unidos e a União Europeia a pedirem informações ao governo brasileiro, e especialistas afirmam que as exportações do país serão afetadas. Executivos da BRF (dona das marcas Sadia e Perdigão) e um funcionário da JBS (Friboi e Seara) são investigados. (Págs. 19 a 24 e Míriam Leitão)

Podre e com papelão
FRAUDES
A PF investiga o uso de carne estragada e papelão, para fazer linguiças e salsichas, e o de substâncias cancerígenas, além da reembalagem de produtos vencidos.
“Pode usar sossegado, não tem cheiro de azedo, nada, nada, nada”

Normélio Peccin Filho
Sócio do frigorífico Peccin – (Pág. 22)

Mulher de Cabral vai para prisão domiciliar
A ex-primeira-dama Adriana Ancelmo cumprirá prisão domiciliar, para cuidar dos filhos de 11 e 14 anos. Antes, seu apartamento passará por varredura, porque ela não poderá ter acesso a internet e telefone. (Pág. 6)

Caixa 2 é crime eleitoral, diz Cármen Lúcia
No 3° aniversário da Lava-Jato, a presidente do STF, Cármen Lúcia, disse que caixa 2 é crime e criticou o debate sobre anistia: “Não existe essa história de caixa 1, caixa 2 ou caixa 3. Se vier de dinheiro ilícito, está previsto na legislação penal.” Procuradores alertaram para “órgãos que tentam impedir” a operação. (Pág. 3 e Merval Pereira)

MICHEL TEMER
ARTIGO
Tempo de recuperação
Liberação do FGTS é mais uma medida para acelerar a retomada do crescimento, já confirmada por uma série de indicadores econômicos. Pág. 17)

Gás de botijão sobe 9,8%
A Petrobras reajustou o preço do gás de botijão em 9,8% nas refinarias, o que provocará um aumento de pelo menos 3,1% para o consumidor. Mas, em algumas regiões, a alta pode chegar a 10%. Para analistas, estatal quer aproximar preço ao praticado no mercado internacional. (Pág. 27)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete : Frigoríficos pagavam propina para burlar fiscalização, diz PF
Entre as empresas flagradas em operação estão BRF e JBS, duas das maiores produtoras e exportadoras de carne do Brasil
Deflagrada ontem pela Polícia Federal, a Operação Carne Fraca revelou um grande esquema de corrupção envolvendo empresas de alimentos e fiscais do Ministério da Agricultura. As investigações mostraram que os fiscais da vigilância sanitária recebiam propina para emitir certificados para produtos com diversos tipos de fraude, como o emprego de carnes estragadas e de substâncias que mascaravam mau cheiro.
Entre as empresas investigadas estão duas das maiores produtoras e exportadoras de carne do Brasil, a BRF – dona das marcas Sadia e Perdigão, entre outras – e o JBS – controlador da Friboi e da Seara. As ações das duas empresas despencaram na Bolsa. Dezenas de outros frigoríficos de menor porte também estão sendo investigados, além de empresas de comércio exterior, de fertilizantes e escritórios de advocacia. Três frigoríficos foram lacrados. O Ministério da Agricultura afastou 33 servidores. A JBS afirmou em nota que “não há nenhuma medida judicial contra seus executivos”. A BRF disse que está colaborando com autoridades. (Economia/Págs. B1 e B3 a B9)

No prato do brasileiro, de papelão a carne estragada
Os investigadores da Operação Carne Fraca apuraram que a organização criminosa usava tiras de papelão na fabricação de salsichas, e carne de cabeça de porco – componente proibido – na composição de linguiças. Também eram adicionados carne estragada e ácido ascórbico – substância cancerígena – nos embutidos. (Pág. B3)

‘Reputação do País está em jogo’, afirma Blairo. (Pág. B4)

Propina irrigava PMDB e PP, segundo a PF. (Pág. B5)

Ministro da Justiça aparece em grampo. (Pág. B5)

Cármen Lúcia critica anistia ao caixa 2 e pede referendo
A ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, disse ontem que “anistia ao caixa 2 não é bem-vinda”. A ministra defendeu a realização de um referendo ou plebiscito sobre os pontos da reforma política. “Talvez seja a hora de cumprir o Artigo 14 da Constituição”, afirmou. É o artigo que prevê os mecanismos de consulta popular. (Política/Pág. A5)

Desmatamento aumenta em Unidades de Conservação
Um levantamento do Imazon, obtido com exclusividade pelo Estado, revela que as taxas de desmatamento dentro de Unidades de Conservação (UCs) estão aumentando. A participação da perda de floresta nessas áreas protegidas, em relação ao desmatamento total da Amazônia Legal, saltou de 6% em 2008 para 12% em 2015. (Metrópole/Pág. A18)

Brasil terá vacina de febre amarela da OMS
A pedido do Brasil, a Organização Mundial da Saúde enviará um lote de 3,5 milhões de doses da vacina da febre amarela. (Metrópole/Pág. A22)

NOTAS & INFORMAÇOES
Boas-novas em dias de tensão
Em dias de incerteza agravada pela Lava Jato, sinais de melhora da economia são especialmente importantes para o avanço na pauta de reformas. (Pág. A3)

A mentira como arma
Contra o governo Temer, a tropa petista, com o general Lula à frente, só tem a mentira como arma. (Pág. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Operação da PF prende fiscais e atinge as gigantes da carne
Em sua maior operação, com 1.100 agentes, a Polícia Federal deflagrou nesta sexta (17) uma ofensiva contra esquema de corrupção na fiscalização de cames pelo país.
Os principais frigoríficos brasileiros foram alvo da Operação Carne Fraca. São investigadas a BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, e a JBS, proprietária de Friboi, Seara e Big Frango.
De acordo com a PF, uma organização criminosa liderada por fiscais do Ministério da Agricultura facilitava a produção de alimentos adulterados em troca de propina.
A investigação indica venda de came podre, com ácido sórbico (potencialmente cancerígeno), reembalagem de produtos vencidos e uso de papelão em embutidos. Produtos adulterados teriam surgido atê em merenda escolar. Entre os presos estão 19 fiscais, um funcionário da JBS e dois executivos da BRF. O ministério afastou 33 servidores.
Citado na investigação, o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, aparece em conversa interceptada com o suposto líder do esquema, chamando-o de “grande chefe”. Ele não ê investigado. As ações das duas gigantes frigoríficas despencaram. (Mercado/Pág. 1)

Investigadas afirmam que as normas são respeitadas
Empresas investigadas na operação da Polícia Federal negam irregularidades.
A JBS diz que ela e suas subsidiárias cumprem todas as normas regulatórias relacionadas à produção e comercialização de alimentos. A BRF afirma não compactuar com práticas ilícitas e que os seus produtos seguem processos e controles rigorosos. (Mercado/Pág. 5)

Mauro Zafalon
Análise
Setor precisará de muito marketing para se recuperar
Os efeitos dessa operação serão desastrosos nos mercados externo e interno. Na Europa, ê quase certo que o consumo de came brasileira será desestimulado. Aqui o consumidor, quando for ao mercado , pensará duas vezes antes de comprá-la. (Mercado/Pág 6)

Brechas reduzem chance de punição por caixa dois
Políticos acusados de caixa dois clássico — ocultar a real movimentação financeira das campanhas — usam brechas na lei, como pedido de suspensão de processo, para escapar de punição.
Apesar do enquadramento de casos como crime eleitoral, o Tribunal Superior Eleitoral nunca determinou uma condenação. (Poder A4)

Assembleia de Deus articula criação de partido (Poder A10)

Preconceito, crise e medo dificultam emprego de detento
Pouco mais de 10% dos presos do país fazem capacitação profissional, e 20°/o trabalham dentro das cadeias. Plano do governo quer preparar detentos, mas a oferta de cursos ê tímida. Outras dificuldades são preconceito, medo de empresários e a crise econômica. (Cotidiano B1)

Editoriais
“Came estragada”, sobre suspeita de venda ilegal de alimentos, e “Escravidão sob sigilo”, acerca de lista com casos de trabalho precário. (Opinião A2)

————————————————————————————

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.