O Globo

Manchete : Temer é solto após críticas ao uso da prisão preventiva
Apesar de decisão, desembargador do TRF-2 diz apoiar Lava-Jato. Juiz Marcelo Bretas bloqueia R$ 62 milhões do ex-presidente. O ex-presidente Michel Temer foi libertado ontem por decisão do desembargador Ivan Athié, do TRF-2. Outros sete presos na Operação Descontaminação, entre eles o ex-governador do Rio Moreira Franco, também foram soltos. A prisão preventiva de Temer, decretada na última quinta-feira pelo juiz Marcelo Bretas, da Lava-Jato no Rio, sob acusação de comandar esquema de desvio de dinheiro em obras de Angra 3, foi criticada por especialistas em Direito, que questionam a detenção de suspeitos quando não há condenação ou mesmo ação penal instituída. Athié anunciara que o habeas corpus iria à sessão da 1ª Turma Especializada na quarta-feira, mas recuou e decidiu sozinho. Apesar das muitas críticas ao texto de Bretas, ele afirmou que apoia a Lava-Jato. (PÁGINA 4)
MERVAL PEREIRA
Desembargador se mostra volúvel ao soltar Temer (PÁGINA 2)
BERNARDO MELLO FRANCO
Temer se vê no papel de vítima (PÁGINA 6)
MÍRIAM LEITÃO
Presidente será sempre o gerente da coalizão (PÁGINA 16)
JOSÉ CASADO
Bolsonaro flerta com o desastre (PÁGINA 3)
Guedes vai ao Congresso tentar estancar crise
Depois de críticas mútuas entre o presidente Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o governo escalou Paulo Guedes, ministro da Economia, para pacificar a relação com o Congresso. Ele vai à Comissão de Constituição e Justiça falar de reforma da Previdência. Houve mais ataques a Maia em redes sociais. (PÁGINA 15)
Dodge propõe que juiz federal atue na esfera eleitoral
Após o STF determinar que crimes ligados a caixa dois transitem na Justiça Eleitoral, decisão criticada por membros da Lava-Jato, a procuradora- geral da República, Raquel Dodge, pediu ao TSE que juízes federais possam atuar nessa outra jurisdição. Hoje, a Justiça Eleitoral dispõe apenas de magistrados estaduais. (PÁGINA 6)
Entrevista – Piñera: ‘Ditaduras caem com atos desesperados’
Para o presidente do Chile, Sebastián Piñera, a chegada de aviões militares russos à Venezuela é sinal de desespero do governo. Ele se diz preocupado com ex-presidentes sul-americanos presos ou processados por corrupção. (PÁGINA 20)
Battisti assume que cometeu homicídios pela 1ª vez
Em depoimento à Justiça italiana, terrorista assumiu autoria de quatro homicídios nos anos 70, pelos quais foi condenado à prisão perpétua. Bolsonaro comemorou a confissão. (PÁGINA 8)
MEC adia por 2 anos avaliação do nível de alfabetização
Ministério da Educação transferiu para 2021 avaliação de crianças de 7 anos, que começaria este ano. A secretária de Educação Básica se demitiu. (PÁGINA 23)

Emprego tem o melhor mês de fevereiro em 5 anos
Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) aponta criação de mais de 173 mil vagas formais de trabalho em fevereiro. Setor de serviços impulsionou o índice. (PÁGINA 17)
————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete : Pressionado, Bolsonaro promete empenho pela Previdência
Ele pediu que ministros busquem ‘pacificação’ e colocou Paulo Guedes na articulação política
Após fim de semana de bate-boca virtual com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e de dar declarações contraditórias sobre a importância da reforma da Previdência, Jair Bolsonaro afirmou ontem que vai se empenhar para a aprovação da proposta na Câmara. Ele pediu que ministros busquem a “pacificação” com os deputados. Segundo o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, Bolsonaro está disposto a se reunir com presidentes de partidos e lideranças no Congresso. “O presidente está aberto à interlocução com todos”, disse. Na mesma linha “pacificadora”, o ministro da Economia, Paulo Guedes, deve tomar a frente nas articulações políticas. Junto com Bolsonaro, trabalhará para esclarecer a proposta para a sociedade e para os congressistas. Ontem, a prefeitos reunidos em Brasília, Guedes disse que a reforma vai evitar a interrupção do pagamento de salários ao funcionalismo público.ECONOMIA / PÁGS. B1 e B3
Corte em projeções ‘tira’ R$ 36 bi do PIB
Dúvidas em relação à aprovação da reforma da Previdência fazem economistas reverem as projeções para o crescimento do PIB neste ano, que partiram de 2,53% e estão em 2%, o que representa “perda” de R$ 36 bilhões.PÁG. B4
Temer deixa prisão após 4 dias
O ex-presidente Michel Temer deixou ontem, no início da noite, a Superintendência da Polícia Federal no Rio, depois de quatro dias de prisão. A soltura foi determinada pelo desembargador Antonio Ivan Athié, do Tribunal Regional Federal da 2.ª Região (TRF-2). Temer foi preso na quinta-feira por ordem do juiz federal Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal Criminal, acusado de corrupção e lavagem de dinheiro. O ex-ministro Wellington Moreira Franco e outros seis presos também foram libertados.POLÍTICA / PÁGS. A4 e A6

Reforma terá alíquota cheia para só 1.142 servidores
O número de servidores ativos, aposentados e pensionistas que vão pagar alíquota máxima, de 22%, é de 1.142, segundo a proposta da reforma da Previdência. Isso representa 0,08% do total de 1,4 milhão de pessoas que estão na folha de pagamento da União. Os dados são do Ministério da Economia.ECONOMIA / PÁG. B3

Câmara articula projeto para socorrer partidos
A Câmara dos Deputados pode votar nesta semana, em caráter de urgência, projeto de lei que prevê anistia de multas a partidos políticos que não aplicaram seus recursos de forma adequada e isenta diretórios punidos pela Receita Federal por não cumprirem determinações legais.POLÍTICA / PÁG. A8

MEC suspende avaliação de alfabetização e abre nova crise
O MEC suspendeu por dois anos prova para avaliar a alfabetização de alunos de 7 anos, prevista para outubro. A decisão, tomada sem o conhecimento do ministro, Ricardo Vélez Rodríguez, provocou nova crise na pasta. A secretária de Educação Básica, Tânia Almeida, se desligou ontem do MEC.METRÓPOLE / PÁG. A14
Preso na Itália, Battisti admite 4 assassinatos
O italiano Cesare Battisti, que ficou 40 anos foragido e recebeu asilo político no Brasil, admitiu na Itália, onde está preso, que é responsável por 4 assassinatos cometidos nos anos 1970. Ele confessou ainda a prática de roubos.
INTERNACIONAL / PÁG. A12
Morte por álcool cresce entre os mais velhos (Metrópole / Pág. A15)
Dodge quer juiz federal para crime eleitoral (Política / Pág. A6)
Eliane Cantanhêde
Alívio no STF, por ora
Ao soltar Temer, desembargador tirou peso do STF, que vem sendo atacado pelos bolsonaristas e pela opinião pública.
POLÍTICA / PÁG. A6
Vera Magalhães
Com atraso
É um escândalo que um desembargador alegue falta de tempo de ler o processo e analisar pedido de habeas corpus.
POLÍTICA / PÁG. A4
Notas & Informações
Procura-se um presidente
O presidente Jair Bolsonaro não parece satisfeito em criar problemas em série no país que governa e passou a causar constrangimentos também nos vizinhos. PÁG. A3
Setor externo ainda saudável
Sem grandes perigos à vista, as contas externas são rara e preciosa bênção para o governo. PÁG. A3
————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Centrão cogita votar texto da Previdência de Temer
Manobra seria uma resposta de parlamentares às declarações de Bolsonaro
Irritados com o presidente Jair Bolsonaro (PSL), líderes do centrão discutem desenterrar a reforma da Previdência do governo Miehel Temer e votá-la como afronta ao Planalto. Iniciativa é de parlamentares que apoiam as mudanças, mas estão descontentes com o tratamento dispensado ao Congresso. Deputados e presidentes de partidos ouvidos pela Folha disseram que a ideia surgiu em conversas informais na semana passada. Eles avaliam que o texto proposto pela gestão do ex-presidente era menos duro, mais palatável e com projeções de economia mais factíveis e transparentes. Com o aumento da temperatura na relação entre Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), eles viram na manobra uma forma de explicitar sua insatisfação com o governo. Em reunião com ministros, Bolsonaro disse que é hora de uma relação harmônica com o Legislativo. Líderes de diversos partidos farão hoje um ato para declarar apoio à reforma, mas com um veto às mudanças na aposentadoria rural e no pagamento de benefícios para idosos miseráveis. Os dois pontos, propostos pela equipe econômica, enfrentam resistência entre os parlamentares. (Mercado A 17)
Ex-presidente é solto com bloqueio de R$ 62 milhões
Depois de quatro dias em prisão preventiva, o ex-presidente Miehel Temer foi solto ontem. A decisão liminar, do juiz federal Ivan Athié, do TRF-2, beneficiou mais sete detidos. Athié disse que é a favor da Lava Jato, mas que as prisões se deram “sem observância das garantias constitucionais”. A decisão não altera ordem de bloqueio de R$ 62,6 milhões de que Temer é alvo. (Poder A4 e A6)
Presidente quer a ‘comemoração devida’ do golpe
O porta-voz da Presidência afirmou que Jair Bolsonaro não considera a tomada de poder pelos militares em 1964 um golpe. E que, por isso, determinou que sejam feitas as “comemorações devidas” em unidades militares em 31 de março, sem detalhar como elas serão feitas. (Poder a 10)

Geração de vagas em fevereiro surpreende e chega a 173 mil
Resultado do último mês é o melhor para o período desde 2014, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Com a abertura dessas vagas, o número total de postos formais chegou a 38,6 milhões, uma alta de 0,45% em relação a janeiro. (Mercado A21)

Na Itália, Battisti admite atuação em assassinatos
O terrorista Cesare Battisti confessou ao procurador-geral de Milão, em depoimento no presídio onde está detido desde janeiro, ser o mandante de dois assassinatos e o perpetrador de outros dois nos anos 1970. Ele, que viveu no Brasil de 2004 a 2018, nunca havia admitido a culpa. (Poder a8)
Apagão volta a atingir Caracas e 14 estados da Venezuela
A região metropolitana de Caracas e o estado de Miranda foram os mais afetados pela falta de luz. O metrô da capital foi fechado. Ao menos 14 dos 23 estados venezuelanos registraram falta de energia ontem. É o segundo apagão a atingir o país em menos de 20 dias. (Mundo A14)
Para presidente da Latam, país não tem solução rápida
Em entrevista à Folha, Jerome Cadier diz que o setor aéreo está com “um pé na água quente e outro na fria”, demanda no mercado doméstico e desequilíbrio no internacional. Elogia a equipe de infraestrutura do governo, mas pede “foco no país, não em tuíte e mídia social”. (Mercado A20)
Prova de alfabetização é suspensa pelo MEC e secretária se demite (B4)
Carlos Melo
Clichês, ‘nova’ e ‘velha’ política nada significam
Termos impedem efetivar a Grande Política, impessoal, que ergue instituições capazes de interpretar desafios do presente e do futuro. Ser republicano, no Brasil, seria algo absolutamente novo. (Poder A12)
Hélio Schwartsman
Jair Bolsonaro termina seu mandato? (A2)
Editoriais
Política, velha ou nova
A respeito de desarticulação do governo Bolsonaro (A2)
Vitória de Trump
Acerca de relatório sobre atividade russa em eleição (A2)
————————————————————————————

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.