O Globo

Manchete: Bolsonaro lidera com 28%; Haddad vai a 19% e se isola em segundo lugar
No Ibope, Ciro está em terceiro, estável com 11%, seguido de Alckmin e Marina, que perderam pontos
O candidato do PT, Fernando Haddad, subiu 11 pontos na pesquisa do Ibope divulgada ontem, isolando-se em segundo lugar, atrás do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, que chegou a 28% das intenções de voto. Haddad abriu diferença de oito pontos percentuais sobre Ciro Gomes (PDT), que repetiu os 11% do levantamento anterior. Geraldo Alckmin (PSDB), com 7%, e Marina Silva (Rede), com 6%, se distanciaram do pelotão dianteiro. Bolsonaro continua sendo o candidato com o maior índice de rejeição: 42% dos eleitores dizem que não votariam nele de maneira nenhuma. Haddad passou a ser o segundo mais rejeitado, com 29%. (PÁGINA 4)

EDITORIAL
Para evitar uma crise institucional nas eleições
Candidatos e partidos têm de preservar legitimidade da campanha e da votação. (PÁGINA 2)

Com polarização, petista vai moderar seu discurso
Ao se isolar na segunda posição, Haddad quer moderar discurso para um tom conciliador. Ele negou que, se eleito, daria indulto a Lula. (PÁGINA 6)

Renan é absolvido em ação por desvio de dinheiro
Por falta de provas, a segunda turma do STF absolveu o senador Renan Calheiros (MDB) em ação que o acusava de usar notas frias de locadora de carros no caso do pagamento de pensão à sua filha com a jornalista Mônica Veloso. (PÁGINA 10)

Alerj muda de ideia e decide vetar a venda da Cedae
A 19 dias da eleição, a Alerj proibiu a venda da Cedae, votada em fevereiro de 2017 como garantia do empréstimo de R$ 2,9 bilhões da União ao Rio para pagar a servidores. A medida põe em risco o Regime de Recuperação Fiscal. Pezão vai vetá-la. (PÁGINA 11)

Colunistas
ELIO GASPARI
Lula conselheiro de Haddad é útil a Bolsonaro (PÁGINA 3)

MERVAL PEREIRA
Eleição vai ficar entre os que têm a maior rejeição (PÁGINA 2)

ZUENIR VENTURA
Bolsonaro cospe na urna em que comeu (PÁGINA 3)

BERNARDO MELLO FRANCO
Plebiscito entre o PT e o bolsonarismo (PÁGINA 6)

Remédio para tratar hepatite C não terá genérico (PÁGINA 24)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Bolsonaro atinge 28%; com 19%, Haddad se isola em 2º
Ciro fica estável, com 11%; Alckmin oscila na margem de erro, com 7%. Marina cai 3 pontos e vai a 6%
O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, oscilou dois pontos porcentuais para cima e chegou a 28% na pesquisa Ibope/Estado/TV Globo, divulgada ontem. Fernando Haddad (PT) subiu 11 pontos porcentuais em uma semana e se isolou no segundo lugar, com 19%. Na sequência, aparece Ciro Gomes (PDT), com os mesmos 11% da semana anterior. Geraldo Alckmin (PSDB) oscilou dois pontos para baixo, de 9% para 7%, e Marina Silva (Rede) caiu de 9% para 6%. Haddad avançou em todas as regiões, especialmente no Nordeste, onde foi de 13% para 31% das intenções de voto. O candidato do PSL mantém o maior índice de rejeição, com 42% – o do petista foi de 23% para 29%. Nas simulações de segundo turno, Bolsonaro está tecnicamente empatado com Haddad, Ciro e Alckmin. Marina é a única que perde do deputado fora da margem de erro. A pesquisa também sondou a tendência de “voto útil” e 43% dos entrevistados disseram que são “baixas” ou “muito baixas” as chances de votar em um candidato que não seja de sua preferência para evitar que outro ganhe. (POLÍTICA / PÁGS. A4 e A6)

Para Rosa Weber, do TSE, urna é segura (PÁG. A8)

Petista diz que não dará indulto a Lula (PÁG. A6)

Alckmin reúne Centrão e sobe o tom de ataques na TV
Geraldo Alckmin (PSDB) reuniu-se ontem em São Paulo com o Centrão para pedir engajamento dos aliados e anunciar mudanças na estratégia da campanha. O tucano vai retomar os ataques a Jair Bolsonaro (PSL) e reforçar o discurso antipetista. A nova estratégia já foi colocada em prática no programa exibido à noite na TV. (PÁG. A8)

‘Podemos ter um comitê para o câmbio’
Criar uma estrutura semelhante ao Copom para definir o câmbio. A proposta é do economista do programa de governo do presidenciável Ciro Gomes (PDT), Mauro Benevides. “Podemos definir um comitê para fazer isso”, disse na FGV. (PÁG. A10)

Governo deve liberar mais de R$ 3 bilhões do Orçamento
O governo revisou as projeções de despesas para o ano e deve liberar mais de R$ 3 bilhões para ministérios e órgãos federais. A 18 dias das eleições, a nova margem para gastos abre espaço a negociações políticas pela distribuição dos recursos. O governo tem até sexta-feira para fechar a avaliação de receitas e despesas do 4.º bimestre. (ECONOMIA / PÁG. B1)

Subsídio do diesel pode virar imposto
O subsídio de R$ 9,5 bilhões para o diesel, chamado de bolsa caminhoneiro, pode ser substituído por novo imposto, admitiu o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia. (PÁG. B4)

7 em cada 10 profissionais de saúde já foram agredidos
Sete em cada dez profissionais de saúde, incluindo médicos, enfermeiros e farmacêuticos, já foram agredidos física ou verbalmente no Estado de São Paulo. Levantamento com 6.832 pessoas mostra que o agressor, na maioria das vezes, é o próprio paciente e os enfermeiros são os mais atingidos – 90% dizem já terem sido agredidos. (METRÓPOLE / PÁG. A13)

O banquete de Maduro
Vídeos que mostram Nicolás Maduro comendo em um restaurante de luxo na Turquia,
cujos pratos podem custar até R$ 1.350, causaram revolta na Venezuela. O país tem 87% da população vivendo na pobreza. Maduro confirmou que foi ao local. (INTERNACIONAL / PÁG. A11)

STF absolve Renan em ação por desvio de verba (POLÍTICA / PÁG. A9)

China vai retaliar EUA em US$ 60 bilhões (ECONOMIA / PÁG. B3)

Monica de Bolle
O governo de 17 se assemelharia bastante ao de 13, marcado por alto risco de ingovernabilidade e turbulência financeira. (ECONOMIA / PÁG. B2)

Vera Magalhães
Diante da chance real de o PSDB ser substituído pela direita genuína, os tucanos, perplexos, se dividem sobre o que fazer no segundo turno. (PÁG. A6)

Notas & Informações
A antecipação do ‘voto útil’
A sombria perspectiva de um segundo turno disputado entre extremistas, francamente indispostos à negociação política, antecipou a estratégia do chamado “voto útil”. (PÁG. A3(

As incertezas da economia
Más notícias são cada vez mais frequentes para os brasileiros, já atormentados pelas dificuldades na economia. (PÁG. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete: Economista de Bolsonaro quer IR unificado e CPMF
Paulo Guedes defende alíquota de 20% sobre a renda de pessoas físicas e jurídicas e a volta do ‘imposto do cheque’
O economista Paulo Guedes, que comandará o Ministério da Fazenda caso Jair Bolsonaro (PSL) seja eleito, anunciou nesta terça (18), para plateia restrita, que quer recriar um tributo nos moldes da CPMF, que incide sobre movimentações financeiras, e unificara alíquota do Imposto de Renda. Ela seria de 20% para pessoas físicas e jurídicas. A mesma taxa seria usada na tributação da distribuição de lucros e dividendos no país. Em compensação, Guedes pretende eliminar a contribuição patronal para a Previdência e adotar o sistema de capitalização, em que cada um contribui para si. As declarações foram dadas a um grupo reunido por uma gestora de grandes fortunas. Guedes afirmou que está sendo auxiliado pelo economista Marcos Cintra, que confirmou a Mônica Bergamo o teor das propostas. Segundo Cintra, a nova CPMF seria utilizada para financiar o INSS. (Ilustrada C2)

Sob pressão, Alckmin vai subir tom de ataques
Pressionado por aliados, o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) mudará a estratégia e partirá para o ataque para chegar ao 2º turno. Atrás do voto conservador, alertará para o que chama de radicalismo de direita de Jair Bolsonaro (PSL), líder das pesquisas, e o populismo de esquerda de Fernando Haddad (PT). (Eleições 2018 A4)

PF não usava rádio durante atentado em Juiz de Fora
Os agentes que escoltavam Jair Bolsonaro (PSL) quando o presidenciável foi atacado não possuíam rádios de comunicação. A PF diz que o rádio nem sempre é o meio de comunicação mais indicado para multidões, mas não apontou substituto. (Eleições 2018 A9)

Eleições 2018
Haddad passa de 8% para 19% em pesquisa Ibope (A8)

Na Fazenda, petista não quer um economista (A8)

Opositores de Bolsonaro propagam #EleNão (A10)

Ex-empresária de Xuxa é assessora de candidato (A10)

STF absolve Renan de acusação de desvio de verbas (A13)

Número dois da Fazenda é processada por ministro
O ministro Gilberto Occhi (Saúde) processa a Caixa e a secretária-executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi, relata Fábio Fabrini. Ex-presidente do banco, ele tenta barrar apuração sobre seu suposto envolvimento em esquema ilícito. Vescovi defendeu a investigação, e a Caixa disse não comentar ações judiciais em curso. (Mercado A17)

Editoriais
A faca e a urna
Sobre viés autoritário de declarações de Bolsonaro.

Ao gosto de Maduro
Acerca de crise venezuelana e desencontros da OEA. (Opinião A2)
————————————————————————————

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.