O crash da política

Quem disser o que vai ocorrer daqui para frente na campanha eleitoral estará chutando feio. O Brasil não perdeu apenas um candidato a presidente da República. Perdeu o homem que fazia a ligação entre as diversas correntes da política brasileira. Nos últimos dois anos, Eduardo Campos construiu pontes com o PSDB, de Aécio Neves, fortaleceu os laços com o PPS, o PDT. Até em meio aos aliados de Dilma Rousseff e do próprio PT, ele mantinha contatos. Foi essa capacidade que fez da união PSB-Rede algo palatável.

Clima econômico do Brasil é o mais pessimista desde 1991, aponta FGV  – Incertezas quanto à recuperação da economia doméstica pesaram no indicador…

 Armínio garante que unificação de tributos é prioridade de Aécio – Ex-presidente do BC no governo de FHC disse que proposta prevê consolidar ICMS, IPI, PIS e Confins no IVA…

 

O Globo

Manchete : Eduardo Campos (1965-2014) – Tragédia muda eleição

Acidente de avião mata presidenciável do PSB
Vice na chapa, Marina é a candidata natural
Dilma e Aécio suspendem campanha

Numa tragédia que ficará na História da política brasileira e mudará o cenário da campanha eleitoral deste ano, o candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, de 49 anos, morreu ontem quando o avião em que viajava caiu em Santos, litoral norte de São Paulo. (…) Campos interrompeu o segundo mandato como governador de Pernambuco para entrar na disputa presidencial. Estava em terceiro nas pesquisas, com 9% das intenções de voto. O PSB agora tem dez dias para decidir quem o substituirá na eleição. A vice na chapa de Campos, a ex-senadora Marina Silva, é a candidata natural. (…) A presidente Dilma Rousseff, de quem o ex-aliado Campos se tornou crítico , decretou luto oficial de três dias. Ela e o presidenciável tucano, Aécio Neves, suspenderam as atividades de campanha. (Págs. 3 a 20)

REPERCUSSÃO

“O Brasil perde uma jovem liderança, com futuro promissor pela frente”
Dilma Rousseff

“Eduardo era um dos maiores representantes da boa política ”
Aécio Neves

“A o longo de sua vida, lutou par a tornar o Brasil um país mais justo e digno ”
Luiz Inácio Lula da Silva

“Pensava mais nos problemas do Brasil do que na pequena política ”
Fernando Henrique Cardoso

Aliada elogia Campos, pede orações e não fala de política

Abatida , Marina Silva fez breve pronunciamento em que pediu orações para a família do companheiro de chapa, não falou do futuro e destacou a admiração por Campos: “Começamos a fiar juntos a esperança de um mundo melhor e mais justo .” (Pág. 8)

Moradores relatam ‘uma bola de fogo caindo do céu’

O jatinho Cessna, novo e com as licenças em dia, caiu logo após arremeter na Base Aérea de Santos. Moradores disseram ter visto “uma bola de fogo ” no céu, o que indica problemas no motor . A caixa- preta do avião foi recuperada, e a Aeronáutica e PF vão avaliar as hipóteses de falha mecânica e erro humano. Um dos pilotos reclamara de cansaço numa rede social. Os corpos serão identificados por exames de DNA. (Págs. 4 a 6)

Editorial

‘A política brasileira sem Eduardo Campos’. (Pág. 22)

Panorama Político

Ilimar Franco – Marina vem aí

O PSB e seus aliados pretendem fazer da vice Marina Silva sua candidata ao Planalto . Com a morte de Eduardo Campos, os políticos avaliam que ser á preciso escolher um nome de viabilidade eleitoral garantida para dissuadir os que querem se entregar ao PT ou ao PSDB. Os cientistas políticos e marqueteiros avaliam que a posição de Aécio Neves está ameaçada e que a disputa ir á agora, com certeza , para o 2º turno. (Pág. 2)

Merval Pereira

Se for Marina, 2º turno estará praticamente garantido. (Pág. 4)

Míriam Leitão

País com falta de líderes perde um precioso patrimônio. (Pág. 34)

————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete : O trágico adeus de Eduardo

Morte do candidato do PSB em acidente de avião abala a cena política e deixa em suspense a sucessão presidencial

O pernambucano havia partido do Rio e chegava a Santos (litoral de São Paulo) para evento de campanha quando o jato Cessna 560XL arremeteu, devido a mau tempo, e em seguida explodiu, caindo sobre casas e prédios. Além de Eduardo Campos, de 49 anos, estavam a bordo o assessor Pedro Valadares, o jornalista Carlos Percol, o fotógrafo Alexandre Severo, o cinegrafista Marcelo Lyra e os pilotos Marcos Martins e Geraldo Cunha. Ninguém escapou. (…) A presidente Dilma declarou luto oficial por três dias.

Caixa-preta será analisada em Brasília

O aparelho que ajudará a esclarecer o acidente foi encontrado ontem à noite e entregue à Aeronáutica. Mais de 50 moradores foram retirados das casas atingidas.

Disputa no DF era prioridade do candidato

Maior incentivador da chapa de Rodrigo Rollemberg, Eduardo campos apostava alto nas eleições para o Buriti e escolheu Ceilândia para iniciar a campanha nacional.

Dilma e Aécio interrompem a busca por voto

Os dois candidatos suspenderam compromissos eleitorais. Em pronunciamento, a presidente qualificou o socialista de “jovem liderança”. “Um grande amigo”, elogiou o tucano.

A dor de Ana Arraes e de Renata

Mãe de Eduardo e ministra do TCU, Ana Arraes soube da morte em Brasília e foi para Pernambuco. Renata Campos, esposa e mãe dos cinco filhos do candidato, estava com o marido antes de ele viajar para Santos.

Nas entrelinhas: Que horror!

O Brasil perdeu um de seus políticos mais promissores, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, candidato a presidente da República do PSB, que ocupava o terceiro lugar nas pesquisas e tentava construir, com Marina Silva na vice, uma espécie de “terceira via” na política brasileira. Morreu num desastre de aviação em Santos, depois de uma tentativa de pouso do jatinho que o transportava no aeroporto de Guarujá. Ele havia embarcado com alguns assessores no Rio de Janeiro. Foi um horror: todos morreram carbonizados. (Pág. 12)

Correio Econômico: Uma nova eleição

A trágica morte de Eduardo Campos em um acidente aéreo muda por completo a disputa pela Presidência da República. No entender de analistas, uma nova eleição começa a partir de hoje, com o segundo turno praticamente garantido caso Marina Silva seja declarada a candidata do PSB. O mercado financeiro não descarta, inclusive, a vitória da ex-senadora ao fim da disputa.

Brasília-DF – Denise Rothenburg

O crash da política

Quem disser o que vai ocorrer daqui para frente na campanha eleitoral estará chutando feio. O Brasil não perdeu apenas um candidato a presidente da República. Perdeu o homem que fazia a ligação entre as diversas correntes da política brasileira. Nos últimos dois anos, Eduardo Campos construiu pontes com o PSDB, de Aécio Neves, fortaleceu os laços com o PPS, o PDT. Até em meio aos aliados de Dilma Rousseff e do próprio PT, ele mantinha contatos. Foi essa capacidade que fez da união PSB-Rede algo palatável. (Pág. 13)

Nas entrelinhas

Luiz Carlos Azedo – Que horror!

O Brasil perdeu um de seus políticos mais promissores, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, candidato a presidente da República do PSB, que ocupava o terceiro lugar nas pesquisas e tentava construir, com Marina Silva na vice, uma espécie de “terceira via” na política brasileira. Morreu num desastre de aviação em Santos, depois de uma tentativa de pouso do jatinho que o transportava no aeroporto de Guarujá. Ele havia embarcado com alguns assessores no Rio de Janeiro. Foi um horror: todos morreram carbonizados. (Pág. 12)

Correio Econômico

Vicente Nunes – Uma nova eleição

A trágica morte de Eduardo Campos em um acidente aéreo muda por completo a disputa pela Presidência da República. No entender de analistas, uma nova eleição começa a partir de hoje, com o segundo turno praticamente garantido caso Marina Silva seja declarada a candidata do PSB. O mercado financeiro não descarta, inclusive, a vitória da ex-senadora ao fim da disputa. (Pág. 16)

Visto, lido e ouvido

Ari Cunha – Acidentes

“Deus ri de quem faz planos”, repetia o filósofo de Mondubim em um ditado antigo que exemplifica bem a precariedade e as incertezas da vida para cada um de nós. Em um mundo que parece girar cada vez mais rápido, assistimos ao passar dos dias como quem olha através da janela de um trem-bala a paisagem riscada. (Pág. 19)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete : Uma tragédia

Eduardo Campos, 49 anos, candidato à Presidência e um dos mais promissores políticos do Brasil, morre em queda de avião. (Notícias | 5 a 25)

Uma incerteza

Morte de Campos joga dúvida sobre a corrida presidencial. PSB deve indicar outro nome, que será decisivo para definir se haverá 2° turno. (Notícias | 5 a 25)

Investigação e exames de DNA

Acidente tem três causas possíveis. Identificação dos corpos é complexa. (Notícias | 5 a 25)

Marina, nome com apoios e resistências

Vista de fora como sucessora natural de Campos, ela enfrenta restrições no PSB. (Notícias | 5 a 25)

Rosane de Oliveira

Ele concorria em duas eleições

Campos era peça-chave em 2014 e despontava para a disputa em 2018. (Notícias 5 a 25)

O ESTADO DE S.PAULO

Acidente mata Campos e deixa cenário eleitoral mais incerto

“Aprendi a admirá-lo”, diz Marina Silva

Serena, viúva conforta a família

Piloto tentou pousar sob mau tempo

Doleiro pagou a deputado, diz Meire

VALOR ECONÔMICO

Morte trágica de Campos muda o rumo da corrida presidencial

O que a Telecom Italia quer da GVT

Boticário vai abrir cem lojas na Colômbia

Mercado doméstico já entra na mira da CSA, do grupo Thyssen

Gestores pecam pelo otimismo

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete : Eduardo Campos + 13.08.2014

O candidato estava a caminho de um compromisso no Guarujá, no qual também estaria Marina Silva. O avião caiu sobre uma área residencial. A notícia abalou políticos, empresários, correligionários e seus adversários na campanha presidencial. Em nota, a presidenta Dilma Rousseff declarou que o Brasil inteiro está de luto e que Campos era “um exemplo de democrata”. (Págs. 2 a 10)

Dívida com térmicas da Região Norte é de R$ 12 bi

Por falta de repasses do Tesouro, o passivo da Eletrobras com fornecedores de combustível e geradores de energia em sistemas isolados cresceu 45,6% em 2014. A empresa alega que tem a receber R$ 15 bilhões dos cofres públicos, o que permitiria liquidar as faturas. (Págs. 14 e 15)

Comgás lucra apesar da queda no consumo

A distribuidora de gás natural fechou o segundo trimestre com resultado positivo de R$ 132,2 milhões, mesmo com a redução de 2,2% no volume entregue aos clientes. (Pág. 13)

Armínio garante que unificação de tributos é prioridade de Aécio

Ex-presidente do BC no governo de FHC disse que proposta prevê consolidar ICMS, IPI, PIS e Confins no IVA. (Pág. 11)

Clima econômico do Brasil é o mais pessimista desde 1991, aponta FGV

Incertezas quanto à recuperação da economia doméstica pesaram no indicador. (Pág. 11)

Mosaico Político – Gilberto Nascimento

AS DIFICULDADES DE MARINA

A vice na chapa do PSB à presidência, Marina Silva, nem vai querer tocar no assunto nos próximos dias em respeito ao luto da família de Eduardo Campos, morto ontem em acidente de avião em Santos (SP). Mas é a opção natural para substituí-lo. Essa decisão, no entanto, não será adotada tão facilmente no partido. (Pág. 2)

Ponto de Vista – Carlos Thadeu de Freitas

MUDANÇA DE PARADIGMA

A crise da dívida externa da Argentina veio somar-se aos diversos problemas que o país enfrenta atualmente. Desde 2001, quando uma grave crise cambial levou o país à moratória, a economia argentina tem passado por diversas turbulências. (Pág. 12)

Cliente & Cia – Nadja Sampaio

NOVO USO DO CARTÃO DE CRÉDITO?

O consumidor vai ter que reaprender a usar o cartão de crédito, caso o projeto de decreto legislativo que permite a diferenciação de preços nas compras à vista, em dinheiro, e as pagas com cartão passe também na Câmara. (Pág. 19)

Ponto Final – Octávio Costa

“SERÁ OUTRA ELEIÇÃO”

Entra para a história política do Brasil mais uma tragédia no mês de agosto. A morte de Eduardo Campos no ponto mais alto de sua trajetória e em meio à disputa pela Presidência da República deixou a Nação perplexa e consternada. O momento é de luto nacional e de muita emoção, que também toma conta de todos nós, jornalistas. (Pág. 32)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Acidente mata Eduardo Campos; rivais preveem Marina candidata

Avião cai em Santos, e sete a bordo morrem
PSB tem dez dias para indicar um substituto
Ex-governador de Pernambuco estava em 3° na corrida ao Planalto

O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Henrique Accioly Campos, 49, morreu nesta quarta (13) em acidente aéreo em Santos, litoral paulista, onde cumpriria agenda de campanha. O jato partira do Rio e caiu em área residencial. Dois pilotos e quatro assessores também morreram, e sete pessoas em solo ficaram feridas. A Aeronáutica investiga a queda. (…) O PSB tem dez dias para anunciar a eventual substituição do candidato. Adversários na disputa, PT e PSDB já se preparam para enfrentar Marina Silva, a vice de Campos. Candidata à reeleição, a presidente Dilma Rousseff (PT) decretou luto oficial de três dias e afirmou que o acidente “tirou a vida de um jovem político promissor”. Também presidenciável, Aécio Neves (PSDB) disse ter perdido um amigo. Marina declarou que guardará dele a imagem de “alegria” e “sonhos”. (Tragédia na eleição)

Contadora diz que doleiro deu dinheiro a deputados

A contadora Meire Poza, que trabalhou para Alberto Youssef, confirmou nesta quarta (13) que o doleiro repassou dinheiro ao deputado federal Luiz Argôlo (SDD-BA) e a outros congressistas.

“O Alberto era um banco. Ele pagava contas, dava dinheiro, dava presentes, emprestava”, afirmou a contadora, que prestou depoimento ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados como testemunha de acusação no processo que pode resultar na cassação de Argôlo.

Eunício seria eleito no Ceará no 1º turno, aponta Datafolha

O senador Eunício Oliveira (PMDB) venceria no primeiro turno se a eleição para o governo do Ceará fosse hoje, aponta o Datafolha.

O peemedebista aparece com 47% das intenções de voto –mais que a soma de seus rivais, que, juntos, têm 30%.

Candidato dos irmãos Cid e Ciro Gomes (Pros), Camilo Santana (PT) registrou 19%. Eliane Novais (PSB) teve 7%, e Ailton Lopes (PSOL), 4%.

USP traça plano de demissão voluntária para conter crise

A USP estuda implantar um programa de demissão voluntária de funcionários. Também haverá incentivo para que professores reduzam as jornadas, ganhando menos. O objetivo é atenuar a crise financeira. (Cotidiano C1)

EUA cogitam tropas terrestres para ação de resgate no Iraque (Mundo A8)

Alexandre Rands Barros

Campos possuía coragem de ‘mamar em onça’ . (Tragédia na eleição pág. 8)

Mauro Paulino e Alessandro Janoni

Candidato tinha o maior potencial de ascensão. (Tragédia na eleição pág. 7)

Elio Gaspari

Terceira via desaparece se Marina não disputar. (Tragédia na eleição pág. 7)

Editoriais

Leia “Eduardo Campos”, a respeito de morte do candidato do PSB à Presidência, e “A tragédia do ebola”, sobre esforços para conter epidemia do vírus. (Opinião A2)

Clipping Radiobrás

Edição: Equipe Fenatracoop, 14/08/2014  08:23h

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.