O Globo

Manchete: Dodge se põe a disposição de Bolsonaro e é alvo de críticas
Candidatos discordam da decisão dela de correr por fora da disputa pela lista tríplice
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, colocou-se “à disposição da instituição e do país” para ser reconduzida ao cargo pelo presidente Jair Bolsonaro. Escolhida em 2017 como a segunda mais votada da lista tríplice, Dodge agora declinou de participar do processo eleitoral da categoria. Ela recebeu críticas de alguns dos candidatos inscritos. “É triste que ela vire as costas para a carreira e seus processos democráticos’’, disse o procurador regional Vladimir Aras. Dodge tem se aproximado de políticos, e sua recondução é uma possibilidade. O apoio a ela, no entanto, é maior no Congresso que no Planalto. (Página 6)

‘Peso real’ sob entusiasmo, piadas e ceticismo
A proposta de criação de uma moeda única para Brasil e Argentina, citada pelo presidente Bolsonaro, é vista com entusiasmo pelo país vizinho, cuja unidade monetária sofreu seguidas desvalorizações no governo Macri. No entanto, o projeto do “peso real” foi criticado por economistas e alvo de piadas nas redes sociais. (Página 17)

Congresso quer investigar fake news nas eleições
Requerimento com adesão de 276 deputados e 48 senadores, já em fase de conferência de assinaturas, pede instalação de CPI mista para investigar o uso de fake news nas eleições de 2018. Autor do pedido, o deputado Alexandre Leite (DEM-SP) disse que as campanhas presidenciais também serão investigadas. (Página 8)

Relatório mantém itens contestados de pacote de Moro (Página 9)

Merval Pereira
Moeda única repete proposta de antecessores (Página 2)
Jose Eduardo Agualusa
Brasil, um grande mistério (Segundo Caderno)
Míriam Leitão
Chance de união monetária é nenhuma (Página 18)
————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Mudança em abono no texto da reforma pode custar R$ 80 bi
Na proposta da Previdência, governo quer limitar abono salarial anual a 1 salário mínimo; relator propõe 1,4 salário
Mudanças em estudo pelo relator nas regras do abono salarial anual no projeto da reforma da Previdência podem derrubar em cerca de R$ 80 bilhões a economia esperada pelo governo. A ideia original do governo era limitar o abono salarial a quem ganha salário mínimo (R$998) -hoje,é pago a quem recebe até dois mínimos. Essa mudança proporcionaria uma economia de R$ 169,4 bilhões em 10 anos, nas contas do governo, mas vinha enfrentando resistências da oposição. A proposta em análise pelo deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) é restringir o pagamento do benefício a quem ganha até 1,4 salário mínimo (R$ 1.397,20). O relator também pode rever a proposta do governo de permitir a concessão de pensões por morte abaixo do salário mínimo. (Economia/Págs. B1 e B3)

Menor renda e cheque especial
Estudo do BC mostra que 43,9% dos usuários do cheque especial têm renda inferior a dois salários mínimos e 12,5% estão com pagamentos atrasados há mais de 90 dias. (Pág. B4)

Impasse entre Poderes trava lançamento de pacto
O Planalto suspendeu a divulgação do “Pacto pelo Brasil”, marcada para segunda-feira. O texto, que está na segunda versão, não agradou aos chefes dos três Poderes – e foi chamado por Rodrigo Maia de “pauta do governo”. Trecho que aborda o “combate aos crimes nas ruas e nos gabinetes” provocou revolta no Congresso, que viu uma “provocação” de Bolsonaro. (Política/pág. A4)

Dodge se diz ‘à disposição’ para continuar no cargo
A procuradora-geral, Raquel Dodge, admitiu ontem, de forma explícita, que está na corrida para continuar no cargo. “Estou à disposição da minha instituição e do País”, disse. Ela não concorre à lista tríplice para sua sucessão, mas é considerada forte candidata. (Política/pág. A8)

‘Estadista tem de ter pauta relevante’
Entrevista: Carlos Moisés
GOVERNADOR DE SANTA CATARINA (PSL)
Carlos Moisés diz que o presidente deveria se dedicar a temas como auxílio aos Estados e pacto federativo, não com CNH e ensino em casa. (Política/pág. A12)

‘Eu sei quanto custou o caixão do meu filho’
Entrevista: Christiane Yared
DEPUTADA FEDERAL (PL-PR)
Aliada de Bolsonaro, deputada cujo filho morreu em acidente critica projeto que afrouxa punições: “Estamos na defesa de trânsito mais seguro”, (Metrópole / pág. A21)

João Domingos
Com a agenda positiva nas mãos de deputados e senadores, o Congresso ressurge, (Política / pág. A8)

Sérgio Augusto
Memorando é um Amarcord verbal, com memórias que marcaram uma geração. (Caderno 2/ pág. C6)

Notas & Informações
Oposição responsável
Mesmo que tenha sido apenas lampejo, a negociação entre governo e oposição para a aprovação da MP 871 mostrou qual é o único caminho viável para o País. (Pág. A3)

Alívio para os Estados
O governo dará algum alívio financeiro aos que iniciarem programas de ajuste fiscal. (Pág. A3)
————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete: Sem respaldo, Bolsonaro se empolga com moeda única
Descrita pelo presidente como trava a ‘aventuras socialistas’ no continente, medida não passou por análise técnica. Apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), o plano de implementar uma moeda única para Brasil e Argentina não está em estudo e não faz parte de nenhuma análise técnica na área econômica no governo.
Em encontro com empresários na quinta-feira (6), em Buenos Aires, Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, discutiram a ideia. O tema já teria sido debatido com seu equivalente no governo Mauricio Macri, Nicolás Dujovne.
No Ministério da Economia, as afirmações sobre a criação da moeda única foram recebidas com cautela. Auxiliares de Guedes afirmaram que não existe nenhuma análise sobre o tema em andamento na pasta.O Banco Central informou, em nota, que não tem projetos ou estudos sobre uma eventual união monetária com a Argentina. Ontem, Bolsonaro afirmou que tinha sido dado o primeiro passo para “o sonho” de unificar real e peso. Para o presidente, a medida seria uma forma de barrar “aventuras socialistas” no Continente. (Mercado A19)

Gasolina e luz em queda elevam pressão por cortes nos juros
Redução na conta de luz, na gasolina e no preço dos alimentos alterou as expectativas de inflação e consolidou a percepção de que o Banco Central iniciará um novo ciclo de corte na taxa básica de juros. O IPCA ficou em 0,13%, menor resultado desde 2006 para o mês. (Mercado A21)

Covas quer alugar baixos de viadutos para setor privado
Gestão Bruno Covas (PSDB) lança hoje projeto-piloto para alugar baixos de viadutos e adjacências em São Paulo para a iniciativa privada. A ideia, com isso, é requalificar espaços degradados por meio da oferta de serviços de alimentação, lazer, cultura e esporte. (Cotidiano B2)

Juiz deixa caso dos atos secretos do Senado (Pág. A4)

Marcos Mendes
Estímulo de curto prazo é cachaça
Com a frustração do crescimento para 2019, ouve-se cada vez mais que “o governo precisa fazer alguma coisa”. Infelizmente, estamos presos no baixo crescimento justamente porque “o governo fez algumas coisas”. (Mercado A25)

Hélio Schwartsman
É difícil ver método nas loucuras do presidente (Pág. A2)
Editorial (A2)
Saneamento já
Sobre projeto para facilitar investimento s no setor.
Águas turvas
Acerca de promessa de despoluir rios paulistas.
————————————————————————————

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.