Mercedes faz ‘dispensas’ por 5 meses; A Mercedes-Benz vai suspender por até cinco meses o contrato de trabalho de 1,5 mil funcionários na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista… – Hospitais: Prisão para quem exigir garantias; Lei sancionada pelo governo torna crime cobrar cheque-caução antes do atendimento nas emergências… – A guerra do mensalão; ‘Brasil não é a Venezuela, onde Chávez prende juiz’
Ministro Gilmar Mendes diz que pressão sobre o STF é coisa de gângster…

O Globo

Manchete: A guerra do mensalão – ‘Brasil não é a Venezuela, onde Chávez prende juiz’

Ministro Gilmar Mendes diz que pressão sobre o STF é coisa de gângster

Num clima acirrado pela iminência do julgamento do mensalão, o ministro Gilmar Mendes, do STF, afirmou que existe uma tentativa de controlar e enfraquecer a Corte. Ao GLOBO, disse: “O Brasil não é a Venezuela de Chávez; ele mandou até prender juiz.” Para Gilmar, o objetivo é atingir a independência do STF: “O intuito, obviamente -, é afetar a própria instituição, trazê-la para a vala comum.” Repetiu que o ex-presidente Lula o pressionou a adiar o julgamento e o acusou de centralizar a divulgação de informações falsas contra ele, numa manobra que associou a gângsteres. O PT conclamou a militância a defender Lula, que não se pronunciou. A oposição quer o ex-presidente na CPI. A Procuradoria Geral mandou para o MP do DF o pedido de investigação sobre Lula. (Págs. 1 e 3 a 9)

Fotolegenda: Não vale o que está dito

Citando Ismael Silva, Demóstenes Torres argumentou no Conselho de Ética que “nem tudo o que se diz se faz”. Ele afirmou que não agiu em defesa de Cachoeira, apesar de diálogos gravados pela PF indicarem o contrário. (Págs. 1, 10 e 11)

CPI quebra sigilo da Delta em todo o país

Em manobra apoiada por PT, PSDB e PMDB, a CPI que investiga a relação do bicheiro Carlinhos Cachoeira com políticos e empresários aprovou a quebra do sigilo bancário, fiscal e telefônico da matriz da empreiteira Delta. Mas abortou a tentativa de convocar os governadores Marconi Perillo (PSDB-GO), Agnelo Queiroz (PT-DF) e Sérgio Cabral (PMDB-RJ). A quebra do sigilo foi aprovada por 28 votos a um — o único voto contra foi do ex-líder do governo na Câmara Cândido Vaccarezza, ligado a Lula e flagrado há duas semanas tranqüilizando Cabral sobre a CPI. A quebra de sigilo vai de janeiro de 2003 até hoje. A convocação de governadores só volta à pauta após a CPI analisar se pode ou não investigar chefes do Executivo. (Págs. 1, 12 a 14)

Elio Gaspari

Lula, Gilmar Mendes e Nelson Jobim produziram um escracho constrangedor para o Judiciário.

Ilmar Franco

Tucanos farão pente-fino nos contratos do governo federal. Petistas, nos de governos tucanos.

Editorial

Julgar logo o mensalão é a melhor resposta à torpe manobra de interferir no Judiciário.

Novo Cade provoca corrida por fusões

A entrada em vigor do novo Cade; ontem, com regras mais restritivas para fusões e aquisições de empresas, provocou uma corrida para o fechamento de negócios no país. Em dois dias foram seladas 17 operações no valor de R$ 10 bilhões. A Leader, por exemplo, foi comprada pelo banco BTG, e até a churrascaria Fogo de Chão foi abocanhada por um fundo americano. (Págs. 1 e 25)

Exigir cheque-caução em hospital já é crime

Desde ontem, exigir cheque-caução para atendimento emergencial em hospitais é crime. A lei foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff e prevê detenção de três meses a um ano e multa. Se o paciente morrer por falta de atendimento, a prisão pode chegar a três anos. (Págs. 1 e 32)

Investimentos espanhóis no Brasil desabam

Com o agravamento da crise, os investimentos de empresas da Espanha no Brasil caíram 84% no primeiro quadrimestre do ano. Os recursos encolheram de US$ 4,699 bilhões, em igual período de 2011, para US$ 738 milhões. Ontem, o risco-Espanha no mercado atingiu o maior nível desde 1999. (Págs. 1 e 28)

EUA e Europa retaliam Síria; Brasil, não

Os EUA e vários países ocidentais expulsaram os embaixadores da Síria, em retaliação coordenada ao massacre de 108 civis por forças do regime de Bashar al-Assad na noite de sexta-feira para sábado. O Brasil não aderiu à medida, sob a justificativa de manter aberto um canal de diálogo com Damasco. (Págs. 1 e 33)

O tesouro arqueológico do Leblon

A construção de um prédio de seis andares no Leblon foi interrompida em fevereiro por um motivo inusitado: as escavações trouxeram à tona achados arqueológicos que podem reescrever a história da ocupação do bairro. A pedido do Iphan, duas arqueólogas analisam 500 fragmentos de objetos dos séculos XVIII e XIX encontrados, como pedaços de louças ferramentas, ossos, azulejos, parte de um muro não residencial e até uma moeda datada de 1700. (Págs. 1 e 16)

Atlas revela que a destruição da Mata Atlântica diminuiu no Rio. Minas e Bahia são os que mais desmatam (Págs. 1 e Ciência)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Lula ajuda ‘bandidos’ que querem ‘melar’ mensalão, diz Gilmar

Ministro do STF se considera alvo de boatos que, segundo ele, o petista espalha

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, disse que o ex-presidente Lula está dando vazão a boatos criados para abafar o julgamento do mensalão. Gilmar acusou “gângsteres”, “bandidos” e “chantagistas” de tentar “melar” o processo ao disseminar informações segundo as quais ele teria recebido favores do contraventor Carlinhos Cachoeira. As declarações foram dadas um dia depois de Lula se dizer “indignado” com a acusação de Gilmar de que ele o teria pressionado a adiar o julgamento do mensalão. Em entrevista ao repórter Fausto Macedo, o ministro acusou Paulo Lacerda, ex-diretor da Polícia Federal, de divulgar as “fantasias” a seu respeito. (Págs. 1 e Nacional A4 e A6)

Gilmar Mendes
Ministro do Supremo

“Minha surpresa foi saber que o próprio Lula estava se incumbindo de divulgar essa fantasia de que Cachoeira pagou minhas despesas. Ele está muito mal assessorado”

CPI quebra sigilo da Delta e adia convocação de governadores

A CPI do Cachoeira aprovou ontem a quebra do sigilo bancário, fiscal e telefônico da empresa Delta Construções em todo o País, desde 1° de fevereiro de 2002, o que inclui o período do governo Lula. PT, PMDB e PSDB fizeram acordo para adiar a votação da convocação dos governadores de Goiás, Marconi Perillo; do Distrito Federal, Agnelo Queiroz; e do Rio, Sérgio Cabral. (Págs. 1 e Nacional A8)

Demóstenes se complica

Ao Conselho de Ética, o senador admitiu que Carlinhos Cachoeira pagava as contas do aparelho Nextel pelo qual conversavam. (Págs. 1 e Nacional A9)

PMs da Rota matam seis e são presos em flagrante

Pela primeira vez na história, três policiais da Rota foram presos em flagrante sob a acusação de homicídio. Eles teriam executado um homem detido após tiroteio na zona leste. No confronto, segundo a Rota, outras 5 pessoas morreram, 3 foram presas e 5 fugiram. Todos seriam do PCC, portavam armas e foram flagrados pelos PMs, que souberam da ação na véspera. (Págs. 1 e Cidades C1 e C3)

Marcelo Godoy

A relação dos governos com a Rota sempre foi pendular: estimular ou conter a ação da unidade. (Págs. 1 e Cidades C3)

Países expulsam diplomatas sírios

Na mais dura advertência contra Bashar Assad, embaixadores sírios foram expulsos de França, Alemanha, Reino Unido, Espanha, EUA, Canadá e Austrália. (Págs. 1 e Internacional A14)

Cade alerta quem apressou negócio

Com novas regras de avaliação de fusões e aquisições, empresas se apressaram e fecharam pelo menos 15 negócios em 2 dias. O Cade, porém, diz que fará análise rigorosa. (Págs. 1 e Economia B1)

Ameaça cinza

Indústria impede País de cumprir metas de redução de emissões. (Págs. 1 e Planeta Rio+20)

Celso Ming

Mais embaixo

Hoje, o Copom deverá anunciar o mais baixo nível dos juros básicos da história do Banco Central, criado em dezembro de 1964. (Págs. 1 e Economia B2)

Notas & Informações

Os vetos e a MP da presidente

Com o Código Florestal, Dilma Rousseff conseguiu desagradar a ruralistas e ambientalistas. (Págs. 1 e A3)
————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete: Carola, mas nada santo

Em depoimento, Demóstenes confessou que até a conta do telefone Nextel que ganhou de Cachoeira foi paga pelo bicheiro. Mas, acredite, alegou desconhecer as atividades criminosas do contraventor. Por três vezes, evocou o sambista Ismael Silva — “Nem tudo que se diz se faz” —, tentando desqualificar as tramoias flagradas em escutas pela PF. E até apelou para a fé: “Sou carola”. Nada disso comoveu a Comissão de Ética do Senado, que deve recomendar sua cassação. A esperança do senador é a votação secreta no plenário. Na CPI, um avanço: foi aprovada a quebra do sigilo da Delta no país. (Págs. 1, 22 e 33)

Gilmar acusa Lula de espalhar boatos

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo, acusou gângsteres de divulgar informações falsas contra ele — como a de que teria viajado à Alemanha por conta de Cachoeira — para atingir o tribunal e tentar melar o julgamento do mensalão. “As notícias que me chegaram era de que ele (Lula) era a central de divulgação disso”, afirmou. E apresentou recibos para provar que a viagem foi paga pelo STF. “Para esclarecer tudo isso, bastava um telefonema para a embaixada. Não precisava se fazer essa rede de intriga.” (Págs. 1 e 4)

A gente está lidando com gângsteres. Vamos deixar claro: estamos lidando com bandidos, que ficam plantando essas informações”

“Claro que isso é uma armação. Mas não é para me atingir. Era para atingir o tribunal, criar um clima de corrupção geral”

“O objetivo era melar o julgamento do mensalão. Dizer que o Judiciário está envolvido em uma rede de corrupção”

“Tentaram fazer isso com o (procurador-geral da República, Roberto) Gurgel e estão tentando fazer isso agora”

Esquema de Brunelli pode chegar a R$ 3,6 mi

Há suspeitas de que os desvios de verbas públicas para uma associação ligada à família do ex-distrital começaram em 2005, o que dobraria o valor do rombo inicialmente calculado — R$ 1,7 milhão. Júnior Brunelli ficará preso por pelo menos mais cinco dias. (Págs. 1, 21 e 22)

Onda de negócios para fugir do Cade

A compra e a fusão entre empresas tiveram nos últimos dias R$ 10,5 bilhões em transações no país. Tudo para escapar da nova legislação de defesa da concorrência. Até uma rede de churrascarias foi vendida a estrangeiros. (Págs. 1 e 9)

Hospitais: Prisão para quem exigir garantias

Lei sancionada pelo governo torna crime cobrar cheque-caução antes do atendimento nas emergências. (Págs. 1 e 8)

Férias: Julho com praia e preços mais baixos

Viajar no inverno para o litoral tem suas vantagens: hotéis, passeios e restaurantes ficam mais baratos. (Págs. 1 e Turismo, Capa)
————————————————————————————

Valor Econômico

Manchete: SuperCade apressa onda de aquisições de R$ 10 bi

O mercado brasileiro acompanhou uma enxurrada de operações de fusões e aquisições nos últimos dois dias. Foi quase uma compra de empresa a cada três horas entre segunda e terça-feira, com 19 negócios fechados por empresas de diversos setores e que somaram mais de R$ 10 bilhões. O ritmo frenético coincide com a entrada em vigor da lei que cria o “SuperCade” e que determina que as operações sejam submetidas à aprovação prévia do Conselho Administrativo de Defesa Econômica.

Pelas próximas duas semanas, o período de transição para a nova lei da concorrência, mais negócios serão divulgados, apontam dois escritórios de advocacia que finalizaram 11 contratos nos últimos 5 dias. Mesmo nos casos em que as negociações não estavam tão avançadas optou-se por firmar pré-contratos e seguir o ritual até então vigente. (Págs. 1, B1, B4, B5 e B6)

Mercedes faz ‘dispensas’ por 5 meses

A Mercedes-Benz vai suspender por até cinco meses o contrato de trabalho de 1,5 mil funcionários na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. A montadora usa o mecanismo pela primeira vez em sua história de mais de 50 anos no país. O anúncio vem no rastro de uma série de medidas e acordos trabalhistas feitos por fabricantes de veículos pesados para ajustar a produção à queda das vendas. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a Scania fez acordo para suspender a produção por 20 dias. Na Ford, que usa o banco de horas para adequar sua atividade, foram feitas 21 de um total de 40 paradas previstas para até dezembro. Em Curitiba, a Volvo interromperá por seis dias a produção de caminhões. (Págs. 1 e B7)

Santander rejeita vender a operação brasileira

O presidente do Santander Brasil, o espanhol Marcial Portela Alvarez, é taxativo ao dizer que a unidade não está à venda. “Não existe qualquer negociação para a venda do banco, e a matriz não quer vender”, afirmou ontem ao Valor, em referência a especulações recentes sobre negociações para venda do controle ou parte do banco no país.

Portela, que chegou ontem de Madri, após reuniões com Emilio Botín, presidente do conselho do banco, descartou também a venda de uma participação minoritária relevante. A única intenção da matriz é vender uma pequena fatia de 1,5% a pouco mais de 2% para atender às exigências da BM&F Bovespa de que o banco atinja um “free float” mínimo de 25%. O mais provável é que seja uma colocação privada, e não oferta pública. “O grupo não precisa de capital”. (Págs. 1 e C16)

Ouro traz ganhos ilusórios

O brasileiro que apostou em ouro em janeiro garantiu, até segunda-feira, rentabilidade de 5,68%. Nada mal quando se compara com a queda de 2,72% do índice Bovespa. Ou com a variação de 3,88% do Certificado de Depósito Interbancário (CDI), o juro que serve de referencial para as aplicações mais conservadoras. O retomo do ouro só está próximo ao do dólar, de 6,1% no acumulado do ano. E não se trata de coincidência.

O que ao investidor parece brilho do ouro é, na realidade, em grande parte emprestado do dólar, diz Alexandre Espírito Santo, do Ibmee-RJ. É preciso olhar para a cotação internacional determinada na Bolsa Mercantil de Nova York Nesse caso, a valorização até a última segunda-feira foi só de 2,78%. (Págs. 1, D1 e D2)

Desaceleração da China já afeta CBMM

A maior produtora de nióbio do mundo, a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), vai rever suas previsões de vendas neste ano por causa da desaceleração na China, seu maior cliente. Mesmo assim, mantém o cronograma de investimentos de R$ 1 bilhão para a expansão da capacidade de produção, disse ao Valor o diretor- geral da companhia, Tadeu Carneiro.

O que pode ajudar a empresa a ampliar as exportações, principalmente para os chineses, é o fato de, no ano passado, um grupo de empresas chinesas do setor siderúrgico ter comprado 15% da CBMM, que pertence à família Moreira Salles – acionista do Itaú-Unibanco. Outros 15% foram comprados, também em 2011, por japoneses e coreanos. (Págs. 1 e B8)

UE prepara disputa comercial inédita contra chineses na OMC

Em fevereiro, as duas autoridades mais graduadas da União Européia chegaram a Pequim para pedir um favor caro a seus anfitriões: dezenas de bilhões de euros para ajudar a apagar as chamas da crise da dívida no continente europeu. Enquanto isso, em Bruxelas, burocratas tramavam algo completamente diferente — reuniam evidências para uma disputa comercial sem precedentes que, dizem observadores, pode provocar uma escalada dramática nas tensões com a China.

A UE se baseia em alegações de que o governo chinês subsidiou ilegalmente suas companhias de equipamentos de telecomunicações, como Huawei e ZTE, que estão crescendo em ritmo acelerado, ajudando-as a abocanhar negócios de concorrentes como Nokia e Alcatel. Se for em frente, será a primeira vez que a UE abre uma investigação comercial por iniciativa própria, e não a pedido de uma companhia europeia. (Págs. 1 e A10)

Investidor vê dívida do Brasil como aposta segura

Investidores estão se posicionando firmemente em títulos de dívida brasileiros, apesar de desprezarem outros emergentes. Desde março, aplicaram US$ 18 milhões em fundos que pos suem principalmente débitos emitidos por companhias e agências governamentais brasileiras, de acordo com a firma de dados financeiros EPFR Global, num momento em que a moeda e a bolsa do país estavam em queda. Os fundos de ações brasileiros registraram a saída líquida de US$ 89 milhões no período.

O mercado de dívida brasileira oferece exposição ao estável crescimento doméstico e ao baixo nível de déficit público. São fatores que ajudam a compensar o impacto da crise na Europa e da desaceleração na China, os dois maiores causadores da recente liquidação de posições nos mercados emergentes. (Págs. 1 e B11)

Senador boliviano alega perseguição e pede asilo ao Brasil (Págs. 1 e A10)

Varejo se ajusta à queda da renda na União Européia (Págs. 1 e B11)

Copersucar prevê mais um ano difícil, diz o CEO Paulo Roberto de Souza (Págs. 1 e B14)

Esforço poupador

Pesquisa da Fundação Getulio Vargas mostra que, em abril, o esforço dos consumidores para poupar foi recorde. O percentual de pessoas que afirmaram ter guardado parte dos rendimentos foi de 26,9%, o mais alto desde setembro de 2005. (Págs. 1 e A3)

Soros na banda larga

Com aporte de R$ 500 milhões, só em 2012, de fundo do megainvestidor George Soros, a holding Quattro Sunrise, formada por duas pequenas empresas, prepara-se para disputar o mercado de banda larga de 4G. (Págs. 1 e B2)

Embraer e Telebras em satélites

Embraer e Telebras assinaram acordo para criação da Visiona Tecnologia Espacial, que será responsável pela compra do Satélite Geoestacionário Brasileiro. O equipamento vai atender o governo, o programa nacional de banda larga e transmissões de defesa. (Págs. 1 e B3)

Teva ainda busca ativos no Brasil

A farmacêutica israelense Teva, maior fabricante mundial de genéricos, voltou a analisar ativos no Brasil. Após tentar comprar a goiana Geolab, no início do ano, agora a companhia negocia com Prati-Donaduzzi, do Paraná. (Págs. 1 e B6)

Turismo musical ganha força no país

Ainda longe dos resultados obtidos nos EUA e Europa — o turismo musical rende mais de 1,4 bilhão de libras por ano ao Reino Unido —, a entrada do Brasil no circuito mundial de shows atrai turistas e divisas, do país e do exterior, às cidades dos eventos. (Págs. 1 e D5)

Negócio com inidôneas gera crédito

Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo valida créditos de ICMS de contribuintes que compraram mercadorias de fornecedores irregulares. Mas cabe ao contribuinte comprovar sua boa-fé e que a venda ocorreu de fato. (Págs. 1 e E1)

Portos

Ampliação e melhoramento dos acessos aos portos brasileiros — seja das cargas, por rodovias e ferrovias, ou a movimentação dos próprios navios — são alguns dos principais desafios para aumentar a competitividade do país e deverão consumir 65% dos investimentos no setor até 2030. (Págs. 1 e Caderno especial)

Ideias

Cristiano Romero

O governo anuncia nos próximos dias medida para estimular a renegociação de dívidas bancárias até R$ 100 mil. (Págs. 1 e A2)

Ideias

Martin Wolf

Os líderes alemães terão de escolher entre o naufrágio da zona do euro ou uma mudança de curso. (Págs. 1 e A13)
————————————————————————————

Estado de Minas

Manchete: Onde mora o perigo

Imóveis abandonados em áreas nobres de BH já são ou podem virar abrigo de marginais

Enquanto a mansão na Savassi, ex-refúgio de um bando que aterrorizava comerciantes e moradores, é lacrada pelos proprietários após notificação da prefeitura, levantamento da polícia e do Estado de Minas aponta pelo menos mais 18 casas abandonadas correndo o mesmo risco. Elas estão em Lourdes, Centro, Santo Agostinho e na própria Savassi. Alguns desses endereços já são frequentados por moradores de rua e viciados em crack, levando temor à vizinhança. O comandante da 4ª Companhia do 1º Batalhão da PM, major Carlos Alves, disse que serão identificadas as moradias de suspeitos de crimes e localizados os donos para que façam a retirada das pessoas e o fechamento dos acessos. (Págs. 1 e 19)

Demóstenes se diz traído por Cachoeira

O senador Demóstenes Torres negou ao Conselho de Ética do Senado saber que Cachoeira fosse bicheiro. Mas se calou ao ser lembrado que integrou a CPI do Bingo, responsável por indiciar o contraventor. E admitiu ter usado rádio pago por ele. A CPI que apura as ações de Cachoeira adiou de novo a convocação dos governadores e quebrou os sigilos da Delta Construções. (Págs. 1, 3 e 4)

Ministro acusa Lula de espalhar boatos

Gilmar Mendes disse que uma quadrilha planta informações para manchar o Supremo, inclusive a de que ele teria voltado da Alemanha em avião fornecido por Cachoeira. Afirmou que o ex-presidente era a “central de divulgação” de boatos, com o objetivo de “melar” o julgamento do mensalão. (Págs. 1 e 6)

Ditadura – Delegado: desaparecido foi executado

Livro de ex-delegado do Dops conta como foi morto em 1975 o dirigente do PCB clandestino Nestor Vera. E indica um cemitério clandestino onde o corpo foi enterrado a 50 quilômetros de BH. Local será alvo de buscas. (Págs. 1 e 7)

Desmate: MG destruiu mais a mata atlântica

Estado foi o campeão de extermínio da floresta entre 2010 e 2011. Segundo levantamento do Instituto de Pesquisas Aeroespaciais (Inpe) e da ONG SOS Mata Atlântica, foram devastados em Minas 6.339 hectares do bioma. (Págs. 1 e 21)

Fusões antes do SuperCade

Nos cinco dias antes da entrada em vigor do novo sistema de defesa da concorrência, país teve pelo menos 10 grandes negócios. (Págs. 1 e 12)

Delação genética

Banco de DNA vai ajudar a identificar criminosos. (Págs. 1, 9 e Editorial, 10)
————————————————————————————

Jornal do Commercio

Manchete: Transpetro acredita na reação do estaleiro

Após suspender 16 das 22 encomendas de navios, presidente da companhia diz que Atlântico Sul tem condições de obter parceiro tecnológico, recuperar contratos e manter empregos em Suape. (Págs. 1 e Economia 5)

Transmissão de aids é criminalizada

STJ entende que contaminação configura lesão corporal grave e condena homem que prejudicou parceira. (Págs. 1 e 8)

Confusão no PT parece ainda longe de ter fim

Executiva nacional estaria forçando a saída de João da Costa e Rands da disputa pelo Recife. Ideia seria lançar Humberto para evitar mais desgastes. (Págs. 1, 3 e 4)

Depoimento complica Demóstenes

Senador admitiu no Conselho de Ética que Carlinhos Cachoeira pagava conta de seu telefone celular. CPI quebrou sigilos da Delta Construções. (Págs. 1 e 5)

Ministro diz que Lula tenta constranger STF

Gilmar Mendes eleva o tom do confronto e diz que o ex-presidente “fomentou intrigas” contra ele para “melar” o julgamento do mensalão. (Págs. 1 e 6)

Dengue

Equipamento em fase de testes dará o diagnóstico da doença em apenas alguns minutos. (Págs. 1 e Tecnologia 3)

Em seis meses, Estado fará exames de DNA

Nova lei obriga captação do perfil genético de criminosos e SDS vai se adaptar. (Págs. 1 e Cidades 9)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Combate a roubo de carros

RS busca modelo argentino

Termo de cooperação, que deve ser assinado nas próximas semanas, prevê adoção de sistema que, ao regular mercado de peças, reduziu furtos e roubos de veículos em até 40% no país vizinho. (Págs. 1 e 30)

Elos ocultos: Contradições marcam fala de Demóstenes

Ao Conselho de Ética, senador disse desconhecer relações suspeitas de Cachoeira. (Págs. 1 e 6)

Entre vizinhos: Cristina fecha ainda mais a fronteira

Restrições da Argentina obrigam empresas gaúchas a se adaptarem. (Págs. 1 e 14)

Camaquã: Fábrica chinesa planeja trazer equipamentos

Comitiva viajou à China para tirar dúvidas sobre empresa de caminhões. (Págs. 1 e 15)
————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete: Protecionismo reduz a zero déficit comercial da Argentina com Brasil

Política de Cristina Kirchner acaba com o superávit brasileiro mensal de até US$ 100 milhões que perdurou nos últimos três anos; montadoras de automóveis e empresas alimentícias foram os principais alvos das barreiras do país vizinho. (Págs. 1 e 10)

CPI aprova quebra de sigilo das contas nacionais da Delta

Investigações serão ampliadas para todos os estados que têm contratos com a empreiteira. (Págs. 1 e 8)

Fim de incentivos fiscais de estados está na mira do STF

Supremo põe em consulta proposta que proíbe estados de usar o ICMS para atrair investimentos. (Págs. 1 e 28)

Usiminas enfrenta prova de fogo na busca de resultados

Com alto endividamento, siderúrgica perde a indicação de grau de investimento de duas agências. (Págs. 1 e 32)

Mercedes suspende contrato de 1,5 mil operários até fim do ano

Com a produção em queda, montadora vai enviar 12% de sua força de trabalho para cursos de capacitação; acordo com governo federal permitirá que salários sejam pagos integralmente durante o período. (Págs. 1 e 16)

Espanha espalha mais pessimismo

Novo rebaixamento do país, desta vez pela agência Egan-Jones, eleva tensão nos mercados. (Págs. 1 e 31)

Super Cade acelera fusões e aquisições

No mesmo dia em que nova lei entrou em vigor, ontem, 12 negócios movimentaram R$ 8,5 bilhões. (Págs. 1 e 4)

Menu bilionário

Governo de SP reúne empresários espanhóis em almoço. No cardápio, o plano de obras de R$ 100 bilhões. (Págs. 1 e 3)

Clipping Radiobrás

Edição: Equipe Fenatracoop

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.