Empresa do Chile traz R$ 3 bi para SC – Copom reduz a taxa básica de juros para 9% ao ano  – Desempenho das receitas barra novas desonerações – Pela 1ª vez, uma mulher preside o TSE – Senado votará fim de privilégio histórico – Selic cai para 9%; País deixa de ser líder em juros reais; No mesmo dia, os quatro maiores bancos privados respondem à pressão do governo e cortam taxas…

O Globo

Manchete: Lei da concorrência – Sob pressão oficial, bancos privados reduzem os juros

Analistas alertam que taxas mais vantajosas não serão para todos os clientes

Após pressão da presidente Dilma para os bancos reduzirem os juros, o Itaú Unibanco e o Bradesco, as duas maiores instituições privadas do país, anunciaram o corte das taxas em diferentes modalidades de empréstimos para pessoas físicas e empresas, como financiamento de veículos, crédito pessoal e com desconto em folha. Os dois bancos também vão elevar o volume de crédito disponível, seguindo o caminho iniciado por Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. HSBC e Santander já haviam reduzido suas taxas. Segundo analistas, porém, os juros mais vantajosos não serão oferecidos a todos os clientes. Para o vice-presidente da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Miguel Oliveira, as reduções de taxas acontecem em linhas de crédito em que há competição. “É uma estratégia para não perder clientes”, diz. (Págs. 1, 27, Míriam Leitão e Flávia Oliveira – Negócios & Cia)

BC também corta; poupança ganha

Citando a fragilidade da economia global, a BC reduziu os juros básicos em 0,75 ponto, para 9%, menor nível em dois anos. Com a decisão, o ganho da poupança já supera o de fundos de investimento com taxa de administração de 1,4% ou mais. (Págs. 1 e 29)

Fotolegenda: Positivo, operante?

O senador Demóstenes Torres é cumprimentado pelo colega Pedro Taques, no plenário. (Págs. 1 e 4)

CPI: Lula e Sarney orientam blindagem

Ordem aos aliados é controlar investigação para proteger governo Dilma

O ex-presidente Lula, que convalesce do tratamento contra um câncer, e o presidente do Senado, José Sarney, que se recupera de uma cirurgia cardíaca no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, acompanham, mesmo de longe, os movimentos da CPI do Cachoeira. A orientação de Lula a quem o visita é para que PT e PMDB blindem o governo Dilma, indicando pessoas de confiança para a CPI que será criada hoje: 70 senadores e 337 deputados assinaram o requerimento. Os líderes tem até terça-feira para indicar os integrantes da comissão. Ontem, Lula e Sarney receberam no hospital um grupo de políticos do PMDB, entre eles, o vice-presidente Michel Temer e o presidente do partido, Valdir Raupp. (Págs. 1 e 3)

Outro governador na agenda de Cachoeira: o de Tocantins

Em escuta obtida pela PF, o bicheiro Carlinhos Cachoeira diz ter marcado encontro com o governador de Tocantins, Siqueira Campos (PSDB) – que só admitiu ter sido apresentado ao bicheiro. (Págs. 1 e 9)

Infraero contrariou o TCU ao contratar Delta

A Delta Construções foi contratada pela Infraero, sem licitação, para construir um terminal em Guarulhos. O TCU alertou que a empresa dificilmente se habilitaria em caso de concorrência. (Págs. 1 e 10)

Combate ao câncer tem mais recursos

O governo anunciou investimentos para reduzir a dependência externa do Brasil no tratamento do câncer. O país começará a produzir um importante remédio usado na terapia, bem como equipamentos de radioterapia. O Brasil terá ainda oito centros de célula-tronco. (Págs. 1 e 34)

Rio+20: Trânsito carioca preocupa segurança

O trânsito carioca, que em 20 anos teve a sua frota mais que dobrada – aumentando de 1,1 milhão na Rio-92 para 2,5 milhões de veículos -, está no centro das preocupações dos militares que cuidarão da segurança da Rio+20, revelou ao GLOBO o general Adriano Pereira Junior, chefe do Coando Militar do Leste (CML). Segundo ele, haverá militares concentrados perto de 41 hotéis. (Págs. 1 e 16)

Entrevista: Jeffrey Sachs

O conselheiro especial da ONU, que virá para a Rio+20, defende taxar ricos e grandes corporações, e eliminar subsídios ao petróleo. (Págs. 1 e 35)

Favelas do Alemão já têm duas UPPs

O Complexo do Alemão ganhou as primeiras UPPs, nas favelas Nova Brasília e Fazendinha. (Págs. 1 e 22)

Uma ronda do GLOBO por ruas de Niterói constatou apenas um PM a cada 6km, apesar dos reforços de recrutas. (Págs. 1 e 23)

Cármen Lúcia pede ao eleitor o voto limpo

Primeira mulher a presidir o Tribunal Superior Eleitoral, a ministra Cármen Lúcia exaltou a luta pelo voto limpo durante a posse. Hoje, Ayres Britto assume o STF. Críticas de Cezar Peluso causam mal-estar. (Págs. 1 e 14)

Ação da YPF despenca após reestatização na Argentina (Págs. 1 e 31)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Selic cai para 9%; País deixa de ser líder em juros reais

No mesmo dia, os quatro maiores bancos privados respondem à pressão do governo e cortam taxas

O Banco Central anunciou ontem o sexto corte seguido do juro básico da economia, que caiu 0,75 ponto porcentual, para 9% ao ano. Com a decisão unânime do Comitê de Política Monetária, o Brasil deixa o primeiro lugar do ranking mundial dos juros reais, posto que ocupava desde janeiro de 2010. Antes do resultado do Copom, os quatro maiores bancos privados responderam às pressões do governo e diminuíram as taxas de juros cobradas dos clientes em financiamentos. Ontem, Itaú e Bradesco anunciaram reduções nos juros para pessoas físicas e empresas. Santander e HSBC já haviam reduzido as taxas. O governo ficou satisfeito com a decisão, mas ainda considera tímida. (Págs. 1 e Economia B1, B3 e B4)

Análises

José Paulo Kupfer
Incertezas mantidas

O Banco Central não dirime a dúvida sobre o fim no ciclo de cortes da taxa básica de juros. (Págs. 1 e B4)

Celso Ming
Conveniências

Os cortes dos bancos se limitaram a aparar rebarbas. Não parecem disposições reais de baixar os juros. (Págs. 1 e B2)

Rede abastecida pela Delta fez doações eleitorais

Investigação da Polícia Federal mostra que a Alberto e Pantoja Construções, empresa de fachada cuja única fonte de renda identificada era a Delta Construções, repassou recursos a companhias que fizeram doações a campanhas em Goiás, área de influência da organização do contraventor Carlinhos Cachoeira. Duas empresas, que embolsaram R$ 210 mil da Pantoja, doaram R$ 800 mil para candidatos, informa Alana Rizzo. Entre eles, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e o deputado federal Sandes Júnior (PP), citados nas investigações da PF por manter relações com o grupo. A CPI do Cachoeira será aberta hoje pelo Congresso. A oposição tem como alvo o Planalto. O governo quer vincular Cachoeira ao PSDB, a setores da imprensa, do Ministério Público e até do Judiciário. (Págs. 1 e Nacional A4)

Na base do ‘jeitinho’

A Justiça apontou que o primeiro grande negócio da Delta no governo Dilma Rousseff – a obra de terminal remoto no Aeroporto de Cumbica, por R$ 85,7 milhões – foi fechado na base do “jeitinho” relata Marta Salomon. (Págs. 1 e Nacional A6)

Foto-legenda: Mais voos

Avião se aproxima do Aeroporto de na zona sul, que terá mais 119 pousos e decolagens nos fins de semana, aumento de 15%; “Os transtornos vão se multiplicar”, diz Edwaldo Sarmento, da Associação de Moradores do Entorno do Aeroporto. (Págs. 1 e Cidades C1)

Justiça decidirá indenização, não Argentina, diz Repsol

O presidente da Repsol, Antonio Brufau, disse que a Justiça é que fixará o valor da indenização pela expropriação da petrolífera YPF, e não o governo argentino. “Os tribunais são muito obstinados”, afirmou. A taxa de risco da Argentina acelerou sua escalada desde o episódio. (Págs. 1 e Economia B10 e B11)

Câmara aprova área para Instituto Lula

Em sessão tumultuada, a Câmara Municipal aprovou ontem em primeira votação o projeto que autoriza a concessão de um terreno da Prefeitura de São Paulo para o Instituto Lula. (Págs. 1 e Nacional A12)

Eugênio Bucci

Imprensa transparente

Quanto mais forem visíveis os procedimentos de repórteres que escutam assaltantes do erário, melhor para a instituição da imprensa e o cidadão. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

Veríssimo

Às entranhas

Em países como o Brasil, em que a legislação sobre o aborto não foi modernizada, a intervenção do Estado chega às entranhas das mulheres. (Págs. 1 e Caderno 2, D14)

Notas & Informações

Quem não queria a ‘CPI do PT’

Não resta dúvida de que o cálculo político foi o que mais pesou na decisão de recorrer à CPI. (Págs. 1 e A3)

Negócios

Mais conectados
Em 2017, Brasil terá um computador por habitante. (Págs. 1 e B19)

————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete: Senado votará fim de privilégio histórico

Por unanimidade a Mesa Diretora da Casa aprovou ontem a extinção do 14º e 15º salários. O próximo passo será a votação no plenário, o que deve ocorrer na próxima quarta-feira. O clima entre a maioria dos senadores é favorável à aprovação do projeto que acaba com a regalia, bancada pelo dinheiro do contribuinte desde 1946. Mesmo com parecer favorável, a proposta estava engavetada havia um ano na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). Voltou à discussão após reportagens do Correio mostrarem o descompasso entre as medidas do governo para evitar uma crise financeira no país e o acintoso recebimento de salários extras pelos parlamentares. (Págs. 1 e 6)

PMDB dá as cartas na CPI

Enquanto um abatido Demóstenes vagava pelo senado, o PMDB decidia: quer pôr Jucá (RR) na presidência da CPI do Cachoeira, que será instalada hoje, e escalar Eduardo Braga (AM) para defender o governo na Comissão. No PT, reinava a indefinição. Um grupo defende que a relatoria seja entregue a Vaccarezza (MG), outro prefere Odair Cunha (MG). (Págs. 1 e 2 a 5)

Crédito: BC e bancos privados voltam a cortar juro

O Brasil já não é mais o país dos juros mais altos do mundo. Com a decisão do Banco Central de reduzir em 0,75 ponto a taxa básica, o incômodo posta passou a ser ocupado pela Rússia. Sob pressão do governo, mais três bancos privados anunciaram corte nos juros. (Págs. 1, 16, 17 e Visão do Correio, 36)

Inflação sobe, vendas caem

Luzenira da Silva se assusta com os preços e pesquisa antes de comprar, o custo de vida no DF está acima da média nacional. (Págs. 1 e 43)

Petróleo: Cresce a pressão contra os argentinos

A Espanha quer denunciar o confisco da petrolífera YPF, decretado esta semana pelo governo da presidente Cristina Kirchner, a Organização Mundial do Comércio. Já o governo argentino planeja ampliar o processo de estatização. (Págs. 1 e 20)

Pela 1ª vez, uma mulher preside o TSE

A ministra Cármen Lúcia tomou posse ontem e vai comandar as eleições municipais de outubro, o primeiro pleito com a Ficha Limpa em pleno vigor. (Págs. 1 e 13)

Itamaraty apura caso de pedofilia (Págs. 1 e 49)

————————————————————————————

Valor Econômico

Manchete: Desempenho das receitas barra novas desonerações

A não ser que haja alguma surpresa positiva na arrecadação tributária, as medidas de desoneração da folha de salários das empresas para este ano se limitarão ao pacote anunciado no mês passado, contemplando 15 setores da indústria, a área de tecnologia da informação, call center e hotéis. Novas demandas pelo incentivo fiscal embutido na troca da contribuição de 20% sobre a folha por uma alíquota de 1 % a 2,5% sobre o faturamento dificilmente serão atendidas agora – como as do setor aéreo e da construção civil.

O foco do Ministério da Fazenda, na escolha das áreas a beneficiar com menos impostos, e a indústria, que está sob forte competição externa. O segmento de tecnologia da informação foi incluído porque o Brasil pretende se candidatar a ser um exportador desses serviços, sobretudo para a América Latina, e, se possível, também para os países desenvolvidos. (Pág. 1)

BC sustenta altas seguidas do dólar

O dólar comercial passou a acumular alta de 0,6% no ano, após quatro dias de valorização. Ontem, subiu 1,18% e fechou a RS 1,88, sua maior cotação desde o fim de novembro. O Banco Central tem constantemente comprado a moeda nos últimos dias, mesmo com o fluxo cambial negativo por duas semanas e com o impulso dado a moeda americana pelo recrudescimento da crise na zona do euro.

“O BC está estressando o mercado com esses dois leilões diários”, diz um tesoureiro. Nos últimos cinco dias úteis, o BC fez dez compras à vista, ante 12 compras durante todo o mês de março. Para alguns agentes do mercado, o BC estaria comprando dólares além do fluxo. (Págs. 1 e B2)

A receita de Peluso para o mensalão

O ministro Cezar Peluso deixa hoje a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) com uma proposta concreta para o julgamento do mensalão neste ano: votar tudo em três semanas, de segunda a sexta·feira, usando manhãs e tardes em sequência. “Temos que começar na segunda-feira de manhã e acabar na sexta-feira à tarde”, afirmou, pedindo o julgamento na primeira semana de agosto. “Por pior que seja o prognóstico de duração, o julgamento não vai durar um mês”, disse Peluso, que se aposenta em 3 de setembro, quando completa 70 anos.

Ao Valor, o ministro reiterou críticas à presidente Dilma Rousseff, ao avaliar que o momento mais difícil de sua presidência ocorreu quando ela alterou o projeto de orçamento do Judiciário. Para ele, a presidente tomou uma atitude que não poderia ter tomado, pois a tarefa de votar o orçamento e do Congresso. (Págs. 1 e A6)

Foto-legenda: Ação social contra o tráfico

Com mais de 20% dos jovens das favelas sem trabalho e fora da escola, Rio de Janeiro busca alternativas para afastar a juventude do tráfico. “O jovem da favela é tão criativo que inventou a mototáxi”, diz Marco Faustini, criador da Agência de Redes para a Juventude. (Págs. 1 e A16)

Lei do Bem começa a dar resultados

Em 2010, 25% da receita da fabricante de produtos de linha branca Whirlpool Latin America veio de bens classificados como inovadores pela empresa. A fatia é oito vezes maior do que a empresa tinha em 2007. Esse é um dos exemplos de companhias que começam a se beneficiar concretamente dos investimentos em inovação.

A Whirpool está enquadrada na Lei do Bem, que permite que a empresa deduza do cálculo do Imposto de Renda despesas em pesquisa e desenvolvimento. Em 2008, 460 companhias se beneficiaram do incentivo fiscal. Os últimos dados disponíveis, de 2010, mostram que o número aumentou para 639. No mesmo período, a renúncia fiscal cresceu de R$ 1,58 bilhão para R$ l,73 bilhão, e o valor dos projetos relacionados aos incentivos ficou praticamente estável em R$ 8,7 bilhões. Somando o setor público e o privado, os dispêndios com ciência e tecnologia evoluíram, mas de forma tímida: de 1,3% do PIB em 2000 para 1,62% em 2010. Parte da evolução é atribuída por empresas e representantes de indústrias a Lei do Bem, instituída em 2006, quando a fatia desses investimentos no PIB era de 1,29%. (Págs. 1 e A3)

Triunfo planeja ampliar negócios com energia

Após vencer o leilão de concessão do aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), a Triunfo Participações e Investimentos tem planos para expandir seus negócios. Comprou há menos de dois meses uma área em Manaus para erguer um terminal portuário e cogita disputar o próximo leilão de geração de energia A-5, que deve conceder projetos de usinas de 1.1 00 MW no Mato Grosso, com investimentos previstos de R$ 4 bilhões.

Mas novos empreendimentos em energia, se efetivados, terão de ser custeados com emissão de dívidas a partir de 2013. A companhia não descarta uma oferta secundária de ações se o cenário macroeconômico for “favorável”, diz Sandro Antonio de Lima, diretor de relações com os investidores. (Págs. 1 e B9)

CEOs do Brasil se espalham pelo mundo

Neste mês, o brasileiro José Drummond Jr., que ficou três anos e meio no comando da Whirlpool na América Latina, arrumou as malas e partiu para Comério, cidade na região da Lombardia, Norte da Itália. De lá, vai comandar os negócios da maior fabricante de eletrodomésticos do mundo na Europa, Oriente Médio e África.

Esse movimento ilustra uma realidade cada vez mais comum. Talentosos executivos brasileiros são, hoje, mais reconhecidos e demandados no exterior. Como muitas multinacionais estão dando preferência ao mercado latino-americano, ter um brasileiro no comando ou em posição estratégica facilita os investimentos na região. “Há casos de empresas americanas exigindo a apresentação de pelo menos um profissional do país nas indicações para os conselhos”, afirma John de Marmon Murray, diretor-geral da consultoria Boyden. (Págs. 1 e D1)

Espanha ameaça guerra comercial contra a Argentina após estatização (Págs. 1 e Al3)

Copom reduz a taxa básica de juros para 9% ao ano (Págs. 1 e C1)

Brasil é ‘amado demais’, o que já ocorreu com Espanha, Grécia, Portugal e Irlanda, diz Krugman (Págs. 1 e A4)

Avanço digital

A base de computadores em uso no Brasil atingiu a marca de 99 milhões de máquinas, equivalente a um equipamento para cada duas pessoas. A previsão é que o país alcance uma máquina por habitante entre 2016 e 2017. (Págs. 1 e B2)

Energia eólica no ‘varejo’

Regulamentação aprovada nesta semana pela Aneel deve impulsionar projetos de pequeno porte para autogeração de energia eólica, que já começam a surgir principalmente no Ceará. (Págs. 1 e B10)

Produção de leite recua no RS

Além de provocar quebras expressivas na produção de grãos, a seca que atingiu o Rio Grande do Sul durante o verão teve impacto significativo na produção leite do Estado, a segunda mais importante do país, que diminuiu 30%. (Págs. 1 e B13)

Expansão do crédito rural

O desembolso da carteira de crédito rural do Banco do Brasil na safra atual chegou a R$ 35,6 bilhões entre julho e março, com aumento de 24,5% em relação ao mesmo período da safra 2010/11. (Págs. 1 e B14)

BR Frango negocia aportes

A BR Frango, que acaba de estrear no mercado com sua primeira unidade de produção no Paraná, já negocia com fundos de investimentos a venda de cerca de 30% de seu capital para sustentar seus planos de expansão. (Págs. 1 e B14)

Seca atrapalha planos da PBio

Estiagem no Centro-Sul do país frustra projeções da Petrobras Biocombustível (PBio), que espera alcançar 1,2 bilhão de litros de etanol neste ano. A produção deve ficar em 1 bilhão de litros, ainda assim 25% maior que no ciclo anterior. (Págs. 1 e B14)

Ideias

Ribamar Oliveira

Governo deve mudar Lei de Responsabilidade Fiscal para atender exigência do TCU sobre concessão de incentivos fiscais. (Págs. 1 e A2)

Ideias

Maílson da Nóbrega e Felipe Salto

O excessivo e irresponsável expansionismo fiscal pode trazer de volta riscos para a solvência da dívida pública. (Págs. 1 e A14)
————————————————————————————

Estado de Minas

Manchete: Taxistas movidos a álcool

Estado de Minas flagra motoristas de táxi bebendo e voltando ao volante para transportar passageiros

Em duas noites pelos bares das regiões Central, Leste, Nordeste e Noroeste de BH, reportagem do EM encontrou pelo menos uma dúzia de taxistas consumindo cerveja e até cachaça e retomando a condução de seus carros, como no flagrante na Rua Jacuí. A prática vai de encontro à orientação das autoridades para quem beber optar pelo transporte público ou o táxi. Os motoristas de praça que bebem se aproveitam de não serem alvo das blitzes da Lei Seca. O Batalhão de Trânsito da PM admite nunca ter parado um taxista embriagado. Já a BHTrans, responsável pelas permissões do serviço, promete investigar e cassar os transgressores. (Págs. 1, 21 e 22)

Enfim, grandes bancos reduzem juros

Duas semanas depois de o Banco do Brasil e Caixa cumprirem determinação do governo e anunciarem crédito mais barato, Itaú e Bradesco, os dois maiores bancos privados do país, decidiram baixar suas taxas. A medida já tinha sido tomada também por Santander e HSBC.

9%: É a nova Selic, cortada em 0,75 ponto pelo BC (Págs. 1, 12 e 13)

O mais adiantado

Em visita ao Mineirão, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, disse que BH tem o cronograma de obras mais avançado para a Copa. (Págs. 1 e 3)

Cachoeira: PMDB traça estratégia para controlar a CPI

Comissão que investigará relações de bicheiro com políticos será aberta hoje e partido quer Romero Jucá na presidência. Transferido para Brasília, Cachoeira vai depor na semana que vem. (Págs. 1, 8 e 9)

Senado: Mesa aprova fim de 14º e 15º salários

O envio ao plenário de projeto que extingue a regalia para deputados e senadores teve aval unânime da direção da Casa. A votação está prevista para a próxima semana, e se a proposta for aprovada seguirá para a Câmara. Uma vez extinto o benefício no Congresso, deverá haver um efeito cascata acabando com os dois salários extras nas assembleias legislativas. (Págs. 1, 5 e Editorial, 6)

BRT: TCE mantém licitação da estação Pampulha suspensa (Págs. 1 e 2)

Mobilidade: BHTrans promete obras para melhorar trânsito a Confins (Págs. 1 e 23)

————————————————————————————

Jornal do Commercio

Manchete: Juro cai em mais bancos

Estratégia do governo reduzindo taxas dos bancos públicos deu resultado. Itaú, Bradesco e Santander, gigantes do setor privado, anunciaram corte no custo do dinheiro para o consumidor. Copom reduziu ontem a Selic de 9,75% para 9% ao ano. (Págs. 1 e Economia 1 a 3)

Guarda municipal será armada

PCR e PF assinam convênio hoje para treinar 938 guardas da capital, que passarão a portar arma de fogo. (Págs. 1 e Cidades 2)

Será instalada hoje a CPI do Caso Cachoeira

Ato da comissão mista será às 10h30, no Congresso. Acusado de contravenção tem regalias em cadeia de Brasília. (Págs. 1, 7 e 8)

Pesqueira é a terra dos índios no Nordeste

Hoje, Dia do Índio, veja que a cidade, com 9.335 descendentes dos primeiros povos do País é a “campeã” da região. (Págs. 1 e Cidades 1)
————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Pior do que o esperado – Produção de soja deve cair pela metade no RS

Além de perdas provocadas pela seca, a safra deste ano deve ser ainda menor em relação à passada, com a desistência de parte dos produtores em colher o grão. (Págs. 1 e 20)

Piratini: O primeiro passo para controlar os pedágios

Projeto que cria empresa pública será encaminhado à Assembleia Legislativa na próxima semana. (Págs. 1 e Rosane de Oliveira, 10)

Serviço: ZH testa acesso a juro baixo

Como é o atendimento para quem busca melhores condições na Caixa, no Banco do Brasil e no Banrisul.

Bancos privados aderem a cortes.

BC reduz taxa a 9% ao ano. (Págs. 1, 4 e 5)

Tarso em Brasília: Proposta reduz gasto com a União

Plano prevê economia anual de R$ 500 milhões. (Págs. 1 e 14)

Foto-legenda: Vandalismo em 15 horas

Após desocupação de área invadida pelo MST em Sarandi, técnicos avaliam estragos em pesquisas sobre febre aftosa. (Págs. 1 e 34)

CPI do Cachoeira: Oposição escala tropa de elite (Págs. 1 e 8)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete: Bradesco e Itaú cedem à estratégia do governo e baixam taxas de juros

A cruzada da equipe econômica pela diminuição dos spreads funcionou. Os dois maiores bancos privados do país acompanharam Banco do Brasil e Caixa e reduziram o custo do crédito. No mesmo dia, o Banco Central derrubou a taxa Selic para 9%. (Págs. 1 e 4)

Brasil monitora empresas na Argentina, diz Patriota

Depois que o governo de Cristina Kirchner estatizou a espanhola Repsol, o chanceler Antônio Patriota admitiu que o Brasil está preocupado: “ Estamos monitorando a situação”. (Págs. 1 e 32)

Empresa do Chile traz R$ 3 bi para SC

Mater LNG negocia construção de refinaria de biocombustível com governo do estado. (Págs. 1 e 17)

AngloGold quer dobrar produção

Com planos ousados para o Brasil, a companhia sul-africana quer comprar minas de ouro. (Págs. 1 e 22)

Setor de autopeças terá incentivos para evitar apagão

A falta de competitividade acendeu a luz amarela. Para dar um choque de gestão na indústria, o governo prepara um pacote de ações. (Págs. 1 e 8)

União vai “vigiar” investimentos de companhias privadas

Governo usará base de dados da Receita para acompanhar gastos das empresas com infraestrutura e acelerar o ritmo das obras. (Págs. 1 e 10)

Mais uma do Nizan

A África, agência do publicitário, e a P&G fecham acordo no Rio para atuar na área de cinema e teatro. (Págs. 1 e 24)

Clipping Radiobrás

Edição: Equipe Fenatracoop

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.