O Globo

Manchete : PF vai investigar uso de WhatsApp para fake news
TSE aceita pedido do PT para apurar difusão de notícias falsas pela campanha de Bolsonaro
Em duas frentes de investigação, a Polícia Federal vai apurar a disseminação de notícias falsas pelas redes sociais e pelo WhatsApp na campanha. Por solicitação do PT, o ministro Jorge Mussi, do TSE, determinou que a PF investigue se o candidato Jair Bolsonaro (PSL) cometeu crimes eleitorais. Bolsonaro nega irregularidades. A pedido da Procuradoria-Geral Eleitoral, será averiguada a veiculação de notícias falsas sobre o petista Fernando Haddad e sobre Bolsonaro. A decisão de apressar apurações criminais sobre fakenews foi acertada em reunião entre a presidente do TSE, Rosa Weber, a PF e outros órgãos. (PÁGINA 4)
Para 50% dos eleitores, há chance de ditadura no país
Pesquisa do Datafolha revela que 50% dos eleitores veem chance de haver ditadura no país, e 72% discordam de censura à imprensa. (PÁGINA 7)
Operador de Cabral fez a ponte entre Witzel e MDB
O agente fazendário Ary Ferreira da Costa Filho, operador do esquema de Sérgio Cabral condenado por lavagem de dinheiro, aproximou o ex-juiz Wilson Witzel de caciques do MDB fluminense em 2014, quando o candidato ao governo do Rio pelo PSC ensaiava iniciar-se na política. (PÁGINA 11)
LUZIA RESISTE – CRÂNIO ESTAVA SOB ESCOMBROS
O crânio de Luzia, fóssil humano mais antigo das Américas, sobreviveu ao fogo que consumiu o Museu Nacional em 2 de setembro. Numa caixa de ferro parcialmente derretida, dentro do que restou de um armário, Luzia foi encontrada ontem. (PÁGINA 12)
Merval Pereira
Cassar Bolsonaro é fora de propósito (PÁGINA 2)
Míriam Leitão
Há dúvidas sobre a agenda prioritária dos candidatos (PÁGINA 20)
————————————————————————————
O Estado de S. Paulo
Manchete : Deputados campeões de voto rendem R$ 230 mi a partidos
Somente Eduardo Bolsonaro e Joice Hasselmann renderão R$ 110 milhões ao PSL; verba vem do Fundo Eleitoral
Os dez deputados federais mais votados do País não ajudaram apenas seus partidos a aumentar as bancadas na Câmara. Em conjunto, eles vão render cerca de R$ 230 milhões às siglas ao longo de quatro anos. Os recursos são do Fundo Partidário, que banca as atividades e a estrutura dos partidos políticos, além de parte dos gastos eleitorais. As verbas vêm da União e são distribuídas proporcionalmente aos votos que cada legenda recebe. Eduardo Bolsonaro e Joice Hasselmann, os deputados mais votados do País (ambos por São Paulo), vão render R$ 110 milhões ao PSL. Somados, eles receberam 2,9 milhões de votos, ou 3% do total no País. Celso Russomanno (PRB-SP) teve mais de 500 mil votos. Esse desempenho renderá ao PRB quase R$ 20 milhões em quatro anos. (POLÍTICA / PÁG. A4)
PSL não comandará Câmara
Jair Bolsonaro orientou os 52 deputados eleitos pelo PSL a não disputar cargos na mesa diretora da Câmara. Objetivo do presidenciável é, caso seja eleito, formar “uma base” com outros partidos. (PÁG. A6)
PGR abre inquérito que tem com alvo notícias falsas
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu que a PF investigue suspeitas de que empresas de tecnologia da informação disseminam mensagens em redes sociais relacionadas a Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Dodge afirmou que o objetivo é verificar “a existência de eventual utilização de esquema profissional” para propagar fake news. (POLÍTICA / PÁG. A8)
TSE inicia investigação
O corregedor nacional da Justiça Eleitoral, Jorge Mussi, abriu ação para que sejam investigadas as acusações de que empresas compraram pacotes de disparos de mensagens no WhatsApp contra Fernando Haddad (PT). (PÁG. A8)
Bolsonaro quer BC independente
Jair Bolsonaro (PSL) deve propor nos primeiros dias da transição, caso seja eleito, a independência formal do Banco Central. A equipe avalia que isso vai sinalizar que o governo “fala sério” e se empenhará para negociar reformas. (ECONOMIA / PÁG. B1)
Debate em SP tem novo bate-boca
No segundo debate com candidatos ao governo de São Paulo, na TV Record, João Doria (PSDB) tentou ligar Márcio França (PSB) ao PT. França citou a rejeição ao opositor e se disse “anti-Doria”. (POLÍTICA / PÁG. A9)
PF faz buscas em comitê eleitoral de Doria (PÁG. A9)
Canadá emite recorde de vistos para brasileiros
O número de vistos de residência permanente concedidos pelo Canadá a brasileiros atingiu um recorde. O Consulado-Geral no Brasil aprovou 2.800 vistos entre janeiro e agosto de 2018, ante 2.760 em todo o ano passado e 1.730 em 2016. Se for considerada a média, o total deve chegar a 4 mil este ano. (METRÓPOLE / PÁG. A24)
Luzia ressurge das cinzas
Fragmentos do mais antigo fóssil humano das Américas foram encontrados nos escombros do Museu Nacional, incendiado em setembro, no Rio. (METRÓPOLE / PÁG. A21)
Após 4 tentativas, Cesp é leiloada por R$ 1,7 bi (ECONOMIA / PÁG. B15)
João Domingos
A governabilidade depende da capacidade do eleito de montar equipe de credibilidade, de base forte no Congresso e diálogo. (POLÍTICA / PÁG. A6)
Adriana Fernandes
A não ser que se proponha aperto fiscal com alta de tributos, zeragem do déficit exigiria medidas com impacto não imediato. (ECONOMIA / PÁG. B4)
Notas&Informações
Brasileiro: cético e com medo
As lideranças que verdadeiramente prezam a democracia devem fomentar um compromisso nacional para que as demandas sociais mínimas sejam atendidas. (PÁG. A3)
As lições de um prêmio
O prêmio dado a Fernando Henrique Cardoso tem um significado que vai além do objeto específico da homenagem. (PÁG. A3)
————————————————————————————
Folha de S. Paulo
Manchete : WhatsApp derruba agências; TSE investiga e PF é acionada
Aplicativo age contra disparo em massa de conteúdo anti-PT; Bolsonaro é notificado
O WhatsApp baniu nesta sexta (19) contas associadas às agências Quickmobile, Yacows, Croc Services e SMS Market e enviou uma notificação extrajudicial a elas para que deixem de enviar mensagens em massa e utilizar números obtidos a partir de bases de dados de terceiros. Horas depois, o ministro Jorge Mussi, corregedor do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), atendeu a um pedido do PT — alvo da campanha negativa de disparos em massa, conforme revelou anteontem a Folha — e abriu ação para investigar a compra desses pacotes de disparos. A prática, que beneficia o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), configura doação de campanha por empresas, o que é proibido por lei, e pode ser caracterizada como abuso de poder econômico. Mussi mandou notificar o deputado, com prazo de cinco dias para que se manifeste. À noite, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu à Polícia Federal abertura de inquérito para apurar se empresas têm espalhado, de forma estruturada, mensagens em redes sociais relativas a Bolsonaro e a Fernando Haddad (PT), seu rival no 2° turno. (Eleições 2018 A4)
Empresariado pró-Bolsonaro recua para não se expor
Empresários que vinham se expondo nos últimos meses em torno da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) adotam agora atitude mais discreta. Entre os motivos, o temor de ficar associado a um eventual fracasso da gestão, segurança pessoal e da família e até o receio de perder vendas diante da polarização em que o país ingressou. (Mercado A25)
Eleitores têm como método replicar grupos e conteúdo
A Folha acompanhou apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL) no WhatsApp. A estratégia de encaminhar conteúdo e replicar grupos, atingindo mais usuários, é arma de campanha. Nas conversas, panfletos se mesclam a fakenews e críticas ao PT. (Eleições 2018 A6)
Em terra de Ciro Gomes, capitão bate candidato petista (Eleições 2018 A14)
Eleições 2018
Minoritária, parcela linha dura da população cresce, diz pesquisa Datafolha (A14)
Hélio Schwartsman
Fake news é só um nome novo para a falsidade (A2)
Ítalo Nogueira
Em 2010, bolinha de papel marcou eleição (A15)
No Rio, Witzel e Paes não detalham suas propostas para o controle de armas (B1)
Análise Sandro Macedo
Doria e França retrocedem à 5a série em debate (A17)
Polícia Federal faz busca de material irregular de Doria
Agentes fizeram operação de busca e apreensão de material irregular no comitê de João Doria (PSDB) na capital e em 14 endereços no interior de SP. Os adesivos estavam sem dados exigidos por lei, como CNPJ da gráfica. (Eleições 2018 A16)
Pedidos de cidadania portuguesa crescem 65% em 1 ano em SP (Mundo A22)
Crânio de Luzia é encontrado em escombros do Museu Nacional, no Rio
Pesquisadores do Museu Nacional, no Rio, encontraram o crânio e o fêmur de Luzia, o esqueleto humano mais antigo descoberto na América. Os fósseis, que revolucionaram teorias sobre a ocupação do continente, foram achados junto a ruínas do edifício, parcialmente destruído por incêndio em 2 de setembro. O crânio de Luzia está fragmentado (foto) porque a cola que mantinha os pedaços unidos se foi com o calor, mas a equipe está otimista com suas condições. Cerca de 80% das partes encontradas já foram identificadas, e o restante passa por trabalho de limpeza e estabilização. Acredita-se que 100% do crânio esteja ali. (Ciência B9)
Editoriais
Baixo nível à paulista
Acerca de indigência de debates entre Doria e França (A2)
Drogas e mortes
Sobre estudo de homicídios e acidentes de trânsito (A2)
————————————————————————————

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.